Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
MARCOS 15 NOVEL GLS
DE PAULO FOG
ricardo fog

Resumo:
EXCELENTE

- Então tá, vamos ver como o sr vai se sair nestes dias. Marcos entra no quarto e retorna com roupas de cama e tolhas limpas para Gilberto.
Bruno ali nos braços de Marcos se acariciando.
- Te amo.
- Desde quando?
- Bobo, ter me dito sobre seu ex foi uma enorme prova.
- Sabe que não te enganaria.
- Por isso que te amo.
- Eu te amo mais ainda.
- E agora o Gilberto vai ficar muito tempo?
- Na verdade, ele só veio por que a empresa que ele trabalha adquiriu uma casa entre outros bens de uma pendência judiciária, ele veio para vende-la.
- Aqui em Prudente?
- Não, Epitácio, uma casa á beira do lago.
- Nossa que lindo que deve ser.
- Quer ir ve-la?
- Sim, será que podemos?
- Vou pedir as chaves para Gilberto.
- Com certeza ele vai querer ir junto.
- Sim, penso assim.
- O que faremos?
- Iremos mata-lo com nosso amor.
- Seu maldozo. Beijos.
Em Belo Horizonte - Bianca termina de aprontar a refeição, Breno entra na casa de 3 peças, sendo que estão ali em 8 pessoas.
- Breno quando a gente vai embora?
- Tudo dando certo ainda esta semana, amor.
- Porra Breno, já tem mais de 3 semanas que a gente esta nessa, ja fiz minha parte, pegamos a grana da qual ainda não vi um centavo.
- Lógico ainda não foi dado nossa parte.
- Você esta me enrolando, passa logo a visão de tudo ai.
- Que visão, tá louca, a dona do negócio ainda não chegou.
- Dona, que dona. Ali inicia uma discurssão entre eles que logo acaba com o celular de Breno tocando.
- Fica piano mô.
- Oi ai, tudo na boa, no grau, quando, hoje, ja é, claro que tamo, de boa, só passar, falou.
Breno desliga sob o olhar de raiva de Bianca.
- Que papo é esse de hoje?
- Nosso trabalho.
- Breno.
- O ultimo te prometo.
- O que é dessa vez?
- Jóias.
- Que papo é esse de jóias?
- Sim meu amor, vamos invadir e limpar uma joalheria.
- Não estou afim.
- Te juro meu bem é o ultimo.
- Por teu filho?
- Pelo nosso filho, que aliás deveria estar aqui com os pais dele.
- Deus me livre, pra quê, ver o pai e a mãe dele se enveredando cada vez mais no crime.
- Não fala assim amor.
- E a tua dívida?
- Com este trabalho eu quito.
- Bom viu, por que de um jeito ou de outro, amanhã sigo para São paulo.
- Interior?
- Sim.
- Então ja é, vamos juntos benzão.
- Pode deixar.
Bianca corta o alface para a salada, logo vão chegando os outros do bando.
Lurdes termina de chegar da rua, tira o vestido e coloca short's ficando de sutiã em cima, deita no sofá, tira de sua bolsa um maço de dinheiro, sai indo para o quarto onde tira um quadro e destrava a porta de um cofre digital, colocando ali a grana, segue para a cozinha onde prepara um chá quando ouve a campainha.
- Adélia.
- Oi Lurdes, atrapalho?
- Jamais.
- Entre.
- Obrigada.
- Quer um chá?
- Não, agradecida, vim falar de negócios.
- Sim, só um instante. Lurdes vai a cozinha desliga o fogão retorna deixando o celular perto de Adélia.
- Quer ganhar um extra?
- Quem não quer.
- Pois bem, quero que faça tudo que eu lhe disser.
- Por mim, tudo bem.
- Certo.
Bianca sai para fora tomar um ar deixando o restante do pessoal comendo, nisso toca seu celular.
- Oi Lurdes.
- Olá amiga.
- Estou aqui em BH.
- Eu sei.
- Como assim?
- Preciso te contar algo.
- O que foi Lurdes?
- A gente pode se ver?
- O mais rápido possível.
- Tudo bem. Bianca desliga depois das despedidas, entra na casa e pega sua bolsa e sai, depois de 30 minutos de espera em um banco de uma praça de bairro desce de um táxi, Lurdes em calça, blusinha, sandália.
- Oi amiga.
- Oi.
- E então Lurdes?
- Amiga se prepara por que é bomba.
- Sério. Lurdes entrega para Bianca um envelope grande, deste Bianca tira alguns documentos bancários e algumas fotos.
- Filho da puta.
- Calma Bianca.
- Como calma, Lurdes esse sacana do Breno.
Lurdes olha para Bianca que rev~e tudo aquilo e sente um calafrio percorrer seu corpo.
- Como conseguiu isso Lurdes?
- Um cliente do cassino Leste.
- Mais por que?
- Isso você tem de perguntar a ele.
- Beleza Lurdes, hoje eu mato aquele canalha.
- Não, você tem um trabalho para fazer com ele?
- Tenho, mais não vou.
- Vai, por que com certezxa ele vai receber algum.
- Isso é.
- Pega a grana e deixa esse cara.
- Vou fazer isso Lurdes, obrigado.
- Nada amiga, sabe amigos é para isso.
Logo toca o celular de Bianca, ela se despede e segue para a casa, Lurdes chama um carro por aplicativo e logo segue para algum lugar.
- Oi estou chegando, deu tudo certo, até breve.
Ela desliga o celular e segue parando em um restaurante, neste pergunta ao garçom que fora designado sobre Adélia.
- Ela ja foi, deixou algo para a senhora na cozinha.
- Como faço para pega-lo?
- Só seguir por aquele lado.
- Obrigado. Lurdes vai a cozinha, sai com um envelope pardo, pega outro táxi para sua casa.

