Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
A Aliança Eterna, o Suporte do Crente sob Aflição
John Owen


John Owen (1616-1683)

Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

"Embora não seja assim a minha casa para com Deus; ainda, porque estabeleceu comigo um pacto eterno, em tudo bem ordenado e seguro; pois não fará ele prosperar toda a minha salvação e todo o meu desejo?" (2 Samuel 23: 5)
Antes de abrir essas palavras, vou ler todo o contexto, desde o primeiro verso até o final do verso 7:
"1 São estas as últimas palavras de Davi: Diz Davi, filho de Jessé, diz a homem que foi exaltado, o ungido do Deus de Jacó, o suave salmista de Israel.
2 O Espírito do Senhor fala por mim, e a sua palavra está na minha língua.
3 Falou o Deus de Israel, a Rocha de Israel me disse: Quando um justo governa sobre os homens, quando governa no temor de Deus,
4 será como a luz da manhã ao sair do sol, da manhã sem nuvens, quando, depois da chuva, pelo resplendor do sol, a erva brota da terra.
5 Embora não seja assim a minha casa para com Deus; ainda, estabeleceu comigo um pacto eterno, em tudo bem ordenado e seguro; pois não fará ele prosperar toda a minha salvação e todo o meu desejo?
6 Porém todos os filhos de Belial serão como os espinhos, que se lançam fora, porque não se pode tocar neles;
7 mas qualquer que os tocar se armará de ferro e da haste de uma lança; e a fogo serão totalmente queimados no mesmo lugar.”
Agora, estas são as últimas palavras de Davi; - não absolutamente, pois você encontrará, tanto no livro de Samuel quanto no livro de Crônicas, que Davi falou muitas palavras depois destas: mas estas foram as últimas palavras proféticas de Davi; ou esta é a última profecia de Davi. E ele dá uma conta nesta profecia de toda a fé e experiência que teve no mundo; e compreende também a soma e substância de tudo o que ele havia profetizado; - profetizou como um rei, o ungido do Deus de Jacó; e profetizou como um salmista, como ele era "0 doce salmista de Israel".
Agora, existem três partes desta última profecia de Davi: - A primeira delas diz respeito ao assunto de todas as profecias e promessas que ele havia pregado e declarado; e esse é o próprio Cristo, nos versículos 3 e 4; a segunda delas se ocupa com o que era um tipo de Cristo, versículo 5; e a terceira parte diz respeito a Satanás e aos inimigos da igreja, em oposição ao reino de Jesus Cristo.
A primeira parte de sua profecia diz respeito ao próprio Cristo, versículos 3, 4: "Falou o Deus de Israel, a Rocha de Israel me disse: Quando um justo governa sobre os homens, quando governa no temor de Deus, deve ser como a luz da manhã ao sair do sol, da manhã sem nuvens, quando, depois da chuva, pelo resplendor do sol, a erva brota da terra." Traduzimos as palavras; mas se você olhar para a Bíblia, esse "deve ser" é colocado no texto pelo mal entendimento delas por intérpretes, pois o “deve ser como a” não está no original hebraico, de modo que temos: “... temor de Deus, a luz da manhã...”. Assim, o que governa sobre os homens é o Justo", que é o próprio Cristo, que é o único que é este "governante". A palavra pode ser interpretada de duas maneiras (porque interpretá-la de um homem que governa os homens , a palavra não o suportará, nem a profecia); "O que governa na natureza humana é o Justo", ou "O que governa a natureza humana" (em todos os santos), "ele é justo", diz ele; "E ele governa" pelo "temor de Deus". Como, em Isaías 11: 3, é profetizado dele: "E deleitar-se-á no temor do Senhor;", então aqui é profetizado dele, que governará no temor de Deus; - esse é o cetro que ele terá nos corações dos homens - essa é a lei que ele colocará sobre as almas dos seus súditos: ele não os governará nem pela violência externa, nem pela força, nem por qualquer coisa dessa natureza; mas ele deve governá-los pelo temor de Deus. O versículo 4 declara, por várias comparações, o que ele deve ser: por que, diz ele: "a luz da manhã ao sair do sol, da manhã sem nuvens, quando, depois da chuva, pelo resplendor do sol, a erva brota da terra." Você sabe com que frequência essas coisas são aplicadas a Cristo. Ele é chamado em Malaquias, "O Sol da justiça que surgiu", Malaquias 4: 2; ele é chamado de "Aurora lá do alto", Lucas 1:78; e ele é chamado de "A estrela brilhante da manhã", Apocalipse 22:16. Ele é um sol, uma estrela da manhã e uma aurora. Ele será como a manhã, que traz luz, conforto, alegria, refrigério para a igreja. "Ele será como uma manhã sem nuvens;" - não há trevas no reino de Cristo. E "ele será como a erva tenra que brota da terra, depois da chuva", - o mesmo em Isaías: "Ele brotará como o ramo tenro da terra". Você conhece o motivo da alusão: quando a erva ficou seca por muito tempo, e vem uma grande chuva sobre ela, como a grama nascerá! Havia uma grande seca sobre a igreja; mas Cristo vem, e ele era como a chuva, e como o sol brilhante sobre a chuva; então surgiu uma grande glória e uma grande fecundidade. Apresente presentemente o 5º verso, ao qual eu devo retornar; e mostrar apenas que os versículos 6 e 7 contêm uma profecia dos inimigos da igreja; como isso acontece com Cristo. "Belial será lançado fora como espinhos".
