Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
AMAR DEMAIS 17 NOVEL LIVRE 14 ANOS
DE PAULO FOG E IONE AZ
paulo azambuja

Resumo:
EXCELENTE

32



               Pri se assusta ao ver ali um homem magro, cabelos grisalhos, voz rouca e de óculos.
   - Estou bem diferente?
   - Um pouco.
   - Vamos lá, seja como sempre foi.
   - Bem diferente.
   - Pois é a vida, nem sempre é digna, como no seu caso.
   - Como ficou assim?
   - Diabetes, emagreci, agora sou dependente das insulinas.
   - Mas me disseram que você estava curado.
   - Ah, com certeza minhas colegas do hospital.
   - É, eu fui até lá, precisamos conversar.
   - Já estamos, me desculpe, você continua belissima.
   - Obrigado.
   - E seus filhos?
   - Estão bem.
   - Realmente, você sumiu, evaporou depois daquilo.
   - Eu a deixei morta, na porta do necro?
   - Sim a deixou.
   - Mais.........
   - Mais.........
   Téo se levanta e vai até uma mesinha próxima a janela, acende um cigarro e retorna ao assento.
   - Não deveria fumar.
   - Pare, sei que logo partirei.
   - Não pense assim, Téo.
   - Sabia, sempre te quis, nem que por um breve momento.
   - Téo.
   - Olhe, sou um homem acabado, quem diria que agora teria sua presença aqui.
   - Por favor, Téo, me responda.
   - O quê?
   - Téo....
   - Sim, ela esta viva, é isso que quer saber. Pri se descontrola e cai aos poucos no chão, ali em choro ela olha para Téo que se torna uma espécie de Deus para ela neste momento.
   - Por que Téo?
   - Pense Pri, ela ficou sem o filho por tantos anos.
   - Não tinha que ter acontecido, mais ela sabia, concordou.
   - Eu sei, na época você mesma me disse só que após ter retornado do mundo dos mortos ela decidiu lutar, ir atrás da sua cria.
   - A criança foi vendida.
   - Sim, ela encontrou quase 10 anos depois.
   - Como?
   - A isso você vai ter de perguntar a ela.
   - O que ela quer comigo?
   - Tem mesmo que perguntar isso? Pri ali em choro.
   - Onde ela está?
   - Deixe isso com ela, com certeza você vai ve-la pessoalmente, bem de pertinho e em breve.
   

   Pri gela ao ouvir aquilo, Téo olha fixo nela.
   - O que pretende fazer?
   - Téo, já faz muito tempo tenho meus filhos.
   - Fique tranquila com certeza ela só quer relembrar alguns momentos com vocês.
   - Vocês?
   - Deve estar bem nervoso seu companheiro lá na estrada, o Dr. Diogo.
   - Como sabe?
   Téo abre um breve sorriso, o que faz Pri se levantar, ajeitando-se sai dali.
   - Obrigado pela visita.
   Ela corre pelo corredor até parar frente a Ledina.
   - Já vai?
   - Sim.
   - Obrigado por vir visita-lo.
   - Tchau.
   - Tchau.
   Após passar pelo portão ela disca para Diogo que liga o motor do carro, logo entra no veiculo meio que em pânico.
   - O que houve?
   - É ela mesma.
   - Agora vai ser comigo que aquele velho vai ter de falar.
   - Não, nós vamos embora daqui, agora.
   - O quê?
   - Já ouviu, por favor Diogo, vamos embora, por favor.
   - Tudo bem, vamos. Diogo sai dali, um homem a certa distância tira algumas fotos.
   As fotos são entregues a Téo, por celular ele manda para a interessada.
   Rosa recebe as fotos com algumas mensagens de Téo, logo um rapaz entra ali, abraçando-a.
   - O que foi mãe?
   - A meu filho, logo você vai conhecer alguém muito especial para ti.
   - Quem mãe?
   - Logo saberá, meu filho amado.
   - Te amo mãe.
   - Eu também Vítor, te amo muito meu filho querido.
   04012019.............................
   









