Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Pregação Experimental
A. W. Pink


A. W. Pink (1886-1952)
Traduzido, Adaptado e
Editado por Silvio Dutra

Este assunto é de grande importância prática e valor, embora tristemente negligenciado pelo púlpito moderno. Por "pregação experimental" queremos nos referir à pregação que analisa, diagnostica, descreve a experiência estranha e muitas vezes desconcertante do cristão. Como já salientamos antes, existe uma verdadeira distinção entre a experiência cristã e a experiência do cristão. A verdadeira experiência cristã consiste em um conhecimento de Cristo, comunhão com ele, conformidade com ele. Mas a experiência de um cristão surge do conflito das duas naturezas em seu interior que são radicalmente diferentes em seu caráter, tendência e produtos. Em consequência desse conflito, há uma guerra incessante acontecendo dentro dele, emitindo uma série de derrotas e vitórias, vitórias e derrotas. Estes, por sua vez, produzem alegria e tristeza, dúvidas e confiança, medos e paz; até muitas vezes ele não sabe o que pensar ou como se colocar.
Agora é uma parte importante e fundamental do ofício do ministro de Deus, traçar o funcionamento do pecado e as atuações da graça no coração do crente; para traduzir a luz das Escrituras sobre a misteriosa anomalia do que ocorre diariamente na alma do cristão; para permitir que ele determine o quão longe ele está crescendo na graça ou está retrocedendo do Senhor. É seu negócio tirar as pedras de tropeço do caminho dos viajantes de Sião, para explicar-lhes "o mistério do Evangelho", definir os fundamentos da verdadeira segurança e minar uma confiança carnal. É uma parte essencial da sua tarefa como pregador, traçar a obra do Espírito no regenerado e mostrar que Ele é um Espírito de "julgamento", bem como consolo, um Espírito de "queima" (Isaías 4: 4) ), bem como de edificação, e que ele fere e cura.
A alma humana possui três faculdades principais: o entendimento, as afeições e a vontade; e a Palavra de Deus é dirigida a cada uma delas. Consequentemente, a pregação da Palavra vem sob esta tripla classificação geral: pregação doutrinária, experimental e exortatória.
A pregação doutrinária expõe as grandes verdades e os fatos que constituem a substância da Sagrada Escritura e tem como principal objetivo a instrução do ouvinte, o esclarecimento de sua mente.
A pregação experimental diz respeito à aplicação real da salvação ao indivíduo e traça as operações do Espírito na sua realização, tendo como objeto principal a agitação das afeições.
A pregação exortatória trata dos requisitos de Deus e das obrigações do ouvinte, retoma as exortações e advertências da Escritura, os chamados à execução do dever e é dirigida principalmente à vontade.
É somente por estes três ofícios fundamentais do ministro são adequadamente e sabiamente combinados, que o púlpito tem desempenhado suas funções adequadas.
A pregação doutrinária trata do caráter de Deus, proclama seus atributos, exalta as suas perfeições. Trata-se da natureza do homem, da sua responsabilidade perante Deus, da obrigação de o servir e glorificá-lo. Ela exalta a Lei, e pressiona sua exigência de que amamos o Senhor Deus com todo o coração e nosso próximo como a nós mesmos. Preocupa-se em mostrar o que é pecado, sua enormidade, seu funcionamento, suas consequências. Delineia a maravilhosa salvação de Deus e mostra a graça a partir da qual ela brota, a sabedoria que a inventou, a santidade que a exigiu, o amor que a assegurou. Ela descreve o que é a Igreja, tanto universalmente como localmente. Explica as ordenanças - seu significado, seu propósito, seu valor.
A pregação experimental trata da experiência real daqueles sobre quem Deus trabalha. Começa com sua propriedade natural, como aqueles que foram moldados na iniquidade e concebidos no pecado. Ela mostra que como criaturas caídas, somos escravos do pecado e servos de Satanás. Ela descreve o engano e a iniquidade desesperada do coração, seu orgulho e autojustiça. Trata da impotência espiritual do homem, e a hipocrisia e a inutilidade de fazer desta um motivo de autopiedade e uma desculpa para a preguiça. Delineia a operação do Espírito quando Ele convence do pecado, e os efeitos que isso produz. Ela leva a exercícios do coração de uma alma despertada, e procura conselhos, admoestação e conforto.
A pregação exortatória está preocupada com as reivindicações de Deus sobre nós, e como devemos nos esforçar para buscá-Lo. Nos pede para nos lembrarmos do Criador nos dias da nossa juventude e afirma que nosso principal fim é glorificá-Lo. Ela nos pede que derrubemos as armas de nossa guerra contra Ele, e busquemos a reconciliação com Ele. Ela nos convida a nos arrependermos de nossos pecados, abandonarmos nossos caminhos perversos e processarmos a misericórdia através de Cristo. Enfatiza os vários motivos para a obediência. Ela descreve a vida que o cristão é obrigado a viver, e exorta-o a negar-se, a pegar sua cruz e a seguir a Cristo. Em resumo, ela impõe as exigências justas do Senhor, e exige uma conformidade com elas.
