Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
AMAR DEMAIS CAP 3
DE PAULO FOG E IONE AZ
paulo azambuja

Resumo:
BOM

3




             Três semanas depois, Priscila passando pelo corredor vindo de uma chamada de um quarto, ouve uma voz um tanto conhecida.
    Ela olha para os lados e ninguém por ali, crava os ouvidos á porta e logo fica estática ao ouvir.
    - Não pode ser. Ela sai rapidamente dali.
    No quartinho de produtos de limpeza, ela ali agachada, chora contida, acabara de ouvir que Larissa, mulher de Diogo, finalmente conseguira engravidar.
    - Não, isso não, aquela vaca não.
    Ali ela trama um plano, sai e logo bate a porta de Téo, no necro, ele demora para abrir.
    - O que foi homem, tava de sacanagem com um presunto ai?
    - Me respeite Priscila, sabe bem que não sou desses.
    - O problema aqui é outro.
    - O que foi dessa vez?
    - Sabe de algum abortivo eficaz?
    - O que?
    - Pois é, acho que andei me excedendo.
    - Pare com isso, você lá é de cometer erros crassos desses.
    - Pois é, mais desta vez foi.
    - Tem certeza?
    - Lógico, oras, sou mulher.
    - Tudo bem, de qualquer modo, você sabe que aqui tudo que tenho são produtos quimicos.
    - Tá certo, vou dar uma volta por ai, qualquer coisa eu retorno.
    - Priscila veja lá o que você vai fazer.
    - O que foi agora Téo, ficando velho e sentimental.
    - Não é isso, sabe os anos ensinam...
    - Pois guarde seus ensinamentos para seus netos garanto que sua filha já esta aprontando para ti.
    - Vai, sai logo.
    - Tá vendo, cheio de moral, se esquece que te conheço bem.
    - Vai.
    - Vou mesmo. Priscila faz uma dancinha ali na porta e sai, logo Téo abre um sorriso.
    Ela anda em certo desespero, até parar frente ao almoxarifado.
    - É isso, vai dar certo.
    Larissa sai do consultório e segue para a sala do esposo, ali fica por alguns minutos e quando sai ao dobrar o corredor uma maca vem em sua direção e a derruba, gritos, dor, logo 3 enfermeiras lhe presta socorro, na sua calça manchas de sangue, após exames e consulta o resultado, perdera o filho e não poderá gerar outro filho.
    Priscila ali aos fundos da cozinha comemora com cerveja em lata num copo de extrato tomate, quando Diogo surge como que um leão.
    - Foi você, vagabunda, puta, cretina, você.
    Ela tenta fugir mais leva um tapa dele e logo é agredida ali por diversos golpes e socos, ali surrada caída.
    - Não fui eu, não sei de nada.
    - Te quero fora daqui, fora.
    - Vá se fuder, corno.
    - Fora. Vocífera Diogo para ela.
    Dr Luan entra ali e sai com Diogo que ainda tenta agredir mais a mulher caída em sangue, 2 colegas a levanta e ela segue para o consultório, onde depois de alguns minutos, Luan a atende, ali ela tem uma surpresa, esta grávida.
    - Eu?
    - Sim, parabéns Priscila.
    - Que parabéns dr, grávida e sem grana, emprego, o que vou fazer?
    - Vou falar com o dr Diogo.
    - Não, eu não quero dr.
    - Por quê?
    - Ele me humilhou muito dr, além do que tem horas que a gente tem de pôr vergonha na nossa cara, chegou a minha, vou sair deste inferno, já deveria ter saído há tempos.
    - Tem certeza?
    - Toda dr, obrigado.
