Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
O estranho morador da casa 7
Condorcet Aranha

O ESTRANHO MORADOR DA CASA 7
                                                           

      Tudo se passa numa pequena vila de uma rua sem saída ou servidão, como é denominada em algumas cidades do Brasil. A vila é formada por treze casas, seis de um lado, outras seis do outro e a famosa casa sete, ao fundo fechando a rua.
      Devido ao pequeno número de famílias ali residente, o ambiente é fraterno, todos se relacionam muito bem, exceto o estranho morador da casa sete. Solitário, de poucas palavras, quase restringe o seu vocabulário aos termos de cumprimento ou cordialidade. Bom dia!, Boa tarde!, Tudo bem? - Ao menos que me lembre, durante os anos que eu vivi na vila, foi tudo que escutei aquele homem falar. Era uma figura inconfundível, sempre muito bem trajado com ternos escuros, com passadas firmes e seu porte esguio, passava uma imagem de segurança e de dominador.
      Para nós meninos da vila, naquela época, companheiros vinte e quatro horas por dia, aquele homem era a imagem inabalável do perigo e transmitia-nos mesmo, a bem da verdade, bastante medo.
      Como de costume, ao passar por nós, sempre sisudo, cumprimentava-nos e se dirigia para o ponto de ônibus, da rua principal, tomando o seu destino. Todas as crianças da vila começaram a fazer indagações sobre o estranho comportamento daquele morador. Suas imaginações infantis, ante as conjecturas, iam fantasiando suas desconfianças e criando diversos personagens, com atividades as mais estranhas, para aquele homem de porte esguio e reticente em seu comportamento.
      Pela manhã sempre nos reuníamos para praticar nossas peraltices, jogar futebol, além de inventar algumas crueldades, a fim de estragar as brincadeiras das meninas. Como éramos maioria, acabávamos por impor nossas condições e delimitar os espaços que elas poderiam brincar. Sem opção e apesar dos protestos, tinham que aceitar nossas imposições descabidas. Até tentavam nos intimidar, prometendo que iriam falar com o morador da casa sete e pedir-lhe que nos desse uma lição.
      Quando se aproximava das oito e meia da manhã, nosso futebol já estava a todo vapor e era o momento em que as meninas começavam a gritar: “lá vem ele, vamos contar pra ele...” . Imediatamente recolhíamos a bola e em disparada íamos nos esconder no corredor da casa 1, onde morava o Paulinho. Nesse intervalo forçado do nosso futebol, na cozinha de Dona Conceição, mãe do Paulinho, sobre a mesa, três jarras de refresco geladinho e preparado com carinho, nos aguardavam.
      Onde será que aquele homem esquisito está indo? Perguntávamos. Precisamos descobrir, falava Pedrinho, o mais novinho do grupo. Em seguida Edgard, com doze anos, o mais velho (melhor dizendo o menos criança) , pensando mais longe, tentava convencer-nos de armar um plano para descobrimos que era aquele estranho morador da casa 7 e o que ele fazia. Esse fato repetia-se todos os dias naquele mesmo horário.
      Numa bela tarde, reunidos em frente a casa 4 onde morava a Fátima, irmã do Lélio, que sempre tentava nos intimidar com a presença do estranho morador da casa 7, Edgard voltou a expor sua idéia de armar um plano de investigação para acabar de vez com as conjecturas. Em nossas mentes infantis, tudo parecia muito real. Foi aí que começamos a montar o quebra-cabeça, engendrar os nossos planos maquiavélicos e infalíveis. Ao menos nos parecia!
      Sob a coordenação segura do Edgard, nossas idéias foram selecionadas e organizadas para que, segundo ele, se revestissem de pleno sucesso. Coragem, destreza, sigilo e o compromisso de que se alguém fosse pego não delatar nenhum outro componente do grupo, eram prerrogativas irrefutáveis e mais ainda, uma questão de vida ou morte.
      Depois de tudo arquitetado, passou-se a distribuir as tarefas que caberiam a cada
componente do grupo assim como o posto que deveria ocupar. O rigor de cada um na consecução do plano era responsabilidade individual e aos que falhassem, num detalhe sequer, as punições seriam aplicadas imediatamente. Entre as duras punições estavam a expulsão do time de futebol e o “gelo” (ficar sem falar com ninguém do grupo) por três meses.
