Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
MARCOS 21 NOVEL GLS
DE PAULO FOG
ricardo fog

Resumo:
EXCELENTE

28








                             Ali na sala, Lurdes mexe os dedos, vez ali passa as mãos nos cabelos, em sua frente no outro sofá, Bruno e Marcos.
    - E então Lurdes, por que ir?
    - Tenho assuntos.
    - Te entendo, mais por que antes disse que ficaria e agora já vai?
    - Preciso.
    - Aconteceu algo, alguém lhe ofendeu?
    - Não, Bruno, tenho minha vida, meus assuntos.
    - Tudo bem.
    - Então talvez não nos vejamos na minha ida adeus.
    - Até logo Lurdes.
    Bruno e Marcos saem da sala indo para o quarto, ali Lurdes aproveita confere no celular, nada de mensagens de Adélia.
    - O que houve, o que ela esta tramando.
    Marcos deita na cama, Bruno cai ao seu lado.
    - O que esta acontecendo?
    - Não sei Bruno, mais sinto que há algo estranho.
    - Será que vai vir algo ruim?
    - Queira Deus que não.
    - Qualquer coisa nos protegemos.
    - Não, eu te protejo amor.
    - Que doce.
    - E o Gustavo?
    - Meu filho agora esta querendo se tornar empresário.
    - Como assim?
    - Pois é agora fica o tempo todo junto dos pais da Laís, quer aprender tudo sobre comércio.
    - Que louco.
    - Eu estou achando o máximo, meu filho é bastante interesseiro, inteligente, educado.
    - Igual ao pai.
    - Que elogio.
    - Sempre temos que elogiar a quem amamos.
    - Obrigado.
    - Só disse a verdade.
    - Ah, sobre a casa em Epitácio?
    - Tudo certo, vamos fazer uma limpeza lá no próximo final de semana?
    - Demorou. Risos.
    Ali eles se acabam em beijos e abraços.
    Gustavo ajuda o pai de Laís a fechar a loja e o homem lhe oferece carona mais ele opta por andar um pouco, Laís fora para a aula de inglês e depois tem ballet.
    - Então até amanhã.
    - Até.
    O rapaz anda pela calçada e logo entra no calçadão onde entra em 2 lojas e confere os preços e analisa algumas mercadorias que poderá sugerir na loja do pai de Laís para futuras compras, continua no passeio e entra numa lanchonete de onde sai com uma coxinha de frango e refri em lata.
    - Olá garoto perdido.
    - Oi André.
    - O que faz por aqui?
    - Acabei de sair da loja do pais da minha namorada.
    - Loja?
    - Nossa você não esta sabendo?
    - Não, mais agora você vem comigo, te dou carona e você me conta.
    - Demorou.
    Eles seguem até a avenida onde André abre o carro e Gustavo entra.
    Marcos se despede de Lurdes e sai junto de Bruno que o leva até o portão.
    - Vai dormir comigo?
    - Amanhã.
    - Sério?
    - Tô dizendo, amanhã eu fico na tua casa.
    - Te amo.
    - Vai.
    Bruno olha até Marcos virar a esquina e entra na casa, Lurdes ali na cozinha prepara um macarrão, molho de salsichas, salada verde.
    - Tem certeza que não quer se abrir Lurdes?
    - Esta tudo bem.
    Bruno segue para o quarto quando.
    - Por favor Bruno, nunca deixe Adélia tomar conta de sua vida.
    - Por que diz isso?
    - Por favor.
    - Você sabe de algo, diz por favor Lurdes.
    - Cuida do seu filho, proteja ele, olhe assim que puder saia desta casa.
    - Lurdes, esta me colocando medo, minha tia é má?
    - Não, não é isso, só por favor cuide dele e de você.
    A conversa flui animadamente no carro entre André e Gustavo.
    - Cara não sabia que você era tão legal.
    - Tá vendo, vocês jovens não dão vez para os tios.
    - Para com isso, André, posso te pedir algo?
    - O quê?
    - Na verdade é uma pergunta.
    - Pode fazer.
    - Você gosta do meu pai?
    - Claro somos colegas de trabalho, amigos...
    - Não, André, de outro modo você entende o que eu digo.
    - Gustavo.
    - Cara eu não sou bobo, sei que ele e o Marcos tem algo bem íntimo.
    - Meu, como vocês jovens são diretos hein.
    - Antenados.
    - Isso, pode ser isso.
    - E ai?
    - Sim, na verdade, eu amo Bruno.
    - Ama?
    - Pois é, nossa, estoutodo nervoso, sem graça total, falando disso contigo.
    - Se ama, por que....
    - Gustavo o amor do Bruno é para o Marcos.
    - Entendo.
    - Quero então a amizade dele.
    - E o Marcos?
    - Bem se ele quiser ser meu amigo, por mim, tudo bem.
    - Sei.
    Toca algo no rádio uma música bem contagiante e Gustavo aproveita para sair do assunto vendo que André ficara em desconforto com aquilo.
    O carro para na frente a casa, Gustavo olha para André que sorri.
    - Bem chegamos.
    - É.
    O rapaz olha profundamente em André.
    - Vamos entrar.
    - Não, além do mais o Marcos esta ai.
    - E ai, é meu convidado.
    - Melhor não.
    Gustavo puxa André pelas mãos e ali surge um beijo, André mergulha a língua dentro da boca do rapaz que o abraça, os segundos seguem e logo eles separam.
    - Me desculpe.
    - Fique de boa, eu que quis.
    - Gustavo.
    - Sabe, desde quando eu te vi, eu quis.
    - Por favor.
    - Mais sabe, a boca da Laís é melhor.
    - Graças. Risos.
    Gustavo sai e André segue seu rumo.
    Ele abre a porta, Lurdes sorri da cozinha e vai para o quarto, ali Bruno de toalha saira do banho.
    - Que bom que chegou filho, onde esta aquela bermuda...
    - Pai.
    - O que houve filho?
    - Eu beijei o André.
    

