Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
MARCOS 7 NOVEL GLS
DE PAULO FOG
ricardo fogz

Resumo:
BOM

Bruno chega junto de Marcos em casa, Adélia já esta a lavar louça.
       - Nossa, agora.
       - Oi tia.
       - Oi meninos.
       - Oi d Adélia.
       - É Marcos né?
       - Sim.
       Bruno olha para Marcos que se despede.
      - Como assim nem bem chegou e já esta indo.
      - Tenho compromissos amanhã bem cedo.
      - Ah sim.
      Bruno pede para que ele aguarde um pouco e logo retorna com um envelope.
      - Os papéis.
      - Ah sim os papéis, obrigado.
      - Eu é que agradeço.
      Adélia olha para eles e cruza os braços.
      - O que é isso Bruno?
      - Como assim tia?
      - O que entregou para o seu amigo?
      - São documentos.
      - Documentos?
      - Sim tia, melhor eu já te dizer, estou alugando um lugar para mim e Gustavo.
      - Por quê?
      - Tia eu preciso ter meu lugar.
      - Aqui é seu lugar Bruno.
      - Tia.
      - Tudo bem, não vou ser empecilho para vocês.
      - Não é isso tia, mais eu quero ter meu canto.
      - Já entendi.
      Adélia seca as mãos e segue para seu quarto, Bruno espera ela trancar a porta e puxa Marcos para seu quarto, Gustavo ja esta dormindo, eles entrame pegam uns lençois e travesseiros e saem.
      - Onde vamos?
      - Que tal o ar livre?
      - Te amo.
      - Vamos?
      - Sim.
      Na varanda dos fundos Bruno forra o chão e logo eles caem ali aos beijos e caricias.
      Marcos passeia com os dedos pelo corpo de seu amado e logo mais beijos.
      - Por que você é tão gostoso?
      - Por que eu sou seu.
      - Você me ama?
      - Sempre.
      Logo Marcos invade o interior de Bruno e cada movimento faz seu amor dar leves gemidos.
      Adélia esquece de levar água para seu quarto e sai, na cozinha enche sua garrafinha e ouve um barulho, da janela vê Bruno com Marcos ali na varanda.
      - Meu Deus, isso é uma sodoma.
      - Ela sai dali indo para seu quarto.
      Vera ali na cama com sua namorada a explorando.
      - Vera.
      - Sim.
      - Vamos sempre nos amar?
      - Claro que sim.
      - Então eu já estou pronta.
      - Pronta?
      - Sim, quero morar contigo.
      - Sério?
      - Sim.
      - Te amo.
      - Eu também te amo.
      Mais beijos e abraços.
      André termina seu quarto wisky e sai do bar indo para sua casa a pé.
      - André?
      - O que foi?
      - Sou eu Sofia.
      - O que quer?
      - Credo você esta bêbado.
      - Como queria que eu estivesse se o cara que eu gosto a esta hora esta transando com outro.
      - Puxa.
      - Vai para minha casa?
      - Sim.
      - Então vamos.
      - Vamos.
      Eles seguem ali para o prédio de André.
      Bruno sorri ali com sua cabeça sob o peito de Marcos.
      - E amanhã amor?
      - Você sai antes que ela acorde.
      - Certo.
      - O que foi?
      - Estou aqui pensando, cara somos 2 adolescentes experimentando o mundo.
      - Bobo.
      - Te amo.
      - Não mais que eu.
      Beijos e mais abraços.
      André abre a porta com a ajuda de Sofia, acende a luz e nada de Marcelo que já fora dormir.
      - Vou te levar para seu quarto.
      - Claro que vai.
      - O que quer dizer?
      - Quanto você deve?
      - O que André?
      - Quanto você deve para meu pai?
      - Não te entendo.
      - Entende sim, diz ai quanto?
      - André.
      - Vai logo diz.
      - Quase 3 mil.
      - Nossa, sabia, você não apareceria assim do nada.
      - Por favor André.
      - Nada, vamos para o quarto.
      - Vai me ajudar?
      - Lógico priminha.
      - Obrigado.
      - Vamos.
      - Sim.
      Eles sobem paras o quarto e lá André apaga, Sofia deita ao lado dele e logo adormece.
      O dia vai nascendo e Marcos sai da varanda indo para sua casa, Bruno entra no quarto e logo sai indo para o banho, quando sai, vê Adélia na cozinha preparando o café.
      - Bom dia tia.
      - Bom dia Bruno.
      - Nossa que cheirinho bom.
      - É, estou passando um cafézinho.
      - Delicia.
      - E seu amigo, não vai tomar café?
      - Amigo?
      - Sim, o Marcos.
      - Ele foi ontem...
      - Eu os vi quando vim pegar água.
      - Me desculpe.
      - Nada, acho que tenho de me atualizar mais.