02112017 ----------------------------------------------------.







                             19


      - E então como vai ser?
- Já é, Breno diz para Bianca saindo do Corcel preto junto de outro cara, ao redor do quarteirão outros 4 fazem a segurança caso haja policiais.
- Tomara que se foda. Bianca diz levando o carro para outro ponto onde fica a ver o proceder dos outros.
Um entra na joalheria em terno, gravata,, ja sabem que só o dono esta lá, o vigia demorará uns 10 minutos para chegar.
- Oi já estou chegando.
- Me desculpe presente de aniversário.
- Esposa?
- Sim.
- Vamos entre. Ele entra junto do dono deixando cair algo de seu bolso, faz barulho com o atrito ao chão, o proprietário se vira para olhar e ao retornar se vê frente a uma pistola.
- Agora piano tio.
- O que querem?
- Fique na sussa, sabemos o que viemos buscar. Logo outros 3 entram e procuram nas prateleiras, não encontrando, pedem ao dono que os leve ao escritório, ele os leva lá faz o homem abrir um cofre que fica debaixo da mesa.
- Esta vendo tio é isso que queremos.
O homem fica paralisado, eles pegam 3 envelopes e uma caixa de jóias, um deles borrifa algo no dono que cai no sono.
- Agora vamos.
Longe dali, bebem um pouco em um bar, Bianca fica em outra mesa, Breno vem a ela.
- E ai amor não vai tomar com a gente?
- Quando vamos entregar a encomenda?
- Daqui a pouco, ela vai ligar.
- Então já chegou?
- Sim, esta aqui em BH.
- Não sei, mais sinto que teremos surpresas.
- Surpresa, que papo é esse?
- Ah, me esqueci você é mestre nisso.
- No que esta dizendo?
- Depois falaremos.
- Prefiro agora.
- Depois. Nisso toca o celular de Breno, ele atende, poucas palavras e logo diz.
- Gente, mais 2 rodadas, eu vou com a Bianca, depois vocês seguem para o local.
- Tudo bem.
Breno sai com Bianca em outro carro, um Corsa, param em um restaurante de classe, ele fala com um garçom que os leva a uma sala privativa.
- Boa noite senhores.
- Você?
Bianca fica pálida ao ver ali sentada degustando um bife, Adélia.
- O que foi Bianca, isso são modos.
- O que faz aqui?
- Agora me alimentando, depois negócios.
- Meu Deus.
- Vão sirvam-se. Breno não se faz de rogado e puxa um para seu prato.
- Vai ficar só olhando amor, vem logo vai, vamos acabar com essa carne.
- Obrigada.
- O que foi?
- Ela é a tia do Bruno.
- Que Bruno?
- Largue de ser medíocre sabe bem que Bruno estou falando.
- Ah, teu ex.
- Você sabia, não é?
- Sim eu sabia.
- Por que Breno?
- Para mim ou seja nós, o que importa é a grana.
- Isso é loucura.
- Deixa disso e senta, coma logo.
- Já lhe disse não quero.
Adélia termina sua carne, cruza os talheres e limpa a boca com o guardanapo, olha para Breno.
- Trouxe o que eu quero?
- Sim, dê para ela amor.
Bianca tira da bolsa, os envelopes e a caixa.
- Ja pensou no que teu sobrinho e neto achariam disso.
- Não sei, nem me importo, para mim tudo é prático.
- Por isso sempre te odeiei.
- Não, você me odeia por que sabe que eu nunca me enganei pelo teu falso sentimento em relação a Bruno.
- Não preciso ouvir isso.
- Se começou, deve.
- Pronto Breno vamos embora.
- Sem receber. Diz Adélia que pede para que eles a acompanhe para outra sala, ali ela abre uma gaveta e tira desta 2 maços de grana.
- Do seu pessoal e o teu.
- Obrigado.
- Espero que possamos fazer negócios futuramente.
- Bem no momento vamos nos ausentar por alguns dias.
- Pretende viajar Bianca?
- Vou ver e ficar com meu filho.
- Oras renasceu em ti o amor de mãe.
- Cale tua boca.