      Ainda nessa reunião, o estranho morador da casa 7 foi apelidado de “Satã”, porque dessa forma ninguém além dos integrantes do grupo, saberia do que ou de quem estávamos falando.
      Armado o plano para a manhã do dia seguinte à reunião, a primeira atitude seria escolher quem de nós receberia aquela missão. A escolha, acertadamente recaiu em Alfredo, por ser o mais sossegado e que menos falava ou gritava durante as brincadeiras e o futebol. Com essas características, obviamente a sua ausência não seria percebida pelas meninas.      
      A missão: Ficar escondido no armazém da esquina e seguir Satã até seu destino inicial.
Anotar tudo que observasse e voltar sorrateiramente em tempo de encontrar-nos na casa de Paulinho, tomar o refresco da Dona Conceição e acompanhar-nos no segundo tempo do futebol, evitando qualquer suspeita das curiosas meninas. Com tudo acertado, inclusive horários combinados como a saída de Alfredo para as sete horas, evitando ser visto pelos moradores, despedimos e fomos dormir. Foi na verdade uma noite de sobressaltos e pesadelos, mas finalmente um novo dia surgiu.      
      Como costumeiramente, depois de cumprir as normas de higiene e alimentação, lá estávamos reunidos para mais uma partida de futebol. Alfredo não estava e isso significava que a missão começara. Entre olhares de satisfação e sem nenhuma palavra, iniciamos nosso jogo. Corre que corre...chuta que chuta... e as meninas gritaram: “lá vem ele, vamos contar pra ele”. Nesse dia Satã saiu às oito horas e dez minutos, conforme mostrava o relógio da matriz em frente à vila.
     Como sempre fazíamos, ao avistar Satã, saímos em disparada e fomos nos esconder no corredor da casa 1. Ali ficamos por alguns minutos até que Alfredo chegasse. Passados uns vinte minutos, Alfredo chegou esbaforido e suado, ainda com a respiração acelerada e disse-nos: “missão cumprida”. A alegria brotou em nossos olhos arregalados e brilhantes, próprio das crianças. Fomos até a cozinha de Dona Conceição e lá estava, infalível, aquela senhora de sempre, amorosa e paciente, servindo-nos em copos, aquele indispensável refrigério. Agradecemos e voltamos para a rua e, antes de continuamos o jogo, combinamos nossa reunião para o período da tarde, após as aulas, o banho e o jantar.
       Como não poderia deixar de ser, cada peito abrigava a sua aflição e a vontade de que as horas se passassem em segundos. Mas a natureza é pródiga e no devido momento, deu-se início à nossa combinada reunião. Como de costume, Edgar conduzia os assuntos com calma, de forma ordenada para ficarem bem entendidos. - Com a palavra o Alfredo! Sem pestanejar Alfredo começou seu relato: Levantei-me cedo, peguei a bola, esvaziei e disse a mamãe que precisava leva-la no sapateiro, porque estava furada e havíamos marcado nosso jogo de futebol para as oito horas. Sem desconfiar de nada, balançou-me a cabeça em movimento de concordância. Saí de casa após observar que não tinha ninguém na rua e disparei até o armazém da esquina. Como por ali fiquei algum tempo, o seu José, dono do armazém, perguntou-me: O que estás fazendo por aqui tão cedo, Alfredo? - Respondi-lhe: estou esperando o seu Manoel sapateiro abrir a loja, para concertar a minha bola e enche-la. - Olhando à bola, vazia, em minhas mãos, completou: Então está tudo bem. Era pouco mais de oito e dez, eu já estava no seu Manoel, quando Satã apontou na esquina.      Disfarçadamente fui saindo e falei para o seu Manoel que ia comprar umas balas no
armazém. Segui Satã por trás de outras pessoas que transitavam pela rua e observei-o. Foi até o ponto e aguardou uns instantes porque logo chegou um ônibus. Corri até a frente do ônibus para ver a vista ou letreiro. A seguir voltei correndo, para encontrar com os meninos conforme havíamos combinado.
