Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Resquícios de Pecado em Crentes - Cap. 3
John Owen


John Owen (1616-1683)

Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

CAPÍTULO 3.
O assento ou assunto da lei do pecado é o coração - O que significa isso - Propriedades insondáveis e enganosas do coração como possuídas pelo pecado - De onde surge esse engano - Melhoria dessas considerações.
Tendo falado do pecado manifestado, e dos seus resquícios nos fiéis, sendo uma lei, e tendo evidenciado o seu poder em geral desde então, agora devemos dar exemplos particulares de sua eficácia e vantagens de algumas coisas que geralmente são relacionadas como tal. E estas são três:
Primeiramente, seu assento e assunto;
Em segundo lugar, suas propriedades naturais; e,
Em terceiro lugar, suas operações e sua maneira; a que principalmente visamos e atenderemos.
Primeiramente, então, vejamos o assento e o sujeito desta lei do pecado, que a Escritura em todos os lugares atribui ser o coração. O pecado interior mantém sua residência especial. Ele invadiu e possuiu o trono do próprio Deus: Eclesiastes 9: 3, "A loucura está no coração dos homens enquanto vivem". Esta é a sua loucura, ou a raiz de toda a loucura que aparece em suas vidas. Mateus 15:19 - "Porque do coração procedem os maus pensamentos, homicídios, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos e blasfêmias." etc.
Há muitas tentações externas e provocações que acontecem com os homens, que os excitam e movem para esses males; mas eles fazem, senão abrirem o vaso e deixar sair o que está guardado e armazenado. A raiz, a ascensão e a agitação de todas essas coisas estão no coração. As tentações e as ocasiões não colocam nada em um homem, senão apenas extraem o que estava nele antes. Daí ser essa descrição sumária de toda a obra e efeito desta lei do pecado, Gênesis 6: 5, "Viu o Senhor que era grande a maldade do homem na terra, e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era má continuamente." Assim também o cap. 8:21 “Sentiu o Senhor o suave cheiro e disse em seu coração: Não tornarei mais a amaldiçoar a terra por causa do homem; porque a imaginação do coração do homem é má desde a sua meninice.” Toda a obra da lei do pecado, desde a sua primeira ascensão, é aqui descrita. E o seu assento, sua casa de trabalho, é dito ser o coração; e assim é chamado pelo nosso Salvador "O tesouro maligno do coração:" Lucas 6:45: “o homem mau, do seu mau tesouro tira o mal; pois do que há em abundância no coração, disso fala a boca." Este tesouro é o princípio predominante das ações morais que está nos homens. Então, no começo do versículo, nosso Salvador chama a graça de "O bom tesouro do coração" de um homem bom, de onde o que é bom procede. É um princípio constante e abundante que incita e agita e, consequentemente, produz ações adequadas e semelhantes, do mesmo tipo e natureza a si mesmo. E também é chamado de um tesouro por sua abundância. Nunca será exaurido; não é desperdiçado pelos gastos dos homens; sim, os homens mais pródigos são deste estoque, quanto mais eles tiraram desse tesouro, mais cresce e abunda! Como os homens não gastam a sua graça, mas a aumentam, pelo seu exercício, o mesmo ocorre em relação ao pecado que neles habita. Quanto mais os homens exercitam sua graça em deveres de obediência, mais a fortalecem e aumentam; e quanto mais os homens exercitam e expõem os frutos de sua luxúria, mais isso é enfurecido e aumentado neles; - alimenta-se de si mesmo, engole seu próprio veneno e cresce assim. Quanto mais os homens pecam, mais eles estão inclinados ao pecado. É do engano desta lei do pecado, da qual devemos falar depois, que os homens se convencem de que, por meio desta ou de um pecado particular, satisfarão as suas concupiscências, de modo que não devem mais pecar. Todo pecado aumenta o princípio e fortalece o hábito de pecar. É um tesouro maligno, que aumenta ao se fazer o mal. E onde está esse tesouro? Está no coração; lá está arrumado, lá é mantido em segurança. Todos os homens do mundo, todos os anjos no céu, não podem despojar um homem deste tesouro, que é tão seguro no coração.
