Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
O TRABALHO PEDAGÓGICO
ANA INÊS BALLARDIN DRAGO.

Resumo:
Este artigo, de caráter bibliográfico, tem como objetivo discutir e analisar o trabalho do coordenador pedagógico no cotidiano escolar, principalmente na Educação Infantil, bem como suas contribuições para com todos os envolvidos no processo de ensino-aprendizagem através de uma prática integradora voltada para o coletivo, no qual exerce funções de articulação, formação e transformação. Discutir-se-á, sobre a necessidade da constante formação do profissional atuante nesta área, pois, o trabalho do coordenador pedagógico pode ser entendido como um elo entre estudantes, professores, familiares, direção e comunidade escolar em geral. Dentre as pesquisas bibliográficas de diversos autores entre eles: Freire & Nogueira (1991), Placco (2003), Vasconcellos (2002), Belli (2001). Destacaremos, também, a importância da valorização do profissional desta área e de suas funções e, também, resgatar sua relevância para com o seu trabalho e suas reais atribuições, pois, só assim, esse conseguirá realizar um trabalho de qualidade nas instituições escolares.

ANA INÊS BALLARDIN DRAGO
ELIANE SIMONE FONGARO PEZZI
JANA SARA BOFF RIZZON
GEOVANA SOLDATELLI

A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
       
O TRABALHO PEDAGÓGICO

       RESUMO- Este artigo, de caráter bibliográfico, tem como objetivo discutir e analisar o trabalho do coordenador pedagógico no cotidiano escolar, principalmente na Educação Infantil, bem como suas contribuições para com todos os envolvidos no processo de ensino-aprendizagem através de uma prática integradora voltada para o coletivo, no qual exerce funções de articulação, formação e transformação. Discutir-se-á, sobre a necessidade da constante formação do profissional atuante nesta área, pois, o trabalho do coordenador pedagógico pode ser entendido como um elo entre estudantes, professores, familiares, direção e comunidade escolar em geral. Dentre as pesquisas bibliográficas de diversos autores entre eles: Freire & Nogueira (1991), Placco (2003), Vasconcellos (2002), Belli (2001). Destacaremos, também, a importância da valorização do profissional desta área e de suas funções e, também, resgatar sua relevância para com o seu trabalho e suas reais atribuições, pois, só assim, esse conseguirá realizar um trabalho de qualidade nas instituições escolares.
       
       
       PALAVRAS-CHAVE: Educação infantil. Importância trabalho pedagógico. Educação Infantil, Coordenador Pedagógico.


       1- INTRODUÇÃO
          
     Consta na LDB (LEI DE DIRETRIZES E BASES) 9394/96, a etapa da Educação Infantil faz parte da primeira etapa da Educação Básica, que visa atender a criança de até os seis anos, e tem como pressuposto “educar propiciando situações lúdicas, de cuidado e aprendizagens orientadas de maneira integrada e que contribuam para o desenvolvimento das habilidades interpessoais e o acesso ao conhecimento da realidade social e cultural” (BRASIL, 2001). Sendo, a primeira infância, de 0 a 6 anos de idade, a fase onde as crianças desenvolvem suas capacidades tanto físicas quanto cognitivas de aprendizado, sociabilidade e afetividade, cada vez mais, há estudos em diferentes áreas, feitas por diferentes especialistas que abordam o papel de importância da Educação Infantil no processo de aprendizagem. O cérebro da criança tem altíssima capacidade de absorção, de input (absorção) e output (produção, rendimento), sendo nesta fase, a mais significativa para a aprendizagem.
     Para Corsino (2008) há inúmeros benefícios para as crianças que participam ou fazem parte de algum programa ligado à educação infantil, tais como:
“1. benefícios pessoais, pela garantia dos direitos da criança, possibilidade de ampliação das suas relações com os mundos natural e social, troca de conhecimentos, socialização e pelo atendimento às suas necessidades; 2. benefícios educacionais, pelo impacto positivo na escolaridade, na transição para os outros níveis, quanto no desempenho (diminuição de repetência escolar) e na continuidade; 3. benefícios econômicos, pela inserção das mães no mercado de trabalho e aumento da renda familiar no presente e, na perspectiva de futuro, um maior tempo de permanência na escola, que traz uma melhor qualificação e possibilidade de emprego e renda; 4. benefícios sociais, pela redução da probabilidade de crime e delinqüência e pela equidade entre os gêneros, tirando a menina dos afazeres domésticos”. (CORSINO, 2008, p.211)