    Quatro meses depois, a barriga ja dando sinal, Priscila sai do caixa do mercado onde trabalha para tomar água, quando Larissa entra, conversa com um rapaz dali que aponta a direção do escritório.
    - Obrigado. Priscila retorna ao caixa e trabalha normalmente até que o gerente vem a ela.
    - Aconteceu algo?
    - Olhe Priscila, amanhã não precisa vir.
    - Por que?
    - Foi dispensada.
    - Como?
    - Acho que você deve imaginar.
    - Pois já vou agora, quero meu dinheiro.
    - Tudo bem, pode passar no escritório.
    - Também já estava cheia disso tudo.
    Com a grana na mão, ela anda pelas ruas em desacorsôo só, até entrar em um bar.
    - Oi.
    - Sim.
    - Um rabo de galo e cerva.
    - Tá.
    Logo um rapaz vem com o pedido e nota a situação dela.
    - Moça tem certeza de que vai beber, bem seu estado...
    - O que foi cara, agora também vai querer entrar na fila para ser o pai?
    - Jamais me desculpe.
    - Depois que inventaram desculpa, todo mundo continua com dentes.
    - Certo. Ela paga ao rapaz que sai balançando a cabeça para o balcão.
    Depois de 5 ela sai dali e segue para a casa, abre o portão com certa dificuldade e cai na calçada sendo resgastada por uma vizinha e sua mãe.
    - O que foi Priscila?
    - Ah, vai, todo mundo me põe de diabo nessa porra, mais não sou não.
    Um banho frio, café amargo e ali no sofá em camisola, tv ligada e a mãe ao lado dela, desaba em lágrimas.
    - Então foi despedida?
    - Aquela vagabunda da Larissa.
    - Só tem um jeito, vamos nos mudar daqui.
    - Não, isso não, quero ter meu filho aqui.
    - Por falar na criança, e o pai, quando veremos o tal?
    - Nem quero ver, aquele traste quero mais que ele morra.
    - Traste ou não, vivo ou morto, teve a participação, olhe Pri, filho é legal, dádiva, bom, mais cara é de fuder qualquer mulher.
    - Mãe.
    - Eu sei o que digo, acha que foi fácil quando aquele inútil do pai de vocês saiu de casa.
    - Mais você teve participação?
    - É isso que você acha não, pois esta na hora de saber umas coisas.
    - O quê?
    - Seu pai me traiu com sua madrinha.
    - O quê, D. Zefa?
    - Aquela piranha, pilantra, toda santa, não saia de igreja e peguei ela de joelhos fazendo aquilo no seu pai.
    - Cadela.
    - Depois teve outras e ao fim você já sabe.
    - Cana.
    - Também o covarde não tinha e não tem coragem para o trabalho.
    - Mãe. As lágrimas tomam conta das duas ali, pri olha para a mãe por aquele instante com uma atenção que há tempos não tivera afinal ela sempre culpara por todo o infortúnio e agora vê ali a sua frente uma mulher igual ela, fraca, frágil, cansada, desvalorizada mais nunca desiste.
    - Mãe.
    - Ainda vou ficar cara a cara com aquele imundo e quero ouvir daquela boca nojenta o por que dele ter participado daquele assalto.
    As duas não resistem e se entregam ao choro, quando Adrian entra ali com um rapaz alto, forte.
    - Mãe.
    - Olá filho, vão conversar já preparo um lanche para vocês.
    - Obrigado mãe.
    - Tá. Eles entram no quarto e Pri se ajeita, logo batem a porta e ela atende.
    - O que quer?
    - Este filho é de quem?
    Ali na sua frente, Diogo com um ramo de rosas vermelhas.










