Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Se Contar, Ninguém Acredita No Que Aconteceu Nesse Natal 2
Parte 2: Lei de Murphy N°890 – Nunca Subestime a Capacidade do Azar
Talita Vasconcelos

Resumo:
Véspera de Natal. Um dia em que você espera reunir a família, encher a pança de panetone, brindar com aquele vinho comprado para ocasiões especiais... Você deixa tudo planejadinho desde o meio de novembro. Mas véspera de natal também é aquele dia em que pode acontecer de um tudo! Na melhor das hipóteses, acaba rolando uma substituição de última hora no amigo secreto, sua vaga na garagem acaba sendo interditada por uma árvore de natal, e o peru da ceia de repente decide dar uma voltinha e sai voando pela janela. Normal, acontece... Mas aí você acaba ficando com os preparativos do dia ainda mais congestionados porque a sua amiga queimou a rosca no seu apartamento, o carro do seu pai pode ser roubado pela quadrilha do Papai Noel, e você ainda pode terminar a noite com um bando de malucos viciados em banana fazendo bagunça na sua casa... Enfim, tudo pode acontecer na véspera de natal, especialmente com os amigos da Antonella... digo, da Emanuelly. Porque com essa galera, acontece cada coisa que, se contar, ninguém acredita!

A partir daí, nosso dia passou a ser governado pela lei de Murphy que diz que se alguma coisa puder dar errado, dará; e dará na pior hora, e da forma que cause o maior dano possível. A decoração do apartamento estava ok – aliás, estava pronta desde o início de dezembro. Todo o resto, no entanto...

Ficou combinado que cada um dos convidados traria um prato para a ceia, então, basicamente, só tínhamos que nos preocupar com a nossa parte, que consistia do purê de batatas e das batatas que eu pretendia assar para acompanhar o peru – este, comprado pelo Casanova; mas como ele não fazia ideia do que fazer para deixá-lo dourado e suculento, acabamos nos oferecendo para assá-lo, assim, pelo menos, era certeza de que não comeríamos o bicho cru. E também resolvia o problema de ter que atravessar um pedaço de São Paulo com um peru assado no banco de trás do carro em plena véspera de natal. Assim não se corre o risco de ter o carro depredado no sinal e acabar chegando aqui só com o rabicó do bicho. Não que isso já tenha acontecido com alguém que eu conheça, mas nunca se sabe...

E Cristiana ainda iria fazer a sopa especial de vegetais, receita da avó dela, que, por tradição de família, garantia a quem comesse um feliz natal. Diz a lenda que havia um ingrediente secreto na sopa que garantia essa tal felicidade, mas, seja lá o que for, não parece ter tido qualquer efeito em mim nos anos anteriores. A menos que tenha sido camuflado pelo vinho tinto, né... Vai saber.

Nós já tínhamos temperado o peru na noite anterior, e eu usara o mesmo tempero nas batatas, que teria que assar separado, porque não caberia tudo de uma vez no nosso forno. Mas antes que pudéssemos ter a chance de colocar qualquer coisa para assar, Valentina, uma das convidadas da noite, que mora no andar de cima, apareceu com o primeiro contratempo: ela tinha prometido trazer uma rosca de nozes – que deixou todo mundo com água na boca no natal do ano passado, salivando por mais um pedaço –, porém o forno dela escolheu justamente a véspera de natal para dar o último suspiro. Então ela trouxe os ingredientes, e pediu para assar a rosca no nosso apartamento.

Até aí, tudo bem; era só uma questão de organizarmos os horários, e tínhamos tempo de sobra para preparar tudo. Mas aí, enquanto eu colocava as batatas para assar – decidi assar primeiro as batatas, pois a forma era menor, e caberia a assadeira da Valentina ao mesmo tempo, o que nos deixaria com tempo de sobra para dar um bronze no peru até às oito da noite – o segundo infortúnio apareceu.