O coração nas Escrituras é usado de forma variada; às vezes para a mente e a compreensão, às vezes para a vontade, às vezes para as afeições, às vezes para a consciência, às vezes para toda a alma. Geralmente, denota toda a alma do homem e todas as faculdades dela, não absolutamente, mas como são todos um princípio de operações morais, como todos concordam em fazer o bem ou o mal. A mente, como pergunta, discerne, e julga o que deve ser feito, e o que recusado; a vontade, como ela escolhe ou recusa e evita; as afeições, como elas gostam ou não gostam, se afastando ou tendo uma aversão, ao que lhes é proposto; a consciência, como adverte e determina, - são todos chamados de coração. E nesse sentido, é que dizemos que o assento e o sujeito desta lei do pecado é o coração do homem. Somente, podemos acrescentar que a Escritura, falando do coração como princípio das ações boas ou más do homem, geralmente insinua com ela duas coisas pertencentes à maneira de sua atuação:
1. Uma conveniência e prazer para a alma nas coisas que são feitas. Quando os homens se deleitam e ficam satisfeitos com o que fazem, é dito que o fazem de coração, com todo o coração. Assim, quando próprio Deus abençoa o seu povo em amor e deleite, dele é dito, "com todo o seu coração e com toda a sua alma", Jeremias 32: 41.2. Há resolução e constância em tais ações. E isso também é denotado na expressão metafórica antes usada de um tesouro, de onde os homens constantemente tiram as coisas que eles precisam ou pretendem usar. Este é o assunto, o assento, a morada desta lei do pecado, - o coração; como é todo o princípio das operações morais, de fazer o bem ou o mal. Aqui habita nosso inimigo; este é o forte, a cidadela deste tirano, onde mantém uma rebelião contra Deus todos os dias. Às vezes, tem mais força e consequentemente mais sucesso; às vezes menos; mas está sempre em rebelião enquanto vivemos. Para que possamos, em nossa passagem, ter uma pequena visão da força e do poder do pecado a partir deste assento e assunto dele, podemos considerar uma ou duas propriedades do coração que contribuem de maneira exagerada. É como um inimigo na guerra, cuja força e poder não se encontram apenas em seus números e força de homens ou braços, mas também nos fortes inconquistáveis que ele possui. E tal é o coração desse inimigo de Deus e de nossas almas; como aparecerá a partir das suas propriedades, das quais uma ou duas devem ser mencionadas.
1. É insondável: Jeremias 17: 9, 10, "Quem pode conhecer o coração?", O Senhor busca isso. O coração do homem é permeável apenas a Deus; portanto, ele toma a honra de procurar o coração por ser tão peculiar para si mesmo, e declarando que ele é Deus, como qualquer outro atributo glorioso de sua natureza. Não conhecemos os corações uns dos outros; nós não conhecemos nossos próprios corações como deveríamos. Muitos não conhecem seus corações quanto à sua disposição geral, seja boa ou ruim, sincera e sadia, ou corrupta e doentia; mas ninguém conhece todas as intrigas secretas, os enrolamentos e as viradas, as atuações e aversões de seu próprio coração. Tem alguma medida perfeita de sua própria luz e escuridão? Alguém pode saber o que age com a escolha ou aversão que sua vontade produzirá, com a proposta dessa infinita variedade de objetos com os quais deve se exercitar? Alguém pode percorrer a diversidade de suas aflições? As pontas secretas de atuação e recusa na alma estão diante dos olhos de qualquer homem? Alguém sabe quais serão os movimentos da mente ou da vontade em tais e tais conjunções de coisas, como objetos adequados, tal pretensão de raciocínios, tal aparência de coisas desejáveis? Tudo no céu e na terra, exceto o Deus infinito, que tudo vê, é totalmente ignorante dessas coisas. Neste coração insondável habita a lei do pecado; e grande parte da sua segurança e, consequentemente, da sua força, reside nisso, que é passado à nossa descoberta. Lutamos com um inimigo cuja força secreta não podemos descobrir, a quem não podemos sondar suas apostasias. Por isso, muitas vezes, quando estamos prontos a pensar que o pecado está bastante arruinado, depois de um tempo descobrimos que estava mais fora da vista. Ele se esconde e se retira em um coração insondável, onde não podemos persegui-lo. A alma pode persuadir-se que tudo está bem, quando o pecado pode estar seguro na escuridão oculta da mente, na qual é impossível que ele enxergue; pois tudo o que torna manifesto é superficial. Pode supor que a vontade de pecar é completamente retirada, quando ainda há uma reserva insondável para um objeto mais adequado, uma tentação mais vigorosa, do que atualmente está sendo apresentada. Um homem teve uma vitória sobre qualquer luxúria? Quando ele achou que tinha sido totalmente expulsa, ele descobriu que estava apenas fora da vista. Pode estar tão perto na escuridão da mente, na indisposição da vontade, na desordem e na carnalidade das afeições, que nenhum olho pode descobrir. O melhor de nossa sabedoria é apenas vigiar suas primeiras aparências, pegar suas primeiras forças e movimentos subterrâneos e nos colocar em oposição a eles; para segui-los nos cantos secretos do coração, o que não podemos fazer. É verdade, ainda há um alívio neste caso, a saber, que aquele a quem a obra de destruir a lei do pecado e o corpo da morte em nós é principalmente comprometida, ou seja, o Espírito Santo, vem com seu machado à raiz; nem há coisa em um coração insondável que não esteja "nua e aberta para ele", Hebreus 4:13; mas nós, em uma maneira de dever, podemos, portanto, ver o inimigo que nós temos que enfrentar.