     Assim, podemos afirmar que são muitos e variados os ganhos obtidos a partir da participação da criança nas aulas da Educação Infantil, dentre eles há que se destacar dois benefícios citados por Corsino, a socialização e a ampliação com o mundo natural e social. Pois é a partir deles que a criança aumenta seu repertório de conhecimento do mundo, conhece costumes e tradições diferentes, aumenta sua gama de informações acerca da vida e aumenta experiência através das suas vivências e dos colegas.
     Uma vez observada a importância da Educação Infantil no desenvolvimento da criança, discutiremos acerca dos profissionais e do trabalho pedagógico acerca do processo de ensino-aprendizagem, destacando o papel do coordenador pedagógico, suas funções e atribuições, bem como o seu papel de agente articulador, formador e transformador das instituições escolares. Papel esse, que se reforça de importância neste período de pós pandemia em que vivemos.
     São muitos os desafios pelos quais o coordenador pedagógico se depara ao longo de sua jornada como coordenador, dentre elas, destacamos: integração teórico-prática, incentivar e promover a formação continuada aos demais professores, articular atividades a serem desenvolvidas com a vivência escolar da comunidade em que atua, fortalecer o trabalho pedagógico da escola, dentre outros, mas, cabe ainda ressaltar que, um dos maiores desafios do coordenador pedagógico no cenário educacional atual, é o de lidar com os desvios de funções nos quais os mesmos realizam tarefas que não competem às suas responsabilidades. Sabemos, entretanto, que este último desafio citado, já foi maior em outras épocas, mas ainda faz-se uma discussão necessária em torno dessa.
     Para Franco (2008, p. 128 ) no que diz respeito à tarefa de coordenador

Essa tarefa de coordenar o pedagógico não é uma tarefa fácil. É muito complexa porque envolve clareza de posicionamentos políticos, pedagógicos, pessoais e administrativos. Como toda ação pedagógica, esta é uma ação política, ética e comprometida, que somente pode frutificar em um ambiente coletivamente engajado com os pressupostos pedagógicos assumidos.

     
     Por isto, destacaremos neste artigo o trabalho do coordenador pedagógico desenvolvido pelo professor e entidade escolar como fator importante de desenvolvimento na aprendizagem nesta fase escolar, educação infantil, pois quanto maior e melhor for a disponibilidade de atividades que possam fazer com que o aluno seja agente do processo, mais satisfatória será sua resposta ao estímulo.
     Para este artigo, utilizaremos como norte, diferentes pontos de vistas analisados através de pesquisa bibliográfica. Serão considerados para tal: livros sobre o tema pesquisado, sites de educação, periódicos e demais trabalhos acadêmicos que venha a contribuir significativamente para o desenrolar do tema principal e seus objetivos.

       2- DESENVOLVIMENTO
     A presente pesquisa é de natureza qualitativa, a qual faremos uso de observações realizadas nas escolas as quais fazemos parte do corpo docente e, também, as de cunho teórico, realizadas por meio de leituras e pesquisas acerca dos objetivos propostos para tal. Desta forma, para dar início ao nosso estudo, far-se-á uso das concepções norteadoras do trabalho pedagógico na Educação Infantil contidas na BNCC (Base Nacional Comum Curricular) uma vez que nosso enfoque é a importância do trabalho pedagógico na educação infantil a partir do trabalho do professor juntamente com o coordenador pedagógico. A BNCC reafirma a intenção educativa de nortear o trabalho docente da educação infantil, ou seja, partindo da intenção até sua concretização, com o intuito de apoiar a intenção do professor e a reflexão de sua implementação na prática do planejamento. Essa intenção parte do pressuposto, nesta fase, principalmente do conhecimento de que a criança é participante ativo de sua educação. Como cita a BNCC:

       Essa intencionalidade consiste na organização e proposição, pelo educador, de experiências que permitam às crianças conhecer a si e ao outro e de conhecer e compreender as relações com a natureza, com a cultura e com a produção científica, que se traduzem nas práticas de cuidados pessoais (alimentar-se, vestir-se, higienizar-se), nas brincadeiras, nas experimentações com materiais variados, na aproximação com a literatura e no encontro com as pessoas (BRASIL, 2017, p. 36).


     Dentre os princípios estipulados e propostos dentro da BNCC acerca do tema, estão os que contribuem significativamente para a construção de novos conhecimentos e, também, do desenvolvimento das potencialidades e capacidades da criança, pois a criança é um ser que está em constante desenvolvimento, mas que deve ser estimulada a fim de adquirir seu pleno desenvolvimento. O professor precisa, nesse contexto, “refletir, selecionar, organizar, planejar, mediar e monitorar o conjunto das práticas e interações, garantindo a pluralidade de situações que promovam o desenvolvimento pleno das crianças” (BRASIL, 2017, p. 36). Ou seja, criar condições e estimular o máximo possível os momentos potencializadores destas interações entre as diferentes e diversas vivências trazidas pelas crianças farão toda a diferença para a qualidade do momento vivenciado.
     Destacaremos, neste momento, um dos princípios contidos na BNCC o qual acreditamos ser de suma importância para esta faixa etária no contexto escolar: o cuidar e o educar, e o brincar em um processo de interação. Assim, para a BNCC: “A criança conhece e expressa seu “mundo” por meio das interações e brincadeiras. Ela organiza seu pensamento e se comunica, o que aponta a importância da atenção a essa expressão própria da infância, pois, ao mesmo tempo em que o professor é um observador atento e conhece sua criança acompanhando e analisando o processo de desenvolvimento, também pode direcionar sua ação por meio de novas brincadeiras, que oportunizem situações de desenvolvimento e aprendizagem (OLIVEIRA, 2010)”. Por isto a necessidade do trabalho pedagógico ser de qualidade e bem fundamentada, pois é através destas trocas de vivências e experiências que a criança “abre janelas” para a expansão do “seu mundo” e amplia seu desenvolvimento em diferentes aspectos.
     A partir disso, faz-se necessário discutir e analisar a importância do papel do coordenador pedagógico no sentido de nortear e garantir que esses princípios contidos na BNCC sejam contemplados de maneira satisfatória. De acordo com Zen (2012) ao tratar sobre o trabalho do coordenador pedagógico

O coordenador pedagógico é corresponsável pela sala de aula, pelo trabalho realizado pelo professor e pelos resultados dos alunos. Ele faz parte do corpo de professores e sua função principal se divide entre a formação de professores e a gestão do Projeto Político Pedagógico da escola. P.8

     Ou seja, a ele corresponde o papel de elo entre os diversos indivíduos que fazem parte do processo ensino-aprendizagem e desenvolvimento infantil. Na situação atual a qual a educação brasileira se encontra, a importância do coordenador pedagógico torna-se cada vez mais visível, pois ele representa o indivíduo que direciona o trabalho pedagógico na comunidade escolar em que atua, a fim de que, esse se concretize de forma satisfatória em todo o processo educacional. Podemos dizer que o coordenador pedagógico é um educador especializado em manter a motivação do corpo docente e articular o compromisso coletivo em torno dos objetivos e finalidades do trabalho escolar.
     No entanto, ainda sobre o coordenador pedagógico, encontramos algumas distorções quanto ao seu trabalho e suas atribuições. Segundo Lima e Santos (2007, p. 79) muitos são os acontecimentos gerados dentro de uma escola os quais são atribuídos ao coordenador pedagógico a sua solução, criando uma espécie de profissional “faz-tudo”.
[...] “bom-bril” (mil e uma utilidades), a de “bombeiro” (o responsável por apagar o fogo dos conflitos docentes e discentes), a de “salvador da escola” (o profissional que tem de responder pelo desempenho de professores na prática cotidiana e do aproveitamento dos alunos). Além destas metáforas, outras aparecem definindo-o como profissional que assume uma função de gerenciamento na escola, que atende pais, alunos, professores e também se responsabiliza pela maioria das “emergências” que lá ocorrem, isto é, como um personagem “resolve tudo” e que deve responder unidirecionalmente pela vida acadêmica da escola.      