Era por volta das duas e meia da tarde, quando o Seu Ezequiel, porteiro do prédio interfonou para o nosso apartamento, e pediu para falar comigo. Tive a impressão de que ele tinha interfonado para o apartamento errado, porque, aparentemente, ele só queria me contar, com todos os detalhes, o desfecho da novela da árvore de natal do Seu Nonato, meu vizinho de frente, que finalmente foi entregue agora a pouco, depois de quase trinta dias de espera e muitas brigas com a loja – um drama que o prédio inteiro, ou pelo menos, a maior parte dos vizinhos, acompanhou. Mas a empresa que fez a entrega só levou até a portaria, colocou no elevador, apertou o botão para deixá-la subir sozinha – até porque a árvore era grande demais para que coubesse alguém no elevador junto com ela, fosse um anão, uma criança ou um animal de pequeno porte –, enquanto o Seu Nonato, que descera para assinar a entrega, subia no outro elevador para pegá-la lá em cima.

_Ah, que bom, Seu Ezequiel. Fico feliz que o Seu Nonato tenha conseguido receber a árvore de natal antes da páscoa – disse, sem muito entusiasmo, louca para me livrar da rádio portaria e voltar aos meus afazeres.

Cristiana começou a gesticular, querendo saber o que estava acontecendo, e eu gesticulei de volta que ele estava falando um monte de bobagens. “Não sei o que ele quer”, acrescentei sem emitir som.

Enquanto isso, Seu Ezequiel prosseguia com a ladainha na minha orelha. Depois de emendar a novela do Manuel Carlos na do Silvio de Abreu, com participação especial da Ivete Sangalo no último capítulo cantando uma música da Cláudia Leitte, o porteiro explicou que enquanto o Seu Nonato subia no outro elevador para pegar a árvore no andar dele, a Dona Zélia, do apartamento 43 chamou o elevador lá na garagem; justamente o elevador que estava com a árvore de natal.

_Sei... – balbuciei, fazendo um ok para a Valentina com o polegar, quando ela me perguntou se podia usar o liquidificador enquanto eu conversava (na verdade, enquanto eu escutava a ladainha do porteiro).

_Daí, quando o Seu Nonato chegou lá em cima, o elevador não estava no andar – prosseguiu ele, sem dar indícios de que iria acelerar a velocidade da fofoca.

_Ah, tá – interrompi. – Olha só, Seu Ezequiel, é uma história fascinante, mas a minha batata tá assando, literalmente, então, se puder me fazer um resumo, comece pelo que eu tenho a ver com isso?

_Bom, acontece que, quando o elevador chegou na garagem, e a porta abriu, a árvore tombou, quase caiu por cima da Dona Zélia, e como a sua vaga é bem de frente com o elevador, eu acho melhor você descer e tirar o seu carro, senão vai acabar arranhando.

_Ora, e por que não me disse isso antes, criatura? Eu já vou descer. Obrigada!

_O que aconteceu? – perguntou Cristiana, assim que larguei o interfone.

_A Dona Zélia e uma árvore de natal caíram em cima do meu carro. Eu vou lá, antes que façam um estrago na minha lataria. Fiquem de olho no forno.

E saí apressada.

_Como é que uma árvore de natal caiu em cima do carro dela? – perguntou Valentina, assim que bati a porta.

_É melhor não tentar entender – disse Cristiana, descartando a pergunta. – Nesse prédio acontece cada coisa que, se contar, ninguém acredita!

E, antes que alguém pergunte, não, não tenho ouvido biônico, mas me contaram essa parte depois, quando me contaram sobre o infortúnio número três, de que vou falar daqui a pouco.

Porque quando desci para tirar o carro da vaga, pelo elevador que não estava interditado pela árvore de natal do Seu Nonato, vi a dita cuja caída, com a ponta sobre o meu capô, e a base ainda dentro do elevador, em tempo de ser cortada pelas portas de aço que abriam e fechavam a intervalos regulares. Dona Zélia ainda estava lá em baixo, soltando os cachorros em cima do Seu Nonato, que parecia mais pálido que de costume vendo a árvore de natal pela qual tanto brigou em tempo de ter a base amputada pelas portas do elevador. Pelo que entendi, ele tentava balbuciar para a Dona Zélia que ainda não tinham levantado a árvore, para tentar enfiá-la de novo no elevador e fazê-la concluir o trajeto até o apartamento dele porque ela entalara ali na porta.

_Gente, onde é que você vai enfiar uma árvore desse tamanho? – perguntei, encarando o trambolho amontoado sobre a minha vaga, e sobre o meu carro. – No terraço?