Nós traduzimos, "Os filhos de Belial", mas é apenas Belial no texto original; - "Belial, tudo isso, todo o nome de Belial." Às vezes a palavra é tomada para homens perversos, e às vezes para o príncipe dos homens perversos; como aqui para o diabo e todos os seus agentes. E ele segue sua alusão, que "eles não podem ser tocados com as mãos", Satanás e sua semente estão tão cheios de espinhos contra a igreja, que você nunca pode agarrá-los pela mão para levá-los a qualquer ordem. E o próximo versículo dá o cuidado com a maneira como devem ser cercados se os tocarmos. Este é o desígnio da profecia.
Agora volto para aquela parte que eu vou abrir um pouco mais distintamente para você, que diz respeito ao próprio Davi, como ele foi escolhido para ser o Grande tipo de Cristo. Disse ele: "Este governante dos homens, ele será como a manhã clara sem nuvens; embora minha casa não seja assim com Deus." Há duas coisas nas palavras: - Primeiro, uma suposição de uma grande e surpreendente decepção. Em segundo lugar, um alívio contra e sob essa decepção e surpresa.
1. Uma grande surpresa e decepção: "Embora minha casa não seja assim com Deus". "Eu olhei que deveria ser de outra forma", diz ele, "que minha casa deveria ter uma grande glória, especialmente, que minha casa deveria estar de pé com Deus; mas eu começo a ver que será de outra forma." Vocês podem observar, o coração de Davi estava extremamente colocado em sua casa; portanto, sempre que Deus falou com ele em relação à sua casa, ele operou poderosamente sobre ele; como em 2 Samuel 7:18, 19: "Então entrou o rei Davi, e sentou-se perante o Senhor, e disse: Quem sou eu, Senhor Jeová, e que é a minha casa, para me teres trazido até aqui? E isso ainda foi pouco aos teus olhos, Senhor Jeová, senão que também falaste da casa do teu servo para tempos distantes; e me tens mostrado gerações futuras, ó Senhor Jeová?" Versículo 25: "Agora, pois, o Senhor Jeová, confirma para sempre a palavra que falaste acerca do teu servo e acerca da sua casa, e faze como tens falado." Às vezes temo que Davi tivesse (como no Antigo Testamento eles geralmente tinham) algumas apreensões carnais das promessas espirituais que Deus deu à casa de Davi, que eram, principalmente, tirar Cristo dos seus lombos, que deveria reinar para sempre: mas Davi pensou que todas as coisas também saíssem de sua casa. Como está o caso agora? Agora, Davi viu que em sua casa Amon havia contaminado Tamar, Absalão matou Amon por seu pecado, e ele foi cortado em sua rebelião; e ele previu, por um espírito de profecia, que toda a sua casa deveria perecer e ser cortada; e assim vem a isso agora: "Embora minha casa não seja assim com Deus". Então, daqui podemos tomar essa observação - Que o melhor dos santos de Deus muitas vezes se encontra com grandes e surpreendentes decepções no melhor dos seus confortos terrenos: as suas casas não são assim com Deus. Eu lhe darei um ou dois lugares para isso: - 1 Crônicas 7: 23 "Depois juntou-se com sua mulher, e concebendo ela, teve um filho, ao qual ele deu o nome de Berias, porque as coisas iam mal na sua casa." Efraim recebeu uma bênção especial de Deus por Jacó, pela multiplicação de sua casa: "Ele também será grande, e sua semente se tornará uma multidão de nações", Gênesis 48:19. Agora, na velhice de Efraim, alguns dos chefes de seus filhos estão mortos, 1 Crônicas 7: 21,22: "de quem foi filho Zabade, de quem foi filho Sutela; e Ezer e Eleade, aos quais os homens de Tate, naturais da terra, mataram, por terem descido para tomar o seu gado. E Efraim, seu pai, os pranteou por muitos dias, pelo que seus irmãos vieram para o consolar." E ele chamou seu outro filho Berias," porque as coisas iam mal na sua casa." Foi uma grande surpresa para ele, porque ele tinha uma promessa para a sua casa; apesar de Deus depois recuperá-lo. Você sabe o quão maravilhosa foi a tarefa de Jó. Veja os seus pensamentos, em Jó 29:18. Depois, em toda a parte anterior do