Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
MINHA QUERIDA DAMA DA NOITE
Gladyston costa


Comum em cidades barroquistas por ai a fora, ladeiras com piso de pedra são uma marca. Lá em cima sempre uma igreja, aqui mais para baixo sempre algum pecado. A marcar cada pedra, os pés na procissão seguem ladeira acima em busca de salvar as almas de seus donos com seus cânticos e orações, pois por serem de carne e osso são atormentados por pecados capitais, a luxuria, ah essa luxuria! Meus pés de criança em certo momento no passado, movidos por curiosa atenção ia logo atrás do cortejo em marcha muito lenta e olhos atentos, houvesse um caixão logo à frente seria como um típico enterro desses de interior. As casas antigas perfiladas nos dois lados da rua, com suas portas e janelas compridas, tinham paredes que de tão antigas remetiam o pensamento aos mortos de longa data; onde estariam suas almas? Procissões ao fim da tarde como as que aconteciam na semana santa eram sempre muito comuns, nestas as pessoas caminhavam ladeira acima e o sino da igreja lá no alto anunciava a hora da “ave Maria”, sempre às seis, sempre à luz quase de vela, de um sol escondido atrás dos montes. Sim, a luxúria! Aquele pecado cujos pés carregavam corpos ladeira acima em busca do perdão, corpos possuídos por libido a entorpecer almas e cegar os olhos. Desejos ocultos que ardem no corpo. A Ave Maria anunciada no badalar dos sinos também anunciava a hora da dama da noite, aquela cujos pecados haveria de um dia ser confessado junto ao espírito santo. O perfume dessa dama era doce e profundo e sempre se expunha ao anoitecer quando se despia de seu delicado vestido branco, a noite todos os demônios saem de suas tocas. E das fissuras das paredes das casas perfiladas, tais demônios se materializavam em pequenos répteis a percorrerem verticalmente essas taipas. Mente e olhos de criança em uma inocência de anjo, dizem que crianças são anjos na terra! Lagartixas, bichos de hábitos noturnos que atendendo ao chamado dos sinos brotavam das fissuras e se confundiam com o perfume doce e profundo dessa dama tão cobiçada. Crianças como anjos, cabeça de moleque pequeno cujos pés curiosos sempre subiam a ladeira ao entardecer. “Por muito tempo achei que o doce perfume provinha desses repteis”. O tempo passou como sempre passa, e a confusão foi desfeita, nossa dama da noite tem nome, minha linda Cestrum nocturnum... O seu perfume é só seu. Quanto aos pecados, os joelhos dos ascéticos postos aos pés do confessionário sempre darão ao corpo o direito de pecar e ser perdoado e à alma o acesso ao paraíso eterno. Pois, como disse Gregório de Mattos, braços abertos, cravados na cruz e olhos eclipsados que vertem sangue estão despertos para perdoar e se fecham por não condenar.
Gladyston Costa
Comum em cidades barroquistas por ai a fora, ladeiras com piso de pedra são uma marca. Lá em cima sempre uma igreja, aqui mais para baixo sempre algum pecado. A marcar cada pedra, os pés na procissão seguem ladeira acima em busca de salvar as almas de seus donos com seus cânticos e orações, pois por serem de carne e osso são atormentados por pecados capitais, a luxuria, ah essa luxuria! Meus pés de criança em certo momento no passado, movidos por curiosa atenção ia logo atrás do cortejo em marcha muito lenta e olhos atentos, houvesse um caixão logo à frente seria como um típico enterro desses de interior. As casas antigas perfiladas nos dois lados da rua, com suas portas e janelas compridas, tinham paredes que de tão antigas remetiam o pensamento aos mortos de longa data; onde estariam suas almas? Procissões ao fim da tarde como as que aconteciam na semana santa eram sempre muito comuns, nestas as pessoas caminhavam ladeira acima e o sino da igreja lá no alto anunciava a hora da “ave Maria”, sempre às seis, sempre à luz quase de vela, de um sol escondido atrás dos montes. Sim, a luxúria! Aquele pecado cujos pés carregavam corpos ladeira acima em busca do perdão, corpos possuídos por libido a entorpecer almas e cegar os olhos. Desejos ocultos que ardem no corpo. A Ave Maria anunciada no badalar dos sinos também anunciava a hora da dama da noite, aquela cujos pecados haveria de um dia ser confessado junto ao espírito santo. O perfume dessa dama era doce e profundo e sempre se expunha ao anoitecer quando se despia de seu delicado vestido branco, a noite todos os demônios saem de suas tocas. E das fissuras das paredes das casas perfiladas, tais demônios se materializavam em pequenos répteis a percorrerem verticalmente essas taipas. Mente e olhos de criança em uma inocência de anjo, dizem que crianças são anjos na terra! Lagartixas, bichos de hábitos noturnos que atendendo ao chamado dos sinos brotavam das fissuras e se confundiam com o perfume doce e profundo dessa dama tão cobiçada. Crianças como anjos, cabeça de moleque pequeno cujos pés curiosos sempre subiam a ladeira ao entardecer. “Por muito tempo achei que o doce perfume provinha desses repteis”. O tempo passou como sempre passa, e a confusão foi desfeita, nossa dama da noite tem nome, minha linda Cestrum nocturnum... O seu perfume é só seu. Quanto aos pecados, os joelhos dos ascéticos postos aos pés do confessionário sempre darão ao corpo o direito de pecar e ser perdoado e à alma o acesso ao paraíso eterno. Pois, como disse Gregório de Mattos, braços abertos, cravados na cruz e olhos eclipsados que vertem sangue estão despertos para perdoar e se fecham por não condenar.
Gladyston Costa


Biografia:
-
Número de vezes que este texto foi lido: 28515


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Quase Lua Gladyston costa
Poesias A curruira e o dente de leão Gladyston costa
Poesias O galo e a cidade Gladyston costa
Romance ''Desejo" Gladyston costa
Poesias Uma vida só Gladyston costa
Poesias Novamente o outono Gladyston costa
Poesias Olhos de Vapor Gladyston costa
Crônicas Nós Gladyston costa
Poesias Solstício Gladyston costa
Poesias Taxonomia do choro Gladyston costa

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 25.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 48611 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 39019 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 33076 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 32036 Visitas
Amores! - 32020 Visitas
Desabafo - 31640 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 31402 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 30774 Visitas
Faça alguém feliz - 30763 Visitas
Vivo com.. - 30414 Visitas

Páginas: Próxima Última