_Que te importa? – respondeu Nonato, aborrecido.

_Importa que o carro que a sua árvore está usando como estrela de natal é meu! E se tiver um arranhãozinho que seja, você vai pagar! Agora, faça o favor de segurá-la levantada para eu tirar meu carro da vaga.

_Como eu vou levantar? – berrou ele. – Não vê que ela está presa?

_Ora, mantenha a ponta levantada até eu tirar o carro para não arranhar!

_Eu ajudo o senhor, Seu Nonato – prontificou-se o porteiro.

Bem, o contratempo número dois foi resolvido sem mortos nem feridos – pelo menos, no tocante ao meu carro: consegui tirá-lo da vaga devagar, enquanto Seu Nonato e Seu Ezequiel mantinham a ponta da árvore de natal levantada, e o coloquei numa das vagas de visitantes. Conferi o estrago: felizmente, a lataria estava intacta. Já imaginava o tamanho da dor de cabeça que seria tentar arrancar uma moeda que fosse do muquirana do Seu Nonato, se tivesse um arranhãozinho que fosse no meu capô.

Enquanto essa confusão se desenrolava na garagem, Cristiana e Valentina encomendavam o contratempo número três. Tem outra lei de Murphy que diz que tudo sempre leva mais tempo do que todo o tempo que você tem disponível. Principalmente se você já estiver com o dia todo congestionado.

Bem, esse terceiro contratempo começou quando a dona Dolores – ou Dona Horrores, como preferimos chamar –, a mulher do Seu Nosferatu... Digo, Seu Nonato – sim, o fulano da árvore de natal tamanho Fat Family –, que mora no apartamento em frente ao nosso – número 71, a propósito, se sua cara de bruxa quer dizer alguma coisa –, bateu no nosso apartamento pedindo ajuda para trocar a cortina da sala. Ao que tudo indica, o casal esperava receber os filhos e os netos naquela noite, e queriam fazer uma decoração de última hora no mafuá atulhado de bibelôs e quinquilharias que era sua sala de estar. O problema é que a Dona Horrores não podia subir na cadeira ou na escada para trocar a cortina, por causa de sua labirintite – que eu suspeito ter qualquer coisa a ver com as dúzias de garrafas de conhaque que eu vejo aquela mulher carregando elevador acima todo mês –, e como o marido estava resolvendo o pepino do pinheirão lá na garagem, ela foi pedir socorro lá em casa.

Bem, não custa nada fazer um favor a uma vizinha idosa. Principalmente à Dona Horrores, que, para dizer a verdade, mais nos diverte do que incomoda. E ainda me dá muito material para escrever minhas comédias, verdade seja dita.

O problema é que a cortina era enorme, e muito pesada, e Cristiana, que foi a primeira a atravessar o corredor para ajudá-la, percebeu que passaria o dia inteiro no apartamento da bruxa se tivesse que pendurar aquilo sozinha. E provavelmente distenderia algum músculo tentando erguê-la até os suportes de parede. Então ela chamou Valentina para ajudar. Resultado: quem foi que ficou vigiando o forno?

Exato! O homem invisível. E como ele é um ser imaterial, não tinha como desligá-lo. Daí, quando as duas finalmente conseguiram se livrar da cortina da Dona Horrores, mais ou menos ao mesmo tempo em que eu retornava ao nosso andar, depois de ter batido boca com o Seu Nonato, com a Dona Zélia, com o entregador da árvore de natal, com a folgada da Karina Periguete, que veio encher o saco porque o meu carro estava numa das vagas de visitantes, justamente a vaga que um dos seus peguetes – pode ser que ela tenha dito o nome do fulano, mas eu não decoro mais os nomes dos peguetes daquela periguete, porque senão vou precisar fazer uma expansão no meu HD cerebral – gosta de usar, e depois acabei me envolvendo em outra discussão com um morador do quinto andar porque dois dias atrás, uma garrafa de cerveja caiu da nossa varanda e se estatelou num vaso de plantas da varanda dele – longa história –, e ele achou que tinha sido de propósito... Enfim, eu fui me enrolando de encrenca em encrenca, até retornar ao nosso andar. Cheguei bem na hora em que a Cristiana e a Valentina saíam da casa da Dona Horrores, rachando de rir de alguma coisa, e nos deparamos com um horrível cheiro de queimado invadindo o corredor.