capítulo, ele havia relatado as múltiplas bênçãos de Deus sobre ele em sua prosperidade, a retidão de seu próprio coração, a sua justiça em seu caminho, como ele os declara ao máximo no início desse capítulo, ele diz em seus pensamentos: "Então eu disse: morrerei no meu ninho, e multiplicarei os meus dias como a areia". Ele esperava, pela benção de Deus, vida longa e paz. Você sabe o que é a surpresa e o desapontamento de todos os seus confortos neste mundo, - que nunca o homem caiu em maior; e ele lhe dá uma conta de quão grande foi a sua surpresa durante todo o próximo capítulo. Por que isso, por que é assim: primeiro. Porque não há promessa do pacto em contrário; não há nenhuma promessa de Deus nos assegurando absolutamente nossos confortos externos. Seja eles de que natureza forem, sejam eles em nossas famílias, em nossas diversões, em nossas pessoas, de que tipo eles sejam, por que, no entanto, podemos nos surpreender em relação a todos eles; porque não há nenhuma promessa de Deus para garantir o contrário, portanto, pode ser assim. Em segundo lugar. Às vezes, é necessário que seja assim, embora possamos pensar o contrário; - e isso por estas três razões: - 1. Manter continuamente em nossos corações o que é devido às provações de Deus, - das atuações da providência de Deus de maneira julgadora; de outra forma, devemos nos convencer de nos libertar. Davi testemunhou que esse quadro estava em si mesmo, no Salmos 119: 120: "Arrepia-se-me a carne com temor de ti, e tenho medo dos teus juízos." Deve haver em nossos corações um temor dos julgamentos de Deus; "porque o nosso Deus é um fogo consumidor". E, se tivéssemos sido garantidos por experiências surpreendentes em nossas próprias preocupações, somos tão egoístas e carnais, que seria impossível manter um devido temor e reverência dos julgamentos de Deus. Mas quando esses juízos de Deus podem chegar às nossas preocupações mais próximas, - nossas vidas e tudo o que gostamos; então, nossa carne treme de maneira devida por medo dele: e podemos ter medo de seus julgamentos. Um devido medo dos julgamentos de Deus é um equilíbrio necessário para as mentes dos melhores santos. 2. É necessário manter-nos fora da segurança em nós mesmos. Existe uma tal traição em nossos corações, que somos capazes de construir a segurança carnal sobre as dispensações espirituais da bondade e do amor de Deus. "Eu disse, nunca mais serei abalado", diz Davi; - uma expressão de segurança carnal. Qual foi o fundamento? "Tu, Senhor, és a minha rocha forte". Ele construiu segurança carnal sobre as dispensações de Deus. É necessário, portanto, Deus deve às vezes invadir nossas preocupações, para que não possamos transformar um curso constante de sua bondade em uma segurança pecaminosa própria. 3. Às vezes, eles são realmente necessários, para despertar a alma de um sono tão profundo da satisfação presente, ou do amor deste mundo; que nada mais o fará. Às vezes, adormecemos nos nossos modos, quer na nossa satisfação, quer em nossos projetos e desejos, e somos tão sérios na busca deles, que nenhum movimento comum nos despertará; é necessário que Deus venha a ocupar-nos nas melhores preocupações, e faça-nos colocar um "embora" no nosso curso. "Embora meus filhos não vivam, e minha casa não seja assim com Deus", "Embora minha casa seja destruída", etc. O que devemos aprender daqui, por meio de aplicação é: 1. Não colocar muito valor em qualquer contentamento, o que quer que possamos ter neste mundo, para que Deus não nos faça escrever um "embora" sobre ele. Davi parece ter colocado uma grande valoração em sua casa, o florescimento carnal de sua casa; mas em suas últimas palavras ele é forçado a chegar a isso: "Embora minha casa não seja assim com Deus", como se ele tivesse dito: "no que eu coloquei toda a minha esperança e expectativa, eu acho que não é assim com Deus." 2. Tenha a expectativa de tais mudanças de providência, para que não sejam grandes surpresas para