Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Um reino de monstros Vol.2 - Prólogo
Fumaça & vapor
Caliel Alves dos Santos

Resumo:
O trio de heróis se encaminha para Alfonsim e agora terão que enfrentar inimigos ainda mais poderosos.

Prólogo: Fumaça & vapor


Parte 1
O homem acionou os botões no painel de controle e ativou o telemago, depois do alívio passageiro, ele berrou desesperado:
— Estamos sendo atacados, repito, estamos sendo atacados. A nossa esquadra não vai aguentar mais um ataque.
— Que esquadra major?
— M-mas, mas eram três dirigíveis?
— Eram! No passado.
O artefacto constituído de três linhas horizontais chiou abruptamente. O militar mudou a frequência do telemago e comunicou-se com seu superior direto.
— Brigadeiro Mendes, nós não temos mais como nos defender do ataque da Horda, Alfonsim não teve tempo suficiente para conseguir o apoio necessário de Flande.
—...
— Senhor, está na escuta?
Boom, do lado de fora, os canhões do dirigível disparava suas balas.
— Senhor, nós devemos abortar a missão...?
— Negativo!
— Mas...
Não houve resposta por um tempo, o major que pilotava o dirigível manobrou o manche e o aeróstato fez uma arriscada manobra nos céus se desviando de diversas criaturas aladas. Na cabine de pilotagem, ele se sentia incapaz.
Será que o brigadeiro Mendes enlouqueceu?
Um novo estouro foi ouvido, o telemago no painel soltou um grito agonizante vindo da sala de máquinas, um grupo de monstros tinha invadido o dirigível.
— Major Bernardo, mande mais reforços...
Ele não quis acreditar que a missão estava por um fio. Então bateu no manche e fez o dirigível descrever uma ousada manobra. Suava frio. O brigadeiro entrou em contato:
— Major, mostre um pouco do seu amadurecimento, se é que teve algum desde a saída da Real Academia Alquimista.
— Meu tempo da RAA me ensinou muito brigadeiro Mendes, o que a alquimia não me ensinou é como sair vivo de um ataque da Horda.
— Não se preocupe, teremos argh!
— Uah! Brigadeiro? Brigadeiro Mendes, por favor, responda!
— Desculpe major Bernardo, Mendes não poderá falar mais, poo.
— Não, como você entrou aqui?
— Pela porta da frente.
O alquimista não estava mais falando com o inimigo pelo comunicador.
Atrás de si a porta se abrira. Um monstro de corpo emplumado e olhos esbugalhados entrou na cabine de pilotagem do dirigível.
A mão de Bernardo tremeu e escorreu para o coldre. A criatura fitou-o com suas grandes pupilas amareladas de íris verticais.
— Há quanto tempo major Bernardo, poo.
— N-não, não fale comigo como se fôssemos amigos íntimos, s-sua...
— Que falta de educação, é assim que os alfonsinos tratam as damas?
A pistola do militar seguia os passos levitantes da criatura encurvada, as suas penas eram cinzentas. As asas eram conectadas aos braços e terminavam em mãos grotescas.
Pernas amareladas como pés de aves completavam sua mirabolante anatomia.
O monstro o fitou e a voz rouca soou pela sala de pilotagem como se fosse uma idosa.
— Por que os alfonsinos querem sair assim tão rápido, poo? Vocês não são bons anfitriões sabia? Quando hasteamos nossa bandeira no palácio do Baronato de Alfonsim, esperávamos um pouco mais de dignidade da parte de vocês.
— Quem são vocês pra falar de dignidade sua desgraçada!
— Não fale com tanto ódio assim, poo. Pense em quão seria bom se vocês tivessem assinado o termo de rendição com nosso capitão, mas agora não daremos chances a vocês seus humanos cretinos.
Antes que o monstro pudesse atacá-lo, ele acionou uma alavanca no painel de controle. A criatura parou de repente ao ver o sorriso cínico dele no rosto.
— O que você fezzzzzzz?
— O que devia ter feito há muito tempo, eu lancei-a porta afora.
— NÃO!
Antes que os dois pudessem trocar seus golpes, o dirigível implodiu por completo.

