Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Monologo do matuto
Dilcimar Ribeiro Fonsêca

Monólogo do matuto

Cuma vai seu moço?
Eu sou matuto do interior
E vim aki cunversá um pôkim cum ocê
Ôce sabi o ki é eça tar felicidade?
Se ocê num sabe eu vou dizé pro ôce
Tudo ki é bão fazi ôce felizi!
Se ôce acha bão se arranxá na cidade
Eu axu bão é morá aki
Ôce mora atrepado, ki nem passarim
Maizi é passarim ingaiolado,
Num sai de caza cum medo de levá bala
Morá ansim num é bão pra mim
Gosto é di sê livri, sê sôrto
Axu bão é morá no xão,
Cumê as coiza ki prantei no xão
Num gosto de cumê coisa de lata não
Num sou robô!
Pur iço, êssi troçu, num é bão par mim
Eu acho bão é prantá no xão
E cumê ranxu novim
Iço sim é bão pra mim
Axu bão trabaiá
Roçá, prantá
Me sinto felizi
Me cinto mió
Aki poçu discansá di noiti
Ôu ir pru arrastapé tombem
Do ladim do meu bem
Gostu de levãtá puera na noiti de fulia
Vortá pra caza e fuliá
Drumi de custela
Só poçu dizer ki a vida aki é boa
É boa por demaizi a vida daki
O dia é bão, maize a noiti é mió
Ja sei ki o dia na cidadi é curtim
Já fui la, pra mi consultá no ospitá
Pru mode tava cum dor nu pe da barriga
Sei ki la num dá tempu pra nada não
Di noiti num dá nem pra drumir
pru cauza da zuada
Di dia e di noiti
O povo tudu andandu de la pra ca,
De ca pra la
Tudo la é longi
Os carru farta pasar pru riba dus outro
Paça um tempão pra xegá num lugar
Aki é tudo pertim
Dá inté pra ir di pé
Lá na cidade é tudo aperiado, aguniado
O povo trabaia um bucado
Pra ter um monte de bregeço
Cuando acaba
Num dá nem pra se disfrutá
Num tem tempu...
Só vevem na curriria
O povo la só pença im ganhá dinheru
Noizi aki ficamo inté sem salaro
Noizi aki so ker é tá de buxu xeim
E ter uma rôpinha pra vistir
Um xâuzim pra prantar, Aii prontu !
Sobra inté tempu pra noizi viver
Aki é bão, ki noizi ver as prantas crescer
Prantar pra cumer é bão por demaize
Criá umas galinha, uns bixim,
Uns poquim no xiquero
Tombem é bão, pescá uns pexim no ri
Bãiá no ri, xupá manga na beira do ri é bão
Maizi o mió mermu é balançar na rede cum meu Bem
Aki só num é mió
Pru modi ki num tem dõutor
Ainda bem ki noizi num veve aduecendo
Noizi é miutu sadí
Cuma essi povo eu nunca vi
Sãu tudo forti,
Graça meu bão Deus,
Ele ouvi nossa reza
Maizi tombem noizi num comi cumida de lata e Iskentada
Axu ki akilo é ki mata,
akilo num é cumida de genti
Noizi num somo rôbô nem makina
Maizi vortandu a falar de coiza boa
O maizi bão de tudo aki
É di noiti ver o ceu xeim de istrela
Briando, briando juntim da luazona
Nu dia ki a lua ta xeia é maizi bunitu
Noizi ainda num tem luze eletrica
Aí noizi vai la pru kintau
Famia toda reunida, todo mundo juntim
Noizi açandu rolinha na fugueira
Ki o meninu matou de baladera
Aki só farta minha muié,
ki tá la dentru passandu o cafe
Noizi sintindo o xeru do cafe
Aí a muié grita de lá :
-Ô mininu eu num dissi pra tu num matar o bixim
E o minino respodi cum vergonha:
- Maizi mãi, num tinha carni pra noize açar
A muié ki é sabida fala logo :
- Mininu tua açava umas batata,
Ou uns gongus que tirei do cocô babaçu.
O mininu querendo cumer carni diz:
- mãe tombem pudia matar uma galinha.
Minha muié ki sabe cuidá de tudo, dizi:
-A galinha mininu é só pru dia de finau de semana, ôxe!
Vixi moço da ciadade agora lembrei dum negoço.
Num quero ofender moço da cidade não,
Num sei se ôce da cidade é felizi,
Maizi noizi é
Pru modi ki noizi aki só mata pra cumer
E ja vi dizer ki arguns da cidade mata pur mardade
tem gente la, ki mata inté gente !!!
Parece ki o povo da cidade num si cunheci
e inté de Deus si isqueci
noizi aki reza todu dumingu na ingreja
o povo da cidade pareci ki num se gosta,
cuazi num se fala
Noize aki se gostamu muitu
Todo mundo levanta a mão pra mim
Noizi num paça sem si falá
Aki noizi tem ki si batizá e dá bensão
Dá boa noite, bom dia e boa tardi
E até si xamar de cumadi e cumpadi
E cuandu noizi sai, noizi inté damu inté
Noizi aki tudo sabe da vida do outru
Noizi tudu se ajuda
Cuando us outru si aperreia
Noizi aki num vevi sozim
E damu valor us outru
Cuando arguém da ciadade vem aki damu valor
O povo daki faizi festa, mata galinha,cozinha arroz cum peki
Noizi damo valor por demaizi o povo da cidade
Axamu todo mundo muito sabidu e bunitu
Maizi cuando noizi vai pra cidade,
craro ki num é todo mundo ki trata noizi mau
maizi noizi num somu tão bem recibidu
Tem genti ki inté manga da gente
Elis num axa noize inteligente
Manga du jeitu ki noizi fala
Manga do jeitu ki noizi andamu
Xamam noça roupa de trapu
E a gente fica triste si sintindu um farrapu
No ospitá, um homem bem vistido tumou minha veizi
Oia seu moço, noizi num tem estudo não
Maizi noizi sabi respetá um cadadão.
Na cidade sei ki tem tombem genti di bem
di bão coração, ki mereci trankilidadi
Entonci vortando agora pru começo da cumvesa
Num sei se insprikei dereitu a ocê
O ki axu deça tar felicidade
Num sei se ôce é felizi na cidade
Só sei ki aki na roça
Noizi somu felizi de verdade.











Biografia:
-
Número de vezes que este texto foi lido: 29161


Outros títulos do mesmo autor

Artigos Educação Ambiental: Causa Urgente. Dilcimar Ribeiro Fonsêca
Resenhas Paulinho, o menino que escreveu uma nova história Dilcimar Ribeiro Fonsêca
Frases Mundo amor Dilcimar Ribeiro Fonsêca
Poesias POETA Dilcimar Ribeiro Fonsêca
Poesias Magia da infância Dilcimar Ribeiro Fonsêca
Poesias Sonho de afeto Dilcimar Ribeiro Fonsêca
Poesias Poesia Dilcimar Ribeiro Fonsêca
Contos O infinito amor de John e Maria Dilcimar Ribeiro Fonsêca
Poesias A virgula Dilcimar Ribeiro Fonsêca
Poesias A prostituta virou mulher prendada Dilcimar Ribeiro Fonsêca

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 22.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 58745 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 53283 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 42431 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 39470 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 36098 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 35551 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 34324 Visitas
Amores! - 33806 Visitas
Desabafo - 33423 Visitas
Faça alguém feliz - 32026 Visitas

Páginas: Próxima Última