nós. Quando estamos em paz, aguardemos problemas; quando estamos em liberdade, aguardemos restrições; e quando nossos filhos estão conosco, aguardemos a remoção deles; e nos contentemos em ver todos os nossos confortos em sua folha de enrolar todos os dias. É impossível, mas nossos corações serão demais para elas, a menos que as mantenhamos neste quadro. A segunda observação geral é a seguinte: - que a grande reserva e alívio para os crentes, sob suas surpresas e angústias, reside em se ter aliança com Deus, ou a Deus em sua aliança. "Embora minha casa não seja assim com Deus", o que devo fazer? O que será de mim? No entanto, ele fez uma aliança comigo, uma aliança eterna, ordenada em todas as coisas segura. Este é todo o meu desejo e toda a minha salvação, embora ele não faça crescer a minha casa. Eu digo, que o grande alívio e a única reserva de crentes em suas angústias e surpresas, como podem acontecer em poucos dias, é se entregar a Deus em sua aliança. Eu lhe darei algumas passagens sobre isso: - Gênesis 15: 1,2. Deus nos leva a isso que eu mencionei agora. Abraão estava em perplexidade; deus vem a ele no primeiro verso, e renova sua aliança com ele: "Depois destas coisas veio a palavra do Senhor a Abrão numa visão, dizendo: Não temas, Abrão; eu sou o teu escudo, o teu galardão será grandíssimo." Qual é o problema, que Deus vem a Abraão com isso: "Não temas, Abrão"? O próximo verso o revela: "Então disse Abrão: Ó Senhor Deus, que me darás, visto que morro sem filhos, e o herdeiro de minha casa é o damasceno Eliezer?" Ele temia que todo o trabalho que tomara, em referência à promessa, nada aconteceria; e ele deve deixar para Eliezer de Damasco. Agora, Deus vem dar-lhe alívio, por conta de sua aliança. Jacó também aliviou seu espírito moribundo com isso, sobre a previsão de grandes problemas em sua benção de Dã, Gênesis 49: 16-18, "Dã deve julgar o seu povo , como uma das tribos de Israel ". Ele alude ao nome de Dã, que significa em hebraico" julgar ". Quando Dã julgou seu povo? Em Sansão, que era dessa tribo. Isso é motivo de alegria para Jacó. Mas o que deve seguir? "Dã será serpente junto ao caminho, uma víbora junto à vereda, que morde os calcanhares do cavalo, de modo que caia o seu cavaleiro para trás." "Ele será uma serpente e uma víbora", diz ele; isto é, a idolatria será criada na tribo de Dã, e continuará. A primeira idolatria que foi criada em Israel (a obra da serpente), estava na tribo de Dã, Juízes 18:30, quando “estabeleceram para si a imagem esculpida que Mica fizera, por todo o tempo em que a casa de Deus esteve em Siló.” (v. 31), e assim esteve em Israel até o dia do cativeiro da terra; - não o cativeiro dos assírios, mas o cativeiro dos filisteus, quando os conquistaram e tiraram a arca; pois então, todas essas coisas foram destruídas em Dã. E depois, Jeroboão vem e prepara o bezerro no mesmo lugar, e isso continuou até o último cativeiro. Com o que, agora, Jacó se alivia? "Eu esperei a tua salvação, ó Senhor" (Gên 49.18), ele se entrega à aliança, e aí alivia-se contra todos os problemas que ele prevê estavam chegando à sua posteridade naquela tribo; que, nessa conta, quando às outras tribos foram seladas na Revelação, foram deixadas de fora, porque a idolatria começou e terminou em Dã. Davi expressa o mesmo caminho até esta altura, Salmo 31: 10-15. Ele descreve uma condição muito triste em todos os aspectos: "Pois a minha vida está gasta de tristeza, e os meus anos de suspiros; a minha força desfalece por causa da minha iniquidade, e os meus ossos se consomem. Por causa de todos os meus adversários tornei-me em opróbrio, sim, sobremodo o sou para os meus vizinhos, e horror para os meus conhecidos; os que me veem na rua fogem de mim. Sou esquecido como um morto de quem não há memória; sou como um vaso quebrado. Pois tenho ouvido a difamação de muitos, terror por todos os lados; enquanto juntamente conspiravam contra mim, maquinaram tirar-me a vida. Mas