Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
JEZEL LIVRO 2 CAP 2
DE PAULO FOG E IONE AZ
paulo azambuja

Resumo:
EXCELENTE

3




          " JA OUVIRAM O ZUMBIDO DO TROVÃO, SENÃO, APRESSEM-SE POIS AQUELE QUE GUARDA A MORTE RESSURGIRÁ, AINDA EM VESTES ESCURAS TE ATRAIRÁ PARA O LARGO LABIRINTO ".




      Jafar termina de ler o oitavo manuscrito dos Elfos, tem em uma das mãos a estrela de Kadj cuja a força protege contra qualquer magia, pura ou não.
    - Então, o que viu?
    - Muito pouco do que já sabíamos.
    - Devemos temer?
    - Por ora ela esta á procura de outros demônios.
    - Quais?
    - Perceu.
    - O quê, não podemos deixar que isso....
    - Não te aconselho a ir até ele, pois a caminhada é espinhosa.
    - Por que diz isso?
    - Ele já não está mais no Vale das Sombras.
    - Como saiu de lá?
    - Com certeza com auxilio de magia e bem forte.
    - Crivates?
    - Pode ser, porém mesmo com a enorme força astral que ele possui ainda é pouco.
    - Faça o rito.
    - Sim mestre.
    O feitiçeiro vai ao centro do salão, desenha 3 runas e fica entre elas, joga nestas 3 pós de diferentes cores e tudo se torna em névoa densa, logo se esvai e ali em transe completo Jafar tenta com êxito contato com antigos mestres das trevas que já não se encontram naquele plano.
    - Diga.
    O feitiçeiro estende a mão, um serviçal lhe entrega 1 ave e esta é degolada com as forças da mão, o sangue esguincha por alli, salpicando o rosto do mesmo.
    - Jocasta.   Logo após ele cai em sono profundo sendo amparado por 2 ajudantes do lugar.
    Deusemer lhe entrega acima do peito 9 moedas de ouro, logo o feitiçeiro acorda.
    - O que eles lhes disseram?
    - Jocasta.
    - Agora teremos de trocar os feitiços.
    - Venha comigo, lhe darei o que for preciso.
    Na floresta do sul, Jezel surge junto das 2 bruxas que ficam sob um manto escuro, afinal a luz do dia não é muito bom para elas.
    - E agora?
    - Terá de seguir para Odik, lá encontrarão uma pensão, procurem por Jeriah.
    - Jeriah?
    - Sim.
    - O principe exilado?
    - O próprio.
    - O que aquele estrume que anda irá nos ajudar?
    - Isso só saberá quando ficar frente a ele.
    - Tudo bem. As bruxas despedem de Jezel dizendo que ainda se encontrarão no momento certo.
    No palácio do Grande Mestre, Marin já esta a terminar seu ultimo trabalho no tapete quando sente um calor tomar conta de seu corpo, seus olhos abrem e destes saem fagulhas que caem na tapeçaria porém não as queima, um anjo vê a cena e traz ali o Criador.
    - Teve outra visão Marin?
    - Sim, muita dor e sangue.
    - Deixe para mim as mazelas, sabe que sou capaz de conte-las.
    - Sim Grande Mestre.
    Planice de Vettan, ali Perceu mantém um acampamento com mais de 3000 Kolunus, não tão distante dali em uma caverna vários animais são sacrificados á Jocasta e outros deuses, alguns momentos ela se faz presente ali, ditando aos magos os planos para obterem a tão sonhada vitória sobre Jezel, mau sabem que até ela ja fora derrotada pela feitiçeira guerreira em um confronto onde ela perdeu tudo, indo
parar nos reinos das trevas, Eodos a acolheu em troca ela teve de dar á luz a 4 filhos homens que foram criados e ensinados por demônios.
    Perceu entra no lugar todo tomado por forte odor de sangue e morte, fumaça de rituais.
    - Temos um mapa?
    - Sim mestre.   Um jovem mago entrega para ele um pedaço de papel com inscritos e desenhos.