      20183101...................................


            34





        André sai para o café já em roupas de trabalho.
    - Ja tão cedo?
    - Sim pai, quero passar na casa do Bruno.
    - O que foi?
    - Nada, só quero ressaltar que vou participar da mudança.
    - Sei.
    - O que foi pai?
    - Olhe André, já lhe disse que não gosto de interferir na sua vida mais cara, isso não vai dar certo.
    - E o que vai dar, mandar a Sofia ficar comigo?
    - O que foi que ela disse?
    - Nada pai, eu não sou bobo, acha que não desconfiaria.
    - André eu só quero...
    - Sei, me preservar, pai se eu cair fique tranquilo eu sei me levantar.
    - Filho.
    - Pai eu te amo, mais de boa.
    - Tudo bem.
    - Ah, por favor, não cobre dela, ela não teve culpa.
    - Tudo bem.
    André sai da casa com um pedaço de pão.
    Na casa de Bruno, Adélia diz ao colega de trabalho de seu sobrinho que ele ja fora.
    - Nossa tão cedo.
    - É que o Gustavo tem escola, acho.
    - Verdade.
    - Quer entrar?
    - Não, muito obrigado, me desculpe o incômodo.
    - Nada.
    - Tchau.
    - Tchau.
    Ja nas ruas, André liga para Bruno.
    - Oi.
    - Oi André.
    - Onde você esta, acabei de sair da casa de sua tia.
    - Estou com o Marcos ele vai ao escritório deixar os documentos.
    - A, sei, Marcos.
    - Sim André.
    - Tudo bem, a gente se fala no escritório.
    - Sim.
    André desliga e segue no seu veiculo para o escritório.
    Bruno ali olha para Vera, que lhe sorri.
    - Não sei não Vera, me sinto mau pra caralho ter mentido assim para ele.
    - Oras você não mentiu, afinal você esteve com o Marcos.
    - Mais não agora.
    - Vai por mim, melhor assim.
    - Será?
    - Acredite, melhor ele desapegar agora do que ficar na esperança de ter você.
    - Isso é.
    - Vamos trabalhar?
    - Agora.
    No escritório, tudo corre normalmente até que Olavo pede por telefone que Bruno vá até a sua sala.
    - Sim dr.
    - Bem Bruno não vou ficar em rodeios, diga logo onde está o Victor?
    - Dr.
    - Agora.
    - Por quê dr?
    - Pare com isso Bruno, Victor é problema meu.
    - Não dr, Victor tem vida própria.
    - Não fique com tolices.
    - Me desculpe mais se ele quiser, ele falará.
    - Quer medir forças comigo rapaz?
    - Tudo bem, após o almoço não precisa retornar.
    - O que tio?
    - É isso que eu ouvi, tio, agora se lembra que sou seu tio.
    - Foi o dr quem disse que separasse as coisas.
    - E pelo jeito você não consegue, afinal no primeiro obstáculo já vem com sentimentalismos.
    - Não dr, agora sou eu que saio.
    Bruno sai da sala e em menos de 10 minutos retorna com sua carta demissional.
    - Aqui esta minha carta.
    - Eu aceito.
    Olavo pega o papel, Bruno sai deixando a porta aberta, em sua sala só pega o terno e sai dali.
    - O que foi Bruno?
    - Vera, meu tio me demitiu.
    - O quê?
    - Isso ai.
    Vera fica horrorizada com a atitude de Olavo para com o sobrinho e segue para a sala dele porém Bruno a segura e tira dela esta idéia.
    - Esta louca, precisa trabalhar, afinal acabou de se mudar.
    - Esse velho maldito.
    - Vera por favor, não faça nada por impulso, este problema é meu, fique tranquila tudo vai dar certo.
    - Não consigo.
    - Consegue.
    Ele conversa com ela mais alguns minutos e logo Pietro vem até eles.
    - Vera o dr quer os documentos.
    - Ele que vá....
    - Por favor Vera. Diz Bruno.
    - Tudo bem vou entrega-los.
    Vera segue para a sala e Pietro ali diz a Bruno.
    - Me desculpe Bruno, mais o dr pediu para que se retire do escritório.
    - Tudo bem, entendo afinal não somos mais colegas de trabalho.
    - Fique tranquilo ele esta um tanto aos nervos mais vai reavaliar esta atitude.
    - Obrigado Pietro foi uma honra trabalhar contigo.
    - Nada.
    - Adeus.
    - Até logo.
    Adélia termina de colocar as roupas na máquina para lavar quando toca seu telefone.
    - Oi, o quê, esta louco, tome ciência de sua burrice, ele vai procurar seus direitos, resolva isso logo, agora seu palerma.
    Adélia bate o telefone e liga a máquina.
    - Mais essa, tudo por causa de macho.
    Bruno para em uma lanchonete, pede um refri e come um salgado, logo toca seu celular.
    - Oi Marcos.
    - O que houve?
    - Já esta sabendo?
    - Sim a Vera me disse por cima.
    - Eh Vera.
    - Nada, só fui demitido.
    - Demitido.
    - Sim, se ainda quiser um cara fálido do seu lado.
    - Que cara lindo, isso sim.
    - Sei.
    - Onde você está estou indo para ai?
    Vinte minutos depois, Marcos e Victor ali com Bruno.
    - Não acredito que aquele canalha fez isso.
    - Por favor Victor, eu já queria sair de lá.
    - Não, ele vai me ouvir.
    - Deixe isso, se quer ve-lo vá mais não por isso.
    - Deixa só, ele vai me ouvir.
    Victor pega o celular e liga para Olavo, nisso Marcos bate no ombro do homem.
    - Pode desligar.
    Ali na frente da mesa deles, Olavo olha para Victor com lágrimas nos olhos.
    - Por favor Victor.
    - Por favor, vá a merda.
    - Victor.
    - Te odeio Olavo, te odeio.
    Bruno e Marcos apaziguam o ambiente, Victor sai junto de Bruno, Marcos fica a falar com Olavo.
    - Então é você que está com ele?
    - Não dr, sou amigo de Victor, ele está em meu apartamento.
    - Me passe o endereço.
    - Se acalme dr.
    - Por favor o endereço.
    - Nada pode ser resolvido assim desse jeito.
    - Eu amo aquele cara.
    - Amor, amor dr, não, isso não pode ser amor, é posse.
    - Não, não é.
    - É o que o dr pensa.
    - Por favor.

