Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
AMAR DEMAIS 5 NOVEL LIVRE 14 ANOS
DE PAULO FOG E IONE AZ
paulo azambuja

Resumo:
EXCELENTE

- Sabe ás vezes acho que aquele tal advogado nem era um advogado assim, de verdade, entende.
      - Pode até ser, Diogo é capaz de tudo.
      - Nossa, mais negar o sustento dos filhos.
      - Vai, me ajuda aqui na cozinha.
      - Eu não, sai fora, vim aqui é para curtir tomar umas, ver meus netos.
      - Sei, veio é beber né mãe?
      - Vai logo traz mais uma que essa desceu rasgando de bom, agora traz aquela que você ia tomar mais tarde.
      - Mãe, não entendo por que a senhora não muda, o Moi é tão bom para ti.
      - Talvez seja isso, sempre temos de desconfiar dos muito bons, entende.
      - Ah, vai, tome o que quiser, ja é grande e vacinada.
      - Ai sim, falou minha caçula linda.
      - Sou tua única caçula, se esqueceu?
      - Eita cerveja doce pra caramba, ai eu gosto muitoooooo.
      - Bem, mudando de pato a ganso, por que vocês não mudam para o apartamento do Adrian, afinal ele comprou pra vocês?
      - Que bom que me lembrou senão ia sem te dizer.
      - O quê mãe?
      - Seu irmão chega o mês que vem.
      - Sério, quando soube?
      - Ele ligou semana passada, o Moi atendeu e depois quando eu cheguei ele me disse.
      - E só agora a senhora me diz, mãe.
      - Oras eu estou te dizendo.
      - Nossa tenho que começar a lista para uma boas vindas.
      - Oba, festinha e cerveja, tô dentro.
      - Isso eu ja sabia, falou em festa, taí a dona do frezzer.   Sandra ri descaradamente.
      - Tô dentro princesa da mãe.
      - Mãe.
      - Minha filha ja te criei, ajudei a criar os seus, agora quero mais é festar, querida.
      - Vai, até parece, nos criou sim, mais nunca largou da bebida.
      - Fazer o quê, ela me persegue, linda.
      - E a Pi, mãe?
      - Esta as voltas com Samuel.
      - Finalmente decidiu por ele.
      - Estão juntos daquele jeito, sabe não entendo esse jovens de hoje.
      - Olhe só quem diz. Risos.
      - Aquela menina é bem louquinha.
      - Até parece alguém que eu conheço.
      - Tá, agora vou preparar, melhor terminar o preparo do almoço.
      - Vai, eu vou ficar aqui sentadinha, apreciando a melhor coisa da vida, minha geladaaaaa.
      Sandra fica ali a beber, pri termina o almoço já de olho no relógio, a tarde tem serviço na clinica, ficará até o fim do expediente.
      - Você vai me esperar para irmos, mãe?
      - Claro, hoje estou livre, se apresse, quero tomar uma naquela lanchonete perto do seu serviço.
      - Sabia que não ia de graça.
      - Você que paga hein.
      - Tudo bem.










