Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
ROBERTA 11 NOVEL HOT
DE PAULO FOG
ricardo fogz

Resumo:
BOM


                                             15


        O clube funciona normalmente, até com um pouco mais de clientes, Helana tem de andar mais rápido para dar contas de todas as mesas.
   - Por que hoje esta tende tanta gente?
   - Parece que foram fechadas duas casas de jogos.
   - Duas?
   - Sim.
   - Esta vendo mãe, esses velhotes já estão viciados tanto que vem até aqui no faro.
   - Para nossa sorte.
   - Sorte, que sorte, a gente aqui só sofre.
   - Agradeça filha, poderia ser pior.
   - Pior que isso, desculpe mãe mais não há nada pior do que este lugar e essas pessoas.
   Um freguês da casa grita por cerveja e Mercedes faz sinal para a filha que abre o freezer e logo segue para a mesa com o pedido.
   Tiago vem até Mercedes.
   - Tia, hoje a gente fatura uma boa grana.
   - Tomara, assim a gente vai pagando logo esses abutres.
   - É tia, deve ser dificil para a senhora?
   - Para todos nós Tiago, todos nós.
   Logo entram ali os capangas de Ivan.
   - O que querem?
   - Primeiro baixa a bola moleque, segundo passa a grana do chefe logo, terceiro vamos ficar por aqui um pouco.
   Tiago olha em raiva para eles, Mercedes lava as mãos e tira o avental segue até eles.
   - Boa noite senhores.
   - Boa.
   - Tiago faça logo o que te pediram por favor.
   - Sim tia.
   O rapaz vai ao caixa e quase o seca, trazendo a grana entrega para um dos caras.
   - Agora sim, esta aprendendo garoto.
   - Sou mais homem que vocês dois.
   - Então vamos ver.
   Mercedes intercede.
   - Não quero problemas aqui, sabe que foram fechadas duas casas hoje.
   - Sim.
   - Não queremos mais essa na lista ou queremos?
   - Não.
   - Então Tiago, caixa, vocês sentem vou levar uns salgados e bebidas.
   - Não leve a mal tia, mais preferimos ser servidos pela aquela delicia da sua filha.
   - Me respeite hein, vou fazer de conta que não ouvi.
   - Beleza tia.
   Os dois sentam em uma mesa ppróxima a cozinha, um deles joga beijos para Mercedes, Helana vai junto da mãe e logo retorna com a cerveja e salgados servindo-os.
   - Mãe esses caras não prestam.
   - Eu sei filha mais faz parte do pacote.
   - Pacote dos infernos.
   Assim prossegue até que pela entrada adentram Roberto e 3 homens.
   - Dr?
   - O que foi Tiago, viu algum fantasma?
   - O que faz aqui, como soube?
   - Quero falar com você.
   - Comigo?
   - Sim.
   Mercedes vem até eles.
   - Boa noite.
   - Boa noite.
   Roberto olha para Mercedes e a reconhece.
   - É você, Mercedes?
   - Sim Roberto.
   - Meu Deus, faz muito tempo.
   - Sim, mais de 30 anos.
   - Você não mudou nada.
   - Pare, agora venha, fale comigo.
   - Não, eu preciso falar com este cara aqui.
   - Sei o que quer saber, vamos falar.
   Helana vê Roberto e deixa a bandeija cair, Tiago vai até ela para ver se ela se feriu, mais a garota nada diz.
   - Vamos prima, diga algo.
   - Não.
   - Sei lá, eu estou me sentindo mal.
   - O que foi, vou chamar a tia.
   Mercedes vem e com a ajuda de Tiago leva a filha para o quarto onde a deita, retorna ao salão e entrega um bilhete para Roberto.
   - Por favor, me espere amanhã, neste local, falarei tudo que quer saber.
   - Mais.
   - Por favor, vá, hoje esta cheio, tenho muito que falar contigo.
   - Esta bem.
   Roberto sai com os seguranças, os caras de Ivan só observam, um deles faz uma ligação quando Roberto sai, logo faz sinal para os outros e saem dali.
   - Não vão tomar mais.
   - Cai fora moleque, a gente quer é aquela priminha sua.
   - Seus canalhas.
   - Só não estouro a sua cara por que temos outros assuntos.
   Roberto segue no carro, suas lembranças o deixa de certo balançado.
   - Dr para onde?
   - Para casa.
   - Sim.
   Um dos seguranças dirige o auto para a mansão, os outros dois foram dispensados na porta do clube.
   - Obrigado sr...
   - Rogério dr.
   - Obrigado Rogério.
   - Nada dr.
   O carro segue para a mansão, lá, Roberto dispensa por hora Rogério e segue para seu quarto, tira sua roupa e segue para o banho nú, onde entra na banheira e se perde em meio ha espumas e pensamentos.
   - Mercedes, então você esta aqui.
   Minutos depois, bate a porta, ele a libera, entra Hermes com toalha e roupão.
   - Aqui dr.
   - Hermes, como antigamente eu me esquecendo as coisas.
   - Só pode ter sido....
   - Sim eu a encontrei.
   - Sabia.
   - Como assim, lógico, você descobriu na investigação?
   - Sim dr.
   - Por que não me disse?
   - Dr, sei que gostaria de ve-la mais também sei que ela saiu de certa....
   - Expulsa, pode dizer claramente Hermes.
   - Bem...
   - Esta certo, confio em você, foi verdade, sim ela saiu expulsa da família, minha família.
   - Desculpe dr, mais foi o que meu tio disse na época.
   - Sim, Marcelo sabia mais de mim do que qualquer outro.
   - Sim dr.
   - Sabe, ás vezes vejo Marcelo em você Hermes.
   - Obrigado dr.
   - Mais agora vou me secar e você vai me dizer tudo que sabe.
   - Sim dr.