    20180204..........................................
    PESSOAL PEÇO-LHES DESCULPAS MAIS ESTE ANO IREI POSTAR OS CAP EM ESPAÇOS MAIS LONGOS, DEVIDO AO FATO DE ALÉM DE MEU TRABALHO E AFAZERES EM CASA, AINDA ME DEDICAREI UM TEMPO A ESTUDO PARA O ENEM 2018.
    ESPERO A COMPREENSSÃO DE TODOS E MUITO OBRIGADO POR LER MEUS TEXTOS E DE IONE AZ.
    VALEU GENTE DE CORAÇÃO, SORTE SAÚDE E SUCESSO A TODOS.
    PAULO FOG E IONE AZ.







                    35



            Bruno e Victor aguardam no carro o retorno de Marcos que vem secando o rosto de suor.
     - E então, como foi?
     - Victor aquele homem te ama.
     - Você esta louco.
     - Do jeito dele, maneira dele, mais ele gosta de você.
     - O que foi que ele disse?
     - Entre tantos, ele quer falar contigo.
     - Eu vou falar com ele.
     - Vai?   Pergunta Bruno.
     - Sim Bruno eu tenho que falar com Olavo.
     - Mais e se....
     - Vai correr tudo bem, conheço Olavo, sei de seus limites.
     - Se diz.
     Eles seguem para a casa de Bruno onde Marcos e Victor ajudam a pegar as roupas e pertences de Bruno e Gustavo.
     - Por que disso Bruno, para onde você vai?
     - Vamos ficar por um tempo no apartamento de Marcos.
     - Com o Gustavo?
     - Sim tia.
     - Mas aqui tem espaço para vocês.
     - Tia, não sei se já sabe mais eu fui demitido.
     - O que sei é que se demitiu.
     - Que bom que seu irmão já lhe relatou.
     - Estou do seu lado, já briguei com ele.
     - Olhe tia não é nada contra a senhora só que não dá, preciso ter meu lugar.
     - Mais lá não será seu lugar.
     - Tudo bem.
     - Por favor Bruno vem comigo.
     - Bruno olha para os 2 que continuam a pegar as coisas, ele segue sua tia para o quarto dela.
     - O que foi tia?
     - Acha certo expôr o garoto a sua relação?
     - Como assim?
     - Eu sei o que eu vi naquela varanda.
     - Sim, a senhora viu 2 pessoas que se gostam, se amam.
     - Mais o Gustavo, pode ser prejudicial para a cabeça dele, querido.
     - Por que tia, por que o pai dele ama um homem?
     - Por favor.
     - Não tia, ja que iniciou vamos ás claras de uma vez.
     - Bruno meu sobrinho.
     - Estou cansado, tia, ser o que os outros querem que eu seja.
     - Não quero mais falar sobre isso.
     - Eu sei que a senhora na realidade odeia tudo isso se faz de neutra mas no fundo deseja que meu relacionamento termine.
     - Não é certo. Adélia grita.
     - E o que é o certo, esconder-se em uma vida que não é da gente, ser a pessoa correta, limpa na frente e maquinar o mau pelas costas?
     - O que esta dizendo?
     - Eu vi o seu diário.
     - Como?
     - Sim tia, a senhora também tem seus podres.
     - Chega pode ir para onde quiser.
     - Eu sei, agora entendo o por que meus pais tiveram uma vida tão miserável.
     - Por que foram tolos igual a ti.
     - Agora sim esta sendo a verdadeira, finalmente jogou fora a máscara.
     - Olhe aqui, seua pais eram uns completos imbecis.
     - O que diz?
     - Isso mesmo, se eu e Olavo não tivessemos feito o que foi, outro o teria.
     - Do que está falando?
     - Nós compramos o prédio, firmamos o contrato eles entraram com a grana, nos falimos e ficamos com tudo.
     - Isso é crime, a senhora é cruel, maligna.
     - Não seu trouxa o mundo é cruel.
     - Tia.
     - Vá se fuder, igual aqueles imbecis que te criaram.
