Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Quem "é" o ser-que-aí-crio"?
Maria Carolina Chr.


     Há* uma condição estética e, arrisco eu, existencial a certos indivíduos seletos: a condição de pertencimento a subgrupos performáticos, sendo estes vertidos de acidentes de vindouros espasmos quanto aos problemas propostos a si sob caráter universal e, agora, na grupalidade, como o clímax da ascensão de um novo Eu sem as chamas primitivas de seu nascimento. Problemas postos à guisa de categorias existenciais incompatíveis: o Ser do simbolismo, ou melhor, o ser-que-aí-crio. E, ainda subscrevendo o símbolo, pisoteia-o, a ponto de grafar seu nome no ar. Este ser, por outro lado, não o é. Somente se submete a um erro crasso de confusão pós-analítica e, principalmente, pós-metafisica, cuja unidade se esfacela e se regozija titubeante nos seus tragicômicos espetáculos sob os seus próprios holofotes e topografias irrisórias de autocondenação e ridicularização de domínio linguístico, racional e, fundamentalmente, de atenção primária a si e aos seus pensamentos antes do embuste da grupalidade como um ser em ato - a derrocada de Aristóteles no uso errôneo e no desuso despreocupado. Portanto, errarei só, assim como a fonte do ser se faz. Pensar só. Errar só. Sucumbir sob os próprios cadáveres definicionais e, admitindo a incapacidade de coser verdade com um falso ser, serei apenas o ser: Eu.
Queimemos só no inferno! Contentemo-nos em obliterar a substância concreta e não um espantalho com trajes universais (o ser-que-aí-crio; a manipulação e ascensão do simbólico ao pódio da verdade e existencialidade inegável), a ponto de condenar ao todo a uma Negação devido à negação de si próprio: o manancial do qual os conspícuos nunca renunciaram.
** O verbo "haver" foi utilizado, em contrapartida ao "ser-que-aí-crio", seja formal, seja concretamente. Não customizei vestes existenciais falsas nele; mas, sim, eu o escolhi devido ao caráter de substancialidade concreta dos sujeitos grafados acima. Portanto, achei ilustrativo e condescendente ao discorrido preferenciá-lo como módulo de precipuação tanto no texto quanto na crítica.


Biografia:
Número de vezes que este texto foi lido: 64


Outros títulos do mesmo autor

Discursos Quem "é" o ser-que-aí-crio"? Maria Carolina Chr.
Ensaios Ayn Rand e a Ética Objetivista Maria Carolina Chr.
Artigos A circularidade do Belo e sua dissolução errante no fenômeno Maria Carolina Chr.


Publicações de número 1 até 3 de um total de 3.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2018
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 183462 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 155147 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 154593 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 128888 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 67912 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 67853 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 65759 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 60343 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 58118 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 54047 Visitas

Páginas: Próxima Última