Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Resquícios de Pecado em Crentes – Cap 7
John Owen


John Owen (1616-1683)

Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

CAPÍTULO 7.
O poder cativante do pecado interior - em que consiste - A prevalência do pecado, quando de si mesmo, e quando da tentação - A fúria e loucura que está no pecado.
A terceira coisa atribuída a esta lei do pecado em sua oposição a Deus e à lei da sua graça é que leva a alma cativa: Romanos 7:23: "Eu encontro uma lei que me leva cativo (cativando-me) a lei do pecado". E este é o maior auge a que o apóstolo nesse lugar carrega a oposição e a guerra dos resquícios do pecado interior; fechando assim a consideração dele com uma queixa sobre o estado e a condição dos crentes, e uma oração sincera por sua libertação no versículo 24: "Ó homem miserável que sou eu, quem me livrará deste corpo de morte?" O que está contido nesta expressão e pretendido por ele deve ser declarado nas observações seguintes:
1. Não é diretamente o poder e as ações da lei do pecado que são aqui expressados, mas é o sucesso em suas atuações. Mas o sucesso é a maior evidência de poder, e o principal prisioneiro na guerra é o auge do sucesso. Ninguém pode apontar maior sucesso do que o de levar seus inimigos cativos; e é uma expressão peculiar nas Escrituras de grande sucesso. Assim, do Senhor Jesus Cristo, em sua vitória sobre Satanás, é dito "levar o cativeiro cativo", Efésios 4: 8, isto é, conquistar aquele que conquistou e prevaleceu sobre os outros; e isso ele fez quando "pela morte derrotou aquele que tinha o poder da morte, isto é, o Diabo;" Hebreus 2:14. Aqui, então, uma grande prevalência e poder do pecado em sua guerra contra a alma é descoberta. É tanto uma guerra que "leva cativo"; que, não teria grande poder, nada poderia fazer, especialmente contra essa resistência da alma que está incluída nesta expressão.
2. É dito que leva a alma cativa "à lei do pecado"; não a esse ou aquele pecado particular, mas à "lei do pecado." Deus, em sua maior parte, ordena as coisas assim, e entrega tais suprimentos de graça aos fiéis, para que não sejam presas deste ou daquele pecado particular, para que ele não venha a prevalecer neles e os obrigue a servi-lo em suas concupiscências, que deve ter domínio sobre eles, para que sejam cativos e escravizados a elas. É contra isto que Davi ora tão fervorosamente: Salmo 19:12, 13 - "Quem pode discernir os próprios erros? Purifica-me tu dos que me são ocultos. Também de pecados de presunção guarda o teu servo, para que não se assenhoreiem de mim; então serei perfeito, e ficarei limpo de grande transgressão."
Ele supõe a continuidade da lei do pecado nele, versículo 12, que produzirá erros da vida e os pecados secretos; contra os quais ele encontra alívio no perdão e clemente misericórdia, pelo que ele ora. "Isto", diz ele, "será a minha condição. Mas por pecados de orgulho e ousadia, como todos os pecados, são dominantes em um homem, que fazem um homem cativo, que o Senhor liberte o seu servo". Porque o pecado que recebe esse poder em um homem, seja pequeno ou grande em sua própria natureza, torna-se nele em pecado de ousadia, orgulho e presunção; pois essas coisas não são comprovadas da natureza ou do tipo do pecado, mas da sua prevalência, em que consistirá seu orgulho, ousadia e desprezo de Deus. Para o mesmo propósito, se eu não me equivocar, Jabez orou: 1 Crônicas 4:10: "que me abençoes, e estendas os meus termos; que a tua mão seja comigo e faças que do mal eu não seja afligido! E Deus lhe concedeu o que lhe pedira."