                                    8





               Pietra estende as roupas no varal, deixa ali e segue para a cozinha onde confere o andamento do almoço, som ligado alto, Samuel entra na sala em macacão sujo de graxa e abaixa o volume, ali no sofá o celular dela toca.
       - Pi.
       - O que foi?
       - Seu celular.
       Ela pega o aparelho com aquele olhar distante para o marido, atende na frente dele e logo desliga.
       - Quem era?
       - Sei lá, não se identificou.
       - Já vamos saber, me dá essa bosta.
       - Chega Samuel, você não manda em mim.
       - Sou teu marido.
       - No papel, querido, papel, na vida há muito que não és. Samuel lhe dá um tapa, ela revida porém ele segura a mão dela.
       - Cafajeste, ordinário, peste, agora sim quero o divórcio.
       - Para quê, ir atrás daquele empresário?
       - E se for, o que você tem com isso.
       - Pi, preste atenção, não sou aquilo que você queria, mais cara, não te falta nada.
       - Me falta sim, me falta minha liberdade.
       - Liberdade, uma mulher com 4 filhos.
       - Se é isso, pode ficar com eles.
       - Presta atenção no que esta dizendo.
       - Cansei, chega. Ela começa a gritar e quebrar as coisas ali, até que Samuel a agarra e a leva para o quarto, ali ele rasga suas roupas e a joga na cama, ainda em gritos eles transam.
       Meia hora depois ali nús na cama, ela acaricia com a ponta dos dedos o corpo dele.
       - A gente tem que procurar uma ajuda.
       - Em quê?
       - É sério mano, isso não é normal, cara, você esta com marcas no rosto.
       - E daí você que fez, não vou te denunciar, esqueceu.
       - Para mano isso tá muito louco.
       - Por falar, e ai trouxe a grana?
       - Deixei debaixo da almofada no sofá.
       Pietra sai da cama correndo, pega a grana e volta, deita ali e abre a cômoda de onde tira um maço de cigarro acende um para eles.
       - Vai almoçar?
       - Claro, se esqueceu trabalho.
       - Não, meu amor, só que este trabalho não dá tanta grana assim.
       - Vai logo, se veste, assim que os meninos chegarem e almoçarem você vai na agência e deposite.
       - Tá louco, hoje no banco, jamais, vou naquela lotérica.
       - Presta atenção, você esta depositando muito ali.
       - Deixa comigo, amore, o velho dali é bem legalzinho comigo.
       - O que foi agora, vai atacar o velhote também?
       - Bem que ele tá no capricho.
       - Me respeite. Samuel sai da cama, pega a toalha seguindo para o banho, sai e almoça enrolado a toalha.
       Logo chegam os garotos na van escolar.
       - Obrigado seu Tito.
       Pietra pega as mochilas e lancheiras e entra com os filhos, chama a atenção de Samuel que corre para o quarto se trocar sob os risos dos garotos.
       Minutos depois ali na mesa todos almoçam.
       - Não esquece amor.
       - Tá legal.
       Assim que ele sai, ela liga para uma colega que vem tomar conta dos filhos, ali vestida em calça, blusinha, faz a make, sapato de salto médio e se despede deles.
       - A mãe já volta tá.
       - Volta logo mãe.
       - Sim meus queridos.
       Marta olha fixo em Pi.
       - Por favor não chegue tão tarde quando da ultima vez.
       - Fazer o quê querida os crush me querem.
       - Vai logo, Pi, tô falando sério, uma hora seu esposo vem e não te acha, daí ja viu.
       - Ai você faz aquele combinado com ele.
       - Deus me livre.
       - O que foi, para Marta, ja notei há tempos seu olhar para ele.
       - Me respeite hein. Pietra sorri e joga beijos ela.
       - Fui.
       - Vai.
       No ponto de ônibus ela tira da bolsa seu vidro de perfume, borrifa no corpo e torna a guarda-lo, sob os olhares reprovadores de algumas senhoras ali.
       - O que foi mau amadas.
       Para o ônibus ela entra, 3 pontos depois desce no centro comercial, vai na lotérica e faz os depósitos e segue pelo calçadão a olhar as vitrines até entrar num Atacado onde faz uma compra, paga com cheque e na saída um carro de aplicativo a aguarda.
       - Naquele endereço moço, por favor.
       - Pode deixar, será entregue.
       - Isso eu tenho certeza afinal, não é legal brincar com Samuka.
       - Jamais senhora.
       - Obrigado colega, tá pago?
       - Sim.
       - Então só seguir, tchau.
       O carro sai e ela ali no celular no aplicativo de mensagem para Marta sobre a compra a ser entregue, logo faz uma ligação.
       - Ja estou pronta.
       - Estou indo.
       Vinte minutos depois para ali um carro preto e ela entra.
       - Oi.
       - Nossa você esta um tesão.
       - Como sempre com suas brincadeiras.
       - Tá gata demais.
       - Meu marido fala o mesmo.
       - Vamos esquecer dele, por favor.
       - Adorei gato. Pietra se joga em cima de Lázaro, empresário no ramo de revenda de auto de luxo.
       - Nossa e esse perfume.
       - Pasei só para ti.
       - Gostosa.
       - Vai, vamos logo. O homem dá partida no carro seguindo para o motel.
       Na suíte mais cara, com direito a cascata de champanhe, ela faz um strip para ele, que enlouquece com cada peça que ela tira e joga nele, nua ela faz diversas dançinhas ali, finalizando em funk em cima dele.

       20102018.............................
       

      

   



Biografia:
gosto de escrever
Número de vezes que este texto foi lido: 400


Outros títulos do mesmo autor

Romance AMAR DEMAIS 19 NOVEL LIVRE 14 ANOS paulo azambuja
Romance AMAR DEMAIS 18 NOVEL LIVRE 14 ANOS paulo azambuja
Contos SÓ VIVER 12 NOVEL LGBT 18 ANOS paulo azambuja
Contos SÓ VIVER 11 NOVEL LGBT 18 ANOS paulo azambuja
Poesias MEUS MOTIVOS paulo azambuja
Crônicas AZUL E ROSA paulo azambuja
Contos SÓ VIVER 10 NOVEL LGBT 18 ANOS paulo azambuja
Romance AMAR DEMAIS 17 NOVEL LIVRE 14 ANOS paulo azambuja
Poesias ESSES TANTOS EUS paulo azambuja
Contos SÓ VIVER 9 NOVEL LGBT 18 ANOS paulo azambuja

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 121.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 186194 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 167625 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 167327 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 131349 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 118366 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 81799 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 70378 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 66255 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 61188 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 56389 Visitas

Páginas: Próxima Última