   30122017 .............................................
    
    











                          29


    - Vocês se beijaram, ele te forçou, fez algo mais?
    - Calma pai eu quis.
    - Como assim?
    - Eu quis, só isso.
    - Bruno se deixa cair na cama, Gustavo abre a gaveta da cômoda pega roupas para ele e joga ao lado do pai a bermuda que procurava.
    - Obrigado.
    - Nada pai.
    Após o banho, ali na copa fazem a degustação do jantar em pleno silêncio, Lurdes termina e diz que vai para o quarto terminar de arrumar suas coisas, ali pai e filho se olham.
    - Precisamos conversar.
    - Sobre o quê pai?
    - É sério isso filho?
    - Pai tô de boa.
    - Gustavo.
    Terminada a refeição, eles lavam a louça, guardam as sobras e deixam a cozinha impecável.
    - Filho.
    - Sim pai.
    - E a Laís?
    - Minha namorada?
    - Filho.
    - Pai, tudo certo, eu queria saber o que o sr sente.
    Bruno sente o mundo desabar ali na sua frente aos seus pés.
    - Como assim?
    - Oras pai, sei que o sr gosta do Marcos, mais o André gosta de ti também.
    - Como soube?
    - Pai, eu vejo.
    - Sim, eu é que sou careta, devia ter dito antes.
    - Pai de boa, pode ficar tranquilo, não vou e nem quero explicações.
    - Filho.
    - O que eu quero é que seja feliz.
    - Gustavo.
    - Ah sobre o beijo, prefiro o da Laís, mais molhado e feminino.
    - Meu filho.
    - Te amo pai.
    - Também te amo filhão.
    Ali eles se abraçam, ao longe Lurdes presencia a cena e lágrimas nos olhos profere baixo.
    - Se minha amiga estivesse viva, presenciaria o quanto o rebento dela se tornou um homem valoroso.
    Amanhece, Lurdes ali no aeroporto se despede de Marcos, Bruno, Gustavo, André, Vera.
    - Obrigado por terem vindo.
    - Nos ligue assim que chegar.
    - Tudo bem.
    Ela os abraça e segue para seu voo para Belo Horizonte o pessoal segue para o escritório, menos Marcos que leva Gustavo para a loja e depois segue para um compromisso.
    No escritório todos ali contentes com o retorno de Victor que após organizar sua sala, vai para a de Bruno.
    - Atrapalho?
    - Jamais.
    - Me desculpe não ter ido.
    - Olhe Victor foi Deus que ajiu, acredite se fosse eu não poderia ter lhe dado a devida atenção necessária.
    - Podemos falar?
    - Claro. Bruno encosta a porta e serve café para Victor.
    - Obrigado.
    - Aconteceu algo Victor?
    - Olhe Bruno eu sei que vai ficar um tanto embaraçoso mais preciso falar.
    - Pode dizer.
    - Eu tenho um caso com seu tio.
    - Desconfiava.
    - Como?
    - Nas suas férias, entrei na sua sala e vimos no seu pc uma foto.
    - Meu Deus.
    - Fique tranquilo, permanece em segredo.
    - Mais você disse que vimos.
    - Sim eu e o André.
    - Nossa.
    - Fique tranquilo.
    - Bem, o fato é que em minha férias eu conheci um outro alguém, desempedido.
    - Boa sorte.
    - Verdade.
    - Victor todos temos de ter um amor.
    - Realmente pensa assim?
    - Claro, eu também amo um homem.
    - Como?