eu confio em ti, ó Senhor; e digo: Tu és o meu Deus. Os meus dias estão nas tuas mãos; livra-me das mãos dos meus inimigos e dos que me perseguem." Aqui está o pecado, a censura, o desprezo e a perseguição e o perigo de sua vida, tudo de repente caiu sobre ele. O que o homem faz? Por que, nos versículos 14 e 15, ele diz: "Mas eu confiei em ti, ó SENHOR: Eu disse: Tu és meu Deus. Os meus tempos estão na sua mão." Ele se prepara para a aliança contra todos esses problemas dentro das portas e fora das portas, do pecado, do mundo, dos homens perversos, do opróbrio, do desprezo, da perseguição, em que quase o mataram e: ele tem mais alívio que isso - ele vai a Deus e diz: "Tu és o meu Deus", “tu te compromissarás comigo contra todos estes. Não estou na mão do pecado, nem na mão dos meus inimigos; mas os meus tempos de sofrimento, o meu tempo de vida e morte, estão nas suas mãos." Ele se prepara para a aliança de Deus, e ali encontra descanso. Eu poderia multiplicar exemplos. Tomar mais um, em que a doutrina é claramente aberta, Habacuque 3: 17,18: "Ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto nas vides; ainda que falhe o produto da oliveira, e os campos não produzam mantimento; ainda que o rebanho seja exterminado da malhada e nos currais não haja gado. todavia eu me alegrarei no Senhor, exultarei no Deus da minha salvação." "Embora minha casa não seja assim com Deus." “Minha família foi embora, os frutos da terra foram embora, tudo se foi; - não importa", diz o crente, "eu me alegrarei no Senhor, exultarei no Deus da minha salvação." Toda esta palavra expressa a aliança de Deus. Nestes casos, parece que, nos problemas e decepções mais surpreendentes, os crentes fazem, como Davi aqui, e se dão, se entregam a Deus em aliança. Por que eles agem assim? Não darei razão para isso, senão o que reside nas palavras: - Primeiro. Eles fazem isso por causa do autor da aliança. Eles consideram quem é o que a faz conosco: "Porque ele fez comigo uma aliança eterna", diz Davi. Há uma grande ênfase nessa Ele; por que, é a Rocha de Israel, o Deus de Israel, - Ele fez isso. "Não é uma aliança que o homem fez comigo, nem um anjo; mas é uma aliança que Deus fez comigo. "E você pode observar que Deus, sempre que ele exigir nossa fé ou obediência, amarra seus mandamentos e promessas a ele mesmo. Você deve saber de quem é esse comando e de quem é essa promessa. Assim, no decálogo, a regra dos mandamentos, ele os prefacia com isso: "Eu sou o SENHOR, seu Deus", que influencia as mentes dos homens para a obediência e os coloca sob sua autoridade. E, quando ele fez esta aliança de que Davi fala aqui, ele faz assim, Gênesis 17: 1, "Eu sou Deus Todo-Poderoso". Isto Davi diz aqui, quando ele disse: "Ele fez comigo essa aliança." Ele; quem? "Deus Todo-Poderoso, Deus Todo-suficiente; que atende a todos os meus desejos e dificuldades." Agora, se formos em uma aliança um com o outro, comprometemos tudo o que há em nós para fazer o bem dessa aliança; nós envolvemos nosso poder e capacidade, e reputação e fidelidade. Se eu tiver uma aliança com qualquer um de vocês, eu consideraria esta aliança de acordo com a estima que tenho de suas pessoas, suas habilidades, reputação e fidelidade; pois quando você se envolve na aliança, tudo o que você tem está comprometido. Agora, Deus fazendo essa aliança, ele se envolve de acordo com seu poder, bondade e fidelidade; para que tenhamos a reputação de Deus para nos garantir nas coisas desta aliança, - sua suficiência total para nos assegurar a fazer o bem nesta aliança. Assim diz a alma: "Eu entreguei-me à aliança, porque Deus fez o que é suficiente." Isto faz uma aliança muito honrosa, é uma aliança feita por Deus; e isso torna uma aliança muito satisfatória, - se tudo o que está em Deus pode dar satisfação à alma de uma pobre criatura; e isso também é uma aliança segura, como veremos depois. Esta é a primeira razão pela qual Davi faz sua entrega a esta aliança, em