Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
O Clube do TOC — II
André Claro

— Bom, no começo eu escondia minha mania de arrumação. Eu não queria que o Jorge não me aceitasse por aquilo. Eu não podia observar que a TV estava mal alinhada ao vão quadrado da estante. Eu media com uma trena a distância entre os cantos da TV e a estante, milimetricamente, e o Jorge às vezes mexia nos cabos lá atrás para conectar o aparelho de som na TV, aí eu chegava e estava fora do alinhamento, me dava um a sensação de angústia...
— O que exatamente era essa angústia? — interferiu a terapeuta. Os olhares eram atentos e coniventes ao relato de Ana.
— Bom, agora eu sei que essa angústia era um medo de que minha mãe me batesse porque não fazia as coisas exatamente ao modo dela, ou seja perfeitamente. Manter a TV, alinhada ao vão da estante me distanciava desse medo criado em minha infância, o aliviava, como faço com outras manias, como fiz, como tenho feito.
—Isso de esconder foi no começo, mas depois passei a fazer as arrumações na frente do Jorge. Um dia fomos assistir a um filme, e ele deslocou a TV um pouco para a esquerda, para o nosso lado no sofá. E eu fui lá e voltei. Ele não entendeu, achou que o afrontava, não falei do motivo real, e discutimos e nem assistimos ao filme. E daí por diante, as coisas pioraram. Sempre que eu compro algo, o total não pode conter centavos quebrados, tem que estar arredondado. Por exemplo, R$ 123,00 pode, R$122,97 não pode. E numa ocasião num supermercado, estressei com a caixa, porque eu calculava previamente em casa o valor, se não fosse redondo, lá no momento de pagar, eu acrescentava uma bala, uma caixa de fósforos, mas nesse dia, três centavos passaram do total porque o preço do bombom estava um na cesta de bombons e outro no sistema. Na pressa, não verifiquei e quando fui pagar, briguei com a caixa, não pelos preços estarem diferentes no anúncio e no sistema, mas por me sentir enganada pela caixa, como que por ela ter permitido que minha mãe me viesse punir por não ser perfeita, “redonda”. E isso foi o dos males o menor. Já deixei de comprar uma roupa que amei por não ter o número de botões pares, por exemplo. Com o tempo, Jorge tomou conta de minha doença, quis me ajudar, mas eu recusei o tratamento, achando que se eu o fizesse, desobedeceria à minha mãe; o que me traria uma punição ainda maior que um castigo.
— Seu caso é semelhante ao de minha filha — interferiu uma senhora. — Mas ela acabou fazendo disso tudo uma piada. Virou comediante. Ainda tem umas manias, mas transforma isso em piada, e isso parece estar dando certo.
— Bom, Rute, eu acho que sua interessante explanação ficará para o próximo encontro — determinou a terapeuta.
Todos foram saindo, aliviados, esperançosos, apesar de ainda confusos. Quando chegou a casa, entrou e fechou a porta, Dalton teve uma crise de choro, pois não cumpriu seu ritual de contar até 30, antes e depois de abrir a porta. Agora era seu fim.


Biografia:
Por um período, entre 1999 e 2001, fui repórter, não antes de ser escritor. Foi, pois, publicando um velho conto — no primeiro jornal no qual trabalharia — que me tornei repórter. Julguei que pagaria pela publicação, mas, além de não a pagar, ela simplesmente me valeu um emprego! A despeito disso, produzi pouco ao longo de vinte e tantos anos como escritor e dramaturgo. Em 1999, publiquei uma novela, que tem como cenário o Capão Redondo, Amargo Capão (Um Dia no Tráfico). Só então em 2006, voltaria a publicar, estrearia no conto com Absurdos, Delírios e Ilusões (Litteris Editora). Da mesma forma, escrevi alguns roteiros de curtas e alguns textos para o teatro, ocasião em que colaborei escrevendo e atuando numa paródia Shakespeariana: Queijo e Goiabada (Romeu e Julieta). Posteriormente, enclausurei-me, fiquei restrito a fazer bicos. Ler e escrever poesias, contos – esboçar romances. O Homem Sem Desejos, foi o único desses esboços a ser lançado, em 2016, então pelo Clube de Autores. Agora, igualmente, algumas daquelas poesias vão sendo divulgadas. Paralelamente, vou concluindo a faculdade de psicologia.
Número de vezes que este texto foi lido: 248


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Alguma Coisa Que Fica André Claro
Poesias Depois da Breve Chuva Que Não Vem André Claro
Poesias Como Nunca Antes Fora André Claro
Poesias A Flor André Claro
Poesias Linhas Prosaicas Sobre o Desvairo dos Corações Partidos André Claro
Poesias A Velha Estação do Trem do Tempo André Claro
Poesias Bruto é André Claro
Poesias Pássaros Azulados André Claro
Artigos A Importância de Encerrar o Ano André Claro
Poesias O Cântico e o Pranto André Claro

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 61.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2018
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 183451 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 154873 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 154308 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 128879 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 67850 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 67073 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 65749 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 60309 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 58106 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 54030 Visitas

Páginas: Próxima Última