Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
FLORES DE FERRO 4 IND 12 ANOS
DE PAULO FOG
ricardo fogaça

Resumo:
BOM

Alice pega o papel e ao ler, pede com urgência cavalos e soldados de urgência.
      Yan sai vestido de pijama, porém Alice já esta a vestir uma armadura em prata com detalhes em ouro branco.
      - O que houve mãe?
      - Corra, coloque seu colete e venha comigo.
      - Tá bom.
      Logo ela e o filho cavalgam rumo a beira planice.
      Todo povoado que planta e cria para o castelo fora tomado por fogo, velhos e crianças correm sem saber para onde, enquanto jovens e adultos jogam água no intuito de salvar alguma coisa.
      - Deuses de Luz. Alice desce do cavalo, Yan também, eles olham aquela imensidão de pastagens, criações, plantações de milho, trigo, arroz, pimentas, legumes, verduras, tudo se acabando em fogo.
      - Quem foi o audaz que fez isso?
      Com muito custo, um dos soldados consegue trazer uma jovem que ainda em estado de choque diz a rainha.
      - Foram as bruxas, foi tudo muito rápido, quando vimos o fogo já havia tomado tudo, tudo.
      A jovem escapa do soldado e corre para o meio dos seus na tentativa de salvar alguma coisa.

                                    11042020..........


