Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
JEZEL LIVRO 2 CAP 8
DE PAULO FOG E IONE AZ
paulo azambuja

Resumo:
EXCELENTE

9


“ CHORAMOS MUITO POR QUEM NEM SEMPRE VALEM AS LÁGRIMAS, FOI ESTE O ULTIMO DITO DE UM GUERREIRO DO PALÁCIO DE VERANO’S AO NORTE DE DARUSMY. CERTO OU NÃO, O QUE VALE É O FATO DE TER FICADO NAS LEMBRANÇAS, ATÉ O DIA DE HOJE “.



    Há menos de 1 dia de Solan, Jezel já cruzara 3 rios e 2 montes, agora rodeiam o monte Kármico’s, famoso por servir de mesas para grandes oferendas a diversos deuses pagãos, também há neste diversos templos em ruínas, dentre este o templo de Ariany, a deusa que serve aos anjos, 2 vezes ao ano lunar centenas de moças, aprendizes de magias vão a este local prestar reverências e participam de alguns ritos sendo que em alguns deles, perdem a vida.
-     Jezel.
-     O que foi?
-     Ainda não me disse onde é a tal casa de seu conhecido.
-     Não acredito, ja esta com medo?
-     Pare de brincadeiras, sabes, os Perenes odeiam a qualquer um, imagina só a quem teve familiares que de certa...
-     De certa o que Jeriáh?
O rapaz tenta desconversar, mais Jezel agora quer uma boa explicação.
-     Tudo bem, afinal uma hora ou outra vai saber mesmo.
-     Vai diz ai.
-     Quando ainda criança, em Nefas junto de meus pais, meu tio Olibar fez um mau negócio com um Perene.
-     Que tipo de mau negócio?
-     Bem, ele vendeu alguns lotes de terras que ele dizia serem muito férteis.
-     E?
-     Bem, quando os Perenes vieram a tomar posse, houve a temporada de chuvas e todo local ficara alagado por tempos.
-     Tipo?
-     Quase um pântano. Jezel arremessa uma pedra nele que desvia do objeto.
-     Por isso que tens péssima fama, ex príncipe, sua família é bem sacana.
-     De certo, mais eu quero e serei diferente.
-     Não creio, Jeriah você será igual ou pior.
-     Credo, para quê dizer assim, me fere sabia.
-     Não Jeriah o que pode lhe ferir é uma boa adága fincada em teu peito.
-     Nem fale assim por favor.
-     Vamos, estamos chegando.
-     Estamos?
-     Sim.
Mais alguns passos e logo param frente a uma grande rocha quase repleta de musgos, a guerreira para frente a esta e tira sua espada da proteção em que estava, prepara o lance e bate com força nesta, logo todo lugar é tomado por um estrondozo som e em segundos a rocha move-se lentamente dando acesso a uma passagem subterrânea.
-     Vamos descer.
-     Mais...
-     Ou quer ir comigo?
-     Vamos descer.
Jeriáh desce na frente e Jezel logo atrás ao passar pela entrada ela puxa uma corda e logo a pedra vai em retorno ao seu estado, o caminho fica em total escuridão, Jeriah ouve um barulho de raspagem e logo uma claridade e ele vê sua sombra refletida, a guerreira acendera uma tocha e com esta vai acendendo alguns que estão presos a parede, assim eles descem ao interior de uma caverna, passam por um portal de pedras, algumas preciosas que enchem os olhos de Jeriah.
-     Nem tente ou te matarei aqui mesmo.
-     Nossa, não se pode nem sonhar aqui.
-     Não, você jamais.
-     Quem veio me visitar?
-     Sou eu Jezel e um companheiro. Ali um pouco longe, trazendo na mão um candieiro, um velho anão de barbas a tocar o chão, com casaco vermelho, capuz, calças verdes e sapatos de pele de urso.
-     Oi Criêmio.
-     Oi Jezel.
-     Pode cuidar deste rapaz?
-     Então ele é o ex príncipe?
-     Diz ele que sim. O anão tira do bolso um punhado de ervas, do outro seu cachimbo e logo faz seu fumacê ali deixando o lugar inundado com um suave odor de ervas finas, que logo tornam-se um inconveniente já que a circulação de ar ali é péssima e a fumaça ja toma conta dali, inicia-se as tosses e ele os dirige até uma porta de ferro que aberta dá acesso a uma grande sala, com várias plantas, ao fundo um jardim com um pequeno pomar de maçãs, laranjas, damasco, pêras, limões etc.
-     Que incrível.
-     Sim, somos mestres em criar o impossível e assim auxiliarmos a mãe natureza.
Jeriah fica impressionado com tudo aquilo e vai até um pé de maçã e ao tentar pegar uma fruta é recebido por uma serpente.
-     Cruzes.
-     Nem tudo é para seu deguste.
-     Me perdoe.
-     Venha, tenho muitas aqui no cesto.
-     Obrigado.
-     Me chame de Criêmio, rapaz.
-     Sim Criêmio, eu sou Jeriah.
-     Conheci seus pais.
-     Conheceu, não me lembro bem deles.
-     Com certeza, você foi deixado aos cuidados de Evanna a deusa da terra do sul.
-     Sim, mais eles não foram me buscar.
-     Rapaz, nem tudo pode ser como a gente quer.
-     Agora eu acho, que entendo. Jeriah fica em silêncio, mais Jezel logo o quebra.
-     Bem, já estão apresentados, agora preciso ir.
-     Sim, vá pelo lado secreto.
-     Que lado?
-     Venha comigo. Ela acompanha Criêmio, atravessam o jardim pomar e ali em cima de uma plataforma de tábuas, o anão aciona as manivelas e esta sobe transportando Jezel para cima até surgir em meio as flores e a poucos metros de Solan.
-     Que bárbaro, como sempre este velho, esperto.