O homem santo tomou a ocasião de seu próprio nome para orar contra o pecado, para que isso não fosse uma tristeza para ele por seu poder e prevalência. Confesso, às vezes pode chegar a isso com um crente, que por uma temporada possa ser levado cativo por algum pecado particular; pode ter tanta prevalência nele quanto a ter poder sobre ele. Parece ter estado com Davi, quando ele demorou tanto tempo em seu pecado sem arrependimento; e foi claramente assim com aqueles citados em Isaías 57:17, 18: "Por causa da iniquidade da sua avareza me indignei e o feri; escondi-me, e indignei-me; mas, rebelando-se, ele seguiu o caminho do seu coração. Tenho visto os seus caminhos, mas eu o sararei; também o guiarei, e tornarei a dar-lhe consolação, a ele e aos que o pranteiam.”
Eles continuaram sob o poder de sua avareza, de modo que nenhum trato de Deus com eles, por tanto tempo, poderia mudá-los. Mas, em sua maior parte, quando qualquer concupiscência ou pecado prevalecer, é da vantagem e do progresso que obteve por uma poderosa tentação de Satanás. Ele a envenenou, inflamou-a e enredou. Assim, o apóstolo, falando de como, por intermédio do pecado, caíram de sua santidade, diz: "desprendendo-se dos laços do diabo, em que à vontade dele estão presos." 2 Timóteo 2:26.
Embora fossem suas próprias concupiscências que eles serviram, ainda assim foram levados à escravidão a esse respeito, sendo enredados em algumas armadilhas de Satanás; e daí deles é dito que "estão presos".
E aqui, por sinal, podemos perguntar um pouco se o poder predominante de um pecado particular em qualquer um é de si mesmo, ou da influência de tentação sobre ele; sobre o qual, atualmente, faço apenas essas duas observações: (1). Grande parte da prevalência do pecado sobre a alma é certamente de Satanás, quando o pecado cativante não possui uma base peculiar nem vantagem na natureza, constituição ou condição do pecador. Quando qualquer luxúria cresce muito alto e prevalece mais do que outras, por sua própria conta, é da vantagem peculiar que tem na constituição natural, ou na condição da pessoa no mundo; pois, de outra forma, a lei do pecado dá uma propensão igual a todo o mal, um vigor igual para toda luxúria. Quando, portanto, não se pode discernir que o pecado cativante é peculiarmente inerente à natureza do pecador, ou é favorecido por sua educação ou emprego no mundo, a prevalência é peculiar de Satanás. Ele chegou à raiz dele, e deu-lhe veneno e força. Sim, talvez, às vezes, o que pode parecer que a alma está sob a lei do pecado no coração, não é senão a imposição de Satanás com suas sugestões sobre a imaginação. Se, então, um homem encontrar uma raiva importunadora de qualquer corrupção que não está evidentemente sentada em sua natureza, deixe-o voar pela fé para a cruz de Cristo, pois o diabo está perto. (2). Quando uma luxúria é prevalecente para o cativeiro, onde não traz vantagens para a carne, é de Satanás. Tudo o que a lei do pecado faz de si mesma é servir para fazer provisão para a carne, Romanos 13:14; e deve trazer-lhe um pouco dos lucros e prazeres que são o seu objeto. Agora, se o pecado prevalecente não agir em si, se for mais espiritual e interior, é muito de Satanás pela imaginação, mais do que pela corrupção do próprio coração. Digo, então, que o apóstolo não trata aqui de nosso ser cativado a este ou àquele pecado, mas à lei do pecado; isso é. somos obrigados a suportar sua presença e fardo. Às vezes, a alma pensa ou espera que, por meio da graça, ser libertada desse preso problemático. Com algum gozo doce de Deus, algum suprimento total de graça, alguns retornam devagar, de alguma aflição profunda, alguma humilhação completa, a pobre alma começa a esperar que agora seja libertada da lei do pecado; mas depois de um tempo percebe que é bem diferente. O pecado atua novamente, e a alma descobre que, queira ou não, deve suportar seu jugo. Isso a faz suspirar e clamar por libertação.