      Para Azevedo, Nogueira e Rodrigues (2012, p. 22) “a função da coordenação pedagógica é gerenciar, coordenar e supervisionar todas as atividades relacionadas com o processo de ensino e aprendizagem, visando sempre à permanência do aluno com sucesso”. Assim, o coordenador é o profissional que deve estar à frente de das situações que envolvem ensino/aprendizagem tanto com relação aos alunos quanto com os professores, auxiliando este último nas atividades relacionadas às atividades em sala de aula e suas carreiras, incentivando-os através das formações continuadas.

     
     Com relação à qualidade do trabalho pedagógico, é necessário estabelecer metas e prazos, criar objetivos pedagógicos claros, organizar recursos e, acima de tudo, (re)avaliar todo o método desenvolvido quantos vezes forem necessários, tornando o trabalho pedagógico flexível e eficiente. O mesmo não pode ser engessado ou fixo e, nem mesmo, restrito à prática pedagógico desenvolvida unicamente em sala de aula pelo professor.
Por trabalho pedagógico entende-se todo o trabalho cujas bases estejam, de alguma forma, relacionadas à Pedagogia, evidenciando, portanto, métodos, técnicas, avaliação intencionalmente planejadas e tendo em vista o alcance de objetivos relativos à produção de conhecimentos. (FERREIRA, 2010, online).


Assim, principalmente, um trabalho pedagógico eficaz na Educação Infantil, deve ser capaz de proporcionar ao indivíduo a valorização de cada estímulo que é ofertado, recebido e/ou absorvido por esse.
Um dos objetivos de qualquer bom profissional consiste em ser cada vez mais competente em seu ofício. Geralmente se consegue esta melhoria profissional mediante o conhecimento e a experiência: o conhecimento das variáveis que intervêm na prática e a experiência para dominá-las. (ZABALA,1998, p.13).
       
     Sobre a prática a ser desenvolvida dentro de um trabalho pedagógico de qualidade pelos profissionais da área da Educação Infantil, os mesmos devem buscar o desenvolvimento de práticas que estejam voltadas para a educação que considera todas as extensões e competências do ser humano, para assim, formarem as crianças, dentro do contexto social, cultural e familiar que estão inseridas. Podemos citar Negrine (2002, p. 23):
“Na Educação Infantil, os professores que são preparados para atuar neste âmbito precisam realizar tarefas e funções múltiplas. Em outras palavras, cabe a eles proporcionar experiências variadas às crianças: informativas, recreativas, motoras, musicais, plásticas, etc. A lógica é formar um professor uni docente que dê conta de tudo e de todos.
     

     As crianças fazem parte de um contexto social, estabelecem diferentes relações de acordo com o seu contexto de vida, meio em que vivem, e desta forma, devem ser valorizadas e respeitadas dentro deste, não importando idade, credo, gênero, raça ou etnia, já que, vivemos em uma sociedade multicultural. E (re)conhecer a realidade da criança implica em simbolizar a infância. Daí a importância de aliarmos um bom profissional na área da coordenação escolar, pois uma vez vista a amplitude, em específico deste momento de aprendizagem, esse poderá auxiliar o professor a ampliar e apoiar toda forma de construção de conhecimento tão extensa e significa para a educação infantil.