suas aflições e dificuldades - por causa do autor dela, o próprio Deus, que fez essa aliança. O segundo motivo é retirado das propriedades da aliança, - qual é o tipo de uma delas; e elas são três: - é uma aliança "eterna"; é uma aliança que é "ordenada em todas as coisas", e é uma aliança que é "segura:" - 1. É o grande alívio de nossas almas, porque é "uma aliança eterna". As coisas sobre as quais estamos preocupados , onde nossos confortos consistem neste mundo, são coisas temporárias; e um alívio eterno contra aflições temporais os superará. Como é eterno? É eterno em relação ao início disso; é eterno em relação ao seu fim; e é eterno em relação à sua questão: - (1.) É eterno em relação ao início; É uma aliança que vem do amor eterno, Jeremias 31: 3, "Eu te amei com um amor eterno". O que se segue então? "Portanto, com bondade amorosa, eu te atraí." Esta condição com bondade amorosa é a aliança aqui mencionada. E de onde procede? Do amor eterno. Nunca teríamos a aliança, se não tivesse havido uma fonte. Eu participarei desta aliança que tem a sua fonte na eternidade. Esta aliança não teve seu começo quando eu a abracei; mas teve seu início no amor de Deus desde toda a eternidade. (2.) É eterna em relação ao fim dela: ela não cessa até que ela traga a pessoa inteira, a alma e o corpo, até a glória eterna. Então o nosso Salvador se manifesta, em Mateus 22:32. Ocorreu uma questão para saber se os mortos devem ressuscitar ou não, e assim toda a pessoa será trazida a Deus em glória; e os saduceus vieram a Cristo com uma pergunta miserável e sofisticada sobre uma mulher que tinha sete maridos, - e de quem ela deveria ser esposa na ressurreição? Cristo responde-lhes; mas como ele prova que haverá uma ressurreição? Não é senão pelas palavras da aliança, versículo 32; "Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó: Deus não é o Deus dos mortos, mas dos vivos." Eles vivem para Deus em virtude da aliança até hoje; e em virtude da aliança serão levantados novamente. (3.) É uma aliança eterna sobre o assunto, - as coisas a respeito das quais se esperam. Não é uma aliança sobre trigo, vinho e óleo, sobre o crescimento de nossas casas, o aumento de nossas famílias ou nós no mundo; mas é uma aliança sobre coisas eternas, - "coisas que não são vistas", 2 Coríntios 4:18. A graça é eterna, a misericórdia eterna, a vida espiritual, a alegria e o conforto, são todos coisas eternas. "A vida eterna é que eles te conheçam o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste," João 17: 3. Não só a glória eterna, mas a graça que temos aqui em virtude da aliança é eterna. "Não se trata da terra de Canaã, de tronos e reinos, não se trata da prosperidade de nossas famílias", diz ele; "Mas de coisas eternas." Agora, não há aqui um grande terreno para retirar-se a esta aliança em todos os nossos caminhos, que tem a sua ascensão no amor eterno, o seu fim em um descanso eterno e a matéria de todas as coisas eternas. Esta é a primeira propriedade dela, e uma razão pela qual devemos tornar isso nosso alívio, - porque é uma aliança eterna. 2. A segunda propriedade desta aliança é, - que é "ordenada em todas as coisas". O que é ordem? A ordem é a disposição das coisas de determinada maneira, - com uma relação tão íntima, e uma tal dependência umas sobre as outras, - como todas elas podem ser adequadas para atingir seu próprio fim. Agora, ele disse: "Esta aliança é ordenada". A verdade é que a ordem é a beleza de todas as coisas, a glória de todas as coisas; e é um pouco, reconheço, que sou capaz de observar a ordem desta aliança, o que a torna muito bela e gloriosa. Eu atribuiria a ordem da aliança a estas três cabeças: - a sua projeção infinitamente sábia; a sua confirmação solene; e a sua execução poderosa. Essas três coisas dão a essa aliança a sua ordem. Sua projeção infinitamente sábia, no amor e sabedoria eterna do Pai; sua confirmação solene, no sangue e no sacrifício do Filho; e sua