                         10


    Esmery termina a sopa de batatas com aspargos, alguns fisgos de frangos e 1 suco de maracujá, logo um Ebulic, serviçal do lugar entra junto de Jocasta.
-     Estava a seu gosto?
-     Vá para o inferno.
-     Oh, que interessante, já estamos neste.
-     O que pretendes?
-     Calma, sabes bem que não pretendo deixa-la aqui por muito tempo.
-     E então?
-     Aguarde, logo saberá, algo me diz que teremos visitas em breve.
-     O quê?
-     Bem, tenho de cuidar de outros assuntos senão puxaria uma cadeira e adoraria ouvir suas estórias e lamentos.
-     Bruxa.
-     Ah, já chega passamos disso, somos sábias feitiçeiras não vejo por que tanto ódio.
Jocasta sai dali, Esmery olha para aquela cela e sente seu corpo enfraquecer.
-     Tem um rito maligno aqui, algo vampírico.
Yoko recebe a graduação no templo de mort’s, ali boa parte dos sacerdotes de outros templos prestam reverência, logo todo lugar é tomado por forte claridade, uma energia muito grande, 2 arcanjos se fazem presentes.
-     Miguel, Gabriel.
-     Aceite nossos cumprimentos.
-     De todo, sim. Miguel lhes dá um jarro com água sagrada, Gabriel lhe oferece um cesto com pães de centeio.
-     É muito valorozo.
-     A ocasião merece. Ali, Yoko reparte os pães e vinho que tinha no depósito do templo.
-     Alegrai-vos pela nova ordem deste lugar.
-     Sim. Todos respondem ao dito de Gabriel, Yoko porém somente sibila ali, pois seu coração ainda tem preso diversas dúvidas para aquela circunstância.
Após o cerimonial, todos vão para seus templos e seus compromissos, Yoko anda por ali porém perdido em pensamentos.
-     Yoko. Ele se vira, ali esta uma espécie de fantasma.
-     Leon Tiu’s, o que faz aqui?
-     Sabes que Esmery esta cativa?
-     Sim, o que posso fazer para salva-la?
-     Tenha muita fé, algo de ruim vai acontecer.
-     A quem?
-     Os astros não me querem revelar, estou em tratos com outros espiritos, sinto que pode ser qualquer um.
-     E agora?
-     Somente alimente e preserve sua fé, o restante será de fácil solução, acredite.
-     Tomara.
-     Esteja pronto para ajuda-la no momento certo.
-     Sim eu estarei.
-     Até breve.
-     Até. O fantasma desaparece, mais em seu lugar fica um mapa e uma espada, Yoko pega os objetos e os leva para uma sala contígua onde os examina.
“ ENTREGUE A JEZEL, ELA SABERÁ O QUE FAZER “.
-     Jezel, mais segundo os anjos, ela já esta fora dessas terras. Yoko guarda estes num armário e sela com magia antiga saindo dali.
Jezel entra disfarçada em Solan, em meio aos vendedores e alguns produtores, desce de uma carroça com porcos e segue para o templo de Edz.
No templo acende uma vela em frente a imagem do Deus Edz e ali profere um certo rito pagão, logo 2 monges vem a ela.
-     O que faz aqui guerreira?   Sendo descoberta, só resta a ela fazer o que melhor entende, lutar, os monges livram-se das vestimentas revelando o corpo todo coberto de tatuagens, tendo vários inscritos e figuras de tigres.
A luta dura pouco e Jezel os vence, uma porta lateral é aberta e ali saem cerca de 20 monges, ela suspira e já se prepara para a luta quando dentre eles vem uma moça, uma criança e um senhor de barba branca.
-     A que devo a honra de te-la neste templo?
-     Toron’s, ainda continua a enganar meninas e moças?
-     Sua gentileza é algo venenoso.
-     Igual a ti. O velho levanta o braço esquerdo e os monges saem, ficando só ele e a menina com a jovem frente a guerreira.
-     Diga o que quer?
-     Respostas.
-     Então veio ao lugar certo.