CONCLUSÃO

                                                                                  Ao realizar este estudo sobre a importância do trabalho pedagógico na Educação Infantil, buscamos refletir sobre a relevância do profissional de coordenação pedagógica mais especificamente nesta etapa escolar, visto que esta é a mais importante e significativa para um desenrolar saudável e prazeroso da vida escolar de um indivíduo.      Segundo Franco (2008, p. 128), o coordenador pedagógico é peça fundamental no “quebra-cabeça” no desenvolvimento da escola, “mas é preciso que esse quebra-cabeça esteja sempre em processo de constituição. Com peças dispersas por todo canto, peças perdidas e nem lembradas, ninguém organizará o aparente caos”, ou seja, seu trabalho de coordenação dentro de uma escola vai além de um papel burocrático, a ele podemos confiar os principais elementos de uma boa educação, tais como: organizar, articular, incentivar, apoiar, auxiliar nas atividades curriculares, proporcionar a continuidade de estudos, propôr objetivos e metas, estabelecer elo entre os envolvidos no processo de ensino-aprendizagem, mas sobretudo, precisa conseguir agir em benefício dos vínculos afetivos escolares de maneira geral, pois sem esse, os demais estarão fadados ao fracasso.
     Então, para que o trabalho de um coordenador pedagógico, principalmente, na educação infantil aconteça de forma satisfatória, faz-se necessária uma mescla entre afetividade, comprometimento e boa formação, pois é através desta combinação que encontraremos um profissional capaz de desenvolver suas funções da melhor maneira possível, uma vez que carrega consigo amor, desejo e conhecimento. Enfatizamos que o coordenador pedagógico é o elo no trabalho com professores, equipe diretiva e equipe pedagógica da secretaria de educação, trata-se de um profissional que enfrenta desafios diversos, tendo de responder às demandas professores, alunos, famílias e sistema de ensino. Nesse sentido concluímos que o termo “essencial” faz jus ao tratarmos de Educação Infantil e a importância do trabalho do coordenador pedagógico para esta etapa do desenvolvimento humano, pois sendo ela a base da ação educativa, esta estará muito bem fundamentada.






































       REFERÊNCIAS
ALMEIDA, L. R., PLACCO, V. O papel do coordenador pedagógico. Revista Educação. Set. 2011. Em https://portal.estacio.br/media/6082/7-o-papel-do-coordenador-pedag%C3%B3gico-e-seus-desafios-contempor%C3%A2neos.pdf. Acesso em 10/07/2021
AZEVEDO, H. H. O.; SCHNETZLER, R. P. O binômio cuidar-educar na educação infantil e a formação inicial de seus profissionais. In: Reunião anual da ANPED, 28, 2005, Caxambu. (GT 07 – Educação da criança de 0 a 6 anos). Disponível em www.anped.org.br/reunioes/28/textos/gt07/gt071011int.doc; Em: http://editorarealize.com.br/editora/anais/fiped/2014/Modalidade_2datahora_16_06_2014_17_45_40_idinscrito_2081_76c90251390e218773fc80b47a056ebe.pdf acesso em 06/07/2021
BARBOSA, I. G.; ALVES, N. N. L. Planejamento na educação infantil: uma perspectiva sócio-histórico-dialética. Goiânia, 2010. Em: http://www.referencialcurriculardoparana.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=8 acessado me 02/07/2021

BRASIL, BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR. Em http://www.referencialcurriculardoparana.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=8 acessado em 02/07/2021

BRASIL, Lei nº 9394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 23 de dezembro de 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm. Acessado em 17/03/2021.

BRASIL, Constituição Federal. Plano Nacional de Educação. Brasília, 2001. Em https://educere.bruc.com.br/CD2011/pdf/4309_2728.pdf acessado em 17/03/21

CORSINO, P. Educação Infantil: a necessária institucionalização da infância. In KRAMER, S. (org.). Profissionais de educação infantil: gestão e formação. São Paulo: Ática, 2008. Em https://educere.bruc.com.br/CD2011/pdf/4309_2728.pdf acessado em 17/03/21

CUNHA, A. E. Afeto e Aprendizagem, relação de amorosidade e saber na prática pedagógica, Petrópolis. RJ: Vozes, 2008.