                      4





            Débora vem com 40 soldados, montados em cavalos pretos eles iniciam a limpeza das cinzas, retirando ainda madeiras e outros objetos que não foram consumados por completo pelo fogo.
     Margarida manda para Alice 3 naves com madeiras e blocos vegetais para a reconstrução das casa, Débora com ajuda de elfos prepara a terra para o plantio.
     Não tão distante, Camille inicia a construção de um grande muro ao redor das minas de Geul.
     Alice arregaça as mangas e com os dias a passar ela também auxilia nos levantes dos povoados.
     Os anões de Grial's entram em cena, com suas carriolas de ferro e baldes de bronze eles fazem o plantio de extensos jardins e hortaliças.
     Com o passar dos dias, o povo dali vai ganhando de volta a razão para existir.
     Camille já esta com seu muro há quase 8 metros de altura numa extensão de quase 5 km.
     As minas estão sendo lavradas e protegidas por bruxas e alguns das terras de Saluz.
     Marisa traz escravos vindos de povos longiquos para trabalhar, Telma prefere por administrar tudo que entra e sai da mina, Camille sendo sempre atenta a tudo e a todos ali.
     Ezador coloca feitiços e deixa runas negras escondidas dentro do muro para proteção contra invasores e qualquer aventureiro.
     O mago Crisfri ordena sob julgo de Alice a construção de um me´dio templo da luz para proteção contra a ação maligna de Ezador oriunda das minas.
     Débora firma contrato com Alice trazendo para o povo criações de cabras, ovelhas, faisão e perús.
     Alex vai melhorando, seguindo regiamente o tratamento deixado pelo mago, Yan sempre vai aos fins de tarde fazer companhia lendo textos antigos e outros um tanto recentes da biblioteca do reino.
     Edimar prepara o infusão para Alex, seguindo a receita de Crisfri, o cavaleiro toma fazendo ar de quem não gostou tanto.
     Finalmente, o povo retorna para as vilas, suas vidas vão aos poucos seguindo ao normal.
     Alice realiza a queima de ervas da boa vinda para a colheita futura.
     Quase 3 meses depois ali, Alice sai do quarto, agora pode respirar melhor, tomar fôlego devido as ultimas perdas ao reino.
     Nem bem entra na sala para o desjejum e vê ali 2 servas a tremer dos pés a cabeça.
     - O que foi?
     - A rainha tem visita.
     - Por que não me avisaram antes?
     Alice segue até o salão do trono, em uma grande mesa com cadeiras para quase 30 pessoas, boa parte dessas com menbros da corte superior.
     - Bom dia, o que fazem aqui no reino, que eu saiba, meus domínios estão sempre em dia com os impostos para vós?
     - Sobre isso, tem toda razão, quanto a seus domínios, isso teremos que discutir.
     - Como assim?
     Alice se espanta com o fiscal superior da corte lhe dizendo em quase enigmas.
     - Fiz algo de ruim?
     - Por ordem superior do magistrado unico e sublime, você esta suspensa de suas atividades como rainha por 3 ciclos.
     - O quê?
     Gerádia surge em vestido longo verde e uma coroa de ouro na cabeça, traz em mãos o baú da sorte e cetro de luz, 8 sacerdotizas entram com ela.
     - Mãe.
     - Se curve, de agora em diante, eu tomarei o reino até que se decida por sua sorte e dos seus.
     - O quê?
     Alice é levada para uma outra sala onde é obrigada a tirar a veste, nua recebe 9 chicotadas e é levada para uma outra sala onde veste a roupa de uma serviçal.
     - Não podem fazer isso. Soldados entram ali e a levam para diante do trono onde seu cabelo é cortado, ficando quase careca.
     - Por que mãe, por que?
     - A partir de hoje, és uma qualquer, não tendo mais quaisquer relação comigo ou com outro parente.
     - Não, mãe, meu filho, não, meu filho, por favor, me deixe ficar com meu filho.
     - Levem-na.
     Sob protestos, gritos e lágrimas, Alice é posta numa carroça e levada para as minas de Geul.
     Yan é mandado para um colégio de guerra, bem distante do castelo, Alex se intera dos acontecimentos.
     - Como tudo chegou a ficar assim?
     - O que posso lhe dizer, tramas obscuras.
     Crisfri deixa a armadura e a espada do cavaleiro á par da cama deste e sai.
     No salão do trono, Gerádia bebe do vinho junto de Camille.
     - Vejo que cumpre o que diz.
     - O que foi, tiveste medo por ser minha filha?
     - Sim, não vou negar.
     - Temos um acordo, faça sua parte e eu faço a minha.
     - Como combinamos.
     - Agora vá.
     Camille sai dali, Gerádia retorna ao trono e pega de uma caixa um medalhão, coloca a pedra deste num espaço acima de sua cabeça no trono, uma passagem é aberta para o subsolo.
     - Vamos ver se ainda tenho o que guardei.
     Ela desce as escadas num túnel escuro, com ajuda de um atiço de fogo até chegar as galerias profundas, ali ela acende algumas tochas e segue ali a porta de ferro que abre com uma chave que tirara do busto.
     - Olá querida, voltei.
     Centenas de estátuas de crianças em ouro, várias pedras de rubi, diamante e tijolos em ouro.
     Gerádia senta numa banqueta de prata e fica a admirar sua riqueza particular escondida há anos.


                                       13042020........


Biografia:
amo ler e muito mais escrever, sou assim
Número de vezes que este texto foi lido: 266


Outros títulos do mesmo autor

Crônicas O NEGRO, SERÁ NOSSA VEZ? ricardo fogaça
Crônicas O SURTO, O SUSTO A VIDA ricardo fogaça
Poesias NOSSOS SONHOS 9 IND 18 ANOS ricardo fogaça
Contos NOSSOS SONHOS 8 IND 17 ANOS ricardo fogaça
Contos NOSSOS SONHOS 7 IND 18 ANOS ricardo fogaça
Crônicas O VÍDEO DO PRESIDENTE ricardo fogaça
Contos NOSSOS SONHOS 6 IND 17 ANOS ricardo fogaça
Crônicas A PANDEMIA SOLTA ricardo fogaça
Crônicas PANDEMIA ENLOUQUECIDA ricardo fogaça
Contos NOSSOS SONHOS 5 IND 18 ANOS ricardo fogaça

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 56.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 65741 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 54853 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 43513 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 43151 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 42287 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 40618 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 39090 Visitas
Amores! - 37425 Visitas
Desabafo - 36793 Visitas
Faça alguém feliz - 35054 Visitas

Páginas: Próxima Última