Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Alguns poemas escolhidos
Wilson Luques Costa

Resumo:
Alguns poemas reunidos de Wilson Luques Costa.

O PAI

cortou o sertão o arenoso sertão um saara
             esquecido
             mas fornido de pedras e lapidares nomes
             onde ouviu um tímido baião ou um furtivo jazz
             no largo da matriz
             veio baldeando por minas espírito santo
                             rio ...
             pensou em retornar à bahia ou seguir para cuiabá...
             aqui falou óxente, vigi e também fincou raízes...
                             quando bebe um conhaque
                             pensa logo em voltar para a chapada diamantina




Filho progênito
sob a vigília de Amália / minha tia
                                minha mãe
          tirava linha com meu pai
          sou filho progênito de um amor censurado





Córdoba
terra de meus avós
             que desconheço
             por fotos ou pela oral tradição
   reconstituir-te agora tento
Córdoba
                         Tu
em meu coração









A gruta
Sua avó cantava e costurava
Seu pai brincava com o cavalo de pau
Punha o elmo de plástico e sonhava ser um romano
Pelas ruas libaneses negociavam diamantes
Perdido na gruta escura seu avô carregava
sacos de cascalhos e não olhava para trás
Seu avô já sabia das profecias
Quando estamos num labirinto
Nem mesmo Orfeu nos redime




O GARIMPEIRO - PARA CHAPADA DIAMANTINA
A bátega com o latagão
       As semipedras        pedras-cascalhos
       Não diamantizadas   são o seu látego
À procura de diamantes mergulha com a sua enxó em vórtices de arenito
                        É desde tenra idade
                        Caçador de voragens




Do Livro - Etnias - para meu avô Francisco Luques Serrano - in memoriam
Apostou cortar o ocenao
em Córdoba não havia esperança
antes mesmo do advento de Guernica ou daquela estúpida guerra
                          já vaticinava todo o malogro
                                             dentro de sórdidos porões
                                             não viu o marujo que o mar escondeu
                    nem tampouco ouviu o choro de Kaváfis na escura taverna
                    foram vinte trinta quarenta dias singrando o mar
                                                        chamava-se Ulisses e nem sabia




Etnias

foi na chapada diamantina
que meu pai
pela primeira vez viu o pôr-do-sol e
                      ouviu um belíssimo
                      baião de luiz gonzaga
        dois seixos de diamantes
        duas pedras de garimpo








Etnias


o povo da chapada come o seu filão
e vindima a sua fome
com pedras
da draga
de mestre venâncio
seus diamantes
ele carrega
no bornal das imprecações
mas Deus
infelizmente
só tem usado ultimamente
os seus anéis de saturno











Biografia:
Wilson Luques Costa nasceu em São Paulo, SP, Brasil. Jornalista, professor, poeta e escritor. Eleito pela Academia Internacional de Literatura Brasileira - NY um dos Top Five nos Destaques Literários Awards Focus Brasil NY na Categoria Ensino e Pesquisa com o ensaio O Paradoxo do Zero.
Número de vezes que este texto foi lido: 54850


Outros títulos do mesmo autor

Poesias A CASA SOTERRADA Wilson Luques Costa
Poesias A VISITA DE ROSA Wilson Luques Costa
Poesias SÁBADOS E DOMINGOS Wilson Luques Costa
Poesias O DÉRBI Wilson Luques Costa
Poesias A CURVA ASCENDENTE DE JAIRO Wilson Luques Costa
Poesias ODE URBANA Wilson Luques Costa
Poesias A VINGANÇA DA VIDA Wilson Luques Costa
Contos TESTEMUNHA DA CONTENDA ESPANHOLA Wilson Luques Costa
Contos Senhor Eugênio Wilson Luques Costa
Contos SEM ANESTESIA Wilson Luques Costa

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 29.


escrita@komedi.com.br © 2024
 
  Textos mais lidos
Minicurso sobre a redação no ENEM - Isadora Welzel 79742 Visitas
URBE - Darwin Ferraretto 59556 Visitas
Salvando computador muito ruim - Vander Roberto 55646 Visitas
Contraportada de la novela Obscuro sueño de Jesús - udonge 55564 Visitas
81 anos da prisão e morte dos Rosas Brancas - Vander Roberto 55457 Visitas
Delícias da festa junina - Ivone Boechat 55393 Visitas
QUE SE... - orivaldo grandizoli 55375 Visitas
Lançamento do livro - Alberto Kopittke 55364 Visitas
Nua, totalmente indefesa - rodrigo ribeiro 55311 Visitas
O estranho morador da casa 7 - Condorcet Aranha 55303 Visitas

Páginas: Próxima Última