      Quando cheguei na casa 1 do Paulinho, todos já estavam lá. Sussurrando disse-lhes: Satã pegou o ônibus da Linha 13 – Centro – Cemitérios.
       Perfeito, disse Edgar, a primeira parte de nosso plano está executada. Agora cada um de nós vai buscar informações sobre essa linha de ônibus, por onde passa, até onde vai e por onde volta. - Mas como faremos isso? Indagamos. - Então orientou-nos: Perguntem aos seus pais e guardem os nomes das ruas e bairros, assim poderemos consultar a lista telefônica e verificar o que tem nessas ruas, tais como empresas, indústrias, lojas, bancos, escolas, entre outras coisas. - Realmente o Edgar era um menino muito esperto e organizado. - Assim ficou combinado e, esse seria o segundo passo do plano. Todas as informações obtidas deveriam ser levadas à reunião da tarde do dia seguinte.              
        Na tarde seguinte, voltamos a nos reunir em frente da casa do Lélio. Edgar demonstrava uma certa apreensão e, sem muitos rodeios, alertou-nos: Vocês precisam usar de mais sutileza quando forem pedir informações aos seus pais, eles não podem desconfiar de nosso plano, senão colocaremos tudo a perder. Quando meu pai chegou e fui perguntar-lhe sobre o ônibus da linha 13, ele disse: Que coincidência, pois acabo de encontrar com o pai do Paulinho e ele me contou que seu filho fez-lhe a mesma pergunta! - De imediato precisei criar uma situação mais favorável e o que veio à minha cabeça foi, no momento, inventar que a Professora havia nos solicitado essa pesquisa para nos orientar sobre como observar e entender aos mapas, catálogos e outros informativos escritos sobre a cidade. Diante da minha resposta, meu pai prontificou-se a buscar o mapa do percurso da Linha 13, na garagem da Empresa, fazendo ainda elogios à Professora, pela ótima idéia de preparar-nos para as necessidades do dia a dia de um cidadão. Durante o jantar ele me deu o mapa do trajeto da Linha 13, este aqui. Agora vamos pegar uma lista telefônica e ver as empresas, indústrias, bancos e lojas dessas ruas, é provável que se consiga localizar o trabalho de Satã. Pedro levantou-se e foi correndo até sua
casa para pegar uma Lista Telefônica, trouxe-a e então começamos a marcar o nome das firmas. Percebemos que seria inviável devido ao grande número de firmas em todo o trajeto do ônibus e, mesmo porque, ninguém sabia, na vila, nem nossos pais, o verdadeiro nome de Satã. Então de nada adiantaria telefonar para as firmas porque não saberíamos por quem perguntar. Foi uma decepção geral, pois todos se entreolharam com um ar de indagação.
       Edgar foi o único que não se abalou. Disse-nos: Precisamos aperfeiçoar nosso plano, vamos ser mais ousados e melhor estruturar nossas ações sem criar desconfianças. Pensou por instantes e lá veio a bomba. - Um de nós deverá seguir Satã, pegar o mesmo ônibus que ele e segui-lo até que entre no seu local de trabalho.
       Depois de muita conversa, chegamos à conclusão que só o Márcio, morador da casa 5, poderia nos ajudar por ser o único que estudava no período da manhã. Precisávamos convence-lo a executar essa tarefa para nós. Foi bastante difícil porque ele teria que se atrasar para chegar na escola. Porém o Edgar preparou-lhe um álibi, caso sua mãe fosse notificada pela escola. Aliás, um álibi perfeito. Naquele dia, ao chegar da escola, Márcio deveria simular estar sentido uma forte dor de barriga, pedindo inclusive um remédio para sua mãe. A mesma mentira deveria contar ao chegar na escola e apresentar-se na sala de aula, justificando seu atraso. Tudo certo, não haveria risco. Bom, só um, depois da tarefa o Márcio ficou uma semana sem ir ao banheiro.
       A tarefa de Márcio estava definida. Chegou o tão esperado momento. Naquela manhã,
todas as janelas da vila, entreabriram bem mais cedo. A curiosidade dos meninos era verificar a saída de Márcio e dar-lhe um sinal de positivo, esticando o dedo polegar. O ritual foi cumprido.
