Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Cartas para minha fisioterapeuta
Cláudio Thomás Bornstein

I

Chegada a velhice cabe escolher entre a bengala e a fisioterapia. Eu optei pela última e comecei cheio de esperança. Qual fênix das cinzas eu iria renascer, aprenderia o caminho para a eterna juventude e conseguiria até mesmo driblar a morte. Foi o que eu pensei durante as primeiras semanas do tratamento. Um problema no joelho que a fisioterapeuta resolveu rapidamente, reforçou a minha fé.

Depois veio o problema do ombro, uma dor no ombro direito que não me deixava mais carregar nem peso, nem sacolas e que me lembrava persistentemente que o tempo não anda para trás. Desconfio que a dor foi uma consequência de uns exercícios posturais que a fisioterapeuta me ensinou e que eu pratiquei com um afinco excessivo para a minha idade e para a minha condição física. Tudo tem o seu ritmo, tudo tem o seu tempo e é preciso deixar as coisas fluir naturalmente.

Exame, diagnóstico, me ensina daqui, me ensina dacolá, exercício assim, exercício assado, massagem, aperto, amasso, nada adiantava, nada resolvia aquela dorzinha renitente que não largava do meu ombro direito. Foi o primeiro despertar do sonho. A dura realidade confrontava a ilusão.

Como a dorzinha não largava o meu ombro, larguei o sonho da eterna juventude e parti para a velha e milenar sabedoria oriental. Sem exame nem diagnóstico, sem se preocupar com causas e encadeamentos lógicos, sem indagações sobre histórico ou passado, sem perguntas nem respostas, o shiatsu, a moxa e a acupuntura, em poucas sessões, resolveram o problema do ombro.
Acho que aprendi mais alguma coisa. O caminho não é o da eterna juventude. A menos que esta consista em parar o tempo. Hoje, o que eu quero é parar, aprender a parar, aceitando a minha finitude. Com o tempo parado, o tempo não passa e eu, parado no tempo, não vejo o tempo passar.



II
     
É necessário envolver-se para poder criar e é necessário distanciar-se para apreciar a criação. As duas coisas são fundamentais e compõe a dialética do processo criativo. Sem a aproximação, a obra não existe porque ela é consequência deste chegar perto, do fazer, do tocar e do manipular. Por outro lado, nada é perfeito, é preciso trabalhar em cima da obra, modificá-la e para isto é preciso senso crítico. Crítica é distanciamento.

     
Tento levar você para o meu mundo e é importante que você o conheça para me entender e, assim, poder me tratar. Mas você não pode se tornar parte deste mundo, sob pena de não mais conseguir fazer o tratamento.




Biografia:
Para mais informações visite o blog CAUSOS em www.ctbornst.blogspot.com.br. Querendo fazer comentários, mande e-mail para ctbornst@cos.ufrj.br
Número de vezes que este texto foi lido: 115


Outros títulos do mesmo autor

Cartas Cartas para minha fisioterapeuta Cláudio Thomás Bornstein
Crônicas Pensando com o dedo do pé Cláudio Thomás Bornstein
Artigos CUBA: POR LA LIBRE OU POR LA LIBRETA? Cláudio Thomás Bornstein
Crônicas A culpa é da mãe! Cláudio Thomás Bornstein
Contos Última cartada Cláudio Thomás Bornstein
Crônicas Capitães, motim e naufrágio Cláudio Thomás Bornstein
Crônicas Ele não era grande coisa... Cláudio Thomás Bornstein
Artigos Apesar de... Cláudio Thomás Bornstein
Crônicas Simpatia e amor Cláudio Thomás Bornstein
Crônicas Casamento moderno Cláudio Thomás Bornstein

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 26.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2018
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 183462 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 155147 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 154593 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 128888 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 67912 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 67853 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 65759 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 60343 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 58118 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 54047 Visitas

Páginas: Próxima Última