   20180304..................................................

















                                                     16






            Após sorver o ultimo gole de wisky, Roberto sustenta a cabeça com ajuda de uma das mãos, Hermes o olha ali com certa piedade.
    - Por que Hermes, por que deixei que tudo aquilo acontecesse.
    - O dr não teve culpa.
    - Tive Hermes, eu sou o único culpado.
    - Mais ainda dá tempo, pode fazer diferente agora.
    - Serás Hermes?
    - Com certeza dr.
    Toca o celular, Roberto atende, Gio do outro lado.
    - Oi amor.
    - Oi paixão.
    - O que houve?
    - Como assim?
    - Diz logo Roberto, te conheço muito bem.
    - Não consigo te deixar longe.
    - Fale, quero saber.
    - Eu a encontrei.
    - Não me fale que......
    - Sim, Mercedes, eu a encontrei.
    - Nossa depois de tantos anos.
    - O que eu faço, me diz amor?
    - Amor você se culpa por tantos anos, agora é a hora, tenha uma conversa com ela, se desculpe se for necessário.
    - Você pensa assim?
    - Sempre amor.
    - Sabe que eu te amo.
    - Amor, sou tua e você será sempre meu.
    - Te amo.
    Eles ficam a conversar, Hermes faz sinal em despedida e deixa o quarto.
    Ao entrar na cozinha Rebeca termina de verificar a limpeza dali feita pelas colegas de trabalho.
    - Tudo certo Rebeca?
    - Sim tudo.
    Hermes senta e serve de 1 xícara de café com leite.
    - O que foi Hermes?
    - Sabe que não gosto de fofocas?
    - Tampouco eu.
    - Parece que ela voltou.
    - Mercedes?
    - Você lembra dela?
    - Você é que não deveria, afinal era um garoto na época.
    - Meu tio sempre me contava.
    - Foi horrível.
    - O que aconteceu Rebeca?
    Rebeca vai até a porta e a encosta.
   - Não gosto de mexericos, mais foi um tanto forte, ela não tinha nada, apareceu assim, como alguém que fugisse de uma vida sofrida, estava quase aos trapos, o patrão pai de Roberto a contratou meio que por benvolência, eu fui a sua instrutora, a ensinei, ela ficou por quase 2 anos e eu já havia me acostumado com o jeito dela, sem muitas palavras, educada porém muito simples, mais também percebia que o dr estava de namoro com ela ás escondidas, principalmente o olhar do dr para ela.
   - Eles se amaram a primeira vista?
   - Acho que sim, ela fugia do quarto e os 2 corriam pelo jardim, risos, beijos, eu tinha de sair de minhas cobertas e traze-la, apesar de já adulto, o dr ficava como se fosse uma criança.
   - Mais ele ja era casado, não era Rebeca?
   - Sim, mais a patroa Marina só vivia para o exterior.
   - E o dr?
   - Ele sempre preso aos negócios, o pai dele o cobrava sem limites, dr Roberto tinha de vencer e se superar como o pai dele dizia.
   - Meu deus.
   - Pois é, ele sempre dizia ao filho, se estabeleça em rocha firme.
   - Nossa tremenda pressão.
   - Mesmo assim ele a amou com toda força da juventude.
   - E ai Rebeca?
   - Ela engravidou.
   - Então, aquela moça, filha dela...
   - Ela tem uma filha?
   - Sim, ja bem moçinha, bonita.
   - Deus dos céus.
   - E agora Rebeca?
   - Hermes, vamos cuidar de nossos afazeres, estou um tanto atrasada el alguns assuntos.
   - Desculpe Rebeca, vou indo.
   - Esta bem, por favor. Hermes sai dali, Rebeca sentada ali olha para tudo ali na cozinha e lágrimas descem de seus olhos.
   - O passado voltou e veio com a fúria dos dias, meu Deus eu não quis fazer aquilo, me perdoe pai, por favor, Santa Maria mãe de Deus rogai por mim...
   Roberto entra ali e vê Rebeca em lágrimas com sua reza.
   - O que houve Rebeca?   Ela olha para o patrão e ali.
   - Foi o passado dr, ele sempre cobra e me esta a cobrar.
   - Mercedes, o que você tem a ver com ela?
   - Tudo dr ou quase tudo.


    20180407.................................................
   



Biografia:
amo ler e amo muito mais escrever
Número de vezes que este texto foi lido: 53


Outros títulos do mesmo autor

Contos MARCOS 15 ricardo fogz
Contos ROBERTA 12 NOVEL HOT ricardo fogz
Crônicas MEUS DITOS POLITICOS ricardo fogz
Contos MARCOS 14 NOVEL GLS ricardo fogz
Contos ROBERTA 11 NOVEL HOT ricardo fogz
Contos ROBERTA 10 NOVEL HOT ricardo fogz
Contos MARCOS 13 NOVEL GLS ricardo fogz
Contos MARCOS 12 ricardo fogz
Contos ROBERTA 9 ricardo fogz
Contos ROBERTA 8 NOVEL HOT ricardo fogz

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 28.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2018
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 184109 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 157353 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 157134 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 129471 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 75576 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 69874 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 68768 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 61787 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 58696 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 54521 Visitas

Páginas: Próxima Última