       Após o jantar, aconteceu a tão esperada reunião. Nela seria desvendado o mistério de onde Satã trabalhava. Isso ocorreu. Márcio seguiu Satã até ele entrar no Banco da Cidade onde tirou o paletó e sentou-se na mesa da Gerência. Então, Satã era gerente do Banco da Cidade e para descobrir seu nome, seria suficiente perguntar para qualquer outro funcionário
do Banco. - Quando tudo parecia estar esclarecido, Lélio perguntou-nos, alguém de vocês já viu o Satã chegar na vila após o trabalho? - Foi um espanto geral, porque ninguém, jamais havia visto ou presenciado sua volta. Formou-se um burburinho, todos querendo falar ao mesmo tempo. - Edgar interviu e informou-nos que apenas a missão não tinha acabado. Da mesma maneira que checamos os fatos até aqui, precisamos nos organizar e elaborar novos planos. Nada poderá vencer os meninos da vila. Concordam? -Todos de acordo, passamos às novas estratégias para deslindar o restante do mistério.
       Na verdade, esta seria a parte mais fácil e por isso a tarefa de aguardar na esquina a chegada de Satã, à tarde, ficou a cargo de Paulinho, o mais novinho de todos.
       Depois do jantar, novamente reunidos, aguardávamos a chegada de Paulinho que se atrasara para seu jantar, esperando a volta de Satã. Já passavam alguns minutos das oito horas quando Paulinho apareceu com os olhos avermelhados. Havia levado umas palmadas por ter chegado muito tarde para jantar. Aí contou-nos o inesperado. Apesar de ter ficado até às sete horas e vinte minutos na esquina, não vira Satã chegar. - Como isso é possível? Perguntou Edgard. - Bem, é possível que ele tenha saído para outro lugar, respondeu Paulinho. - É, ponderou Lélio. Ele pode ter uma namorada e ter saído ao encontro dela. - Aceitas as ponderações, ficou estabelecido que cada um deveria, um dia, aguardar a chegada de Satã. - Isso foi feito toda a semana e o estranho fato se repetiu. Satã não voltava, mas todas as manhãs ele saía. - Enfim aconteceu o que todos temíamos, era um mistério de fato. Estávamos diante do sobrenatural? Quem seria ou o que seria aquele homem?
       Novas conjecturas, dúvidas, muita discussão, estávamos outra vez no marco zero da questão. Quem é Satã?
       Invariavelmente era Edgar responsável por tirar-nos dessa situação de insegurança e não nos faltou com suas idéias. Arquitetou um plano de alguém aguardar Satã na saída do Banco e segui-lo. - Coube ao Roberto que morava na casa 3, ele estudava piano e tinha aulas as seis horas da tarde. Porém era necessário sair mais cedo, o Banco fechava as quatro e meia e ele teria que estar lá nesse horário. - Mais uma vez o álibi foi montado por Edgar. - Roberto diria a sua mãe que precisava fazer uma pesquisa na Biblioteca Municipal e que, de lá seguiria para a aula de piano. Tudo certo, sem problemas. No dia seguinte Roberto cumpriria sua parte no plano e no outro dia pela manhã, no intervalo do futebol, no corredor da casa de Dona Conceição, daria as informações sobre o acontecido. Despedimo-nos e fomos dormir. Na manhã seguinte, depois do futebol, desejamos boa sorte ao Roberto porque só o veríamos novamente na manhã do outro dia.   
       Naquela tarde, depois do jantar, voltamos a nos encontrar para o bate-papo costumeiro, antes de dormir. O assunto circulou em torno do trabalho que Roberto deveria estar fazendo como parte do plano. Muitas suposições iam aquecendo cada vez mais nossas desconfianças. Elas acabavam fazendo de Satã uma figura das mais temidas e tenebrosas.
       Na manhã seguinte encontramo-nos às oito horas para nossa partida de futebol. A ansiedade fez-nos interromper o jogo antes do costume e rumar para a casa do Paulinho. Logo começamos a indagar do Roberto sobre os acontecimentos da tarde-noite anterior.