_Que cheiro é esse? – perguntei, ao sair do elevador.

_Tem alguém pensando na vida – comentou Cristiana ao mesmo tempo.

_Parece mais que alguém queimou a ceia de natal – observei.

_E parece que tá vindo...

_Ai, Jesus! Minha rosca! – gritou Valentina, de repente, correndo para dentro do apartamento.

A rosca ficou completamente esturricada. Mas a boa notícia é que as minhas batatas estavam no ponto perfeito.

_Droga! – murmurou Valentina, sobre a rosca natalina. – Torrou!

_Por que não desligaram o forno antes de sair? – perguntei.

_Por que ainda não estava boa.

_E também, a gente não imaginou que fosse demorar tanto para colocar a cortina da Dona Horrores! – disse Cristiana. – Mas a cortina da bruxa tinha mais camadas que saia de baiana! Quase que a gente não termina nunca de enfiar renda naquele varão.

_O pior é que agora eu vou ter que fazer outra rosca – disse Valentina, jogando a massa queimada no lixo. – Isto é... Se eu encontrar nozes em algum lugar hoje.

_Que cheiro é esse? – perguntou Ivan, nosso vizinho de cima, entrando no apartamento. – Tá pegando fogo em alguma coisa aqui? Eu vi a fumaça subindo pela janela...

_Queimou a rosca da Valentina – disse Cristiana.

_Não fala assim, não, que você acaba com a reputação da menina – riu-se Ivan.

_Tá, eu vou dar uma corrida lá no mercado para comprar mais nozes, senão não vai dar tempo de assar outra – disse Valentina, ignorando as piadinhas.

_A gente vai assar o peru, enquanto isso, e você assa a rosca depois, senão a gente vai acabar comendo o bicho cru – avisei.

_Tá. Eu já volto.

Assim que ela passou pela porta, Ivan disse ao que realmente veio.

_Olha só, eu sei que esse é o maior clichê do mundo, mas, será que vocês poderiam me emprestar uma xícara de açúcar? Não precisa ser numa xícara, é só maneira de falar...

_Claro – respondi, revirando os olhos, depois de colocar o peru no forno e reajustar a temperatura.

E despejei o açúcar numa tigela.

_Desculpa aí o incômodo – disse ele.

_Sem problemas, Ivan.

_Ainda que mal pergunte, qual é a delícia que você está preparando? – perguntou Cristiana. Ou a draga que ela oculta na barriga.

_É surpresa. Daqui a pouco você vai ver. Até mais tarde, lindas!

Como numa sitcom, ele saiu do apartamento e quase trombou com a Dona Lourdes, síndica do prédio, na porta.

_Eu posso saber, dona Emanuelly, o que o seu carro está fazendo na vaga de visitantes? Você está visitando alguém no prédio, por acaso?

_Boa tarde pra senhora também, Dona Lourdes – disse Cristiana, com sarcasmo.

_Acontece, Dona Lourdes, que meu carro quase foi esmagado por uma árvore de natal, que aliás, continua lá ocupando a minha vaga. E se arranhasse? Se amassasse minha lataria? Se quebrasse o para-brisas, um farol, um retrovisor? Como é que eu ia explicar isso pro meu seguro?

_A senhora não soube do rolo com a árvore de natal do Seu Nonato?

_Se não soube, meu bem? – respondeu ela, mal-humorada. – Aquele trambolho está até agora interditando um dos elevadores do nosso bloco. Justamente no dia mais movimentado do ano. A fila para usar o elevador logo, logo vai estar virando a esquina!

_Se a senhora já sabia do ocorrido, porque se deu ao trabalho de vir aqui perguntar?

_Ora, e você acha que eu sei qual é a vaga de cada um dos condôminos de cor? E como estamos recebendo muitas visitas hoje, eu tinha que verificar porque um morador estava ocupando uma das vagas de visitantes.

_Bem, acho que já esclarecemos, então...

_Certo... Mas assim que desobstruírem a sua vaga, faça o favor de colocar seu carro de volta lá.

_Tá certo, Dona Lourdes. Feliz natal!

_Feliz natal!