Toron’s olha para a guerreira e faz sinal para a jovem que sai logo retornando com um menino de origem índigena trazendo nas mãos um tecido vermelho.
-     A ocasião exige uma boa presença diante a famosa exterminadora de meus semelhantes.
-     Velho estúpido, maquiavélico.
-     Me sinto em orgulho com isso.
Ele pega o tecido que ao desdobrar revela ser um manto, olha ao garoto e lhe passa a mão na cabeça, logo do nariz do menino começa a escorrer sangue.
-     Pare com isso, para quê tantas....
Antes de terminar sua queixa Jezel vê ali a sua frente, o menino se transformar em um demônio e tentar contra ela, porém é contido pela menina que o carinha e o leva para fora da sala.
-     Esta vendo jovem guerreira, nem sempre temos de tomar as primeiras reações em todo.
-     Sempre soube disso.
-     O que quer?
-     Ja lhe disse. Toron’s veste seu manto e logo a idade lhe esvai tornando-se um jovem de seus 18 anos.
-     Quantas faces poderá ter um ser maligno?
-     Quantas lhes forem necessárias.
-     Maldito.
-     Quer saber de Esmery, como resgata-la?
-     Diga, não quero ficar por este, em tanto tempo.
-     A paciência dizem ser obra divina, eu discordo, mais não pretendo entrar em detalhes.
-     E então?
Toron’s joga um pó no chão e uma fumaça circula pelo ambiente, nesta surge uma cabeça de dragão.
-     Elidiz.
-     Quanto tempo minha querida confidente.
-     Mais.
-     Posso estar em qualquer lugar, meu trabalho não se a lados.
A guerreira nota o selo maligno preso a testa deste.
-     Vai me ajudar?
-     Lógico.
-     Esmery esta presa em cela fortemente enfeitiçada, mais nada é intransponível, nada.
-     Como?
-     Vá ter com Yoko, ele teve uma boa visita que deixou-lhe agrados, mais te indico que vai rapidamente pois o que pode salvar também pode leva-lo as trevas.
-     Por que?
-     Corra. Jezel joga aos pés das criaturas 2 sacos e sai dali, ao passar pela porta principal para por um instante a olhar a menina junto da jovem.
-     Como é ser enganada pelo próprio que te fez modificar-se?
-     O que diz?
-     Ainda não acredito, serás que tua força só te serve para isso, um cão de guarda, uma ordinária que faz tudo que lhe mandem.
-     Cale-se.
-     Olhe ao seu redor, pare, espie seu próprio íntimo, ele te engana.
-     Vá para o inferno.
-     Para quê, você já se encontra nele e ainda não o crê.
-     Já lhe disse.
-     Vá logo, sua querida protegida esta sendo consumida por algo que não poderá retirar-lhe, nunca.
-     Como?
-     O mau também tem suas nuances.
Jezel olha apara a menina, mais a jovem a faz sinal para que vá, assim decide por ir a salvar Esmery.
“ O BEM ÁS VEZES, DEIXA RASTROS QUE FAZEM A GENTE TENTAR OU PENSAR EM DESISTIR. QUANTAS VEZES EU MESMO JÁ ME DEPAREI COM SORRISOS E MOTIVOS QUE LOGO SE CRIARAM ADVERSOS AOS MEUS OBJETIVOS E CONCRETIZAÇÕES. “
Esmery se sente muito enfraquecida, não consegue se mover, sentindo seus ossos esfarelarem por dentro da capa de carne, em alguns momentos o sabor da temida morte lhe vem aos lábios e ela profere com a pouquissima força interior, certos ritos milenares.
Yoko tem um pesadelo e acorda assustado, corre por um estreito corredor até parar frente a porta onde esta o armário.
-     Não posso, não devo.
O mago vai em busca de forças para resistir, mais é vencido, ele abre a sala e ali se depara ao canto, o armário.
-     Por que, por que essa força, esse sentimento, essa angústia.
Ele se aproxima e lembra-se que deixara a chave em seu aposento, mais ao enfiar a mão no bolso de seu macacão dali tira a chave.
-     Como, isso, não, não pode ser.
Uma forte voz invade seus ouvidos e o domina por quase completo, a que faça, este já havia pretendido, abrir o armário.
-     Não. Agora mais forte e ele dá 3 passos frente a porta e a abre, a magia que usara para selar lhe queima as mãos mais ele não sente, vai em intuito de pegar a ferramenta mágica, a adága e a espada.
-     Não, eu não posso. Ao tocar a espada a porta atrás dele é rompida e Jezel ali o proíbe e ele desmaia frente ao armário.
Yoko remexe no leito, seu corpo febril, agora em silêncio e sendo assistido por 3 serviçais do templo, que usam ervas e águas em preparos místicos para sua melhora.