FERREIRA, L. S. Trabalho pedagógico. In: OLIVEIRA, Dalila Andrade. et al. Dicionário trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: Faculdade de Educação UFMG, 2010. Em: file:///C:/Users/carol/Downloads/40253-Texto%20do%20Artigo-183847-1-10-20171229.pdf acessado em 04/06/2021

FRANCO, Maria Amélia Santoro. Coordenação pedagógica: uma práxis em busca de sua identidade. Revista Múltiplas Leituras, v. 1, n. 1, p. 117-131, jan./jun. 2008. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/ML/article/viewFile/1176/1187 Acessado em 20/07/2021

FRIZZO, Giovanni Felipe Ernst; RIBAS, João Francisco Magno; FERREIRA, Liliana Soares. A Relação Trabalho-Educação na Organização do Trabalho Pedagógico da Escola Capitalista. Educação, Santa Maria, Universidade Federal de Santa Maria, v. 38, n. 3, set./dez. p. 553-564, 2013. Em: https://www.scielo.br/j/edreal/a/dZCLTB8HzT8BW7CSXrJzF9M/?lang=pt acessado /em:/15/06/2021
LIMA, Paulo Gomes; SANTOS, Sandra Mendes dos. O coordenador pedagógico na educação básica: desafios e perspectivas. Educere et educare: Revista de Educação, v. 2, n. 4, p. 77- 90, jul./dez. 2007. Disponível em: http://coordenacaoescolagestores.mec.gov.br/uft/file.php/1/coord_ped/sala_3/arquivos/o_coord_pedag_na_educ_basica_desafios_e_perspectivas.pdf Acesso em 13/07/2021
NEGRINE, Airton. O corpo na educação infantil. Caxias do Sul: Educs, 2002. Disponível em: http://www.atenas.edu.br/uniatenas/assets/files/magazines/16___ATUACAO_DO_PEDAGOGO_NA_EDUCACAO_INFANTIL.pdf acessado em 06/07/2021
OLIVEIRA, Zilma R. (org.). Educação Infantil: fundamentos e métodos. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2010. Em http://www.referencialcurriculardoparana.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=8 acessado em 02/07/2021
PLACCO, Vera M. N. de S. & ALMEIDA, Laurinda R.(org.). O Coordenador Pedagógico e o Cotidiano da Escola. São Paulo: Edições Loyola, 2003.
VASCONCELLOS, Celso S. Planejamento: projeto de ensino aprendizagem e político pedagógico. São Paulo: Libertad, 2002
ZABALA, A. A função social do ensino e a concepção sobre os processos de aprendizagem: instrumentos de análise IN: ____________________. A Prática Educativa - como ensinar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998. Disponível em: http://www.atenas.edu.br/uniatenas/assets/files/magazines/16___ATUACAO_DO_PEDAGOGO_NA_EDUCACAO_INFANTIL.pdf acessado em 06/07/2021
ZEN, Giovana Cristina. O papel da Coordenação Pedagógica na escola. In: Coordenação pedagógica em foco. Salto para o Futuro. Ano XXII - Boletim 1 - Abril 2012, p. 8-12. Disponível em: https://repositorio.ufpb.br/jspui/bitstream/123456789/4205/1/EGBE2014.pdf Acesso em 21/07/021


Biografia:
     