    Ali Bruno lhe conta tudo sobre como conhecera Marcos e seus sentimentos por aquele homem.
    - Nossa que lindo Bruno.
    - Pois é, a vida tem seus encontros.
    - Demorou mais eu acho, encontrei o meu par.
    - Lhe desejo toda felicidade.
    - Obrigado Bruno.
    - Ja falou com eu tio.
    - Olavo não vai entender, tentei falar com ele ontem e me pôs para fora.
    - Incrível como ele pode ser tão bruto.
    - Mais vou resolver, só precisava desabafar.
    - Quando quiser falar pode vir, sempre te ouvirei.
    - Obrigado de novo.
    Victor aperta a mão de Bruno e sai da sala.
    André entra logo após, encontrando Bruno preso em pensamento.
    - Oi.
    - Olá me desculpe, não te vi entrar André.
    - Bati na porta, sem resposta entrei vai que tivesse acontecido algo.
    - Fez bem.
    - Aconteceu algo?
    - Sim.
    André ali a olha-lo com certo aguço, já Bruno sem entender se por curiosidade ou desejo.
    - Victor esteve aqui.
    - O que disse?
    - O que já sabíamos.
    - Sobre seu tio?
    - Sim.
    - E ai?
    - Ele encontrou um outro alguém.
    - Meu Deus.
    - Pois é, agora vai começar a guerra.
    - Mais o dr Olavo deveria saber, mais dia ou menos ia acontecer.
    - E agora?
    - Só resta saber o que o que o dr vai fazer.
    - Com certeza vai querer ele fora do escritório.
    - Isso sim.
    - O quê?
    - Pode estraga-lo diante ao ramo jurídico.
    - Será André.
    - Me desculpe Bruno, ele é seu tio, mais sei de coisas que meu pai conta.
    - Não pode ser.
    - O que pensa fazer?
    - Por enquanto vou só acompanhar, qualquer coisa eu pensarei.
    - Conte comigo.
    - Obrigado André.
    
    03012018..................


Biografia:
escrevo para trazer a tona meus sentimentos anseios desventuras talvez.
Número de vezes que este texto foi lido: 64


Outros títulos do mesmo autor

Crônicas O OUTRO LADO DO SUCESSO ricardo fog
Crônicas TE AMO MÃEZINHA MUITISSIMO ricardo fog
Contos SUSSURROS TERROR FINAL ricardo fog
Contos AVISO ricardo fog
Contos ROBERTA NOVEL HOT 2 P2 ricardo fog
Contos ROBERTA NOVEL HOT 2 ricardo fog
Contos SUSSURROS 24 TERROR PRÉ FINAL ricardo fog
Contos ROBERTA NOVEL HOT HÉTERO 18 ANOS ricardo fog
Contos MARCOS 21 NOVEL GLS ricardo fog
Contos SUSSURROS 23 TERROR ricardo fog

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 85.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2018
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 183180 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 152118 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 151516 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 128625 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 67645 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 66366 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 59693 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 59669 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 57841 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 53796 Visitas

Páginas: Próxima Última