            11


    Yoko toma um chá medicinal, logo após algumas colheres de um caldo de aves com ervas de efeito mágicos.
-     Como se sente?
-     Melhor.
-     Já me pode dizer o que vira.
-     O que eu vi?
-     Sejamos francos Yoko, você teve um breve sonho revelador.
-     Eu? Yoko tenta disfarçar diante ao grande Mestre de Ijon.
-     Se não quer dizer, te entenderei.
-     Mestre.
-     Sim. Os olhos do Mestre brilham intensamente e Yoko.
-     Acho que tenho de ter peixe assado.
-     Peixe assado?
-     Sim.
O quarto esta cheio de aprendizes e sacerdotisas, o mestre lhes diz para que saiam todas dali.
Agora só ele e Yoko ali.
-     Tenho certeza que vai decidir pelo certo.
-     Mestre.
-     Yoko, você não foi escolhido por acaso, estivemos estudando a real situação do templo e de todo ao redor.
-     Como assim?
-     Logo que Esmery retorne, ela não poderá assumir o templo.
-     Mestre.
-     Dias sombrios se achegaram a todos nós, temos de ser perseverantes.
-     O que quer dizer?
-     A guerreira precisa de sua ajuda.
-     Como?
O Grande Mestre ali entra em um transe místico e lhe revela alguns segredos e receitas milenares, junto disso lhe entrega 3 pedras brancas e sopram bençãos Merlianas no rapaz.
-     Mestre.
-     Estamos passando por uma prova de extremo dissabor, nossa confiança esta em ti, Yoko não recaia ao mau, sejas forte e tenha fé nos seus aprendizados.
-     Terei Mestre.
-     Agora adeus. O mago retorna a si e sai dali sem dizer mais nada, Yoko sente uma energia vinda das pedras tomar-lhe seu corpo e ele vai se sentindo melhor, sai do leito e vai até a janela onde vê o grande Mestre a falar com algumas sacerdotisas e aprendizes e logo ele desaparece entre eles.
-     Adeus mestre.



   “ A FORÇA DA PALAVRA PODE TRAZER BENEVOLÊNCIAS E MAL FAZEJOS. NÃO BASTA SÓ ACREDITAR, TEM-SE DE PRATICAR E PROPAGAR O BEM, SÓ ASSIM ESTARÁ A SALVO DE TODO MALIGNO QUE HÁ POR VIR “.