     Adélia abre o armário e pega a pistola, Marcos entra no quarto.
     - Vamos embora Bruno.
     - Vamos.
     Adélia deixa a arma ali junto das roupas e puxa o sobrinho para si.
     - Não, me perdoe, me perdoe, eu não quis dizer tudo isso, por favor, me perdoe.
     - Tia a única coisa que eu quero é ficar bem longe de tudo isso.
     - Covarde.
     - Posso ser, mais não sou golpista.
     - O que vai fazer seu molenga?
     - Sobre o quê?
     - Sobre tudo que eu lhe disse.
     - Tia tudo que eu quero é sair daqui, vou ser feliz com meu filho bem longe daqui, o resto eu entrego a Deus.
     - Idiota.
     - Adeus tia.
     Bruno sai do quarto, Victor aguarda eles encostado na porta do carro, eles entram e saem, Adélia cai na cama em choro, ódio, levanta e abre o armário e procura pelo diário, pega este e o rasga com fúria.
     - Maldito, maldito, igual ao pai e a mãe.
     Ali no chão chora.
     Vera chega no apartamento de Marcos, logo André também que traz refri e bebidas á pedido de Bruno que logo abre uma cerveja e toma rapidamente.
     - Como pode, aquela mulher é um monstro.
     - Vera diz para todos ali, dos olhos de Bruno lágrimas saem.
     Marcos afaga o rosto do seu amor, logo o beija.
     - Ela roubou Marcos, roubou meus pais, junto do irmão.
     - Eu sei, eu escutei, mas fique tranquilo faremos o que achar melhor.
     - Por agora eu só quero esquecer.
     - Tudo bem.
     André se aproxima e abraça Bruno, Marcos os abraça.
     - Contem comigo, sabe, eu demorei muito para perceber, mais eu gosto de vocês.
     Marcos olha para ele.
     - Como assim?
     - Cara vamos ser amigos?
     - Por mim tudo bem.
     Vera sorri, nisso Gustavo entra no apartamento.
     - Filho.
     - Pai, ela teve coragem.
     - Sim filho, ela disse olhando no meus olhos.
     - O Gustavo sabia disso?
     Vera pergunta.
     - Sim, meu filho foi um dos que desconfiou dela.
     - Nossa.
     Agora todos ali, Bruno e Marcos conta para eles sobre o diário e as suspeitas de Gustavo.

     20180602.................................


Biografia:
amo ler e amo muito mais escrever
Número de vezes que este texto foi lido: 176


Outros títulos do mesmo autor

Contos MARCOS 19 NOVEL GLS ricardo fogz
Contos ROBERTA 17 NOVEL HOT ricardo fogz
Contos ROBERTA 16 NOVEL HOT ricardo fogz
Contos MARCOS 18 NOVEL GLS ricardo fogz
Contos ROBERTA 15 NOVEL HOT ricardo fogz
Contos ROBERTA 14 NOVEL HOT ricardo fogz
Contos MARCOS 17 NOVEL GAY ricardo fogz
Contos MARCOS 16 NOVEL GLS ricardo fogz
Contos ROBERTA 13 NOVEL HOT ricardo fogz
Contos MARCOS 15 ricardo fogz

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 37.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2018
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 184328 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 157752 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 157710 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 129638 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 91588 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 71479 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 68915 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 62227 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 58986 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 54693 Visitas

Páginas: Próxima Última