Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
AMAR DEMAIS CAP 4
DE PAULO FOG E IONE AZ
paulo azambuja

Resumo:
EXCELENTE

5



              O caminhão é coberto pela lona amarela, Adrian ali no carro que fora emprestado por um amigo, ao lado Sandra, no banco de trás Priscila e os filhos, ainda a dividir o espaço com uma tv de 20 polegadas.
    - Vamos filho.
    - Sim mãe.
    Em outra cidade, recomeço, 1 mês depois Adrian parte para a Espanha com 2 amigos, Priscila arruma emprego em uma clinica como enfermeira, aos poucos a vida vai se concertando, Sandra faz bolos, salgados nos momentos que os bebês dormem, logo conseguem vaga para eles na creche.
    Aos fins de semana, Priscila e mãe levam os filhos para um parque onde sempre Pri retorna ao inicia da noite para casa já embriagada.
    Certo dia após lavar a louça do almoço, Sandra ouve o bater de palmas, vai atender e ali no portão, Márcio com 3 malas.
    - Amor.
    - Como soube que eu estou aqui?
    - Não vai me convidar para entrar?
    - Me desculpe.
    Ela sai da porta e logo retorna com as chaves, abre o portão e ali mesmo recebe beijos e abraços.
    Malas na sala, roupas pelo caminho e Sandra se entrega ao prazer do corpo com seu homem.
    - Fala logo que estava morrendo sem mim.
    - Seu cafajeste, você desapareceu.
    - Estive no Paraná.
    - Sei...
    - Sério, Ponta Grossa.
    - Fazendo...
    - Uma viagem.
    - Sério?
    - Te amo mulher, olha eu aqui.
    - Sei, mais e agora, Pri mora aqui.
    - Tô sabendo, melhor a gente arrumar um canto para a gente.
    - Tá falando sério Márcio?
    - Cara, o que mais tenho de fazer, olha eu aqui.
    - Não tô acreditando. O homem cobre Sandra ali de beijos pelo corpo da mulher que se descontrola, mais uma sessão de transa, ali deitados nús, ela mexe nos cachos do cabelo dele.
    - E agora Márcio?
    - Fica tranquila, vai dar tudo certo, amor.
    - Será?
    - Trouxe uma grana. Ele tira de uma sacolinha plástica preta 3 maços de dinheiro e entrega para ela, despejando no corpo de sua amada que vibra em felicidade.
    - Corre vamos logo comprar umas coisa para nossa nova casa.
    - Tá bom.
    Sandra caminha com Márcio pelo centro comercial, faz compras inclusive de mercado.
    No retorno passa na creche e ali avisam que prisicla já os levou.
    Ali na área, Pri sentadam um dos filhos a chorar.
    - Filha.chão.
   
    - Onde você foi mãe?
    - Fomos bem....
    Priscila vê Márcio ali na frente.
    - O que esse cara tá fazendo aqui?
    - Ele veio morar comigo.
    - Morar?
    - Olhe Pri, sou mulher, preciso de um companheiro, Márcio é o cara, o cara que eu quero, entende.
    - Tudo bem vou alugar um lugar para mim e os meninos.
    - Não precisa, a gente fica junto, vai dar certo, filha.
    - Não mãe, com este cara, não.
    - O que você tem contra o Márcio, vai fale logo.
    Pri ali em silêncio lhe passa um filme de certo momento que lhe causara certo horror.
    - Olhe vou deixar os meninos com a senhora, já eu venho.
    - Onde você vai filha?
    - Logo eu venho. Ela entrega um para Sandra enquanto o outro dorme ali na coberta no chão.
    - Pronto, o problema sou eu, eu saio.
    Ela passa por Márcio que diz aquilo e permanece o silêncio.
    Quase 2 horas depois ela chega com algumas sacolas.
    - Onde você vai filha?
    - Amanhã eu me mudo com meus filhos.
    - Filha.
    - Já esta certo mãe.
    - Você fica, o Márcio foi embora.
    - O quê?
    - Tem uns 20 minutos, ele foi de táxi.
    Pri sai dali jogando as sacolas no tapete, em alguns minutos esta na rodoviária.
    - Márcio.
    - Sabia que ia vir atrás de mim.
    - Seu canalha. Ela esbofeteia ele ali, alguns passageiros veem aquilo porém não interferem.
    - Por que tinha de vir?
    - Sabe uma pena, os garotos não são meus?
    - Cafajeste.
    - Fique calma, olha o papelão que esta fazendo, não é do seu feitio.
    - Seu desgraçado.
    Ao longe, Sandra observa aquilo, lágrimas descem de seus olhos.
    - Eu espero, de coração, que você seja homem suficiente para nunca mais perturbar a minha mãe, minha família, entendeu.
    - Não entendo o por que de tanto ódio, afinal, se aconteceu, fooi por que os dois quiseram. Outro tapa e pri sai dali, após andar alguns metros ali encostada a um poste, Sandra chora.
    - Mãe.
    - Vai diz, diz logo que você saiu com ele.
    - Mãe, por favor.
    - Sua puta, vagabunda, teve coragem disso.
    - Eu não quis....
    - Não quis, o quê, filha ingrata, maldita.
    - Mãe.
    - Como pôde Pri, como pôde, tanto homem, tanto macho, mais tinha que ser com o meu, tinha que ser com o Márcio....
    - Ele me violentou. Sandra cai no chão, leva as mãos a face, Pri abraça a mãe ali no chão.
    - Não, não pode ser, você mente, você é mentirosa, sempre foi assim, mentirosa.
    - Mãe.
    - Cale a boca, cala essa maldita boca.
    - Ele me estrupou.
    - Não. Grita Sandra.
    Sandra dá um tapa na cara da filha que cai e ali as 2 iniciam uma briga, logo uma viatura pára ali.