ALMEIDA, L. R., PLACCO, V. O papel do coordenador pedagógico. Revista Educação. Set. 2011. Em https://portal.estacio.br/media/6082/7-o-papel-do-coordenador-pedag%C3%B3gico-e-seus-desafios-contempor%C3%A2neos.pdf. Acesso em 10/07/2021
AZEVEDO, H. H. O.; SCHNETZLER, R. P. O binômio cuidar-educar na educação infantil e a formação inicial de seus profissionais. In: Reunião anual da ANPED, 28, 2005, Caxambu. (GT 07 – Educação da criança de 0 a 6 anos). Disponível em www.anped.org.br/reunioes/28/textos/gt07/gt071011int.doc; Em: http://editorarealize.com.br/editora/anais/fiped/2014/Modalidade_2datahora_16_06_2014_17_45_40_idinscrito_2081_76c90251390e218773fc80b47a056ebe.pdf acesso em 06/07/2021
BARBOSA, I. G.; ALVES, N. N. L. Planejamento na educação infantil: uma perspectiva sócio-histórico-dialética. Goiânia, 2010. Em: http://www.referencialcurriculardoparana.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=8 acessado me 02/07/2021

BRASIL, BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR. Em http://www.referencialcurriculardoparana.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=8 acessado em 02/07/2021

BRASIL, Lei nº 9394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 23 de dezembro de 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm. Acessado em 17/03/2021.

BRASIL, Constituição Federal. Plano Nacional de Educação. Brasília, 2001. Em https://educere.bruc.com.br/CD2011/pdf/4309_2728.pdf acessado em 17/03/21

CORSINO, P. Educação Infantil: a necessária institucionalização da infância. In KRAMER, S. (org.). Profissionais de educação infantil: gestão e formação. São Paulo: Ática, 2008. Em https://educere.bruc.com.br/CD2011/pdf/4309_2728.pdf acessado em 17/03/21

CUNHA, A. E. Afeto e Aprendizagem, relação de amorosidade e saber na prática pedagógica, Petrópolis. RJ: Vozes, 2008.

FERREIRA, L. S. Trabalho pedagógico. In: OLIVEIRA, Dalila Andrade. et al. Dicionário trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: Faculdade de Educação UFMG, 2010. Em: file:///C:/Users/carol/Downloads/40253-Texto%20do%20Artigo-183847-1-10-20171229.pdf acessado em 04/06/2021

FRANCO, Maria Amélia Santoro. Coordenação pedagógica: uma práxis em busca de sua identidade. Revista Múltiplas Leituras, v. 1, n. 1, p. 117-131, jan./jun. 2008. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/ML/article/viewFile/1176/1187 Acessado em 20/07/2021

FRIZZO, Giovanni Felipe Ernst; RIBAS, João Francisco Magno; FERREIRA, Liliana Soares. A Relação Trabalho-Educação na Organização do Trabalho Pedagógico da Escola Capitalista. Educação, Santa Maria, Universidade Federal de Santa Maria, v. 38, n. 3, set./dez. p. 553-564, 2013. Em: https://www.scielo.br/j/edreal/a/dZCLTB8HzT8BW7CSXrJzF9M/?lang=pt acessado /em:/15/06/2021      

Este texto é administrado por: Ana Inês Ballardin Drago
Número de vezes que este texto foi lido: 662


Outros títulos do mesmo autor

Artigos A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ANA INÊS BALLARDIN DRAGO.


Publicações de número 1 até 1 de um total de 1.


escrita@komedi.com.br © 2022
 
  Textos mais lidos
ENCONTRO DE ALMAS GENTIS - Eliana da Silva 56557 Visitas
Ano Novo com energias renovadas - Isnar Amaral 56183 Visitas
Na caminhada do amor e da caridade - Rosângela Barbosa de Souza 56000 Visitas
NÃO FIQUE - Gabriel Groke 54913 Visitas
Caçando demónios por aí - Caliel Alves dos Santos 54847 Visitas
saudades de chorar - Rônaldy Lemos 54795 Visitas
Entrevista com Larissa Gomes – autora de Cidadolls - Caliel Alves dos Santos 54447 Visitas
Coisas - Rogério Freitas 54241 Visitas
1 centavo - Roni Fernandes 53974 Visitas
Amores! - 53260 Visitas

Páginas: Próxima Última