_Milagre ela não pedir a lista completa de quantas pessoas vão vir aqui em casa hoje – comentou Cristiana, assim que fechei a porta atrás da síndica.

_Não pediu ainda, né, Cristiana.

_A Dona Lourdes precisa de terapia.

_Ter a pia cheia de louça para não ter tempo de cuidar da vida dos outros! Tomara que ela receba todos os parentes, do abba ao zaba, hoje à noite para ficar bem ocupada e não ter tempo de vir encher o nosso saco.

_Du-vi-de-ó-dó! – disse Cristiana. – Se eu entendi bem, a Dona Lourdes não tem parentes vivos, exceto aquela irmã que ela fala que mora no Piauí. Filhos ela também não tem. E parentes do falecido, se é que existem, não devem visitá-la há séculos! Desde que a gente mudou para cá, eu nunca soube que ela recebeu nenhuma visita de parentes, e você sabe como a língua do Seu Ezequiel é grande. E pelo tempo que ela despende cuidando da nossa vida, acho que nunca recebe ninguém, mesmo.

_Pior que é, né... – percebi, de repente. Já fazia uns quatro anos que a gente morava lá, e eu realmente nunca soube que a Dona Lourdes tivesse uma visita que fosse no apartamento. – Puxa vida, será que ela não tem nenhuma amiga? Nada...?

_Sei lá. No fundo eu tenho dó da Dona Lourdes. Ninguém merece ficar tão sozinha. Acho que cuidar da vida dos outros é a única diversão que restou a ela.

_Mas não precisa abusar, né!

_O Ivan disse que ia comprar cinco gatos para dar para ela de presente de natal. Assim ela vai ter trinta e cinco vidas para cuidar. Quem sabe esquece a nossa?

_Não é má ideia – concordei, com uma risadinha.

Valentina demorou uma eternidade – mais ou menos umas três horas – para voltar com as nozes. Só conseguiu encontrar lá no Tatuapé. A maior parte dos supermercados onde ela foi não tinha; e os que tinham estavam tão lotados que ela dificilmente conseguiria sair de lá antes do Dia das Mães.

Ela bateu a massa depressa, e deixou descansando enquanto o peru terminava de assar. E aproveitou a pausa para voltar ao seu apartamento para tomar banho e se arrumar para a ceia, deixando instruções sobre o tempo que a rosca devia assar – depois que o peru desocupasse o forno, é claro.

_Acho que eu volto antes de o peru terminar de assar – disse ela, abrindo a porta.

Foi bem oportuno fazer isso. Pegou Dom Pedro Falabella – vulgo Pedrão –, namorado da Cristiana, com a mão erguida, prestes a tocar a campainha.

_Aí, Cristiana, a sua ceia chegou! – anunciou Valentina, cumprimentando Pedrão, e saindo em seguida.

_Oba! – riu-se Cristiana, colocando de lado a faca com a qual cortava os legumes para a sopa.

Pedrão trazia uma travessa na mão, e duas sacolas de papel penduradas no braço: uma com o presente do amigo secreto, e outra com o presente da namorada.

_Hum... Papai Noel chegou mais cedo! – disse Cristiana, extasiada, sentindo o cheiro delicioso que vinha da travessa. – É o que eu estou pensando?

_Ah, amor, estragou minha surpresa – disse ele, fingindo tristeza. – Como adivinhou que eu comprei seu perfume favorito.

Cristiana deu risada.

_Eu falava do macarrão – explicou ela.

_Ah... – balbuciou ele, fingindo surpresa. – Sim, é o meu macarrão especial.

_Qual é meu perfume favorito, falando nisso? – perguntou Cristiana, que era particularmente famosa por seu gosto camaleônico para perfumes. Quase todos em embalagem econômica, ou amostra grátis. Velhos hábitos de uma consultora de empresas de cosméticos vendidos por catálogo.

_Espero que seja o que eu comprei – disse Pedrão, entregando-lhe a sacola.

_A partir de hoje é, com certeza – disse ela, agarrando-a animada. – Posso abrir agora, ou só à meia-noite.

_À vontade – disse ele.

_Vou experimentar agora.

Se o que ele comprou não era o perfume favorito dela, estava no Top Five, com certeza, porque eu não me lembro da última vez que eu não vi uma amostra grátis daquela fragrância na penteadeira da Cristiana.