2. Como é insondável, por isso é enganoso, como no lugar acima mencionado: "É enganoso acima de todas as coisas", - incomparavelmente. Há grande engano nas relações dos homens no mundo; grande engano em seus conselhos e instrumentos em relação aos seus assuntos, privados e públicos; grande engano em suas palavras e atuações: o mundo está cheio de engano e fraude. Mas tudo isso não é nada para o engano que está no coração do homem para si mesmo; pois esse é o significado da expressão neste lugar, e não para os outros. Agora, o engano incomparável, acrescentado à insensibilidade, dá uma grande adição e aumento de força à lei do pecado, por conta de seu assento e assunto. Não falo ainda sobre o engano do próprio pecado, mas o engano do coração onde está sentado. Provérbios 26:25: "Há sete abominações no coração;" isto é, não só muitos, mas um número completo absoluto, como sete denota. E são abominações que consistem em engano; então, o cuidado que precede insinua: "Não confie nele", pois é apenas um engano que deve nos fazer não confiar nesse grau e medida de que o objeto é capaz. Agora, esse engano do coração, pelo qual é extremamente favorecido em abrigar o pecado, reside principalmente nessas duas coisas: (1.) Que abunda em contradições, para que não seja encontrado e tratado de acordo com qualquer regra constante e modo de procedimento. Há alguns homens que têm muito disso, de sua constituição natural, ou de outras causas, em seu comportamento. Parecem estar constituídos por contradições; às vezes, são muito sábios em seus assuntos, às vezes muito tolos; muito abertos e muito reservados; muito superficiais e muito obstinados; e muito vingativos, tudo em uma altura notável. Isso geralmente é considerado um caráter ruim, e raramente é encontrado, senão quando decorre de alguma luxúria predominantemente notável. Mas, em geral, em relação ao bem ou ao mal moral, dever ou pecado, é assim com o coração de todo homem, com fogo flamejante e frio; fraco e ainda teimoso; obstinado e superficial. A condição inerente do coração está pronta para se contradizer a cada momento. Agora você pensaria que você tinha tudo isso em tal quadro, de qualquer maneira; é bem diferente: para que ninguém não saiba o que esperar dele. A ascensão disto é a desordem que é causada por todas as suas faculdades pelo pecado. Deus criou todos em perfeita harmonia e união. A mente e a razão estavam em perfeita sujeição e subordinação a Deus e à sua vontade; a resposta era adequada na escolha do bem, o descobrimento feito pela mente; as afeições seguiram constantemente e de forma uniforme o entendimento e a vontade. A sujeição da mente a Deus foi a fonte do movimento ordenado e harmonioso da alma e de todas as faculdades nela. Que sendo perturbada pelo pecado, o resto das faculdades se movem e são contrárias umas às outras. A vontade não escolhe o bem que a mente descobre; as afeições não se deleitam naquilo que a vontade escolherá; mas todos interferem, se cruzam e se rebelam uns contra os outros. Isto nós conseguimos por nossa queda de Deus. Por vezes, a vontade leva, e o julgamento a segue. Sim, comumente as afeições, que devem atender a todos, obtêm a soberania e atraem toda a alma cativa após elas. E, portanto, é, como eu disse, que o coração é composto de tantas contradições em suas atuações. Às vezes, a mente mantém sua soberania, e as afeições estão sujeitas e a vontade pronta para o seu dever. Isso coloca um bom rosto sobre as coisas. Imediatamente ocorre a rebelião das afeições ou a obstinação da vontade, e toda a cena é mudada. Isto, digo, torna o coração enganoso acima de todas as coisas: não concorda em si mesmo, não é constante para si mesmo, não tem ordem de que seja constante, não tem nenhuma conduta certa que seja estável; mas, se eu posso dizer, tem uma rotação em si mesmo, onde muitas vezes os pés conduzem e guiam o todo. (2) Seu engano está em suas promessas completas