Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
ALCOOLISMO E SEUS REFLEXOS
teresa armando elios da silva

Resumo:
Alcoolismo visto como uma dependência conjunta. O alcoólatra e os que dizem amar

ALCOOLISMO E SEUS REFLEXOS

Se por ventura resolvêssemos realizar uma pesquisa em qualquer parte do mundo e em diferentes classes sociais , ouviríamos:
_ Eu bebo para esquecer, porque estou feliz e comemorando, triste, com raiva, com uma angústia no peito que não sai, é gostoso, divertido, socialmente, quando quiser parar eu paro,...
_A vida é minha, quero viver a vida, o tempo passa muito rápido preciso aproveitar todos os momentos,...
Motivos não faltariam e a nossa pesquisa estaria com dados carregados nas justificativas.
Tudo bem.
Agora vejamos os reflexos destas justificativas.
Acidentes, muitas vezes fatais, doenças com poucas ou nenhuma chance de cura, perda da autoestima, da identidade pois não o chamam mais pelo nome e sim por bêbado, cachaceiro, vagabundo ,... “amigos” para lhe incentivar a beber não faltam chegando a lhe pagar as bebidas mais caras, incentivando-o, assim, a continuar vivendo a vida, curtindo e se divertindo.
Quando o indivíduo decide “afogar” as mágoas, frustrações, traumas, insegurança, baixa autoestima ou quer apenas viver o momento, não se importa com os que estão ao seu redor principalmente os que diz amar.
Se está sozinho o caminho da dependência o ajuda a suportar a solidão e é o meio mais fácil de se agrupar, pois com um copo de bebida na mão, os “amigos” aparecem e ele vai se afundando cada vez mais, os amigos ocasionais vão mudando de rosto e ele nem percebe.
Se tem uma companheira, também não se importa, se o acompanha neste caminho ela é maravilhosa, perfeita, a parceira ideal, mas se for o inverso, é desprezada.
Muitas vezes agredida, violentada, obrigada a conviver com os vexames que ele provoca nas reuniões sociais e familiares, perda de emprego, endividamentos nos bares, doenças que vai adquirindo em detrimento do álcool no seu corpo, muitas vezes amputando algum membro, sequelas de avcs, acidentes ocorridos no momento do embalo, dificuldades financeiras pois tudo que ganha gasta nos bares.
Se a companheira permanece ao seu lado apesar de, adoece, vive triste, assustada, apreensiva, envergonhada, culpa-se por não poder reverter este quadro.
Se não consegue suportar e resolver optar pela separação, também adoece, pois as marcas ficaram impregnadas no seu coração e as vezes no seu corpo, fica seletiva em se envolver em um novo relacionamento, ou está tão carente que basta que alguém lhe trate melhor que acaba se envolvendo podendo nem perceber que está entrando em um caminho talvez até mais violento que o anterior.
Se tiver filhos neste relacionamento, o estrago é irrecuperável. A dor destas crianças é intensa por estarem no meio de brigas, violências físicas e psicológicas, falta de atenção, vexames por causa da bebida, espancamentos vindos de quem lhes deveria proteger. O medo é tanto que quando ouvem o portão se abrir já sabem o que vai acontecer.
Vivem assustadas, apreensivas. Reagem a tudo de diferentes maneiras, fogem de casa, suicidam-se, tornam-se adultos violentos, sádicos, tratam as companheiras da mesma maneira que presenciara no seu ambiente familiar, também vão querer “viver a vida”, não se importando com conselhos de ninguém ou então se tornarão apáticos, tristes, com fobia social vivendo sempre isolado, doenças psicossomáticas podem ser desenvolvidas como depressão, gagueira, melancolia profunda, medo de tudo e de todos.
Viver a vida, curtir o embalo do momento é importante só se o indivíduo conseguir dimensionar os “estragos” que acarreta ao seu redor e parar antes que não possa mais.
Como viver a vida se quem eu digo amar está sofrendo?
Vive amedrontada com a minha presença? Está comigo por medo e não por amor? Se não valorizo o amor dos meus pais, amigos verdadeiros que estão presente diariamente na minha vida, dos meus familiares, se não dou bons exemplos para o meu filho?
Orgulho em se achar acima do bem e do mal, egoísta em não realizar a empatia, ingrato em destruir um corpo perfeito que Deus lhe concedeu, a vida que lhe cobra deveres e não apenas direitos. Viver a vida é ter responsabilidades, é respeitar os seus limites e do outro, é saber que cada ato tem consequências e que a vida passa rápido demais sim e é mais um motivo para viver apresentando exemplos dignos e responsáveis.
Alcoolismo é uma dependência conjunta, o alcoólatra e àqueles que dizemos amar.






Biografia:
Sou assistente social e gestora do terceiro setor, trabalho com autoconhecimento direcionado a crianças, adolescentes e suas famílias.
Número de vezes que este texto foi lido: 33851


Outros títulos do mesmo autor

Artigos QUEM É MEU FILHO? teresa armando elios da silva
Artigos SERÁ QUE TEMOS ROTINA? teresa armando elios da silva
Artigos COMO SÃO E ESTÃO OS IDOSOS ATUALMENTE teresa armando elios da silva
Artigos QUE PESSOA RUIM! teresa armando elios da silva
Artigos A JOVEM E A CRIMINALIDADE teresa armando elios da silva
Artigos ESTOU GRÁVIDA E AGORA? teresa armando elios da silva
Artigos AMIZADE OU NECESSIDADE DE SER ACEITO? teresa armando elios da silva
Artigos ESTOU DEFICIENTE E AGORA? teresa armando elios da silva
Artigos RELACIONAMENTOS, O QUE É ISTO? teresa armando elios da silva
Artigos Por que perdão? teresa armando elios da silva

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 22.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
viramundo vai a frança - 76542 Visitas
Sem - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 62275 Visitas
NÃO ERA NADA - Alexsandre Soares de Lima 50444 Visitas
O Trenzinho - Carlos Vagner de Camargo 50241 Visitas
Os Morcegos - Nato Matos 49735 Visitas
IHVH (IAHUAH) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 49500 Visitas
Pensamento 21 - Luca Schneersohn 49442 Visitas
A TRISTEZA E O SIM DA VIDA - Alexsandre Soares de Lima 49152 Visitas
MILA, A MENINA QUE MORAVA DENTRO DE UM COGUMELO - Saulo Piva Romero 48960 Visitas
Solidão que nada - Morgana Bellazzi de Oliveira Carvalho 48910 Visitas

Páginas: Próxima Última