       Ele estava muito desapontado, porque depois de seguir o Satã, descobriu que após sair do Banco da Cidade, ia direto para uma Escola Noturna naquele mesmo bairro. Portanto não lhe foi possível descobrir mais nada. - Tudo bem, disse-lhe Edgar, sua missão foi cumprida com esmero. Precisamos continuar nossas investigações, mas agora será menos desgastante, apesar de que teremos que perder parte de nosso sono. Vamos organizar uns turnos de vigília para que possamos saber a que horas Satã volta para a casa 7. - Assim foi feito.
Eu deveria ficar no turno de 21 às 23 horas e o Edgar ficaria das 23 h até 1 hora da madrugada. Na primeira noite tudo foi em vão, o Satã não voltou para casa. Porém, se ele dava aulas ou trabalhava na escola, não deveria voltar mais tarde do que 1 hora da madrugada. - Por via das dúvidas, na noite seguinte resolvemos fazer três turnos para evitar qualquer surpresa.
       Na manhã seguinte mais problemas, ele não voltara também àquela noite. Cada vez mais crescia o nosso medo. - Seria Satã uma alma penada? - Porque não o víamos chegar em casa? - Era capaz de se fazer invisível? - Muitas coisas foram sendo criadas por nossas mentes infantis.
       Pela primeira vez víamos surgir na expressão do Edgar uma sombra de temor. Um receio mesmo. Demonstrava insegurança, não teve resposta pronta, no momento, que pudesse justificar aquela situação. Mas, como bom líder que era, superou aqueles instantes e disse: Agora está na minha vez de encontrar uma solução para o impasse! Pessoalmente seguirei Satã até seu destino final. Os meninos da vila não podem ser vencidos.
       Mas como Edgar faria isso? Ficamos apreensivos e pedimos esclarecimentos. - Prontamente passou a nos relatar como pretendia levar à cabo sua dura missão. - Vou dizer aos meus pais que o Felipe, meu colega da escola, convidou-me para ir na sua casa amanhã à noite para assistir uns filmes que ele alugou na locadora. Com o Felipe combinarei para que ligue do seu telefone para minha casa e peça autorização de minha mãe, esclarecendo que alugou esses filmes e como vai terminar muito tarde, que me deixe dormir em sua casa. Acho o plano perfeito, não há de suscitar nenhuma dúvida.
       Assim foi executado o plano e Edgar partiu para sua dura jornada na tarde-noite seguinte.
       Obviamente ele não esteve conosco no futebol da manhã porque tendo dormido na casa do seu amigo Felipe, chegou por volta das 10 horas da manhã, indo direto para sua casa. - Quando passou por nós fez um sinal de positivo. - Portanto sua missão tinha sido cumprida. Que surpresas nos estariam reservadas? Só após o jantar é que poderíamos conversar a respeito do fato. Foi um dia bastante longo para todos, a ansiedade foi nossa companheira inseparável.
       Depois do jantar, o grande momento. Sentamos ao meio fio, como sempre fazíamos, e Edgar começou sua explanação. O espanto estava gravado em sua face, sua voz era trêmula.- Disse-nos: Ao sair da Escola, Satã estava vestindo um avental totalmente branco; em sua mão esquerda carregava uma pasta preta. - Segui-o, voltou três quarteirões e pegou a rua da Saudade, corri até a esquina e escondi-me atrás do poste para observa-lo. Aí aconteceu uma coisa incrível! - Satã chegou em frente ao portão do Cemitério e simplesmente entrou, sem sequer fazer um movimento no sentido de abri-lo. Ele é uma alma do outro mundo. – Trememos de medo com o que Edgar acabara de nos contar, estávamos suando frio e apavorados.
       Começamos a fazer uma série de suposições, tais como: De que forma poderia Satã sair de casa todas as manhãs se nunca voltar de noite? Como entrou no Cemitério sem abrir o portão? Se, todas as manhãs saía da casa 7, sem nada nas mãos, como é que a noite, após as aulas ia para o Cemitério carregando uma pasta preta na mão esquerda?   