                                   4






       " AS LAVADEIRAS DE ONDUR AINDA GUARDAM OS UNIFORMES, AS VESTES TINGIDAS EM SANGUE DO ULTIMO MASSACRE DE KARFAZE'S, ELAS CHORAM DE DIA, Á NOITE EM RITOS OBSCUROS DESVELAM O REAL SENTIMENTO DIANTE AO SACRIFICIO DE INOCENTES ".


     A mata esta mais escura que de costume, Kolunus á postos, divididos em 4 grupos, liderados por Perceu, ficam á espera da grande odiosa deles.
    No Monte das Neves, em um Kitar, uma espécie de liteira ornada em detalhes de ouro, madeira pintada de vermelho, tendo 3 janelas protegidas por cortinas pretas em meio a enfeites de minùsculos crânios pintados em cor igual a cortina, um tapete vermelho que ao pisar se sente como se estivesse em um mar de sangue.
    Jocasta fizera questão de assistir ali a esperada derrota de Jezel.
    - Quando chegará?
    - Ainda não a sinto.
    - O que acontecerá?
    - Espere vou ver, irei consultar meus amigos.
    A rainha faz um sinal estendendo a mão, um homem negro alto, cabelos com enfeites em ouro traz a ela um pote de barro.
    - Senhora do barro, dona de tudo que vê e nada esconde, mostre o que esta em seu domínio.
    O pote é aberto, ali Perceu vê junto da rainha, Jezel entrando em uma estalagem.
    - Que lugar é esse?
    - Odik.
    - O que ela quer neste lugar? Jocasta coloca suas mãos dentro do pote, seu corpo sente-se eletrificado, seus olhos perdem a cor e nestes surgem um redemoinho e ela.
    - Jeriah.
    - O príncipe exilado?
    - Sim.
    - Idiota, agora sim, estamos em ganho, o que aquele paspalho pode ajudar?
    - Não coma o cervo sem te-lo morto.
    A rainha sai do transe e retira do pote suas mãos em carne viva, gotejando sangue, as feridas são horrendas, Perceu olha aquilo assustado e outro homem traz para a mulher uma bandeija com cinzas.
    - O que significa?
    - Unhas de dragões. Jocasta envolve as mãos nessas cinzas e quando as tira estas estão saradas, nem um sinal ou cicatriz.
    - O que vamos fazer?
    - Esperar.
    - Algo me intriga.
    - Vá Perceu, sei que não conseguirá ficar quieto.
    Perceu sai dali e logo dá ordens a 2 guerreiros que se juntam a mais de 4 e saem para Odik.
    Jezel surge em um redemoinho próximo a Odik, ali ela caminha por uma estrada ladeada por flores.
    - Por que sinto que não estou só?
    Continua a caminhar quando para, num salto entra em meio a médios arbustos, saindo deste com um jovem de seus 16 anos, cabelos parecendo pelajem de carneiros.
    - Por que me segue?
    - Estou com fome.
    - Seja sincero, por que me segue?
    - Sou aprendiz de Esmery.
    - Prove.
    O rapaz pede para que ela o solte e tira do bolso de seu casaco um pedaço de papel.
    - Isso esta em branco.
    - Posso?
    - O quê?
    Ele enfia um dedo na boca e esfrega este no solo dali e passa no outro lado do papel, ali surge o recado de Esmery.
    " Jezel, ele é meu aprendiz, chama-se Yoko, cuide dele, acredite, ele será de boa ajuda, no momento certo. Esmery ".
    - Você come pouco?
    - Sim, quase nada.
    - É o que espero.
    Ela segue e ele logo atrás.
    - Não me faça mata-lo antes do momento.
    O rapaz tenta folgar a gravata mediana que traz no pescoço, o suor é vísivel nele.