3. A vontade se opõe, por assim dizer, contra o trabalho do pecado. Isso o apóstolo declara nas expressões que ele usa, cap. 7:15, 19, 20. E aqui consiste a "luta do Espírito contra a carne", Gálatas 5:17; isto é, a disputa da graça para expulsar e subjugá-lo. Os hábitos espirituais da graça que estão na vontade, assim, resistem e agem contra ele; e a excitação desses hábitos pelo Espírito é direcionada para o mesmo propósito. Este principal cativo é contrário, digo, às inclinações e atuações da vontade renovada. Nenhum homem é feito cativo, senão contra sua vontade. O cativeiro é miséria e problemas, e nenhum homem se coloca de bom grado em problemas. Os homens escolhem isso em suas causas, e nos caminhos e meios que o conduzem, mas não em si. Assim, o profeta nos informa, Oséias 5:11, "Efraim está oprimido e quebrantado no juízo, porque foi do seu agrado andar após a vaidade." - essa era a sua miséria e dificuldade; mas ele "caminhou voluntariamente segundo o mandamento" dos reis idólatras, que o trouxe para a citada condição. Seja qual for o consentimento, que a alma possa dar ao pecado, que é o meio desse cativeiro, não dá ao próprio cativeiro; isso é contra a vontade totalmente. Por isso, estas coisas se seguem: (1). Que o poder do pecado é grande, como demonstramos; e isso aparece em sua prevalência para o cativeiro contra as atuações e contendas da vontade de liberdade dela. Se não tivesse oposição a ela, ou fosse seu adversário fraco, negligente, preguiçoso, não era grande evidência de seu poder que fizesse cativos; mas prevalece contra a diligência, a atividade, a vigilância, a constante renitência da vontade, isso evoca sua eficácia.
(2). Esse cativeiro intima vários sucessos particulares. Se não tivesse sucesso em particular, não poderia ser dito em absoluto que faz cativos. Rebelar poderia, assaltar poderia; mas não se poderia dizer que leve cativo sem alguns sucessos. E há vários graus do sucesso da lei do pecado na alma. Às vezes, carrega a pessoa para o pecado real exterior, que é o seu maior objetivo; às vezes obtém o consentimento da vontade, mas é expulso pela graça, e não prossegue mais; às vezes, cansa e enreda a alma, que se afasta, por assim dizer, e deixa de lutar, o que também é um sucesso. Um ou mais, ou tudo isso, deve ser, onde o cativeiro ocorre. Tal tipo de curso, o apóstolo atribui à cobiça, 1 Timóteo 6: 9, 10.
(3). Este cativo manifesta essa condição como miserável. Porque quão triste é ser assim aprisionado e tratado, contra o julgamento da mente, a escolha e o consentimento da vontade, em seus maiores esforços e contendas! Quando o pescoço está dolorido e macio com pressões anteriores, para ser obrigado a suportar o jugo novamente, isso. entristece, isso aflige, isso quebra o coração. Quando a alma é fundada pela graça até a aversão do pecado, de qualquer maneira maligna, ao ódio da menor discrepância entre si e da santa vontade de Deus, para ser imposta por esta lei do pecado, com toda essa inimizade e loucura, morte e sujeira com que é atendido, a esta condição tão terrível? Todo o cativeiro é terrível em sua própria natureza. O maior agravamento é da condição do tirano a quem alguém é cativado. Agora, o que pode ser pior do que esta lei do pecado? Assim, o apóstolo, depois de ter mencionado esse cativeiro, clama, como estando bastante cansado e pronto para desmaiar, cap. 7:24. “Miserável homem que eu sou! quem me livrará do corpo desta morte?”