poderosa execução, na eficácia do Espírito Santo, o Espírito da graça; - estas são as cabeças da ordem gloriosa desta aliança, que lhe dão sua vida, beleza e glória. (1.) Sua projeção foi na sabedoria e amor do Pai. Tudo o que é falado sobre o amor, a graça e a sabedoria do Pai antes do mundo, foi apresentado na projeção desta aliança. Tome-a como envolve Cristo nela, - como produz o perdão do pecado, - como é o centro da graça; e compreende todo o efeito da sabedoria divina, tanto quanto o Deus infinitamente santo já manifestou, ou se manifestará até a eternidade. (2.) Ela teve uma confirmação solene no sangue do Filho; daí o sangue de Cristo é chamado de "O sangue da aliança". A aliança foi solenemente confirmada no sangue de Cristo. É o desígnio do apóstolo, no capítulo 10 dos Hebreus, provar a confirmação solene da nova aliança no sangue do Filho de Deus. Isso a torna irrevogável e imutável. (3.) Mas quando tudo isso é feito, e como essa aliança será executada? Por que, esse é o trabalho do Espírito Santo. Ele empreendeu duas coisas: - [1.] Para assegurar nossas almas de todas as coisas por parte de Deus; - para revelar os termos da aliança e dar a conhecer o fim de Deus nela. E, [2.] Comprometer de nossa parte a nos dar corações para amá-lo e temê-lo; - escrever os termos da aliança de nossa parte em nossas almas, para que ela tenha uma execução infalível. Se alguma coisa estivesse faltando nessa ordem, nunca poderíamos ser beneficiados com esta aliança. Há uma adição de ordem, em referência ao assunto, aqui expressa. Como é "ordenado", por isso é "ordenado em todas as coisas", - é ordenado em todas as coisas "da graça por parte de Deus," é ordenado em todas as coisas "do pecado da nossa parte". 1 ° É ordenado em todas as coisas "da graça por parte de Deus", - que toda graça que seja necessária para os aliançados seja dada a eles. Se houvesse alguma graça necessária para que estivéssemos destituídos, em referência ao fim desta aliança, não seria "ordenado em todas as coisas". Se a aliança tivesse sido ordenada, mas com alguma graça, em graça vivificadora e não em graça perseverante, nunca chegaríamos à finalidade da aliança: se, ao fornecer a graça perdoara e não a graça renovadora, nunca chegaríamos ao fim da aliança; "Porque sem santidade ninguém verá o Senhor". Mas qualquer graça que é necessária para nos levar ao gozo de Deus, é ordenada com toda a graça. A primeira aliança com Adão foi ordenada em graça, mas não em toda a graça; foi ordenada em justiça, santidade e inocência, mas não ordenada na graça da perseverança; e falhando naquela graça, a aliança inteira falhou. Mas esta aliança é "ordenada em todas as coisas", com referência aos crentes. 2. É ordenada em referência ao pecado. Havia uma grande quantidade de glória e beleza na primeira aliança; mas não houve ordem tomada sobre o pecado: assim que, se algum pecado entrou, a primeira aliança desapareceu e quebrou, e nada mais. Mas esta aliança tomou ordem sobre o pecado; para que não haja pecado para os crentes, mas que a graça da aliança prolongará o perdão. Se um crente deve cair em um único pecado que o privaria do benefício dessa aliança, não seria "ordenada em todas as coisas". Há pecados em que, se um crente deve cair, quebraria a aliança; mas a aliança evita tais caídas. Este é outro motivo para confiar nesta aliança, porque é "ordenada em todas as coisas". O que Deus poderia oferecer mais para pobres criaturas? 