      Diante de tantas evidências e de seu comportamento estranho, pouco comunicativo, sempre muito sério, veio o nosso veredicto: Satã não é humano como nós, ou é um morto vivo ou se transforma em morcego como o Conde Drácula, antes de voltar para sua casa à noite, é a única forma de passar por nós sem ser percebido. - Desde aquela noite, nunca mais nenhum de nós quis chegar nem perto de Satã. Foi assim que passamos os anos seguintes na vila.
       Como tudo aconteceu? - Claro que posso explicar-lhes agora. - O tempo passou e cada um de nós descobriu cada fato que criou todas aquelas circunstâncias.
       O Satã, como o chamávamos, além de gerente do Banco da Cidade, era também um conceituado Professor na Escola do Bairro, por isso, sempre tomado de muitas responsabilidades passava por nós sempre pensativo e sério. - Não se relacionava com o pessoal da vila por exclusiva falta de tempo porque trabalhava de dia e de noite. - Se não voltava para casa à noite era porque tinha uma namorada, na casa de quem dormia, por ser mais perto da Escola. - Se, entrava no Cemitério é porque sua namorada, a filha do vigia,
morava nos fundos do terreno. Dava a impressão de entrar pelo portão sem abri-lo porque o pai de sua namorada deixava-o semi-aberto para facilitar Satã que vinha com as mãos ocupadas. - Sempre saía da Escola com uma pasta preta na mão esquerda, porque no dia seguinte, sua namorada, que também trabalhava na Escola, levava-a para ele. - Se no dia seguinte saía da casa 7 da vila é porque o quintal de sua casa, fazia divisa com o quintal da casa de sua namorada, por onde passava através de um pequeno portão.
       Ficou-nos uma lição, pois, julgar as pessoas, apenas pelo que aparentam, é, no mínimo, cometer o crime de irresponsabilidade. Irresponsabilidade e injustiça só se justificam e têm cabimento, ante o julgamento das crianças inocentes, como éramos.



       



Biografia:
Nome: Condorcet Aranha RG. 313.281 Órgão expedidor: Ministério da Guerra. CPF : 365568748-68 Natural de: São Gonçalo, Estado do Rio de Janeiro. Data: 29/01/1940. Endereço: Rua Mathilde Drefahl n° 44, Joinville, Bairro Floresta, Santa Catarina, Brasil. CEP. 89213-050. Telefone: 0XX – 47 – 3463.9813 Celular: 9973.8695 E-mails: condorcetaranha@brturbo.com.br wa.public@ig.com.br Escritor e Poeta Pesquisador Científico - Nível VI, aposentado pelo Instituto Agronômico (Campinas/SP} Governo do Estado de São Paulo. Doutor em Ciências, pela Universidade Estadual de Campinas/SP – UNICAMP. Farmacêutico-Químico, pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro / RJ. Publicações Científicas: 5 livros e 60 artigos nas mais conceituadas revistas, boletins e periódicos científicos. Artigos científicos no jornal “O Estado de São Paulo”. Colaborador dos jornais “Diário do Povo” e “Correio Popular”, Campinas, SP. (poemas, contos e artigos científicos); Colaborador do “Jornal de Serra Negra”, Serra Negra, SP. (poesias, artigos científicos, análise política e charges). Colaborador com crônicas para o jornal “A Notícia”, Joinville, Santa Catarina. Publicações literárias em dezenas de antologias. Premiações em concursos literários a nível nacional e internacional. Livros solo: “Versos Diversos” poesias 2001, “Histórias do famaliá” contos/crônicas 2003, “Sonhos ou Verdades”contos/crônicas 2006. No prelo para março de 2006: “Verdades em versos” (poesias e trovas) e “Sonhos ou verdades” (contos e crônicas). Membro Titular da Cadeira n° 25, Colegiado Acadêmico, nas Áreas de Letras e de Ciências do Clube dos Escritores de Piracicaba São Paulo, Brasil. Membro no Grau Superior da Ordem da Sereníssima Lyra de Bronze, Porto Alegre / Rio Grande do Sul. Brasil Academico da Accademia Internazionale Il Convívio, Castiglione di Sicília, Itália. Membro da Casa do Poeta Rio-Grandense, São Luiz Gonzaga/ Rio Grande do