                            33





           Pietra termina o preparo do jantar, Kauã a ajuda com os seus filhos, fiscalizando- os no banho.
   - Obrigado Kauã.
   - Nada.
   - Ah, se não fosse você, não sei o que seria de mim.
   Logo toca seu celular e ela atende.
   - Oi.
   - Oi, o que você quer?
   - O que houve amor, sou eu.
   - Fala logo Lázaro, tenho de dar comida aos meus filhos.
   - Nossa pelo jeito esta aos nervos comigo hein.
   - Olhe acho que não tem nada de interessante a dizer, portanto tchau.
   - Não desligue por favor, amor.
   - O que foi?
   - Quero dormir com você, posso?
   - Para quê?
   - Como para quê, oras....
   - Tá tudo bem, só vir.
   Ligação finalizada, as crinaças já estão terminando sua refeição á mesa, Kauã pega sua mochila se despedindo.
   - Onde o sr vai?
   - Bem, tenho que ver minha mãe e ainda outros negócios.
   - Dessa vez eu deixo, mais veja bem, da próxima quero também sua companhia comigo aqui, tudo bem?
   - Tá, tudo bem.
   Lázaro entra no banho e minutos depois sai de toalha, abre o armário e escolhe sua roupa, passa perfume, a porta de seu quarto recebe uma leve batida.
   - Marisa.
   - Oi, me desculpe, aqui estão os documentos, estão prontos é só você assinar.
   - Tudo bem, entre.
   - Não, prefiro esperar aqui.
   - Tá, como queira.
   Ele assina e logo traz para ela.
   - Pelo jeito você e o Breno estão ficando bem íntimos hein?
   - Por favor Lázaro.
   - Me desculpe, acho que ainda não consigo lidar com tudo isso.
   - Mais deve aprender, afinal foi você quem quis assim.
   - Sim eu sei, mais uma vez me desculpe.
   - Tudo bem.
   Documentos em mãos ela se despede dele e assim a porta é fechada.
   - Ah, Marisa, por que teve de ser assim, poderíamos termos sido felizes.
   Ele guarda a sua cópia e termina de se arrumar.
   Terminado a refeição, Pi leva as louças á pia, quando toca a campainha de sua casa.
   - Nossa, esse cara esta mesmo louco sei lá para quê. Ela abre a porta e ali a sua frente.
   - Oi, boa noite.
   - Boa noite.
   - Sou Lorraine, conheci seu marido.
   - Você conheceu o Samuel?
   - Na verdade temos um certo negócio juntos, bem, eu trabalhava para ele.
   - Bem......
   - Posso entrar?
   - Vai, arrume um lugar ai nesse sofá.
   - Tudo bem, obrigado.
   Após estar um pouco confortável, Lorraine.
   - Já de inicio quero deixar bem claro que eu e seu esposo nunca tivemos nada além do profissional com as vendas, entende?
   - Estou tentando entender, mais vai fala ai.
   - Trouxe isso para você.
   Lorraine entrega para Pietra um envelope neste algumas cédulas.
   - É dinheiro?
   - Sim , da última venda.
   - Olhe moça, não sei se posso ficar com isso.
   - Bem, eu tinha de entregar, fiz minha parte.
   - Seu trabalho era vender os produtos dele?
   - Mais ou menos, eu sou meio que sócia em um bar, ou era, bem, mais eu lido com prostituição.
   - Ah, entendo.
   - Mais ele nunca esteve no bar, o máximo que ele chegava era até a esquina, ali ele mandava mensagem e eu ia e fazia a troca.
   - Troca?
   - Sim, o dinheiro por mais produtos.
   - Olhe, eu não tenho nada aqui.
   - Eu sei, ele me disse que você não se envolvia nisso.
   - Vocês conversavam bastante hein?
   - Ás vezes e muito pouco.
   - Sei.
   - O que foi?
   - Sabe, acho que nem tão pouco assim, pois até falaram de mim.
   - O mulher ciúmenta.
   - Me desculpe.
   - Te entendo, mais e ai, como estão as coisas?
   - Levando, daquele jeito.
   - Pois é, quando precisar de algum tipo de ajuda é só me ligar.
   Lorraine entrega a ela um pedaço de papel com seu número de celular e fixo escrito.
   - Quer tomar um chá?
   - Não. obrigada, acho melhor eu ja ir indo.
   - Tá.
   - Se cuida e não se esqueça, conte comigo.
   - Tá certo.
   - Tchau.
   - Tchau.
   Pi fecha a porta e olha para aquele papel ali e pensa em joga-lo mais algo lhe faz guarda-lo em um vaso de vidro perto da tevê.
   08012019.....................


Biografia:
gosto de escrever
Número de vezes que este texto foi lido: 28518


Outros títulos do mesmo autor

Romance estrada de aço 20 novel livre 12anos paulo azambuja
Contos ESTRADA DE AÇO 19 NOVEL LIVRE 12 ANOS paulo azambuja
Contos ESTRADA DE AÇO 18 NOVEL LIVRE 12 ANOS paulo azambuja
Contos ESTRADA DE AÇO 17 NOVEL LIVRE 12 ANOS paulo azambuja
Contos ESTRADA DE AÇO 16 NOVEL LIVRE 12 ANOS paulo azambuja
Contos ESTRADA DE AÇO 15 NOVEL LIVRE 12 ANOS paulo azambuja
Contos ESTRADA DE AÇO 14 NOVEL LIVRE 12 ANOS paulo azambuja
Contos ESTRADA DE AÇO 13 NOVEL LIVRE 12 ANOS paulo azambuja
Poesias EDIVIRGENS E SUAS ATITUDES paulo azambuja
Contos ESTRADA DE AÇO 12 NOVEL LIVRE 12 ANOS paulo azambuja

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 166.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 47135 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 38818 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 31732 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 31235 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 31156 Visitas
Amores! - 30800 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 30601 Visitas
Desabafo - 30538 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 29892 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 29884 Visitas

Páginas: Próxima Última