Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
TI-TI-TI NA CASERNA
DIRCEU DETROZ

Se o Brasil vivesse uma democracia sadia por mais extraordinário que fosse, nada do que algum general do exército falasse chegaria aos noticiários da grande mídia. Ele seria tachado de reacionário e rapidamente esquecido. Talvez, causasse burburinhos nas redes sociais. E só.

Como vivemos uma democracia doente e na UTI com a necessidade do uso de aparelhos, o general não foi apenas o personagem dos noticiários. Ele ganhou também a atenção dos editoriais dos formadores de opinião. Rapidamente transformou-se numa perigosa bola de neve.

A fala do general para um grupo de maçons brasileiros citando “interversão militar” estremeceu o mundo político. Com a reação da caserna de não puni-lo, e ainda receber o apoio do alto comando, nas entrelinhas podemos deduzir que o general Mourão foi apresentado claramente como um “garoto de recados”.

É provável que o general Mourão tenha mais aliados leais na caserna, do que o Michel Temer tem no Congresso. Até o ex-presidente Lula deixou o juiz Sérgio Moro de lado, e disse que o Partido dos Trabalhadores precisa acompanhar com atenção os desdobramentos que dizem respeito ao general Mourão. No STF o silêncio assusta.

Com seu modo sempre peculiar, a classe intelectual brasileira tratou de demonizar o general. Não é meu desejo ser novamente governado por uma ditadura militar. Entretanto, quando se trata de demonizar, prefiro olhar para um outro cenário.

O governo de Michel Temer é uma continuação do projeto de poder dos petistas. Onde não há projeto de governo, a democracia nunca será plena. Temer só continua presidindo o Brasil, porque um grupo político se apoderou da nação.

Fazendo uma longa análise da variável “general Mourão”, o bloguista Josias de Souza construiu duas frases geniais. Primeiro converteu o plenário da Câmara em “cemitério de desovas de denúncias”. Terminou dizendo que “o brasileiro gosta tanto de piada que passou a ser presidido por uma”. Com certeza essa nunca foi a vontade dos brasileiros.

Esse grupo político que se apoderou do Brasil, de forma democrática criou uma espécie de “ditadura corrupta”. Querem fazer a sociedade engolir que números ainda inexpressivos da economia podem conviver lado a lado com um governo corrupto e ilegítimo. Um espelho das cidades brasileiras governadas pelo crime organizado.

Nenhum governante com apenas 3% de popularidade se mantém sem que haja um grupo que se apoderou do poder. E lá permanece independente dos clamores da sociedade. Existe outro ti-ti-ti nas ruas se perguntando o que fazer para tirar do poder quem se acorrentou nele? Usando o voto como corrente e cadeado.


Biografia:
Sou catarinense, natural da cidade de Rio Negrinho. Minhas colunas são publicadas as sextas-feiras, no Jornal do Povo. Uma atividade sem remuneração.Meus poemas eu publico em alguns sites. Meu e-mail para contato é: dirzz@uol.com.br.
Número de vezes que este texto foi lido: 33849


Outros títulos do mesmo autor

Poesias LIZZANDRA DIRCEU DETROZ
Artigos UMA GUERRA SILENCIOSA DIRCEU DETROZ
Poesias CIO DIRCEU DETROZ
Poesias JARDIM SECRETO DIRCEU DETROZ

Páginas: Primeira Anterior

Publicações de número 1021 até 1024 de um total de 1024.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
Quer - Anderson C. D. de Oliveira 0 Visitas
frase 317 - Anderson C. D. de Oliveira 0 Visitas
frase 316 - Anderson C. D. de Oliveira 0 Visitas
frase 314 - Anderson C. D. de Oliveira 0 Visitas
frase 313 - Anderson C. D. de Oliveira 0 Visitas
A MÁQUINA PÚBLICA - paulo ricardo a fogaça 0 Visitas
Cair - Anderson C. D. de Oliveira 0 Visitas

Páginas: Primeira Anterior