(4) Esta condição é peculiar aos crentes. Não se diz que os homens não regenerados sejam levados cativos para a lei do pecado. Eles podem, de fato, ser levados cativos para este ou aquele pecado particular ou corrupção, isto é, eles podem ser forçados a atendê-lo contra o poder de suas convicções. Eles estão convencidos do mal dele, - um adúltero da sua imundícia, um bêbado de sua abominação, e fazer algumas resoluções, pode ser, contra isso; mas sua luxúria é muito difícil para eles, eles não podem deixar de pecar, e assim são feitos cativos ou escravos a esse ou àquele pecado particular. Mas não se pode dizer que sejam levados cativos pela lei do pecado e que, por causa disso, são voluntariamente subjugados. A lei do pecado tem, por assim dizer, um domínio legítimo sobre eles, e eles não se opõem, mas somente quando tem irrupções ao distúrbio de suas consciências; e então a oposição que eles fizeram não é de suas vontades, mas é a mera ação de uma consciência assustada e uma mente convencida. Eles não consideram a natureza do pecado, mas sofrem culpa e consequências. Mas ser levado ao cativeiro é o que conduz um homem contra a sua vontade; que é tudo o que deve ser dito a este grau de atuação do poder do pecado, manifestando-se em seu sucesso. O quarto e último grau da oposição feita pela lei do pecado a Deus e à lei de sua vontade e graça, está em sua raiva e loucura. Há uma loucura em sua natureza: Eclesiastes 9: 3, "O coração dos filhos dos homens está cheio de maldade, e a loucura está no seu coração". O mal do qual o coração do homem está cheio por natureza é aquele pecado interior do qual falamos; e isso está tanto em seu coração, que ele o conduz à loucura. O Espírito Santo expressa essa raiva do pecado por uma semelhança adequada, que ele usa em diversos lugares; como Jeremias 2:24; Oseias 8: 9. Isso faz dos homens como "um burro selvagem"; "ela atravessa seus caminhos" e "apaga o vento", e corre aonde a mente ou a luxúria a conduzem. E ele diz dos idólatras, enfurecidos com suas concupiscências, que estão "loucos com os seus ídolos", Jeremias 50:38. Podemos considerar um pouco o que reside nessa loucura e fúria do pecado, e como ela se aproxima: 1. Por sua natureza; parece consistir em um presságio violento, inebriante e atrevido para o mal ou o pecado. Violência, importunidade e impertinência estão nele. É o desgarro e a tortura da alma por qualquer pecado para forçar seu consentimento e obter satisfação. Ele se levanta no coração, é negado pela lei da graça e repreendido; retorna e exerce novamente o seu veneno; a alma está assustada e o descarta; volta novamente com nova violência e importunidade; a alma clama por ajuda e libertação, se aproxima de todas as origens da graça e alívio do evangelho, treme dos assaltos furiosos do pecado e se lança nos braços de Cristo para a libertação. E se não for capaz de seguir esse curso, é frustrado e levado para cima e para baixo através da lama e imundície de imaginação tola, concupiscências corruptas e ruidosas, que rasgam-no, como se devorassem toda a sua vida espiritual e poder . Veja 1 Timóteo 6: 9, 10; 2 Pedro 2:14. Não era muito o contrário com quem antes instruiu, Isaías 57:17. Eles tinham uma luxúria inflamada e enfurecida trabalhando neles, "avareza", ou o amor deste mundo; pelo qual, como o apóstolo fala, os homens "se atravessam com muitas dores". Deus está zangado com eles, e descobre sua ira por todos os caminhos e meios possíveis aos quais sejam sensíveis. Ele estava "irado e os feriu"; mas, no entanto, pode ser que isso os cambaleou um pouco, mas eles "continuaram". Ele está irado, e "se esconde" deles, deserta-os quanto à sua presença graciosa, e reconfortante. Isso produz o efeito? Não; eles continuam com força, enquanto os homens ficam loucos por sua cobiça. Nada pode pôr fim a suas luxúrias furiosas. Isso é claro loucura e fúria. Não precisamos procurar por exemplos. Vemos os homens apaixonados por suas luxúrias todos os dias; e, qual é o pior tipo de loucura, suas concupiscências não se arrastam tanto neles, quando se enfurecem na busca delas. Essas perseguições gananciosas das coisas no mundo, em que vemos alguns homens envolvidos, embora tenham outras pretensões, de fato, é qualquer coisa senão simples loucura na busca de suas concupiscências? Deus, que conhece os corações dos homens, sabe que a maioria das coisas que são feitas com outras pretensões no mundo não são senão as atuações de homens loucos e furiosos na busca de suas concupiscências. 