                                   6




             Na viatura, nenhuma palavra, na delegacia ambas assinam um termo e são dispensadas.
     Kauã e Kauê ali ao choro, sob o cuidado de Pietra, filha do dono do bar da esquina.
     - Enfim chegaram, eles estão com fome.
     - Obrigado. Agradece Pri a garota, Sandra entra no quarto e logo retorna dando 20 reais para a garota.
     - Obrigado D. Sandra.
     - Eu que agradeço filha.
     A moça sai dali, minutos depois Pri vem com 2 mamadeiras e entrega uma para a mãe que alimenta Kauê, Kauã ali acaricia o rosto de Pri enquanto recebe sustento lácteo.
     - Quando foi?
     - Quer mesmo saber?
     - Quando?
     - Poucos dias depois daquela festa, daquele churrasco em casa.
     - Filho da puta, como não percebi.
     - Eu estava vindo do serviço, ele me parou naquele beco.
     - Cafajeste.
     - Tentei gritar, ele me disse que te faria mau...
     - Como ele pôde...
     - Mãe, foi você mesma que disse, homens são sempre animais selvagens se tratando de aguns assuntos.
     - Me perdoe.
     - Eu que tenho de lhe pedir...
     - Por favor, já basta aquela cena. Risos ali delas.
     Os meninos dormem ali, Sandra toma cerveja sentada á porta da cozinha, escorada no batente, Pri traz uma porção de linguiça frita, acende um cigarro que elas dividem os tragos.
     - Já cansei de te dizer, pare com este cigarro, você ainda amamenta.
     - Coisa mais dificil, eles quase não querem meu leite mais.
     - Por que será?
     - Tá bom. Ela apaga o cigarro, bate á porta, Sandra diz estar aberta, entra ali um senhor alto, magro, negro.
     - Fala Moisés.
     - Trouxe mais algumas cervejas.
     - Nossa, melhor do dia. Risos.
     As duas pegam as bebidas e colocam no congelador do refrigerador, Pri abre uma, copo e lá estão os 3 a beber na área externa dos fundos, logo ele se intera dos ultimos acontecimentos.
     - Gente, família, ás vezes é um saco.
     - Beleza Moi, já entendemos.
     - Não cara, vocês duas são muito legais.
     Mais algumas cervejas e logo percebem que Moi já esta um tanto alto.
     - Vai lá no bar e avisa a Pri que ele dorme aqui.
     - Tá certo. Pri sai e logo retorna.
     - Ela já até fechou o bar.
     - Garota esperta.
     - Por que você não admite que esta gostando dele.
     - Ainda quero o conhecer melhor.
     - Tá, sei.
     Amanhece e a rotina ali é de sempre, trabalho para Pri, Sandra a cuidar da casa, fazer bolos, agora tendo sempre mais presente Moi naquela casa.
     Os preparativos para a festinha de 1 ano dos meninos traz mais alegria para elas.
     Adrian já começara a mandar dinheiro na conta de Sandra, ela usa muito pouco deste, já tendo em mente de comprar a casa própria.
     Parabéns ali cantando, alguns vizinhos, Pietra a brincar com os bebês, Pri esta muito bonita em vestido leve, costas nuas, make e biju, fizera um penteado já que esta fazendo curso para cabelereira.
     - Você esta muito bonita.
     - Obrigado.
     Ali com ela um sargento da PM, branco, alto, corpo atlético.
     Daquele assunto surge outros que termina por após o ultimo convidado saindo, eles irem para o quarto dela.
     - Sabia que eu a teria hoje.
     - Casado?
     - Não, noivo.
     - Problema.
     - Quer para por aqui?
     - Eu, não estou procurando compromisso, não no momento.
     - Linda.
     No outro quarto, Sandra faz amor com Moi, os meninos dormem no berço na lateral daquela cama de casal.
     Aguns anos depois....