Sul. Brasil. Membro Correspondente da Academia Ponta-Grossense de Letras e Artes – APLA – Paraná. Brasil. Membro Correspondente da Casa do Poeta Rio Grandense, Porto Alegre/RS. Brasil. Sócio Honorário da Associazione Culturale ZACEM, Città di Savona, Itália. Sócio da ALPAS XXI – Associação Artística e Literária Palavras do Século XXI. Sócio da APPERJ – Associação dos Poetas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro. Nome: Condorcet Aranha RG. 313.281 Órgão expedidor: Ministério da Guerra. CPF : 365568748-68 Natural de: São Gonçalo, Estado do Rio de Janeiro. Data: 29/01/1940. Endereço: Rua Mathilde Drefahl n° 44, Joinville, Bairro Floresta, Santa Catarina, Brasil. CEP. 89213-050. Telefone: 0XX – 47 – 3463.9813 Celular: 9973.8695 E-mails: condorcetaranha@brturbo.com.br wa.public@ig.com.br Escritor e Poeta Pesquisador Científico - Nível VI, aposentado pelo Instituto Agronômico (Campinas/SP} Governo do Estado de São Paulo. Doutor em Ciências, pela Universidade Estadual de Campinas/SP – UNICAMP. Farmacêutico-Químico, pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro / RJ. Publicações Científicas: 5 livros e 60 artigos nas mais conceituadas revistas, boletins e periódicos científicos. Artigos científicos no jornal “O Estado de São Paulo”. Colaborador dos jornais “Diário do Povo” e “Correio Popular”, Campinas, SP. (poemas, contos e artigos científicos); Colaborador do “Jornal de Serra Negra”, Serra Negra, SP. (poesias, artigos científicos, análise política e charges). Colaborador com crônicas para o jornal “A Notícia”, Joinville, Santa Catarina. Publicações literárias em dezenas de antologias. Premiações em concursos literários a nível nacional e internacional. Livros solo: “Versos Diversos” poesias 2001, “Histórias do famaliá” contos/crônicas 2003, “Sonhos ou Verdades”contos/crônicas 2006. No prelo para março de 2006: “Verdades em versos” (poesias e trovas) e “Sonhos ou verdades” (contos e crônicas). Membro Titular da Cadeira n° 25, Colegiado Acadêmico, nas Áreas de Letras e de Ciências do Clube dos Escritores de Piracicaba São Paulo, Brasil. Membro no Grau Superior da Ordem da Sereníssima Lyra de Bronze, Porto Alegre / Rio Grande do Sul. Brasil Academico da Accademia Internazionale Il Convívio, Castiglione di Sicília, Itália. Membro da Casa do Poeta Rio-Grandense, São Luiz Gonzaga/ Rio Grande do Sul. Brasil. Membro Correspondente da Academia Ponta-Grossense de Letras e Artes – APLA – Paraná. Brasil. Membro Correspondente da Casa do Poeta Rio Grandense, Porto Alegre/RS. Brasil. Sócio Honorário da Associazione Culturale ZACEM, Città di Savona, Itália. Sócio da ALPAS XXI – Associação Artística e Literária Palavras do Século XXI. Sócio da APPERJ – Associação dos Poetas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro. Condorcet Aranha, Escritor,Poeta,Doutor em Ciências,Pesquisador-Científico, Farmacêutico-Químico.
Número de vezes que este texto foi lido: 29362


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Menino de rua Condorcet Aranha
Poesias Poema à consciência Condorcet Aranha

Páginas: Primeira Anterior

Publicações de número 21 até 22 de um total de 22.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
Doente - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 102 Visitas
Conclamo - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 102 Visitas
Mês - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 102 Visitas
Ocaso - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 102 Visitas
Teia - Vantablack 102 Visitas
LENTAMENTE ME AMAS - Paulo Sérgio Rosseto 101 Visitas
Marionetes sacanas - Roberto Queiroz 101 Visitas
Lança - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 101 Visitas
EXPERIENTE - Paulo Sérgio Rosseto 101 Visitas
Dor - Renato da Silva varella 101 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última