Decidi aproveitar a chegada dele para deixá-los de olho no forno, e também saí de fininho para me arrumar.

E foi durante a minha ausência que aconteceu o desastre número quatro.

Em algum momento enquanto eu estava no chuveiro, o peru terminou de assar, e Cristiana colocou a assadeira de Valentina no forno. Valentina, aliás, se arrumou em tempo recorde, e voltou para montar guarda diante do forno, até que sua nova empreitada estivesse no ponto. E enquanto ela assistia a cada etapa do cozimento da rosca, alguém teve a brilhante ideia de desfilar pela sala com o peru na travessa...

Não querendo dar dedos nem apontar nomes, como diria Jack Sparrow, mas desta vez, a trapalhada foi culpa do Pedrão. Ou melhor, foi o Piripaque. Não, pensando bem, foi culpa do Pedrão, sim! Afinal, foi ele quem catou a travessa no balcão, brincando com a Cristiana – parece que rolou alguma polêmica a respeito da previsão de que haveria mais brigas pelas coxas daquele peru do que pelas da Magda, do Sai de Baixo –, Pedrão disse que ia comer o peru inteiro sozinho, e atravessou a sala com Cristiana em seu encalço, tentando pegar o peru de volta; daí levanta a travessa, abaixa a travessa, dribla um, dribla outro, desvia do cachorro, escorrega no capacho da varanda, o peru escorregou da travessa, e...

Despencou lá embaixo!

Quando saí do banheiro, enrolada na toalha, para ir para o meu quarto colocar meu vestido e ficar linda para a ceia de natal, percebi um silêncio muito anormal na casa, e achei melhor ver quem tinha morrido. Ou, em todo caso, se tinha alguém vigiando o forno ou se tinha saído todo mundo – de novo. Dei de cara com uma cena que falava por si só: Cristiana estava parada na porta da varanda, cobrindo a boca com as duas mãos, observando Pedrão, que estava meio debruçado na varanda, meio escondido detrás de uma samambaia; Valentina olhava para os dois de seu posto de vigia em frente o forno, com uma expressão apreensiva, agarrada no Piripaque, que latia meio assustado, meio excitado.

A propósito, Piripaque é o nome do nosso cachorrinho chihuahua. O motivo desse nome é uma longa história, e provavelmente não o único motivo porque esse cachorro um dia precisará de terapia.

Como ia dizendo, assim que vi aquelas caras culpadas, preocupadas e atordoadas – não necessariamente nessa ordem – tive certeza de uma coisa: tinha dado alguma merda.

Tive até medo de perguntar.

A compreensão só veio quando percebi que a coisa que Pedrão segurava de lado como se fosse um livro era a travessa do peru.

_Hã... Onde está o cidadão que deveria estar deitado aí? – perguntei, cautelosamente, assim que Pedrão se voltou para dentro do apartamento e apertou os lábios com cara de culpado.

Aliás, eu disse cara de culpado? Perdão... Quis dizer cara de MUITO culpado.

_O quê que foi, gente? – perguntei de novo, com um alarme disparado dentro da cabeça. – Cadê o peru?

Pedrão ergueu um braço e coçou a parte de trás da cabeça, nervoso. Cristiana fez uma careta nervosa. Valentina virou a cara para o forno quando tentei olhar para ela. Até o Piripaque pareceu se encolher no colo dela.

_Sabe o quê que é...? – Pedrão hesitou. – O peru estava assim, meio agitado... E decidiu sair voando... Pela janela...

Eu o encarei incrédula. Queria rir. Queria chorar. Queria gravar aquela cena para rir mais tarde. Queria matar o cidadão que estava se escondendo atrás da travessa vazia que poderia servir como prova ou arma do crime, eu ainda estava tentando decidir. Queria pular da janela também para não ter que explicar ao Casanova o que foi que aconteceu com o peru que ele comprou. Queria saber o motivo da gritaria lá embaixo. Será que os mendigos pularam o muro do condomínio para disputar as coxas do peru suicida?

Não. Suicida, não. O bicho não se jogou, foi um homicídio! Homicídio doloso! E em plena véspera de natal, atirar um peru assado pela janela do oitavo andar é crime inafiançável! E passível de prisão perpétua! Ou cadeira elétrica! Ou de uma vassourada na cara!