sobre a primeira aparição das coisas; e isso também decorre do mesmo princípio como o primeiro. Às vezes, as afeições são tocadas e forjadas; todo o coração aparece em um quadro justo; tudo promete estar bem. Dentro de um tempo a moldura inteira é alterada; a mente não foi afetada ou convertida; as afeições agiram um pouco suas partes e saíram, e todas as promessas justas do coração são partidas com elas. Agora, adicione esse engano à falta de visibilidade antes mencionada, e acharemos que, pelo menos, a dificuldade de lidar eficazmente com o pecado no seu lugar e o trono será extremamente aumentada. Um coração enganado e enganador, quem pode lidar com isso? - especialmente considerando que o coração emprega todos os seus enganos no serviço do pecado, contribui para o seu adiantamento. Toda a desordem que está no coração, todas as suas falsas promessas e aparências justas, promovem o interesse e as vantagens do pecado. Por isso, Deus adverte as pessoas a olhar para ele, para que seus próprios corações não os atrapalhem e os enganem. Quem pode mencionar as traições e enganos que estão no coração do homem? Não é por nada que o Espírito Santo o exprima assim: "É enganoso acima de todas as coisas", - incerto no que faz e falso no que promete. E, portanto, além disso, é, entre outras causas, que, na busca de nossa guerra contra o pecado, não temos apenas o antigo trabalho para ir mais e mais, mas um novo trabalho ainda enquanto vivemos neste mundo, ainda novos estratagemas e habilidades para lidar com isso; como a maneira será onde a incompetência e o engano devem ser enfrentados. Existem muitas outras propriedades deste assento e sujeito da lei do pecado, que podem ser insistidas no mesmo fim e propósito, mas isso também nos desviaria do nosso desígnio particular e, portanto, vou passar isso com algumas poucas considerações: Primeiro, nunca pensemos que nosso trabalho em lutar contra o pecado, em crucificar, mortificar e subjugá-lo, está no fim. O lugar de sua habitação é insondável; e quando podemos pensar que ganhamos completamente o campo, ainda resta uma reserva que não vimos, que não conhecíamos. Muitos conquistadores foram arruinados por seu descuido após uma vitória, e muitos foram espiritualmente feridos após grandes sucessos contra esse inimigo. Com Davi foi assim; sua grande surpresa no pecado foi após uma longa profissão, múltiplas experiências de Deus, e vigilância guardando-se da sua iniquidade. E, portanto, em parte, aconteceu que a profissão de muitos declinou em sua idade avançada ou tempo amargo; do que mais precisamente deve ser falado depois. Eles deram sobre o trabalho de mortificar o pecado antes que seu trabalho estivesse no fim. Não há como buscar o pecado em sua habitação insondável, mas por ser infinito em nossa busca. E esse comando do apóstolo que temos, Colossenses 3: 5, é tão necessário para ser observado por aqueles que estão no fim da sua carreira, como por aqueles que estão apenas no início: "Mortifique, portanto, seus membros que estão sobre a terra.” Esteja sempre fazendo isso enquanto você mora neste mundo. É verdade, grande terreno é obtido quando o trabalho é vigoroso e continuamente realizado; o pecado está muito enfraquecido, de modo que a alma pressiona à frente para a perfeição; mas, no entanto, o trabalho deve ser infinito; quero dizer, enquanto estivermos neste mundo, nunca é terminado. Se cedemos, veremos rapidamente que esse inimigo age com nova força e vigor. Pode estar sob uma grande aflição, pode estar em algum gozo eminente de Deus, no sentido da doçura da bendita comunhão com Cristo, estamos prontos para dizer que houve um fim de pecado, que estava morto e desaparecido para sempre; mas não encontramos o contrário pela experiência? Não demonstrou que só foi retirado para alguns recessos insondáveis do coração, quanto ao seu ser e à natureza, embora possa estar muito enfraquecido em seu poder? Deixe-nos, então, considerar