2. Que o pecado não se origina nesse tamanho, senão quando obteve uma dupla vantagem: (1). Que seja provocado, enfurecido e aumentado por uma grande tentação. Embora seja um veneno em si mesmo, contudo, sendo de natureza consanguínea, não se torna violentamente ultrajante sem o contributo de algum novo veneno de Satanás para isso, numa tentação adequada. Foi a vantagem que Satanás obteve contra Davi, por uma tentação adequada, que elevou sua concupiscência com aquela fúria e loucura que aconteceu no negócio de Bate-Seba e Urias. Embora o pecado seja sempre um fogo nos ossos, ainda assim não o queimará, a menos que Satanás venha com o fole para explodi-lo. E deixe qualquer pessoa em quem a lei do pecado se levante a esse ponto de raiva e considere seriamente, e ele pode descobrir onde o diabo está e se coloca no negócio. (2). Isso deve ser favorecido por algum antigo entretenimento e prevalência. O pecado cresce a essa altura em seu primeiro assalto. Se tivesse sido resistido na sua entrada, se não houvesse algum rendimento na alma, isso não aconteceria. A grande sabedoria e a segurança da alma em lidar com o pecado interior é colocar uma parada violenta em seus primórdios, seus primeiros movimentos e atuações. Aventure-se na primeira tentação. Morra em vez de dar um passo para ele. Se, através do engano do pecado, ou a negligência da alma, ou sua confiança carnal para conferir limites às atuações de luxúria em outras ocasiões, faz qualquer entrada na alma e encontra algum entretenimento, força e poder e insensivelmente surge no quadro em consideração. Nunca teria a experiência da fúria do pecado, se não estivesse contente com alguma apostasia. Se você não tivesse criado este servo, esse escravo, delicadamente, não teria presumido além de um filho. Agora, quando a lei do pecado em particular tem essa dupla vantagem, - o adiantamento de uma tentação vigorosa, e alguma prevalência anteriormente obtida, por meio da qual é deixada entrar nas forças da alma, - muitas vezes se levanta com esse quadro do qual nós falamos.
3. Podemos ver o que acompanha essa raiva e loucura, quais são as propriedades dela e quais os efeitos que ela produz:
(1). Existe nela a expulsão, pelo menos, do jugo, da regra e do governo do Espírito e da lei da graça. Onde a graça tem o domínio, nunca será expulsa do seu trono, ainda conservará o seu direito e soberania; mas suas influências podem ser interceptadas por um período, e seu governo será suspenso, pelo poder do pecado. Podemos pensar que a lei da graça teve qualquer influência real do domínio sobre o coração de Davi, quando, com a provocação recebida de Nabal, ele estava tão apressado com o desejo de vingança que ele clamou: "Pois, na verdade, vive o Senhor Deus de Israel que me impediu de te fazer mal, que se tu não te apressaras e não me vieras ao encontro, não teria ficado a Nabal até a luz da manhã nem mesmo um menino.” - 1 Samuel 25:34; ou Asa estava em qualquer situação melhor quando ele feriu o profeta e colocou-o na prisão, o qual havia falado com ele em nome do Senhor? O pecado neste caso é como um cavalo indomável, que, depois de ter abandonado o seu cavaleiro, foge com fúria. Em primeiro lugar, desencadeia um sentido presente do jugo de Cristo e a lei de sua graça, e então apressa a alma em seu prazer. Deixe-nos um pouco considerar como isso é feito. O assento e a residência da graça estão em toda a alma. Está no homem interior; está na mente, na vontade e nas afeições: porque toda a alma é renovada por ela na imagem de Deus, Efésios 4:23, 24, e todo o homem é uma "nova criatura", 2 Coríntios 5:17 . E em tudo isso, a graça exerce seu poder e eficácia. Seu governo ou domínio é a busca de seu efetivo trabalho em todas as faculdades da alma, pois são um princípio unido de operações morais e espirituais. Portanto, a interrupção de seu exercício, de seu governo e poder, pela lei do pecado, deve consistir em um agir contrário nas faculdades e afeições da alma, sobre a qual e pela qual a graça deve exercer seu poder e