                         7




                  Terminado de abrir a ultima caixa, em um apartamento de 2 quartos, Priscila coloca os jogos do game dos filhos agora prestes a entrar na casa dos 20 anos.
      Kauã, já as vésperas do término do curso de mecânico, tem trabalhado nesta área há uns 4 anos.
      Kauê acabara de finalizar o primeiro ano de enfermagem, ali seguindo os passos de Pri, ela coloca em seu quarto o porta retrato com os filhos e Alessandro.
      - Nossa, não é que ficou bom.
      - Te falei mãe.
      - Minha nossa, Santa mãe de Deus nem tô acreditando que você vai ter seu canto.
      - Pois é, foi um pouco demorado, bem mais do que eu havia planejado.
      - Filha, você tem de levantar as mãos ao céu.
      - É, o Alessandro prometeu e cumpriu.
      - Ainda sente falta?
      - Dele, muitas.
      - E pensar que há 1 ano atrás a gente estava festejando a subida dele para um outro grau.
      - É verdade, quem ia saber que naquela noite morreria em trabalho.
      - Foi ver sua sogra?
      - Aquela mulher me odeia, você sabe muito bem.
      - Achei que ela melhoraria.
      - Não, ficou pior, ainda mais depois da apólice.
      - Sabe, as pessoas são mesquinhas ela também teve a dela.
      - Mais ela queria tudo, na verdade ela nunca gostou de mim, o filho único dela sargento, policial, estar comigo.
      - Pelo que sei, nem contigo e nem com ninguém.
      - Agora ela fica todos os dias no cemitério, lavando o túmulo recolocando as flores.
      - Amor de mãe, não brinque com isso.
      - Eu sei mãe, e ai Moi, a Pri?
      - Estão bem, aquele homem como sempre me deixando louca.
      - Sei.
      - Verdade, agora quer reformar a cozinha a todo custo.
      - E você nem gosta.
      - Que mulher não gosta de ver novidades na casa.
      - Verdade, vou passar um café.
      - Não tem uma cervejinha, não?
      - Mãe, olhe a sua saúde, o Moi pediu....
      - O Moi, Moi, Moi, deixe aquele chato, sabe que sua mãe sempre gostou de uma bebidas.
      - Tá bom.   Priscila traz cerveja e 1 copo.
      - Ué e você?
      - Não, vou preparar o almoço, logo os rapazes chegam.
      - Quem diria hein você com dois homens lindos te ajudando.
      - É, tem hora que eu me pego pensando nisso, vamos combinar mãe, meus filhos são lindos não é?
      - Lindos, muito mais que isso, capazes, responsáveis, valentes, trabalhadores, honestos.
      - É. Pri se enche de orgulho.
      - Nem parecem filhos daquele calhorda, sem vergonha.
      - Mãe, aquele cara não existe, esquece.
      - É, melhor coisa a se fazer.
      - O desgraçado só depositou por 5 anos e ainda vez ou outra.


Biografia:
gosto de escrever
Número de vezes que este texto foi lido: 384


Outros títulos do mesmo autor

Romance AMAR DEMAIS 19 NOVEL LIVRE 14 ANOS paulo azambuja
Romance AMAR DEMAIS 18 NOVEL LIVRE 14 ANOS paulo azambuja
Contos SÓ VIVER 12 NOVEL LGBT 18 ANOS paulo azambuja
Contos SÓ VIVER 11 NOVEL LGBT 18 ANOS paulo azambuja
Poesias MEUS MOTIVOS paulo azambuja
Crônicas AZUL E ROSA paulo azambuja
Contos SÓ VIVER 10 NOVEL LGBT 18 ANOS paulo azambuja
Romance AMAR DEMAIS 17 NOVEL LIVRE 14 ANOS paulo azambuja
Poesias ESSES TANTOS EUS paulo azambuja
Contos SÓ VIVER 9 NOVEL LGBT 18 ANOS paulo azambuja

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 121.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 186194 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 167625 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 167327 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 131348 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 118366 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 81799 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 70377 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 66254 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 61188 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 56389 Visitas

Páginas: Próxima Última