Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Próxima conquista: CONVERSAR
Tânia Du Bois


     Conversar é, sem dúvida, um exercício sem rótulos e com liberdade no sentido amplo da palavra. É falar sobre coisas que fazem parte do universo de alguém que recria o mundo ao suprir a “necessidade” de determinado tipo de expressão. Neste sentido, exige investimento de tempo e atenção; e o tempo é sempre o dono da possível dinâmica da conversação.
     A conversa tem por característica a forma simples de expressar a opinião sobre determinado assunto, desde que a verdade esteja exposta junto com o conhecimento. Leandro Gomes de Barros diz, “Se eu conversasse com Deus / Iria lhe perguntar: /... Quem foi temperar o choro / E acabou salgando o pranto?”
     Observo que as pessoas reclamam não ter mais tempo para conversar. As famílias não conseguem mais se encontrar nas refeições, onde havia diálogo para saber como foi o dia de cada um; as novidades, dúvidas e o apoio entre as partes. Vamos combinar: que saudades dos encontros acolhedores, até dos discursos vazios e das discussões sobre determinado assunto. Além de divertido, na maioria das vezes, podíamos mascarar o nervosismo e até a tensão, como em Carlos Drummond de Andrade, “... Há sempre / uma família na conversa //... A conversa o restaura e faz eterno”.
     Nos dias de hoje é impossível abraçar tudo; na verdade, é difícil conciliar profissão com família, porque vivemos no “drama” do que chamo “tempo”. A flexibilidade dos horários nem sempre é uma opção, por que não escolhemos onde e como a podemos encaixar na rotina o quanto e quando queremos ou podemos conversar com os amigos.
     A conversa descortina corações, como mostram os poetas: Filomena, em Conversa com Deus; Welson Santos, em Conversa entre o amor e a amizade; Sidónio Muralha, em Conversa de Tatus; Zé Laurentino, em Conversa de Passageiro e Basilina Pereira, em Conversa com o Mar.
     Sonhamos com a liberdade que até esquecemos como evitar as armadilhas, como por exemplo, quando é para conversar, ficamos calados; quando é para ouvir, conversamos. Isso ocorre em palestras, teatro, cinema e saraus poéticos. É intrigante, pois são momentos únicos e o tanto de conversas paralelas é assustador, parecendo Conversa de Hospício, “Conversemos então, mas sobre o quê? / O não e o nada, puxa vida! / Nada mais simples de dizer, do que sim por eles; / Contudo; / Sem mais para dizer, afirmo...” ou Conversa sem Fim, de Silvania Amaral, “... Meu lugar não sei onde fica / Onde estou? / Somente a certeza que não é aí. // Conversa sem meio / Nem fim / Arco-íris sem cor...”.
     O essencial é preservar o momento em que a vontade causa sensação diferente, como quando a criança quer falar e o adulto não a escuta, então ela em dose extra de necessidade, grita: quero falar! HSerpa reflete, “Sem televisão / chama para uma conversa / Acende a nossa chama / Sem nos cegar...”. Particularmente no mundo cuja rotina exige tempo, que muitas vezes, perdemos em deslocamentos, é vital “multiplicar as horas” para mantermos o diálogo, como em Cláudia Liz, “Vem tomar um café comigo? / Nessa tarde ensolarada / Pra podermos conversar / Relembrar a adolescência / Nossos contos aventuras / Que faz bem ao coração...”.
     Preservar momentos para conversar é importante, já que os interesses e os desejos do outro são fundamentais para vivermos em sociedade e, juntos, definirmos o rumo na vida. O diálogo entre amigos flui e colore a vida, onde as histórias e os resultados são apreciados por todos e, assim, esquecemos a ideia de que é preciso passar horas olhando através da vidraça; T.S.Eliot em Conversa Galante divaga conversando com a Lua.
     Somos responsáveis pela condução da conversa e, muitas vezes, expressamos termos, tempos e palavras erradas, deslocadas do contexto, dificultando o poder de dialogar e de entender o rumo da conversação.
     Conversar é dialogar ao entender o seu objetivo; o rumo que ela segue deve prender a nossa atenção. Mas, é necessário se policiar no que iremos dizer, pois a palavra - (mal)dita - que fere, também pode unir e transformar a vida das pessoas.
     Quantas vezes, numa discussão, alguém chega perto e diz: “calma, é conversando que a gente se entende” e, como dizem os poetas, “um relacionamento feliz é uma conversa longa que sempre parece curta demais”. Quantas vezes, depois do encontro, na despedida, ouvimos, “a gente vai conversando”.
     Então, questiono: quantos tipos de conversa encontramos pelo caminho? Conversa afinada, afiada, fiada, rimada, pessoal, sentimental, temperada, virtual, banal, de bar e tantas outras; para Zaymond Zarondy, “A poesia é uma forma de conversar com o mundo e com as pessoas. // Vamos conversar então?”
     Conversar é arte ou manifestação filosófica? Se através do diálogo podemos dar e receber atenção dos amigos com argumento para desenvolver ou esclarecer um assunto; por razões diferentes, as pessoas procuram a felicidade ao conversar com alguém para fugir da solidão e do estresse, como refletido no livro Prá início de Conversa, poesias de Zaymond Zarondy.
     Conversar é a conquista que estimula a alcançar o desejado e que faz nos sentirmos especialmente bem, ao desfrutarmos da companhia e das coisas simples, como lidar com a opinião oposta.
     


Biografia:
Pedagoga. Articulista e cronista. Textos publicados em sites e blogs.Participante e colaboradora do Projeto Passo Fundo. Autora dos livros: Amantes nas Entrelinhas, O Exercício das Vozes, Autópsia do Invisível, Comércio de Ilusões, O Eco dos Objetos - cabides da memória , Arte em Movimento e Vidas Desamarradas.
Número de vezes que este texto foi lido: 337


Outros títulos do mesmo autor

Artigos Tantas PERGUNTAS para meia RESPOSTA Tânia Du Bois
Artigos NO RITMO, EM TEMPO Tânia Du Bois
Artigos ESTANTE Tânia Du Bois
Artigos QUANTO TEMPO CONSEGUIMOS FICAR SEM O CELULAR? Tânia Du Bois
Artigos RISCAR O VIDRO DA JANELA Tânia Du Bois
Artigos TELEVISÃO Tânia Du Bois
Artigos “VOZES da NATUREZA” Tânia Du Bois
Artigos QUAL É O NOSSO LIMITE? Tânia Du Bois
Artigos RODA VIVA Tânia Du Bois
Artigos Próxima conquista: CONVERSAR Tânia Du Bois

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 302.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2017
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 182791 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 148876 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 148265 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 128315 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 67371 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 64725 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 58797 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 58607 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 57529 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 53530 Visitas

Páginas: Próxima Última