    - Me chamo Yoko.
    - Já sei, eu li.
    - Me desculpe.
    - Olhe, não me atrapalhe e seja útil.
    - Tudo bem.
    Eles entram na estalagem, dentro do lugar, vários homens sujos, mulheres á procura de algum ganho seguindo com eles para o piso acima, onde servirão de certo alento e conforto para aqueles miseráveis.
    - Dois copos de mel de Tane.
    - Sim.
    O homem do outro lado balcão serve o que ela pediu e ela procura por Yoko que olha fascinado a vitrine de assados.
    - Dê a ele o que pedir.
    - Sim.
    Jezel joga ali 8 moedas e o cara do balcão vai para o assados, ali ela anda entre as mesas e até parar frente a uma onde um homem, magro, cabelos longos esta em desânimo ali.
    - Você é Jeriah?
    - O que quer, se for cobrar ou bater, venha mais tarde, já estou no aguardo de quem irá faze-lo, portanto entre na fila.
    - Você vem comigo.
    - O que foi?
    O homem tenta fugir, porém ela ja o tem preso segurando-o pelos cabelos, porém ele mexe nestes e corre deixando ela com a espécie de peruca nas mãos.
    Quando ele chega na porta, bate a cabeça na barriga de um guerreiro alto, barbudo e com cara de pouquissimos amigos.
    O guerreiro levanta Jeriah do chão com grande facilidade ali o lança rumo ao bar, causando um quebra quebra geral, todos ali entram em confusão.
    Jezel vem até eles e com um golpe derruba o guerreiro e seus assistentes, Jeriah tenta correr mais é contido por Yoko, que o segura ainda tendo em mão um pedaço considerável do assado.
    - E então Jeriah, quer ficar ou vir conosco?
    - Para onde mesmo estamos indo?
    O cara do balcão estende a mão para Jezel.
    - Mais eu já paguei.
    Ele olha ao redor e a guerreira despeja na mão dele mais 5 moedas e os 3 saem dali, Yoko ainda traz debaixo do braço um amarrado com sobras dos assados.
    - Tem certeza que come pouco?
    Ele fica vermelho.
    - Bem ás vezes eu exagero, mais é só ás vezes.
    - Estou percebendo.
    Não tão longe dali, 6 Kolunus vem ao encontro deles.
    O Kolunus entram na estalagem.
    Ali alguns ajudam o dono a arrumar a bagunça que fora feita ali.
    Sem perceberem a presença de Kolunus, um destes vai até ao rapaz que arruma as cadeiras.
    - Para onde eles foram?
    Todos ali param o que estão a fazer, em pavor se veem rodeados por 6 Kolunus, o dono vai até aquele que perguntou.
    - Não quero problemas, vão embora. A criatura levanta o dono a certa altura e repete a pergunta.
    - Eles sairam daqui já tem um médio tempo, seguem pela trilha na mata.
    - E o príncipe?
    - Que príncipe?
    O homem é lançado ao longe, ao chocar-se com a mobília morre ali, os outros tentam fugir porém os Kolunus não permitem, ao sairem deixam a estalagem a fogo alto.
    As crianças olham a cena com terror, um dos Kolunus ali montado a cavalo de espécie desconhecida pois foram criados e cuidados em domínios das trevas, traz ali arrastando pelas ruelas o corpo do dono da estalagem que vai se despedaçando no caminho, gritos de medo, paúra, terror são ouvidos por aqueles que presenciam a cena.




       " NÃO QUEIRAM SEGUIR AS PROMESSAS DE OUTROS TEMPOS, FREIRAS E FRADES FORAM LIBERADOS PARA EXECUTAREM O QUE FOR NECESSÁRIO CONTRA AS AÇÕES MALIGNAS ".