eficácia . E isso produz o efeito de escurecer a mente; em parte através de inúmeros preconceitos vãos e falsos raciocínios, como veremos quando considerarmos seu engano; e em parte através da cauterização das afeições, aquecidas com as luxúrias ruins que se apoderaram delas. Daí que a pouca luz que está na mente está obscurecida e sufocada, que não pode colocar o seu poder transformador para mudar a alma em semelhança de Cristo. A inclinação habitual da vontade para a obediência, que é o próximo caminho do trabalho da lei da graça, é primeiro enfraquecida, depois desviada e tornada inútil, pelas contínuas solicitações de pecado e tentação; de modo que a vontade primeiro deixa sua espera, e luta quanto a se deve ceder ou não, e, finalmente, desiste de seu adversário. E para as afeições, comumente o começo desse mal está nelas. Elas se cruzam e torturam a alma com sua violência impetuosa. Desta forma, é o governo da lei da graça interceptado pela lei do pecado, impondo-se em toda a sede do seu governo. Quando isso for feito, é um trabalho triste que o pecado fará na alma. O apóstolo adverte os crentes a prestarem atenção aqui, cap. 6:12: "Portanto, o pecado não reine no vosso corpo mortal, para que o obedeçais em suas concupiscências". Vigie para que não obtenha o domínio, que não use o governo, nem, por um momento. Trabalhará para entrar no trono; vigie contra isso, ou um estado e condição triste está à porta. Isto, então, acompanha essa raiva e loucura da lei do pecado: ela lança fora, durante a sua prevalência, o domínio da lei da graça inteiramente; isto fala na alma, mas não é ouvido; comanda o contrário, mas não é obedecido; isto clama: "Não é esta coisa abominável o que o Senhor odeia?", mas não é considerado, isto está muito longe de ser capaz de pôr uma parada no presente à fúria do pecado e recuperar seu próprio governo, que Deus em seu próprio tempo restaura pelo poder de seu Espírito habitando em nós. (2) A loucura ou raiva é acompanhada de destemor e desprezo do perigo. Ela tira o poder da consideração, e toda aquela influência que deveria ter sobre a alma. Por isso, os pecadores que estão inteiramente sob o poder desta fúria dizem que "arremete contra ele com dura cerviz, e com as saliências do seu escudo." Jó 15:26; aquilo com que ele está armado para sua total ruína. Eles desprezam o máximo que ele possa fazer com eles, sendo secretamente resolvidos a cumprir suas concupiscências, embora lhes custasse suas almas. Algumas poucas considerações tornarão isto mais claro para nós: [1.] Por enquanto, quando a alma se solta do poder da renovação da graça, Deus lida com ela, mantendo-a dentro dos limites, quanto a impedir a graça. Então o Senhor declara que lidará com Israel, Oseias 2: 6 - "Vendo que você me rejeitou, tomarei outro curso contigo. Eu colocarei obstáculos diante de ti para que não possas passar para onde a fúria de tuas luxúrias te levariam." Ele irá propor isso para eles de modo que os obstruirá no seu progresso. [2.] Estes obstáculos que Deus coloca no caminho dos pecadores, como declarados, são de dois tipos: 1º. Considerações racionais, tiradas da consequência do pecado e do mal para os quais a alma é solicitada. Tais são o medo da morte, do julgamento e do inferno - de cair nas mãos do Deus vivo, que é um fogo consumidor. Enquanto um homem está sob o poder da lei do Espírito da vida, o "amor de Cristo o constrange", 2 Corinthians 5:14. O princípio de fazer o bem e se abster do mal é a fé trabalhando pelo amor, acompanhado de um seguimento de Cristo por causa do aroma agradável de seu nome. Mas agora, quando este jugo abençoado e leve é lançado fora por um período, assim como foi comentado antes, Deus estabelece uma cobertura de terror diante da alma, com a morte e o julgamento por vir, faz menção às chamas do inferno na face, enche a alma com consideração a todas as consequências malignas do pecado, para detê-lo de seu propósito. Para este fim, ele faz uso de todas as ameaças registradas na lei e no evangelho. A isto também podem ser encaminhadas todas as considerações que podem ser tomadas de coisas temporais, como vergonha, opróbrio, escândalo, punições e coisas do gênero.   Com a consideração dessas coisas, digo que Deus estabeleceu uma cerca diante deles.
