Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
PULA CATRACA 6 IND 16 ANOS
DE PAULO FOG
ricardo fogaça

Resumo:
BOM


            Matilde se alegra com o estouro da champanhe, César serve a bebida com morango na boca da mulher.
    - Nossa, o que te fez assim, tão cavalheiro?
    - Oras sempre te tratei bem.
    - Sim, mais hoje esta um pouco além.
    - Só estou lhe compensando.
    - Pelo presente?
    - Também, mais por ser a mulher que és, brilhante e gostosa.
    - Sério, César você me acha gostosa?
    - Sempre achei e acho.
    - Nossa, ouvindo isso eu até que acredito, por um breve instante, mais acredito.
    - Me desculpe Matilde, estive um tanto distante de ti.
    - Pare, já esta bom, sabe, ficou mecânico demais.
    César coloca sua taça na cabeçeira da cama, desfila sua mão pelo corpo da mulher que solta alguns gemidos e gritos.
    - Pior, é que vale cada centavo pago por esta suíte neste motel.
    - Ás vezes, acho que me tratas como que um gigolô.
    - Não, mais você não é nenhum santo.
    - Eu gosto disso.
    - Eu sei que gosta.
    Matilde sai da cama, pega algo em sua bolsa e entrega para César.
    - O que é isso?
    - Vai, olhe.
    Ele abre um minúsculo pacotinho e dentro uma pulseira e corrente de ouro.
    - Nossa que lindos amor.
    - Gostou?
    - Muito.
    - Comprei para que use e se lembre de mim.
    - Não sei o que faria sem você.
    - Com certeza, teria outra.
    - Matilde.
    - Olhe, não diga a ninguém sobre isso e o carro.
    - Fique tranquila, ninguém sabne.
    - Assim é bem melhor.
    Eles se beijam e César inicia o sexo com ela.
    Soraia termina de estender a ultima peça que fora lavada, fora dispensada mais cedo devido o Corona Vírus.
    O shopping estuda até o escalonamento de algumas lojas.
    - Nossa, minha gata sabe lavar roupa?
    - Eu, não, a máquina é que lava.
    - Vem aqui, quero beijo.
    Ela larga o tanque e cai nos braços de Ivan, só então se lembra dos outros.
    - Cadê o Augusto e o César?
    - Bem, o César nem veio do trabalho, Augusto foi entregar alguns salgados.
    - Sozinho?
    - Não, um amigo dele o levou.
    - Estranho.
    - O quê?
    - O Augusto quase não tem amigos, tipo desse que vem aqui.
    - Pois este veio na realidade ficou esperando lá fora.
    - Ah sei.
    - Sabe o quê?
    - Nada não, vai me beija.
    - Pra agora.
    Soraia cai na boca de Ivan e logo seguem para o quarto dela.
    Ederson sai de um bar e segue pela calçada para um clube noturno, antes de chegar a este, passa por um grupo de rapazes.
    - E ai bichona, vai aonde?
    O rapaz segue sem dizer nada e acelera os passos.
    - O que foi viadinho perdeu a língua ou só usa pra aquilo?
    Logo dois destes segura Ederson e os outros o golpeiam em socos e chutes.
    O rapaz só para de apanhar quando uma senhora que passa do outro lado grita por socorro.
    - Velha inxirida.
    A mulher atravessa a rua e outros transeuntes vem até ele, alguém chama o SAMU.
    Moacir termina as anotações no escritório, quando Nilvânia entra ali, encosta a porta, coloca uma caixinha de som na mesa do homem e inicia ali um striper ali para ele, ficando em lingerie amarela com detalhes em correntes douradas.
    - Meu Deus o que é isso?
    - Tudo seu.
    O homem parte para ela e o sexo acontece na mesa ali.
    Ederson dá entrada muito ferido no hospital, sempre falando o nome de Soraia.
    A enfermeira procura por documentos e não encontra nos bolsos, acha o número do celular de Soraia nos contatos e liga para ela.
    Soraia esta em pleno vapor com Ivan no quarto quando toca seu celular, ela atende.
    - O quê, o Ederson, sim eu o conheço, onde4 ele está, sim, tô indo para ai.
    - O que foi?
    - Meu amigo do trabalho, parece que ele levou uma surra e esta muito ruim no hospital, tô indo para lá, vamos?
    - Vamos.
