Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
SUSSURROS 4 TERROR
DE PAULO FOG E IONE AZ
ricardo fog

Resumo:
EXCELENTE


      Cinco anos depois, tudo em preparo, Áurea a bater as claras em neve, Laura limpa os frangos que foram mortos por Ântonio.
Mauro e José enrolam a massa de chocolate para preparo de brigadeiros, Alcione que batizara os 3 filhos de Àurea na igreja de Maringá, esta no preparo do bolo pois amanhã será o dia, logo cedo começarão a festejar o aniversário de 6 anos de Celso, tudo devido a uma promessa que Áurea se comprometeu em fazer até o 7º aniversário de Celso, pela cura da bronquite dele e de José.
Celso corre pelo quintal junto de outros garotos filhos de sitios vizinhos que brincam com ele ali de pega-pega e esconde-esconde.
Ântonio junto de Lourival marido de Alcione preparam a carne em cortes para espetarem no outro dia em assar de churrasco.
Celso sai a procura dos outros que se esconderam indo em direção ao córrego que passa na fazenda, ali ele vê Joaquina de 11 anos a colher pedrinhas a beira da água em vestido rosa com detalhes de sianinhas brancas.
O garoto vai lentamente se aproximando dela até chegar ao ponto de toca-la mais ela ali tão distraida a olhar para as águas.
Num gesto rápido em movimento ele a empurra nas águas, devido as chuvas dos ultimos 3 dias o córrego adquirira mais força em sua correnteza.
A menina tenta gritar mais engole água e não tem forças, logo começa a sumir ali, um garoto vê Celso que pressente ser descoberto e inicia gritos de socorro.
- Socorro, socorro, a menina, socorro. O outro garoto corre até os adultos em desespero, logo o lugar esta com 4 homens, Ântonio e Lourival pulam na água mais nada de encontrar Joaquina.
Alcione é avisada e corre para o local ali a beira do córrego ela grita em desespero.
- Joaquina, Joaquina, filha, minha filha, minha querida filha.
Só depois de 2 horas encontram o corpinho de Joaquina preso a uns galhos de salgueiro bem distante do local que sumira.
Rezas, cânticos e muitos choros, a menina fora enterrada em vestes brancas, como um anjo.
Celso se aproxima do caixão e ensaia um choro, Áurea o pega levando o garoto para fora da casa a comida que seria da festa fora servida a todos ali na fazenda, cerca de 80 pessoas estavam ali das áreas vizinhas.
Francisco viera da capital para acompanhar o enterro no cemitério de Maringá.
Áurea a confortar Alcione que mesmo em efeito de calmantes não aceita e insiste em momentos de choros e desespero.
Dias depois Francisco pede para Áurea arrumar suas coisas pois ele retornará para a capital, ajudar financeiramente no velório e trâmites de enterro de Joaquina.
Ali sentado com o casal na cozinha acerta alguns detalhes com Ântonio.
- Aqui esta ÂNtonio o pagamento deste mês.
- Mais sr.
- Ântonio não vou vir no próximo mês, portanto já te deixo um a mais para as despesas que ocorrerem.
- Tudo bem sr.
- Ah, vou contatar um médico de crianças na capital, muito bom, se confiar quando lhe ligar, envie sua esposa junto da irmã com Celso para que ele possa examinar teu filho.
- Agradecido sr.
- Pois bem. A conversa vai até mais alguns minutos, depois de mala na mão Francisco sai da fazenda em Jeep alugado.
- Adeus.
- Adeus sr.
Áurea recebe a noticia de ter de ir a capital de forma normal por que sabe que não deve aparentar qualquer emoção para não ser descoberto seu caso com Francisco, Laura é avisada e aceita acompanhar a irmã e o sobrinho.

04092017 ----------------------------------------------------------------------------------------------.




