Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Aspirina joãocabralina V
André Francisco Gil

Aspirina joãocabralina.

Docente o interaja a aliviar-se em obras reunidas e fazendo moradas.Aula de narração cooperativamente mesmo sua.Cordel,assim teve seu primeiro contato com algo literário.Na fachada de seu apartamento reconhece o ser que pode se completar só com informações.Obra,não reportagem e nem apartamento degenerativo.Queria ser útil,criativo.Seu único ordenador apesar da estatura de sua doença.Emociona-se porque literatura lendo-a mais,suportaria.Fluido objetivo a literatura e seu diálogo com o mundo.
-Preferia qual a depressão,uma de sofrer,a outra de fragilizar.
Dia em que largar o monólogo será de suma importância para sua recuperação.Leveza completa o poeta impressionado.Quadro sem os outros conserva apenas o que não ficou morto.
-Passei meses,um semestre,período de isolamento.
Pernambuco,composição.João Cabral de Melo Neto,vazio.
-Quadros tantos,por que?-perguntei.
-Ordenam as coisas desordenadas em minha mente.
Questiona os homens com sua poesia e diz afirmativamente que escrever engrandece,agiganta.A psicologia taí para ser uma corrente a ser seguida.
-Vazio grande,foram anos,últimos...
A partir de seus títulos a missão se torna soberana.Será tão inesquecível se o outro chegar a sua engenharia poética.Grande mestre na literatura brasileira.Oportunidades grandes,proporcionou-lhe a poesia.As plumas menores como o ouro garimpado pela demonstração.
-Atenção a chamada para talvez Severina...
Composição,isso é sucesso chamado obra sem sono nem preguiça.
-Alma sem homem,o ser em si torna-se mito.
Disse coisas de cão para merecer o mesmo planeta.Doado o sufrágio,agenda ele,talvez, o carregamento de sua pedra.Não privava-se então de Severina,severina.Inspirado nessa magistral vida escreveu o auto.Dentro de João e seus poemas,sentimentos.Sua universal prisão seja em Recife.Entre dependente da morte,a morte de alguém é um castigo.
-Armadura bela,armadura,uma casca.
Cego ainda desvalorizava os clássicos.Propositalmente:livro.Pontualmente:teatro.
-Que eu não sou-disse Cabral.
Tendo sido considerava a zona que era,desconsiderava ele e só.
-Mereci e magistralmente sendo livro só.
Importância segundo a vida.Está no segmento visto na expectativa perdida de Joan Miró.
-Livrar-me queria da desordenança desnecessária.


Biografia:
André Francisco Gil poeta ipaussuense radicado na capital paulista com muita coisa escrita mas ainda engavetada.Textos editados em publicações esporádicas do interior e de alguns fanzines da vida.Almejei uma oportunidade e eis que a chance surgiu.Graças a este espaço vou ver meu poema ganhar asas.Lindo voo.
Número de vezes que este texto foi lido: 33783


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Para sentir sua falta André Francisco Gil

Páginas: Primeira Anterior

Publicações de número 81 até 81 de um total de 81.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
frase 264 - Anderson C. D. de Oliveira 0 Visitas
frase 262 - Anderson C. D. de Oliveira 0 Visitas
frase 261 - Anderson C. D. de Oliveira 0 Visitas
frase 260 - Anderson C. D. de Oliveira 0 Visitas
frase 259 - Anderson C. D. de Oliveira 0 Visitas
TRANSPARENTE COMO O ESPELHO D'ÁGUA - Alexsandre Soares de Lima 0 Visitas
frase 258 - Anderson C. D. de Oliveira 0 Visitas
frase 257 - Anderson C. D. de Oliveira 0 Visitas
frase 256 - Anderson C. D. de Oliveira 0 Visitas
Doer - Anderson C. D. de Oliveira 0 Visitas

Páginas: Primeira Anterior