Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Inquietação
jbcampos

Inquietação



Noite nublada, às 12 h começo a fazer 73 anos de vida agora,

sempre agradecendo aos que me saúdam pela data vivida. Se-

gundo a minha querida mãe; nascia piloso e com 6 quilos de dire-

itos adquiridos, porém, fofo e afetuoso. Meu velho e querido pai, sem-

pre brincava ao dizer que eu estava mais para nascituro simiesco, ao pen-

sar em macacos foi ele juntando os cacos e viu que não era o padeiro, tampo-

uco o leiteiro a deixarem rastros sorrateiros. Acontecimento ocorrido em 27 de

fevereiro de 1946, no meu batistério vem marcada a data de 21 de junho do

respectivo ano, perguntei à minha genitora algumas vezes o porquê des-

se engano, ela simplesmente me respondeu ser por necessidade finance-

ira, assim prorrogando o meu registro de nascimento como se fora al-

gum acontecimento corriqueiro, na realidade o era, porém, deveria

a mim começar nova era de outono frio, ou de quente primavera.

A mim pouco me importa, porém, creio piamente na palavra de

minha amada mãe. E a mim me surgiu um pensamento o qual

também a mim já me fez por tormento: Por que essa pressa

frustrante para se ter uma vida interessante? Afinal, onde

está essa vida de pobres mortais triunfantes? Após várias

décadas de vida perambulante, atrás de ideais sempiternos,

em trajes ultrajantes ou em serenissimos ternos; enforcado com

gravatas brilhantes, tecidas em finíssimos barbantes de bravatas

ululantes. Porém, há males que vêm para o bem, então fui apren-

dendo também a voltar à simplicidade de minhas origens. Então digo a

você, meu amado e querido irmão: Não tenha pressa e viva o momen-

to constante de cada vez, pois, é no momento que se eterniza a paz,

feita de amor cor de rosa, na evolução de se encontrar com a felici-

dade, a qual está às vezes numa bendizente prosa, e ao fazê-lo

mande minhas lembranças a ela, dizendo que a espero com

muita lassidão e tranquilidade, haja vista a minha idade.

Na simplicidade mora a felicidade da eterna idade na

eternidade, e a eternidade é o momento feliz de a-

gora, o resto e conversa jogada fora. Aprenda a

viver o eterno momento sem provocar contra-

tempo. Medite apenas no bem-estar ao res-

pirar a brisa do lugar em que está agora, isso

aí é que se chama: Felicidade, respire-a antes

que ela vá embora, embora, você possa respirar

com a sua mente, ao se encontrar com você nova-

mente no plano que se encontra ausente, porém, che-

io de bossa. Respirar é a vida que não nos deixa parar,

porém, haverá um momento que essa felicidade vai con-

trariar o seu cômodo estar, porém, nesse momento vai se en-

tregar àquela vida que virá lhe buscar ao retorno do seu glorioso

lar, a qual lhe fará a corte que tem o nome de morte, não se impres-

sione, morte é o nome da vida de todos os seres deste plano insano

da mais pura ignorância humana aqui desaprendida. Com licença,

vou viver um pouco meus 73 anos de muitas verdades e de muitos

desenganos. Já que nada sei desta vida, tento ser feliz lentamente,

planando sobre tudo que existe neste plano alegre e triste, ora gélido,

ora quente. Assim meu freguês hei de me encontrar com a felicidade ou-

tra vez. Seja feliz agora, o resto é conversa jogada fora. Eis a simplicidade

do momento-eternidade.



apenas um prosaísmo da evolução humana



a ciência, tem ciência da arte,

    que se assoma ao axioma da

           vida, como arte é sempre que-

                  rida, como ciência, faz parte da

arte. como morte, faz parte da vida

como volta, da ida faz parte, am-

bas, riem da vida, da juventude

querida restou-nos a jactância

da arte, da arte arteira vivida.

florescida à um estandarte,

                  porém, do saber, desprovida,

                         todavia, ciência & arte é pro-

                               pósito próprio de vida. devida à,

                                  própria mortalha vivida. dívida, é

                                  ciência para arte, devida à sorte

                             de vida. dívida de arte para ciência,

                      vivida de complacência, às vezes da

              ciência esquecida, restando-nos apenas,

                      a pena do castigo com pena,

               cometido na vida com arte.

      a consciência, que a nós

nos apena nos fará agir

com paciência nas vaida-

des com ciência & arte. resu-

mindo... tudo isto deve ser vida!

servida num prato bem lastro! entre-

guemos a Deus nossas vidas com vitória,

ou se quiser; com fracasso. com ciência, cons-

ciência, ou sem arte, nosso verdadeiro alabastro!

pois, melhor nos é, viver ou nos seus braços morrer.

às vezes a vida se nos parece um porre, não valendo

um vintém, verdadeiro cansaço… bobagem, querido e

querida, em Deus somente há vida! em seus braços

ninguém jamais morre!



um forte abraço de mais um arteiro da vida.



jbcampos


Biografia:
Aposentado
Número de vezes que este texto foi lido: 28559


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Cartilha do seu bem-estar jbcampos
Poesias Epifania jbcampos
Poesias Inquietação jbcampos
Poesias Amor cibernético jbcampos
Poesias Seu sucesso jbcampos
Poesias O tenente russo jbcampos
Poesias Escrevendo aos 73 jbcampos
Poesias feliz jornada jbcampos
Poesias O candelabro jbcampos
Poesias dica jbcampos

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 852.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 55324 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 52844 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 39189 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 34016 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 33263 Visitas
Amores! - 32659 Visitas
Desabafo - 32285 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 31596 Visitas
Faça alguém feliz - 31183 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 31033 Visitas

Páginas: Próxima Última