             5





      oS kOLUNUS ENTRAM NA MATA, SENTEM O CHEIRO DE jEZEL e mais de alguns.
    Descem dos cavalos que soltam baforadas de um fumacê de enxofre.
    As criaturas olham ao redor e nada, Jezel pula de uma árvore e logo decepa 2 Kolunus, outros 4 vão em investida nela, Jeriah é preso por 2 e Yoko joga 3 pedras que acertam 1 deles, Jezel mata outros 2, Yoko se vê com uma faca colada ao pescoço.
    - Solte ele.
    - Não, você se entrega, agora.
    Em um lance rápido, Jezel disfere 2 facadas e deixa os 2 Kolunus mortos, os cavalos se debandam porém Jezel os laça.
    - Sabe que esse animais são demonizados?
    - E o que há de diferente nisso?
    - Não pode monta-los.
    - Será?
    Ela tira de um micro bolso um vidro, destampa e sopra um pó amarelo na cara dos animais, uma névoa mágica toma conta dos animais.
    Na testa dos bichos surgem um selo, ela os retira com facilidade e afaga a eles, Yoko traz algumas frutas e Jeriah recolhe com auxilio de foice, matos capim para os animais.
    Perceu anda de um lado a outro em nervos.
    Jocasta prepara mais uma poção e seus lacaios servem em gotas para os guerreiros que formam filas ali.
    Um guerreiro vem até Perceu e entrega para ele algumas vestes dos que foram.
    - Maldita.
    A rainha levanta um vasilhame ao alto, inicia um rito e raios são dirigidos do céu e caem naquele objeto.
    Após aquilo ela joga o liquido dali de forma circular pelo solo que exala um odor de podridão forte névoa negra toma conta de todo o lugar.
    Jezel já vê o acampamento.
    - Agora sim, a festa vai começar.
    Do acampamento são lançadas bolas de fogo, Yoko e Jeriah procuram um lugar para se abrigarem, a guerreira grita tão forte que o céu enegrece e retorna ao tom cinza devido ao feitiço de Jocasta.
    Perceu levanta a mão direita e com um grito ordena aos guerreiros que avancem, um forte redemoinho fora formado ali onde Jezel se encontra e ao se desfazer, ela já esta em novo aspecto, 7 lanças a rodeia flutuando e acima a sua cabeça as 3 adágas que ganhara de Esmery.
    Todos os Kolunus que se aproximam e investem nela são mortos em questão de segundos, Perceu aproveita um certo descuido dela e a fere com uma flecha preparada em poção demoníaca por Jocasta.
    Ali a guerreira cai, Yoko a ampara mais sente todo seu corpo queimar, Jeriah retira de seu casaco um vidro com um liquido vermelho e joga no ferimento da guerreira em contato com este o liquido se torna incolor, uma forte luminosidade toma conta dali e Jezel levita, em giro extremo toda névoa é dispersada, rapidamente cerca de 200 Kolunus são exterminados, Jocasta vê aquilo de forma calma.


Biografia:
gosto de escrever
Número de vezes que este texto foi lido: 167


Outros títulos do mesmo autor

Contos ROBERTA 22 NOVEL HOT DE PAULO FOG paulo azambuja
Romance JEZEL LIVRO 2 CAP 11 paulo azambuja
Romance JEZEL LIVRO 2 CAP 10 paulo azambuja
Romance AMOR SOBERANO CAP 1 paulo azambuja
Contos ROBERTA 21 NOVEL HOT paulo azambuja
Romance JEZEL LIVRO 2 CAP 9 paulo azambuja
Romance JEZEL LIVRO 2 CAP 8 paulo azambuja
Contos ROBERTA 20 NOVEL HOT paulo azambuja
Crônicas SOBRE A VIDA DE PAULO FOG paulo azambuja
Contos ROBERTA 19 NOVEL HOT paulo azambuja

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 65.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2018
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 185106 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 162990 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 160683 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 130286 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 117407 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 76484 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 69497 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 63864 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 59817 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 55348 Visitas

Páginas: Próxima Última