                                      4



            Priscila sente as contrações, o dr Luan ali realiza o parto, gêmeos, meninos, a mãe é só alegria.
     No corredor, Sandra recebe a noticia de netos gêmeos porém não demonstra aquela alegria que transborda.
     - Mãe.
     - Pois é Adrian, agora para frente, nossa situação vai ser pior.
     - Sobre isso, preciso lhe falar.
     - O que foi?
     - Vou para a Espanha.
     - Fazer o quê?
     - Um colega me chamou, disse que lá o mercado é bom.
     - Você lá sabe falar espanhol?
     - Mãe, eles querem outros predicados não o idioma.
     - Sei não.
     - Quer ir comigo?
     - Esta louco, sair do país ainda mais agora que sua irmã entrou nessa fria.
     - Tá bem, você que sabe.
     Dois dias depois, Pri entra em casa e vê ali deitados em sua cama, seus dois filhos.
     - São lindos.
     - São maravilhosos.
     Mãe e vó ali a bajular os recém nascidos quando bate á porta.
     - Oi.
     - D. Priscila esta?
     - Sim.
     Priscila para ali frente a um homem gordo, bigode e cavanhaque.
     - Sou o dr Luis Amera.
     - E daí, o que quer?
     - Venho da parte do dr Diogo sou advogado, quero falar sobre a pensão dos meninos.
     - Aquele canalha.
     - Bem d. Priscila serei bem direto, o meu cliente não quer vinculos com os nascidos.
     - Isso eu já sabia, qual é a novidade?
     - Ele ja vai ser pai e....
     - De quem, a mulher ficou estéril, aquele nojento não tem outro filho.
     - Só pode ser de uma outra fonte.
     - Ordinário, vagabundo.
     A mulher ali se enfurece e solta os cachorors em gritos e palavrões ao advogado, até que Sandra entra no assunto.
     - Olhe dr, afinal o que veio fazer aqui?
     - Como ja havia dito, tratar do valor a ser depositado para as crianças.
     - Pois mande o seu patrão socar ele bem sabe onde este valor.   Sandra mantém a calma e olha para o advogado.
     - Em quanto estamos tratando? O homem escreve ali em um papel e passa a Sandra que lê atentamente.
     - Aceitamos.
     - Como? Interfere ali Priscila aos gritos e logo é repreendida por sua mãe.
     - Onde ela assina dr?
     - Aqui por favor. Sandra olha firme para a filha que ainda insiste em não aceitar mais é vencida pelo olhar sério e direto da mãe.
     - Pronto dr, precisa de algo mais?
     - Um número de conta a ser depositado mensalmente.
     Sandra entrega para o advogado que se despede saindo dali.
     - Tchau.
     - Tchau dr.
     Sandra fecha a porta, Pri ali desorientada ao saber que sua mãe lhe vendera.
     - Olhe acredite, também não gostei nada disso, mais estes inocentes que vocês trouxeram ao mundo não tem culpa da falta de juizo de pais tão insesíveis.
     - O que vou fazer agora?
     - Faremos o seguinte, vamos nos mudar.
     - Para onde?
     - Uma cidade do interior.
     - Mais.....
     - Ja esta decidido, com certeza você logo vai sair correndo para ele, depois vai querer saber quem é essa outra.
     - Essa outra não existe, eu sei eu sinto isso.
     - Sabe de nada, afinal ele ficara contigo enquanto tinha e tem a matriz.
     - Isso é diferente.
     - Diferente uma merda, põe logo nessa cabeça você sempre foi a outra.
     - Mãe.
     - Homem é sempre assim, depois da primeira a segunda é aquele gole inicial para os outros goles que virão.
     - O que diz?
     - Com certeza ele tem tantas outras, não estranharia se até for uma de suas colegas.

     16102018.............................
     


    


Biografia:
gosto de escrever
Número de vezes que este texto foi lido: 392


Outros títulos do mesmo autor

Romance AMAR DEMAIS 19 NOVEL LIVRE 14 ANOS paulo azambuja
Romance AMAR DEMAIS 18 NOVEL LIVRE 14 ANOS paulo azambuja
Contos SÓ VIVER 12 NOVEL LGBT 18 ANOS paulo azambuja
Contos SÓ VIVER 11 NOVEL LGBT 18 ANOS paulo azambuja
Poesias MEUS MOTIVOS paulo azambuja
Crônicas AZUL E ROSA paulo azambuja
Contos SÓ VIVER 10 NOVEL LGBT 18 ANOS paulo azambuja
Romance AMAR DEMAIS 17 NOVEL LIVRE 14 ANOS paulo azambuja
Poesias ESSES TANTOS EUS paulo azambuja
Contos SÓ VIVER 9 NOVEL LGBT 18 ANOS paulo azambuja

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 121.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 186194 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 167625 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 167327 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 131349 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 118366 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 81800 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 70378 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 66255 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 61188 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 56389 Visitas

Páginas: Próxima Última