Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
TELEVISÃO
Tânia Du Bois


     A sombra chega, entra nas casas e nos enlouquece com suas arquiteturas oscilantes; regride com os interesses pessoais e entre as fendas rouba-nos o sorriso e o tempo. Quanto mais brilho na tela, mais perdidos estão nossos sentidos. Leila Mícollis revela, “Quando por fim dei trela / e disse:- use e abuse -.../ preferiste ver novelas...” E, Nilto Maciel comenta, “O povo gosta mesmo é de ação e intriga. Em razão disso, se dá a grande audiência das novelas de televisão”.
     Uma voz do outro lado da tela pergunta: quem está me assistindo? O que resta de nós na ameaça é o delírio causado pela transmissão do veneno com que a televisão mostra peripécias de figuras enraizadas no imaginário coletivo, onde pessoas se abalam, porque tem a opção de não ligar o aparelho, mas ligam sempre e sempre, substituindo o diálogo e a leitura. Para Mario Quintana, “Se cada um de vós, ó vós outros da televisão / abrisse um livro de poemas.../ Faria uma verdadeira viagem...”
      É lamentável pessoas trocarem a leitura por horas diante da televisão, fica prejudicada a criatividade e desencadeia comportamentos sem ressonância do ponto de vista pessoal. Sim, a TV é competição constante a distorcer o reflexo da alegria e da tristeza; o branco e o preto; o bom e o ruim; o pobre e o rico; impõe suas verdades como realidade, em (in)diferentes personalidades ao passar a cultuar “looks” que se misturam em inconciliáveis normas da vida. Mario Quintana expressa, “Porque prender a vida em conceitos e normas? / O Belo e o Feio... O Bom e o Mau...Dor e Prazer / Tudo afinal são formas / E não degraus do Ser!”
     A televisão invade fronteiras entre idades e faixas etárias nas programações do que apresenta. Escancara sobre o sexo e a sexualidade. Fala de “transas” sem compromisso com o tamanho do “estrago” causado no telespectador. Faz do amor um ato leviano e passageiro. Reinventa a idade ao desfilar versões simbólicas do homem e da mulher “moderna” - que não “teria” medo de ser feliz - para o delírio (no sentido literal) dos telespectadores, pois, no cotidiano tudo é pesado, pensado e estruturado para chegarmos ao objetivo tanto emocional, quanto profissional. Nas palavras de Júlio Perez, “... Às vezes / fico paralisado / na tentativa... /são tantas vozes! / Serão fantasmas? / Serão duendes? / Serão anjos ou / demônios? / Me ajudarão na inspiração? / Me aproximarão da vida?/- ou dela/ me afastarão?//...”
     O que me causa preocupação, além das já referidas, é que os telespectadores são considerados apenas consumidores em potencial; as programações atendem sempre a interesses comerciais e político-sociais. Tal influência na sociedade revela o baixo “nível” de conhecimento, não sendo capaz de reconhecer que há atitudes desequilibradas demonstradas através da agressividade fantasiosa em sua plenitude, quando opiniões e visões expostas não coincidem com a realidade. Márcio Almeida na crônica Televisão e Violência diz, “...os programas alimentam uma forma paranoica de relação com a realidade social que os circunda...”
     A programação televisiva apresenta uma realidade irreconhecível, com o que pretende redesenhar e reconstituir a nossa vida. É “furacão” de única mão, fazendo barulho e destruindo nossos dias no revelar cantos de persuasão trazidos pela velha e sinistra máscara dos “poderosos e conquistadores do vento e do tempo”. Alexei Bueno questiona “Que guardaremos disso tudo? A guerra / Inconcebível entre o horror e o encanto, / Ou o ancestral silêncio, ou o ágil canto / Que o tem por tema?”
     A televisão resiste ao tempo sem espelhar a memória do que presenciamos de verdade. É reflexo vazio de vestígios indomáveis das paisagens sombrias: aqui é doce, na TV é amargo e, do que é verdadeiro, na TV é falso. Assim, ela continuadamente envolve o telespectador e suga a sua vida em função das metas ideológico-comerciais. Papel que interessa a quem? Júlio Perez retrata, “Um homem se despe de suas roupas / Um homem se despe do seu orgulho / Um homem se despe da vaidade // ...Um homem se despe do seu corpo / Um homem veste sua alma. //... Um homem se despe da sua vida / e a vida... uma mentira”. Mario Quintana alerta, “É o que dá ver tanta televisão. Simples – esquecemos de tentar ser felizes de uma forma mais realista...”


Biografia:
Pedagoga. Articulista e cronista. Textos publicados em sites e blogs.Participante e colaboradora do Projeto Passo Fundo. Autora dos livros: Amantes nas Entrelinhas, O Exercício das Vozes, Autópsia do Invisível, Comércio de Ilusões, O Eco dos Objetos - cabides da memória , Arte em Movimento e Vidas Desamarradas.
Número de vezes que este texto foi lido: 342


Outros títulos do mesmo autor

Artigos A CARTA Tânia Du Bois
Artigos NATAL: tempo dos desejos Tânia Du Bois
Artigos Tantas PERGUNTAS para meia RESPOSTA Tânia Du Bois
Artigos NO RITMO, EM TEMPO Tânia Du Bois
Artigos ESTANTE Tânia Du Bois
Artigos QUANTO TEMPO CONSEGUIMOS FICAR SEM O CELULAR? Tânia Du Bois
Artigos RISCAR O VIDRO DA JANELA Tânia Du Bois
Artigos TELEVISÃO Tânia Du Bois
Artigos “VOZES da NATUREZA” Tânia Du Bois
Artigos QUAL É O NOSSO LIMITE? Tânia Du Bois

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 304.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2018
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 183186 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 152120 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 151516 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 128629 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 67647 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 66369 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 59780 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 59681 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 57843 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 53798 Visitas

Páginas: Próxima Última