_Esquenta, não, que eu vou arrumar outro – disse Pedrão, correndo em direção à porta.

_Onde é que você vai achar um peru assado na véspera de natal? – perguntei. – E a essa hora? Se pelo menos fosse mais cedo...

_Precisa estar assado? – Ele deu um sorriso amarelo.

_Se quiser comer antes da meia-noite, precisa! – Fiz aquela voz de quem explica o óbvio.

_Tá, eu vou lá na Teodora, vou ver nas rotisseries, e em todas as padarias daqui até a PQP, mas eu dou um jeito de comprar um peru assado – ele disse, apressado, abrindo a porta. Percebi que ele estava louco para escapulir. – Se eu não achar, roubo de algum vizinho distraído, pode deixar.

_Procurar um peru assado hoje é como procurar moedas na cueca de um deputado – disse Valentina. – Se até as nozes, que não são a vedete da festa, eu tive trabalho para encontrar...

_Por que moedas na cueca de um deputado? – perguntei, estranhando. Às vezes era meio difícil entender as piadas da Valentina, porque o cérebro dela vive numa dimensão um pouco diferente do resto de nós. Um país conhecido como Mundo da Lua.

_Porque eles só guardam notas de cem dólares para cima – explicou ela, como se isso fosse óbvio.

Pensando bem, até fazia sentido.

_Que nota é maior que cem dólares? – indagou Cristiana.

Num dia normal, eu até explicaria que, num passado não muito distante, o Banco Central Americano imprimia notas de mil dólares, que só eram usadas em transações entre bancos – e pelo crime organizado, que aparentemente é chamado de organizado por algum motivo –, e que elas foram tiradas de circulação com o advento das transações tecnológicas, mas agora não era um bom momento. Passava de sete da noite, nós tínhamos uma rosca queimada, outra no forno, batatas assadas que precisavam ser esquentadas, uma sopa fervendo no fogão, o peru saiu voando pela janela, nossos amigos já deviam estar a caminho, e eu ainda estava de toalha! E esqueci de fazer o purê de batatas!

_Merda! – exclamei, encarando o teto branco.

_Relaxa! – disse Cristiana. – É só ele dar uma passada no apartamento do Serginho aí do lado, que ele deve saber onde conseguir um peru assado a essa altura do feriado.

_Estão vendendo peru assado na Galeria Pagé agora...? – indagou Valentina, confusa.

Para falar a verdade, já passava da hora de a gente atualizar essa piada. Chamávamos o apartamento do Serginho “Ranja Tudo” de filial da Galeria Pagé – devido a quantidade e a variedade de tranqueiras que era possível encontrar lá dentro – desde tempos tão remotos, que eu nem me atrevia a calcular, mas isso não vinha ao caso agora.

_Não... – expliquei, sobre a minha exclamação desanimada. – Esqueci de fazer o purê.

_Ah, isso... – disse Cristiana. – Relaxa! Eu já descasquei as batatas.

Corri então para a cozinha, tal como estava, enrolada na toalha de banho cor de vinho, e apanhei uma panela para fazer o purê. Cristiana se ofereceu para fazer, mas a sopa dela já estava praticamente pronta, e ela ainda não havia tido possibilidade de se arrumar. Além do mais, com um pouco de sorte, o vapor do fogão ajudaria a secar o meu cabelo mais rápido. Só esperava que não ficasse com cheiro de purê de batatas. Ou de sopa de legumes...

O purê, aliás, estava quase no ponto quando o Ivan apareceu de novo no nosso apartamento, com uma sobremesa tão elaborada que não consegui identificar o que era na hora. E como o interfone tocou exatamente enquanto ele a estava colocando na bancada da cozinha, pertinho do interfone, pedi para ele atender.

_Tá legal, eu aviso. Tchau, tchau – disse ele, antes de desligar e se voltar para mim. – Seu Ezequiel pediu para avisar que sua vaga está liberada.

_Puxa, eles levaram só o dia inteiro para desentalar a árvore de natal quilométrica do Seu Nonato do elevador, hein. Deve ser algum tipo de recorde.