    - Que bom, no caminho vou te falando sobre ele.
    - Tá.
    O casal desce do circular perto do hospital, Soraia anda ligeiro para o local e Ivan a segue ainda um tanto sem entender tudo aquilo.
    Dentro do hospital, ela procura por informações de seu amigo e logo uma atendente lhe diz onde ele esta, o casal segue a profissional da saúde, Ivan pára em determinado momento para beber água e logo corre atrás delas.
    Pela janela enorme em vidro, Soraia vê o amigo ser medicado e feito uns curativos nele.
    - Meu pai do céu o que te fizeram Ederson?
    A enfermeira vem a porta e autoriza a entrada de Soraia.
    - Amigo.
    - Você veio So, me desculpe, me desculpe.
    Ederson tem uma crise de choro e Soraia o conforta.
    Ivan tenta, mais é mais forte, surge um certo ciúmes, porém logo entra ali e percebe que o rapaz amigo de sua querida é gay.
    - Olá.
    - Oi, então você é que esta fazendo minha amiga feliz?
    - Eu tento.
    - Tem que tentar e fazer, ela é super especial.
    - Eu sei disso.
    O homem beija So no rosto, momentos depois Ivan deixa os dois a conversarem, sai para fora respirar um pouco, até que olha algo que lhe chama a atenção.
    - Não pode ser.
    - O que Ivan?
    - Olhe ali, aqueles dois, não são o Augusto e o amigo dele?
    Soraia olha e fica um tanto sem jeito, ao longe Augusto alisa as mãos de Gerson.
    - Vamos entrar.
    - O que foi, não são eles?
    - Vamos Ivan.
    - São, são eles sim, vou lá falar com eles, vamos?
    - Por favor não.
    - Por que?
    - Só vamos entrar, por favor Ivan.
    - Tudo bem.
    Eles entram no hospital, despedem de Ederson e Soraia diz que voltará com roupas e o levará para sua casa.
    - Vai mesmo?
    - Lógico meu amigo mágico.
    - Mágico?
    - Sim, por que faz todo mundo feliz ao seu redor.
    - Te amo.
    - Eu é que te amo muito querido amigo.
    - Sem ciúmes hein.
    Ederson brinca com Ivan.
    - Pode ficar tranquilo. Responde Ivan.
    Gerson olha com carinho para Augusto que recebe mais abraços e beijos na mão.
    - Olá.
    - Oi Leonildo.
    Augusto olha para Gerson e para Leonildo.
    - Quem é ele?
    - Nosso convidado.
    - Bem, para quê?
    - Logo vai saber.
    Soraia entra em casa e logo vai escolhendo roupas de Augusto para levar no hospital, Ivan ali em pé na porta.
    - Por que So?
    - O que Ivan?
    - Por que não quis que o Augusto nos visse?
    - Tá certo Ivan, você entendeu tudo, eu sei que entendeu.
    - Eles namoram, é isso?
    - Sim, eles estão namorando ou seja lá o que for.


                                19032020........


Biografia:
amo ler e muito mais escrever, sou assim
Número de vezes que este texto foi lido: 77


Outros títulos do mesmo autor

Romance FLORES DE FERRO 2 IND 12 ANOS ricardo fogaça
Crônicas O TAL DE SER LIVRE ricardo fogaça
Romance FLORES DE FERRO ricardo fogaça
Contos PULA CATRACA FINAL IND 16 ANOS ricardo fogaça
Crônicas O MINSTRO EM MEIO A PANDEMIA ricardo fogaça
Contos PULA CATRACA 10 IND 16 ANOS ricardo fogaça
Contos PULA CATRACA 9 IND 16 ANOS ricardo fogaça
Contos PULA CATRACA 8 IND 16 ANOS ricardo fogaça
Crônicas A GLOBO E SEUS DEVANEIOS EM RENTABILIDADE DEPLORATIVA ricardo fogaça
Contos PULA CATRACA 7 IND 16 ANOS ricardo fogaça

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 30.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 64565 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 54325 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 43172 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 42752 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 40827 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 40249 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 37787 Visitas
Amores! - 36045 Visitas
Desabafo - 35442 Visitas
Faça alguém feliz - 33857 Visitas

Páginas: Próxima Última