que não há como fazer o nosso trabalho, senão sempre fazendo isso; e aquele que morre lutando nesta guerra morre com certeza um vencedor. Em segundo lugar, tem sua residência naquilo que é variado, inconstante, enganador acima de tudo? Isso exige uma vigilância perpétua contra isso. Um inimigo aberto, que trata apenas de violência, sempre dá um pouco de descanso. Você sabe onde o encontrar e o que ele está fazendo, de modo que às vezes você pode dormir calmamente sem medo. Mas contra adversários que lidam com engano e traição (que usam longas espadas, e alcançam a maior distância) nada dará segurança, senão uma vigilância perpétua. É impossível, neste caso, ser muito zeloso, duvidoso, suspeito ou atento. O coração tem milhares de artimanhas e enganos; e se estamos menos empenhados na nossa vigilância, talvez possamos nos surpreender. Daí são os comandos reiterados e os cuidados feitos para vigiar, por serem circunspectos, diligentes, cuidadosos e similares. Não há vida para aqueles que têm que lidar com um inimigo enganoso acima de todas as coisas, a menos que persistam em tal quadro. Todas as precauções que são dadas neste caso são necessárias, especialmente isto: "Lembre-se de não acreditar no coração". O coração promete de modo justo? - Não descanse sobre isso, mas diga ao Senhor Jesus Cristo: "Senhor, você se compromete comigo". O sol brilha bem pela manhã? - não considere, portanto, um dia justo; as nuvens podem surgir e cair. Embora a manhã dê uma aparência justa de serenidade e paz, podem surgir condições turbulentas e nublarem a alma com o pecado e a escuridão. Em seguida, encomende todo o assunto com todo o cuidado e diligência Àquele que pode pesquisar o coração ao máximo e sabe como prevenir todas as suas traições e enganos. Nos incêndios antes mencionados é nosso dever, mas aqui reside nossa segurança. Não há um canto traidor em nossos corações, mas ele pode procurá-lo ao máximo; não há engano neles, mas ele pode decepcioná-lo. Este curso que Davi toma, Salmo 139. Depois de ter estabelecido a onipresença de Deus e sua onisciência, versículos 1-10, ele melhora: o versículo 23, "Sonda-me, ó Deus, e prova-me". É como se ele tivesse dito: "É apenas um pouco que eu conheço do meu coração enganador, só que eu desejo ser sincero, e eu não devo ter reservas para o pecado mantido nele. Por isso, você está presente com meu coração, e bem conhece os meus pensamentos há muito tempo, empreendendo este trabalho, realizando-o minuciosamente, pois só o Senhor pode fazê-lo."



Este texto é administrado por: Silvio Dutra
Número de vezes que este texto foi lido: 290


Outros títulos do mesmo autor

Artigos Hebreus 3 - Versos 1 e 2 – P4 John Owen
Artigos Hebreus 3 - Versos 1 e 2 – P3 John Owen
Artigos Hebreus 3 - Versos 1 e 2 – P2 John Owen
Artigos Hebreus 3 - Versos 1 e 2 – P1 John Owen
Artigos Santificação, um Trabalho Progressivo – Parte 2 John Owen
Artigos Santificação, um Trabalho Progressivo – Parte 1 John Owen
Artigos Hebreus 2 - Versos 5 a 9 – P3 John Owen
Artigos Hebreus 2 - Versos 5 a 9 – P2 John Owen
Artigos Hebreus 2 - Versos 5 a 9 – P1 John Owen
Artigos Hebreus 2 - Versos 2 a 4 – P4 John Owen

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 105.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2018
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 184869 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 160014 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 159769 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 130087 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 112941 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 75133 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 69313 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 63346 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 59514 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 55122 Visitas

Páginas: Próxima Última