3. A última propriedade desta aliança é que é "segura". É "ordenada em todas as coisas e com segurança". Se não tivesse segurança, não teria sido um alívio para nós. As origens da segurança desta aliança são duas: - (1.) O juramento de Deus. (2.) A intercessão de Cristo. Deus confirmou esta aliança com seu juramento; e isso dá garantia em si mesmo e segurança para nós, Hebreus 6: 17,18. E é assegurado pela interposição de Cristo. Ele é garantido por uma aliança melhor, Hebreus 7:22. E ele vive para sempre para interceder por aqueles que vêm a Deus por ele, e assim é capaz de salvar até o fim, versículo 25. Isto é o que eu tenho para oferecer a partir da abertura das palavras, e os motivos contidos nelas , por que elas são o grande alívio e reserva dos crentes em todas as surpresas, decepções e angústias que podem acontecer com eles; e somos maravilhosamente imprudentes, se não vivemos em constante expectativa de tais experiências. Para dizer que morreremos em nossos ninhos, e nossa montanha é tão forte que não se moverá, isto é segurança carnal. Vou responder uma pergunta, que eu fiz: - como os crentes se adotam a esta aliança para alívio? ou, o que podemos fazer para que possamos nos levar a isso para o nosso alívio em nossas surpresas e angústias? Eu respondo: o primeiro caminho é, pela fé, obter uma avaliação devida e estimada das coisas da aliança, acima de tudo das coisas que aqui desfrutamos neste mundo. Nunca devemos ter alívio por ela, até que avaliemos as coisas como deveríamos; e àqueles que assim o fizerem não deve faltar alívio disso. Em segundo lugar, devemos procurar Deus na aliança, por força para nos apoiar sob nossas surpresas e angústias. Quando Abraão estava indo para a batalha, levou consigo Manre, Escol e Aner, que eram os homens de sua aliança, Gênesis 14:13. Quando nossas almas estão envolvidas na batalha com nossos pecados, oposições e medos, levemos conosco os homens da nossa aliança; quero dizer, levar a Deus conosco, - buscar a força da aliança: é o modo de se sustentar sob as surpresas da alma. Terceiro e, finalmente, devemos resolver, finalmente, tomar nosso descanso na aliança de Deus, e não em outras coisas. Em Isaías 30:15, Deus o traz para isto: "Pois assim diz o Senhor Deus, o Santo de Israel: Voltando e descansando, sereis salvos; no sossego e na confiança estará a vossa força." Deus, quando ele nos propõe a aliança, faz isso para que possamos tomar nosso descanso e confiança somente nisso. Mas tivermos outras reservas, a aliança jamais seja uma reserva estável para nós, assim como não foi proveitosa para aqueles de Israel a quem a boa promessa foi feita no texto de Isaías 3015, pois logo em seguida lemos que eles rejeitaram a aliança oferecida: “Mas não quisestes; antes dissestes: Não; porém sobre cavalos fugiremos; portanto fugireis; e: Sobre cavalos ligeiros cavalgaremos; portanto hão de ser ligeiros os vossos perseguidores. Pela ameaça de um só fugirão mil; e pela ameaça de cinco vós fugireis; até que fiqueis como o mastro no cume do monte, e como o estandarte sobre o outeiro.” (versos 16,17).



Este texto é administrado por: Silvio Dutra
Número de vezes que este texto foi lido: 74


Outros títulos do mesmo autor

Artigos Hebreus 2 - Versos 5 a 9 – P3 John Owen
Artigos Hebreus 2 - Versos 5 a 9 – P2 John Owen
Artigos Hebreus 2 - Versos 5 a 9 – P1 John Owen
Artigos Hebreus 2 - Versos 2 a 4 – P4 John Owen
Artigos Hebreus 2 - Versos 2 a 4 – P3 John Owen
Artigos Hebreus 2 - Versos 2 a 4 – P2 John Owen
Artigos Hebreus 2 - Versos 2 a 4 – P1 John Owen
Artigos Hebreus 1 - Versos 13 e 14 – P3 John Owen
Artigos Hebreus 1 - Versos 13 e 14 – P2 John Owen
Artigos Hebreus 1 - Versos 10 a 12 – P2 John Owen

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 99.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2018
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 184328 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 157752 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 157710 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 129638 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 91588 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 71479 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 68915 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 62227 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 58986 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 54693 Visitas

Páginas: Próxima Última