   Jezel já consegue ver o0 templo ao longe, Jeriáh ali com ela traz 2 espadas que ganhara de Criêmio, também traz um amarrado com assado de carneiro e embutido de aves.
-     Como consegue andar com alimentos?
-     Se quiser posso dar a sua parte aos corvos e outros animais que aparecerem no caminho.
-     Engraçado.
-     Me desculpe.
-     Olhe o templo esta perto.
-     Sim, o que faremos?
-     Eu vou entrar primeiro e você aguarde uns instantes e depois vá.
-     Tudo bem.
Ao atravessarem um trecho estreito de um rio onde a água mau chega as canelas, Jeriah mata sua sede e enche os seus 3 cantis.
-     Para quê tantos?
-     Precisamos, vai que lá dentro nos negue.
-     Você e sua terrível imaginação.
-     Pode ser.
Jezel sorri ao ouvir aquilo e continua a jornada, já há poucos metros eles se separam e a guerreira segue rumo ao portão.
-     Quem és?
-     Jezel, sou Jezel.
O portão é aberto e ela se depara com 2 guardas do templo em armas para ela.
-     Quero ver Yoko.
-     O mestre esta doente.
-     Doente, como doente, agora sim quero ve-lo.
-     Nem um passo a mais.
-     Estão a brincar, só podem.
Com um só golpe ela faz aos guardas voarem para trás e entra no jardim do templo, logo as sacerdotisas vem a ela.
-     Não estou para confusões.
-     Mais nós queremos.
-     Pois vão continuar a ....   Logo ela tem uma dessas pelo pescoço suspensa, até que alguém grita para que cessem aquilo.
-     Yoko.
-     Venha Jezel, estava a sua espera.
-     Acredito que sim.
A guerreira acompanha o mago por salas e corredores e entra com aquele em uma sala onde está o armário, com um leve passar cruzando as mãos no ar frente ao móvel, é retirado o bloqueio mágico e com a chave em mãos ela o abre.
-     É isso?
-     Sim.
-     Obrigado Yoko.
-     Agora vá, estes objetos tem deixado a energia deste templo abalada.
-     Sim.
Ela pega os objetos e sai dali, Jeriah a aguarda no jardim oriental onde Jezel acomoda os objetos em panos e os coloca em uma bolsa que Jeriah carrega a tiracolo.
-     Vamos comer.
-     Acho melhor irmos.
-     Por favor, não, preciso me alimentar.
Ela olha para Jeriah que sorri e acabam por aceitar o convite de Yoko.
Após a refeição, ali no portão feitas as despedidas, Jeriah segue a frente, ela ali olha para Yoko.
-     Vai traze-la a salvo, não?
-     Com certeza, fique tranquilo, logo terá sua maga de volta.
-     Obrigado Jezel.
-     Sempre estarei para vocês.
-     Vá com a luz.
-     Obrigado.
Jezel alcança Jeriah e retira de um bolso um vidro de onde pega uma espécie de semente vermelha, profere um rito e eles desaparecem.
Yoko entra no templo e 2 sacerdotisas ali o espera, logo o leva para uma grande sala onde Jocasta esta sentada em um banco ornado em pele de carneiro.
-     O que faz aqui?
-     Ela já foi?
-     Quem?
-     Não seja tão dificil e trouxa Yoko.
-     Você esta com Esmery?
-     Sim.
-     Entregue-a.
-     Até poderia, mais o que vou ter de troca?
-     Como?
-     Eu quero Jezel.
-     Como pode ser tão diabólica?
-     Vamos, acho que esta na hora de descobrir algumas coisas.
-     Que coisas?
-     Venha. Jocasta o lança em encantamento e Yoko fica sem ação e logo desaparece junto da feitiçeira.


Biografia:
gosto de escrever
Número de vezes que este texto foi lido: 378


Outros títulos do mesmo autor

Contos SÓ VIVER 7 NOVEL LGBT 18 ANOS paulo azambuja
Contos SÓ VIVER 6 NOVEL LGBT 18 ANOS paulo azambuja
Romance AMAR DEMAIS 14 NOVEL LIVRE 14 ANOS paulo azambuja
Romance AMAR DEMAIS 13 NOVEL LIVRE 14 ANOS paulo azambuja
Romance AMAR DEMAIS 12 NOVEL LIVRE 14 ANOS paulo azambuja
Contos SÓ VIVER 5 NOVEL LGBT 18 ANOS paulo azambuja
Contos SÓ VIVER 4 NOVEL LGBT 18 ANOS paulo azambuja
Contos SÓ VIVER 3 NOVEL LGBT 18 ANOS paulo azambuja
Romance AMAR DEMAIS CAP 11 NOVEL LIVRE 14 ANOS paulo azambuja
Romance AMAR DEMAIS 10 NOVEL LIVRE 14 ANOS paulo azambuja

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 108.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2018
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 185985 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 166086 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 165458 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 131115 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 118178 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 81469 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 70204 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 65837 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 60917 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 56192 Visitas

Páginas: Próxima Última