De rapidez! Considerando a velocidade das coisas naquele condomínio. Ok, estou sendo injusta. Existem coisas que são feitas com bastante agilidade lá dentro. A fofoca, por exemplo.

_Bem, se desentalaram, eu não sei, mas desencalharam da sua vaga, pelo menos – disse Ivan, que, como se pode perceber, já estava completamente a par da novela do dia que manteve um dos elevadores interditados a tarde inteira, o que comprova minha afirmação anterior a respeito da velocidade da fofoca no condomínio. Esqueçam o wi-fi, aqui a fofoca já é 5G!

_O Nosferatu estava berrando no fundo – acrescentou Ivan. – Se eu entendi bem, amputaram o pé da árvore de natal dele para poder liberar a vaga e o elevador. Tinha dois metros de altura, agora deve estar com um e meio.

_Seu Nosferatu nunca teve dois metros de altura – contestou Valentina.

_Não, a árvore de natal.

_Já sei, a Dona Lourdes quer que eu tire o carro da vaga de visitantes, agora...? – deduzi.

_Isso aí.

_Me faz esse favor? – pedi ao Ivan, apontando as chaves em cima da bancada.

_Tá legal. Falando nisso, adorei o modelito. – E me olhou de cima abaixo, filmando minha toalha de banho. – Escolheu essa cor por causa do natal?

_Engraçadinho – respondi, dando uma risadinha.

Para dizer a verdade, não tinha me tocado que a cor da minha toalha estava combinando com o feriado. Também não contei a ele que a maioria das minhas toalhas são daquela cor.

Uma vez que o purê estava pronto, e o Ivan já tinha descido para colocar meu carro de volta na vaga e liberar a vaga de visitantes, corri ao meu quarto para terminar de me vestir. Valentina continuou montando guarda em frente ao forno, para garantir que nada mais desse errado com a rosca de nozes. Ouvi quando Ivan voltou, uns quinze minutos depois – um elevador interditado atrapalha muita gente –, e, por um instante, fiquei preocupada com a integridade física daquela sobremesa linda que eu ainda não deduzira o que era, mas envolvia chocolate, uma cobertura cor de caramelo e muitas frutas vermelhas. Alguém devia colocar aquilo na geladeira antes que acontecesse outro acidente.

Eu devia estar ficando paranoica. Mas era sempre melhor não tentar a sorte...

Meia hora mais tarde, eu estava vestida, calçada, penteada e maquiada. Quer dizer... Eu coloquei o vestido vermelho novo em folha, como tinha planejado, e meus sapatos de camurça combinando; terminei de secar o cabelo correndo e fiz um coque para dar uma impressão ondulada – truque de emergência, para quem tem o cabelo escorrido, naturalmente ou com química, e não está com tempo para recorrer ao babyliss –, soltei depois de mais quinze segundos de secador, só para ter certeza de que funcionaria, e, para dizer a verdade, não tenho muita certeza de ter passado rímel nos dois olhos, agora que parei para pensar nisso... Mas, observando as fotos da festa, eu estava linda, e é isso que importa.

Continua...


Biografia:
Paulistana, vinte e poucos anos, apaixonada por livros, cinema, boa música, e escrever. Possui três livros publicados: o Romance Alma de Rosas (Edição Física – Editora Desfecho), a antologia “A Morte Não é o Fim”, e o romance sobrenatural “As Noivas de Robert Griplen” (ambos apenas em e-book, na Saraiva).
Número de vezes que este texto foi lido: 463


Outros títulos do mesmo autor

Humor Se Contar, Ninguém Acredita No Que Aconteceu Nesse Natal 3 Talita Vasconcelos
Humor Se Contar, Ninguém Acredita No Que Aconteceu Nesse Natal 2 Talita Vasconcelos
Humor Se Contar, Ninguém Acredita No Que Aconteceu Nesse Natal Talita Vasconcelos
Contos A Dama e o Valete Talita Vasconcelos
Contos A Dama e o Valete Talita Vasconcelos


Publicações de número 1 até 5 de um total de 5.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2017
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 181860 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 136204 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 135647 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 127542 Visitas
Amei! Que droga! - Fabiano Vaz de Mello 125721 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 66632 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 56765 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 56417 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 55876 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 52946 Visitas

Páginas: Próxima Última