Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
O Clube do TOC
André Claro

Havia olhares atônitos voltados para o vendedor, um homem de seus cinquenta anos, um pouco gordo, de óculos, que fazia uma dancinha desarmônica e improvisada, ou improvisada e desarmônica, em frente à padaria. A rua tinha intenso movimento de carros e pedestres, ficava no centro de São Paulo. Não era a primeira vez, não era o único lugar. Quando Carlos encerrou seu ritual de pouco mais de quarenta segundos, vídeos editados ou não já circulavam pela internet e consequentemente chegavam ao smatphone de seu chefe.

— Se eu não fizer essa dança, uma voz dentro de mim diz que não vou vender, se eu não a fizer direito, algo muito ruim vai acontecer à minha filha. Estou há anos lutando com isso, antes não precisava ser em público, fazia em casa ou no banheiro do estabelecimento, mas agora as exigências aumentaram. E meu chefe deu um ultimato, Ana — explicava Carlos à terapeuta. — Ou eu me curo disso ou é rua.
Ana fitou Carlos e os demais que formavam o círculo à sua volta, ajeitou-se na cadeira, pondo de lado a prancheta com folhas onde fazia anotações.
— Alguém mais? — inquiriu.
Fúlvia, uma mulher de vinte e poucos anos, cabisbaixa até então, concentrada em arrancar cutículas com as unhas, levantou os olhos e começou:
— Eu perdi meu marido — riu um pouco, mas com amargura. — Como? Ah, Deus — suspirou.


Biografia:
Por um período, entre 1999 e 2001, fui repórter, não antes de ser escritor. Foi, pois, publicando um velho conto — no primeiro jornal no qual trabalharia — que me tornei repórter. Julguei que pagaria pela publicação, mas, além de não a pagar, ela simplesmente me valeu um emprego! A despeito disso, produzi pouco ao longo de vinte e tantos anos como escritor e dramaturgo. Em 1999, publiquei uma novela, que tem como cenário o Capão Redondo, Amargo Capão (Um Dia no Tráfico). Só então em 2006, voltaria a publicar, estrearia no conto com Absurdos, Delírios e Ilusões (Litteris Editora). Da mesma forma, escrevi alguns roteiros de curtas e alguns textos para o teatro, ocasião em que colaborei escrevendo e atuando numa paródia Shakespeariana: Queijo e Goiabada (Romeu e Julieta). Posteriormente, enclausurei-me, fiquei restrito a fazer bicos. Ler e escrever poesias, contos – esboçar romances. O Homem Sem Desejos, foi o único desses esboços a ser lançado, em 2016, então pelo Clube de Autores. Agora, igualmente, algumas daquelas poesias vão sendo divulgadas. Paralelamente, vou concluindo a faculdade de psicologia.
Número de vezes que este texto foi lido: 322


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Alguma Coisa Que Fica André Claro
Poesias Depois da Breve Chuva Que Não Vem André Claro
Poesias Como Nunca Antes Fora André Claro
Poesias A Flor André Claro
Poesias Linhas Prosaicas Sobre o Desvairo dos Corações Partidos André Claro
Poesias A Velha Estação do Trem do Tempo André Claro
Poesias Bruto é André Claro
Poesias Pássaros Azulados André Claro
Artigos A Importância de Encerrar o Ano André Claro
Poesias O Cântico e o Pranto André Claro

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 61.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2018
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 183518 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 155356 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 154779 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 128935 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 68301 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 67989 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 66943 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 60456 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 58188 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 54097 Visitas

Páginas: Próxima Última