            2009 - Após a morte trágica de Joaquina, ali no córrego da fazenda, Áurea se muda para Maringá, morando junto da irmã com os filhos, Antônio ficara a trabalhar na fazenda, ela vai para lá ficando 2 semanas com ele e 3 na cidade, Laura cuida dos sobrinhos quando a irmã esta fazenda.
   A amizade das comadres ficara bem abalada após o acidente, sem falar, em seu profundo silêncio, Alcione culpa a Celso pela morte de sua filha, nisso eles se distanciaram muito.
Celso já com 12 anos frequenta escola particular paga por Francisco, os outros 2 também estudam na mesma escola mais com meia bolsas e o restante arcado pelo patrão da Antônio.
Francisco frequenta a casa de Áurea ali na cidade com mais assidualidade que na fazenda, ali sempre que ele chega ela manda a irmã buscar qualquer coisa no supermercado ha 10 quadras dali e os garotos se estão em casa são orientados para irem brincar na quadra esportiva ali perto.
Momentos após ela leva o homem para seu quarto e ali permanecem não mais que 30 minutos trancados ali, após o tempo ele sai deixando na mesa um cheque.
- Quando Antônio vem?
- Semana que vem.
- Trate-o bem.
- Fique tranquilo sei como tratar meu marido, sei de minhas obrigações.
O homem sai e ela fecha a porta, na cozinha ela coloca o cheque dentro de uma caixinha ao fundo do armário, Celso ali do seu quarto acompanha a tudo e anota em um caderno de bolso, depois coloca-o embaixo de seu colchão.
A vida assim segue, Celso sempre muito ativo na escola, bom aluno e praticante de esportes, porém chama a atenção pelo seu lado agressivo diante a competições, sempre disposto a ir ao extremo pelo seu próprio bem.
- Isto não é bom.
- Já reparei, e é em tudo que ele aje desse jeito.
- Bem diferente dos irmãos.
- Sim.
O professor de educação fisica diz ao auxiliar e segue para a sala da direção nesta bate a porta entrando, na mesa uma mulher morena de cabelos lisos artificialmente e make leve, em trajes de vestido rosa claro e sapatos salto baixo.
- Glicélia.
- Sim.
- Precisamos ter uma conversa com os pais de Celso.
- Ainda sobre a selvageria dele em momentos esporádicos?
- Sim.
- Você não é o primeiro que vem me trazer este problema, faremos o seguinte, na semana que vem teremos uma reunião com eles, o José me disse que seu pai estará aqui.
- Bom, assim será melhor para explanarmos o problema.
- Só aviso, não quero ninguém enchendo os pais deles de temores sobre o filho.
- Pelo contrário Glicélia só vamos dialogar e com certeza encontraremos um bem comum em resolução.
- Isto sim, não podemos interferir de forma drástica na criação e desenvolvimento do garoto.
- Entendo diretora.
- E não se esqueçam, dr Francisco é um bom contribuinte da causa educacional desta instituição.
- Sim diretora.
- Bem é só isso?
- Sim.
O professor sai.
Na sala de Celso, avaliação de história do Brasil, com a professora Frenanda, a que ele tem um pouco de agradabilidade já que os outros ele trata de forma seca e indiferente, tirando o de educação fisica, para os demais não demonstra amabilidade nas palavras.
Sempre leva doces caseiros feitos por sua mãe para a professora e ainda a convida para almoços e chás em sua casa mais ela os evita indo vez em quando levar costura para sua tia Laura.
Termina a aula e todos entregam suas provas ele ja dera a dele ha bom tempo mais não quisera ir embora, sendo o ultimo ali com a professora tem sua prova corrigida antes das outros e não surpresa ele tirara 10 com louvor.
- Gostaria de ter mais uns 15 alunos tão bons e aplicados como você Celso.
- Obrigado professora.
- Ah, diga a sua tia que passarei em sua casa amanhã para buscar o vestido.
- Sim eu falarei.
- Tchau Celso.
- Tchau professora.
Celso sai da sala mais no caminho sente vontade de mijar e entra no sanitário dali do pátio ao sair vê a professora saindo pelo portão principal e vai até ela mais para estático diante a rua, a professora pega um capacete de um homem e antes o beija subindo na rabeira desta moto e sendo levada por aquele homem.
- Maldita, píranha cretina. Celso diz fechando as mãos em raiva.

06092017 -------------------------------------------------------------------------


Biografia:
escrevo para trazer a tona meus sentimentos anseios desventuras talvez.
Número de vezes que este texto foi lido: 256


Outros títulos do mesmo autor

Contos SUSSURROS 17 TERROR ricardo fog
Contos MARCOS 16 NOVEL GLS ricardo fog
Crônicas O PROFESSOR A LENDA ricardo fog
Contos MARCOS 15 NOVEL GLS ricardo fog
Contos SUSSURROS 16 TERROR ricardo fog
Contos SUSSURROS 15 TERROR ricardo fog
Contos MARCOS 14 ricardo fog
Crônicas AGORA SIM 1 ricardo fog
Crônicas A REAL SITUAÇÃO ricardo fog
Contos MARCOS 13 NOVEL GLS ricardo fog

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 63.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2017
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 182609 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 147176 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 146729 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 128175 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 67254 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 64174 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 58400 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 57591 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 57328 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 53405 Visitas

Páginas: Próxima Última