- Bem não quero mais conversas, ja fiz o pagamento podem ir.
- Obrigado. BReno sai arrastando Bianca, Adélia após conferir a ida deles faz uma ligação.
- Acabaram de sair, ja sabem não quero erros.
Desliga e segue para o salão principal onde agradece aos profissionais saindo dali.
Breno e Bianca seguem para um posto de estrada, ao longe Lurdes os segue em um táxi.
- Quando eles pararem por favor me deixe para frente um pouco.
- Sim senhora.
Logo o carro entra no posto mais a frente Lurdes desce pagando o motorista.
- Obrigado.
BReno faz o pagamento dos outros e decide por tomar umas ali com eles, Lurdes ao longe observa a cena e vê quando um dos caras vai até o carro e abre o capô.
- Isso não esta certo.
Horas depois eles se despedem, Lurdes já pedira um carro por aplicativo este chega segundos depois dos outros sairem, no carro ela vê, Breno e Bianca entram no Corsa e saem.
- Meu Deus, vai acontecer algo ruim.
- O que senhora?
- Não moço, estou falando sozinha. Ela pega o celular e tenta ligar para Bianca mas ela não atende, os carros ja estão na pista e ela pede ao motorista que não os perca de vista, continua a ligar mais sem sucesso até que.
- Oi Lurdes.
- Bianca peça para o Breno parar o carro e sai daí.
- O que esta dizendo Lurdes?
- Bianca, Adélia mandou fazer algo, eu vi um cara mexer no carro que vocês estão.
- Céus. Bianca se desespera e grita para Breno que pare o carro imediatamente, este entra em susto com o grito, pisa no freio e nada.
- Não quer frear.
- Cara, aquela velha quer nos matar.
- Que velha?
- Adélia. Bianca volta a ligação.
- Não quer parar.
- Peça a ele que reduza a velocidade de algum modo ele vai conseguir.
- Não tem como ele não consegue ter controle no volante.
O carro começa em zigue e zague pela pista oferencendo grande risco aos outros motoristas, nisso este fica frente a uma carreta que também esta um tanto descontrolada, batem em cheio, uma explosão ocorre, Lurdes grita, o motorista do carro que ela esta se assusta e perde o controle saindo da pista mais o motorista assume o controle e o freia bruscamente o carro fica em meio ao gramado que ladeia a pista.

   06112017 --------------------------------.


Biografia:
escrevo para trazer a tona meus sentimentos anseios desventuras talvez.
Número de vezes que este texto foi lido: 30


Outros títulos do mesmo autor

Contos SUSSURROS 17 TERROR ricardo fog
Contos MARCOS 16 NOVEL GLS ricardo fog
Crônicas O PROFESSOR A LENDA ricardo fog
Contos MARCOS 15 NOVEL GLS ricardo fog
Contos SUSSURROS 16 TERROR ricardo fog
Contos SUSSURROS 15 TERROR ricardo fog
Contos MARCOS 14 ricardo fog
Crônicas AGORA SIM 1 ricardo fog
Crônicas A REAL SITUAÇÃO ricardo fog
Contos MARCOS 13 NOVEL GLS ricardo fog

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 63.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2017
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 182605 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 146723 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 146531 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 128169 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 67251 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 64171 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 58370 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 57582 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 57315 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 53400 Visitas

Páginas: Próxima Última