2º. As dispensações providenciais são usadas pelo Senhor para o mesmo propósito, e estas são de dois tipos: (1.) Estas são adequadas para trabalhar sobre a alma e fazer com que ela desista e ceda em suas lutas e busca do pecado. Tais são as aflições e as misericórdias: Isaías 57:17: "Eu estava irado, e eu os feri"; "Eu testemunhei minha aversão aos seus caminhos pelas aflições". Então, Oseias 2: 9, 11, 12. Deus castiga os homens com dores nos seus corpos; ele disse em Jó: "para apartar o homem do seu desígnio, e esconder do homem a soberba; para reter a sua alma da cova, e a sua vida de passar pela espada. Também é castigado na sua cama com dores, e com incessante contenda nos seus ossos." Jó 33: 17-19. E outras maneiras de ele vir a eles e tocá-los, como em seus nomes, relações, propriedades e coisas desejáveis; ou então ele agrupa misericórdias sobre eles, para que possam considerar contra quem eles estão se rebelando. Pode ser sinal de distinção. As misericórdias são feitas sua porção por muitos dias. (2.) Estas como, de fato, impedem a alma de perseguir o pecado, embora esteja resolvida a praticá-lo. As várias maneiras pelas quais Deus faz isso, devemos depois considerar. Esses são os caminhos, eu digo, pelos quais a alma é tratada com eficácia, na medida em que a lei do pecado residente eliminou por um período o poder de influência da lei da graça. Mas agora, quando a luxúria subir à raiva ou loucura, ela também desprezará tudo, mesmo a vara, e Aquele que a designou. Desconsiderará a vergonha, as censuras, a ira e o que quer que aconteça; isto é, embora sejam apresentados a ele, ele se aventurará sobre todos eles. A raiva e a loucura são destemidas. E isso faz por dois caminhos: [1.] Possui a mente, que não sofre a consideração dessas coisas para habitar sobre ela, mas torna os pensamentos delas superficiais e banais; ou se a mente forçar-se a uma contemplação deles, contudo interpõem-se entre ela e as afeições, para que elas não sejam influenciadas pela mente em proporção ao que é necessário. A alma em tal condição poderá levar essas coisas à contemplação, e não se mover de modo algum por elas; e onde elas prevalecem por uma temporada, mas elas são insensivelmente removidas do coração de novo. [2.] Por segredo teimoso resolve-se aventurar tudo no caminho em que está. E este é o segundo ramo dessa evidência do poder do pecado, retirado da oposição que faz à lei da graça, como se fosse por força e violência.


Este texto é administrado por: Silvio Dutra
Número de vezes que este texto foi lido: 25


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Resquícios de Pecado em Crentes – Cap 9 John Owen
Artigos Resquícios de Pecado em Crentes – Cap 8 John Owen
Artigos Resquícios de Pecado em Crentes – Cap 7 John Owen
Artigos Resquícios de Pecado em Crentes – Cap 6 John Owen
Artigos Resquícios de Pecado em Crentes – Cap 5 John Owen
Artigos Resquícios de Pecado em Crentes – Cap 4 John Owen
Artigos Resquícios de Pecado em Crentes - Cap. 3 John Owen
Artigos Resquícios de Pecado em Crentes - Cap. 2 John Owen
Artigos Resquícios de Pecado em Crentes - Cap. 1 John Owen
Artigos Resquícios de Pecado em Crentes – Introdução e Prefácio John Owen

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 38.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2018
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 183183 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 152120 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 151516 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 128628 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 67647 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 66369 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 59779 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 59679 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 57843 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 53798 Visitas

Páginas: Próxima Última