Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
26 de Julho
Europa Sanzio

- Vamos nos casar. - O homem disse, olhando para cima, onde habitava as nuvens que cobriam o casal.

Aquilo não era um anúncio. O pedido já havia sido feito semanas antes, sem muito arrodeio, no apartamento que a mulher havia insistido em alugar para os dois.

Ela notara que de vez em quando o homem soltava uma dessas, contando a si mesmo e para quem estivesse perto que iria se casar. Ela sabia que ele fazia aquilo para tentar se acostumar com a ideia. Não recitava, apenas pensava alto.

- Vamos. - Ela confirmou, olhando de soslaio para os cabelos negros do homem, enquanto ele tinha seu olhar perdido.

Ela não conseguia ficar séria quando se dava conta daquilo; aquele seria o seu homem, para todo o sempre. Aquela pele seria a que ela beijaria no eterno e o mais extasiante era que, mesmo já tendo provado dela incontáveis vezes, decorado o seu gosto e sua textura pelos dedos, a mulher sabia que o mais importante não era degustar uma única vez. Daquele homem, ela nunca se cansaria do paladar, por isso, o queria.

- Quando? - Foi a pergunta da mulher, deixando mostrar a sua ansiedade em pertencer a ele.

De sempre em sempre, o homem declarava que ia se casar, mas nunca havia chegava ali, na etapa que agora a mulher estava tomando para si. Houvera um pedido feito por ele, houvera a sua tentativa de costume. Agora, ela sabia, teria de ter uma data.

- Vinte e Seis de Julho. - Foi o que ele respondeu, tirando a sua atenção das nuvens e cravando no olhar dela.

O homem havia respondido com tanta firmeza e rapidez que a mulher se pegou assustada. Imaginava que ele pensaria mais, até se ver desviado do assunto.

- Ora, por que vinte e seis de julho? - A mulher quis saber, com suas sobrancelhas arqueadas, provocativas.

- Por causa da banda. - O homem respondeu, como se fosse óbvio. - Tem esse nome porque foi criada nesse dia.

Havia uma banda, a que sempre tocava em comemorações da cidade. Não era das melhores e a mulher ainda não conseguia entender a conexão de uma coisa com a outra, portanto, continuou com o questionamento em seu rosto.

- É um dia maravilhoso. Eles não cobram para tocar no dia do aniversário deles. - O homem explicou. - Teremos banda de graça. Nos casaremos dia vinte e seis de julho.

A mulher caiu na gargalhada, percebendo, mais uma vez, que até aquele riso pertencia a ele. Nunca estaria saciada dos momentos junto àquele homem. Diferente do gosto da sua pele, as risadas não tinham como serem decoradas. Cada uma, era nova.

Haveria momentos, muitos, a mulher sabia, que ele a colocaria para rir e ela experimentaria tudo com ardor. Quando aparecessem, durante os anos e anos que passariam juntos, seriam sempre algo completamente inédito. As risadas eram estreias.

Por isso, aquele riso e até mesmo o gosto da sua pele que ela decorara, pertenciam àquele homem. E assim ela queria.

Trinta e sete anos depois, em um vinte e seis de julho, quando já havia completado dezesseis anos da sua vida sem a dele, ela ainda ria ao se lembrar daqueles ápices.

- Veja só. Não o tenho há tanto e continuo a rir. - Dizia para si mesma, ao lembrar-se da banda e da escolha do dia do seu casamento.

Esse riso, mesmo chegando anos após a partida daquele homem, ainda conseguia ser algo completamente novo para ela, como os vários outros que ele um dia a tinha dado. Por isso, ela não se arrependia do vinte e seis de julho em que ela havia dito sim para ter mais daquele homem.

Ele ainda a tinha. Nas grandes e pequenas risadas. Até mesmo no sabor da sua pele, que insistia em não sair da memória da mulher. Na saúde, na pobreza. Até que um dia a morte também a tomasse. Mesmo quando esse dia chegasse, ela ainda sabia, seria só dele.


Biografia:
Leitora assídua e apaixonada pela escrita. Fascinada por história e filosofia. Sem paciência para exatas e seus números. Vidrada em distopias, mais do que em utopias. Moradora de Belo Horizonte, Minas Gerais. Revolucionária e ao mesmo tempo tradicional. Excessivamente fã de Nuno Bettencourt e Nirvana. Prazer, eu sou Europa!
Número de vezes que este texto foi lido: 27


Outros títulos do mesmo autor

Crônicas O infinito na finitude Europa Sanzio
Crônicas Mais um capítulo do golpe parlamentar Europa Sanzio
Crônicas Reconhecendo-me na solitude Europa Sanzio
Crônicas Confissão de um crime Europa Sanzio
Crônicas Quietação Europa Sanzio
Poesias Dois é par Europa Sanzio
Contos Post Mortem Europa Sanzio
Poesias Átimo Europa Sanzio
Contos Noites Ordinárias Europa Sanzio
Contos 26 de Julho Europa Sanzio

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 44.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2017
 
  Textos mais lidos
Amei! Que droga! - Fabiano Vaz de Mello 207488 Visitas
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 181971 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 141542 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 141228 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 127627 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 66713 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 57983 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 56519 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 56313 Visitas
Entenda de uma vez por todas o Hino Nacional - Fabbio Cortez 56121 Visitas

Páginas: Próxima Última