Parte 2
Saragat estava de frente para Tell, ambos estavam sentados com os joelhos dobrados.
De olhos fechados, o mago-espadachim e o servo de Nalab meditavam. Index estava embrulhado na capa do garoto.
O conjurador tinha o cajado fincado no chão atrás de si, o outro repetia o mesmo gesto com seu sabre, eles usavam as armas como encosto, para manter a postura bem ereta. Rosicler tinha saído em busca de gravetos para a fogueira.
— A magia e a conjuração, ou magia divina como é mais conhecida, tem os mesmos efeitos, porém tem execuções diferenciadas.
— Meu avô me explicou sobre isso só que eu...
— Cale a boca, ainda não terminei minha explanação!
— Não precisa gritar, desculpe.
— Magia é quando provocamos fenômenos aplicando técnicas, utilizando como fonte nossa própria energia mágica, nesta prática, o mago pode deixar de executar magias devido ao esgotamento energético. A conjuração tem como base a fé do usuário, através de rogos, orações e cânticos, o conjurador lança magias servindo de condutor para o seu deus; caso ele falseie na fé, ele ficará distante da sua divindade e impossibilitado de conjurar magias. Você compreende isso?
— Sim, e-eu, eu compreendo.
Saragat pediu para que o Lisliboux fizesse um exercício de respiração em três tempos: respirar por três segundos, segurar o ar por três segundos e expirá-lo por três segundos.
Com isso ele usaria os músculos do diafragma, do tórax e controlaria os fluxos sanguíneos e respiratórios. O mascarado faria o mesmo.
— Tudo começa na respiração, quando nascemos, nosso despertar no mundo se dá através da respiração. Ao longo dos anos, perdemos essa...
Thump, o som cortou a explicação do encapuzado, uma veia saltou no rosto dele.
— Rosicler sua idiota!
— Não Saragat olhe!
Ele virou-se para trás, uma bola de fogo caia do céu como se fosse um sol, mas já estava no crepúsculo, de repente os dois se entreolharam e saíram correndo na mesma direção das chamas. Ambos gritaram ao mesmo tempo:
— ROSICLER!

N.A.: Agora a web novel Um Reino de Monstros será mensal; obrigado pela leitura!!!


Biografia:
Caliel Alves nasceu em Araçás/BA. Desde jovem se aventurou no mundo dos quadrinhos e mangás. Adora animes e coleciona quadrinhos nacionais de autores independentes. Começou escrevendo poemas e crônicas no Ensino Médio. Já escreveu contos, noveletas, resenhas e artigos publicados em plataformas na internet e em algumas revistas literárias. Desde 2019 vem participando de várias antologias como Leyendas mexicanas (Dark Books) e Insólito (Cavalo Café). Publicou o livro de poemas Poesias crocantes em e-book na Amazon.
Número de vezes que este texto foi lido: 30117


Outros títulos do mesmo autor

Resenhas Arqueologia Pop – Kroma! Caliel Alves dos Santos
Releases Arqueologia Pop – Nova Ventura Caliel Alves dos Santos
Resenhas Arqueologia Pop – Blood Crystals Caliel Alves dos Santos
Resenhas Quando o caçador vira a sua própria presa Caliel Alves dos Santos
Resenhas Só nos sobraram os espinhos Caliel Alves dos Santos
Resenhas Caçando demónios por aí Caliel Alves dos Santos
Resenhas Caçadores de emoções... e aventuras Caliel Alves dos Santos
Resenhas Oxente, tá aí um mangá que eu queria ler! Caliel Alves dos Santos
Artigos Conceitos e discursos sobre a auto inscrição africana Caliel Alves dos Santos
Artigos Precisamos falar sobre o Felipe Neto Caliel Alves dos Santos

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 108.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 69483 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 55934 Visitas
IHV (IAHU) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 47977 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 44653 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 44303 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 43926 Visitas
Amor e Perdão - Amilton Maciel Monteiro 43185 Visitas
viramundo vai a frança - 43007 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 41892 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 41556 Visitas

Páginas: Próxima Última