Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
closedfechado cap 5 TERROR
de paulo fog e ione az
paulo azambuja

Resumo:
bom

5


             2005 – Presidente Bernardes SP.
   Pára um ônibus frente ao bar, descem ali 25 pessoas.
Todos em festa, Afonso serve as mesas com cervejas e doses, Aguiar prepara alguns drinks para técnico e o massagista.
-     Não se preocupem com o gasto, hoje é por minha conta.
-     Oba. Todos ali vibram a alegria de o Técnico porém ao mesmo tempo sentem pois á partir da próxima semana ele não será mais o professor deles, os jogadores ali fazem um silêncio depois o abraça fazendo aquele senhor de seus 65 anos ir as lágrimas.
Teresa surge ali pelas 2 manhã, num vestido 3 dedos acima dos joelhos, vermelho, bem produzida na make, traz uma bolsinha prata, batom bem vivo aos lábios.
-     Nossa agora sim, a gata que esta chegando.
-     Olá rapazes.
-     Olhe agora sim temos um incentivo bem melhor para comemorarmos.
-     Obrigado.
Pouco a pouco eles vão para o banheiro e não retornam, ali ficando somente 3 rapazes do time.
Davi, Pedro e Raul ali já bem altos pelo álcool, um deles tira da bolsa um revólver e atira para o alto.
-     O que foi isso?
-     Prestem a atenção, esta faltando muita gente aqui.
-     Como?
-     Olhem, só restou a gente.
-     Vai ver que foram se divertir ai para dentro.
-     Com quem, sendo que só há aqui estes 2 homens no balcão e aquela mulher belissima que ja se fora faz um bom tempo?
-     É mesmo, onde foram os outros?
Aguiar surge ali.
-     Algum problema, senhores?
-     Todos, onde estão nossos parças, nossos amigos de bola?
-     Por favor queiram nos acompanhar. Bem desconfiados eles seguem ali, num corredor á meia luz, ouvem barulhos, risos e falas que eles garantem serem dos colegas do esporte.
-     O que esta acontecendo?
-     Ora, senhores eles estão se divertindo.
-     Como assim, por que não fomos convidados.
-     Talvez o sinal seja a ida para o banheiro.
-     Porra, então também quero ir.
-     Eu também. Afonso abre uma porta dupla e ali um grande salão, ao fundo um sofá de couro vermelho, 5 mulheres lindas, em shorts, blusinha, sorriem para eles.
-     Meu Deus, que paraiso é este.
-     Sei lá só sei que estou dentro. Aguiar fica frente a eles.
-     Primeiro tem de participar de um simples jogo.
-     Qual é cara, somos machos, gostamos é de mulher, sai fora meu.
-     Longe de mim pensar o contrário.
-     Então o que é?
-     Já lhes disse, um simples jogo.
O sofá desaparece com as garotas e sobe uma cortina ali na frente deles, 22 figuras animadas em palhaços, filmes e desenhos animados.
São dados para cada um, pistola á pressão e óculos de proteção.
-     O jogo consiste em acertar as figuras em menos tempo possível e assim terão toda a despesa e luxo garantido.
-     Será?
-     Lhes garantimos.
-     Por que não nos disse isso antes hein cara?
-     Nos desculpe.
-     Quanto tempo?
-     Não pode ultrapassar os 2 minutos.
-     Muito fácil.
-     Com certeza senhores.
Afonso faz o sinal e aciona o crônometro ali.
Em menos de 1 minuto os 22 foram alvejados ou seja as figuras foram acertadas com extrema pontaria por dardos amarelos e rosa em tinta.
-     Parabéns, vocês ganharam. Os 3 ali em plena alegria acompanham Aguiar até uma porta onde recebem 3 óculos especiais.
-     Para quê isso?
-     Parte do prêmio, o quarto dark, aproveitem, senhores. Eles entram já com os óculos e logo o lugar fica escuro e ali eles veem pela frente e ao lado corpos femininos que os deixam bem animados, estas os tocam e fazem gracinhas, tirando deles arrepios e desejos libidinosos.
Logo um forte grito, Davi ali tem uma faca presa a perna, Pedro e Raul tentam tirar esta da perna do amigo sem sucesso, em seguida estes são atacados também por aquelas silhuetas demoníacas, correm até a porta porém esta trancada, mais facadas e gritos horripilantes de dor e medo, a luz é acesa.
Ali com os 3, cerca de 8 criaturas armadas em facas e outros objetos cortantes.
-     Deus o que é isso pai, são criaturas do inferno? Mais gritos e logo todos são mortos ali.
No outro salão, Aguiar arrasta os corpos dos 22 colegas de jogos até a câmara fria, os 3 da outra sala já são dilacerados por 20 filhotes ali que ao terminarem só ficam os ossos, roupas e sapatos.
Afonso leva os filhotes para Teresa que os limpa e faz a limpeza do local.
O ônibus é jogado de uma ribanceira e explode, um direito de não haver corpos, apesar dos ossos que foram jogados dentro do auto, fazendo alimentar o choro e desalento dos familiares.
No bar, Teresa atende uma ligação que a deixa apreenssiva.
-     O que foi?
-     Temos de sair.
-     O quê?
-     Fora excedido o nosso limite.
-     Como?
-     Ja sabem como proceder?
-     Sim.
Aguiar vai a frente do bar e asperge um liquido verde por toda a fachada, entra no bar, logo o local vai desaparecendo dali, no lugar o que sempre fora, um terreno baldio, com suas sujeiras e sem quaisquer resquício daquele estabelecimento para a lembrança de alguém.
Á beira do lago Sérgio Motta, antigo rio Paraná, Teresa se banha junto de Afonso e Aguiar, todos ali, as criaturas brincam nas águas e aproveitam para pegar, morder e jogar os inocentes peixes que os cercam, ao longe uma embarcação vem em direção a eles.
Afonso olha para Aguiar que sai da água revelando estar nú como os outros, Teresa pega algo que Afonso lhe jogara da areia, ali na água ela desembainha uma espada e nada em direção a embarcação acompanhada pelas criaturas que não fazem qualquer barulho.
Da areia, Afonso e Aguiar veem, a embarcação é virada e mais 3 vítimas feitas ali.

02102018.....................................


Biografia:
gosto de escrever
Número de vezes que este texto foi lido: 385


Outros títulos do mesmo autor

Romance AMAR DEMAIS 19 NOVEL LIVRE 14 ANOS paulo azambuja
Romance AMAR DEMAIS 18 NOVEL LIVRE 14 ANOS paulo azambuja
Contos SÓ VIVER 12 NOVEL LGBT 18 ANOS paulo azambuja
Contos SÓ VIVER 11 NOVEL LGBT 18 ANOS paulo azambuja
Poesias MEUS MOTIVOS paulo azambuja
Crônicas AZUL E ROSA paulo azambuja
Contos SÓ VIVER 10 NOVEL LGBT 18 ANOS paulo azambuja
Romance AMAR DEMAIS 17 NOVEL LIVRE 14 ANOS paulo azambuja
Poesias ESSES TANTOS EUS paulo azambuja
Contos SÓ VIVER 9 NOVEL LGBT 18 ANOS paulo azambuja

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 121.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 186194 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 167625 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 167327 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 131348 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 118366 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 81799 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 70377 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 66254 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 61188 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 56389 Visitas

Páginas: Próxima Última