Agora está em uma combinação devida dessas três linhas distintas de pregação, que os melhores resultados são susceptíveis de ocorrerem. É necessário ter cuidado para que o saldo seja devidamente mantido.
Se houver uma habitação desproporcional em qualquer uma dessas, as almas provavelmente serão prejudicadas, em vez de ajudar. Precisa haver variedade em nosso alimento mental e espiritual, tanto quanto existe em nosso material, e Aquele, que amavelmente forneceu esse último na Natureza, providenciou com graça o primeiro em Sua Palavra. Se uma pessoa comesse nada além de carne, seu sistema logo seria obstruído; se ele se limitasse a doces, seu estômago ficaria rapidamente agredido. É assim espiritualmente. Um excesso de pregação doutrinária produz cabeças inchadas; muito da experimental induz à morbidez; e nada além de problemas de legalismo.
Infelizmente, uma das características mais lamentáveis da cristandade é o desequilíbrio do ministério atual. Onde a Lei é fielmente exposta, o Evangelho é conspícuo por sua ausência; e onde o Evangelho é livremente proclamado, a Lei é estritamente excluída.
Mesmo quando uma doutrina mais ou menos equilibrada é mantida, há muito pouca pregação experimental, sim, geralmente é denunciado como prejudicial, como para fomentar dúvidas, como para nos ocuparmos de nós mesmos em vez de Cristo. Naqueles lugares onde a pregação experimental realmente útil deve ser ouvida, a nota exortatória nunca é levantada - as promessas são citadas livremente - mas os preceitos são arquivados, ao exortar o não regenerado a se arrepender e acreditar em Cristo é denunciado como inculcando a capacidade da criatura e como insultante para o Espírito Santo. Em outros lugares, pode-se ouvir pouco ou nada, exceto os nossos deveres - tornar-se trabalhadores pessoais, dar às missões etc. - que é como chicotear um cavalo que não teve comida.
Mas das três é a pregação experimental, que tem o menor lugar em nossos dias. Tanto assim é o caso, que muitas das pessoas pobres de Deus e não poucos pregadores, nunca ouviram a expressão. No entanto, isso não se pode imaginar, pois a pregação experimental é, de longe, a mais difícil das três. Uma pequena leitura e estudo é tudo o que é necessário para equipar alguém naturalmente (não dizemos espiritualmente) para preparar um sermão doutrinário, enquanto um novato, um "jovem convertido", é considerado capaz de ficar em uma esquina e exortar a todos e diversos para receber Cristo como seu Salvador pessoal. Mas uma experiência pessoal da Verdade é indispensável antes que se possa pregar com facilidade ao longo de linhas experimentais - tais sermões devem ser aplicados na bigorna do próprio coração do pregador. Um homem não regenerado pode pregar mais ortodoxamente sobre a doutrina - mas ele não pode descrever as operações do Espírito no coração para qualquer bom propósito.
Embora a pregação experimental seja a tarefa mais difícil que o pregador tem que desempenhar, no entanto, é necessário que ele a atenda, e quando a benção de Deus repousa sobre isso, são benéficos seus efeitos. É calculado para expor os professantes vazios - tanto para eles como para os outros - mais eficazmente do que qualquer outro tipo de sermão, pois mostra que a salvação de uma alma é muito mais do que uma "decisão" súbita da minha parte ou que acredito que Cristo morreu no meu lugar; pois é uma obra sobrenatural do Espírito no coração. Tal pregação é susceptível de abrir os olhos de almas sinceras, mas enganadas, pois, como lhes é mostrado o que é a obra do Espírito e os efeitos que ela produz, descobrirão que um milagre de graça foi forjado nelas. Enquanto nada é tão propício para estabelecer crentes tementes, acima de tudo, honra o próprio Espírito.
Destacamos agora, em que linhas a pregação experimental deve prosseguir, para ser mais útil para os santos. Primeiro e principalmente, seu negócio é mostrar que a "Salvação" consiste na sua aplicação real ao indivíduo. A pregação doutrinária estabelece os alicerces disso por uma exposição da grande verdade da eleição (o que dá a conhecer o fato abençoado de que Deus escolheu um povo para a salvação - 2 Tes 2:13) e, abrindo o assunto da Expiação, mostra como Cristo satisfaz plenamente todas as exigências da justiça divina sobre os eleitos, e assim a compra da redenção para eles. A pregação doutrinal é o meio que o Espírito usa na iluminação, convicção e conversão dos eleitos, e o valor prático da pregação experimental é que ela permite que os ouvintes preocupados e atentos verifiquem qual etapa foi alcançada no trabalho do Espírito neles.
Ao assumir a aplicação do Espírito na salvação que o Pai ordenou e o Filho assegurou, o pregador mostra primeiro como a alma está preparada para recebê-la. Por natureza, seu coração é tão duro e não responde à Verdade como a "rodovia" é para a recepção do trigo - então tem que haver uma aração preliminar e arrasadora, uma ruptura e reviravolta do solo de sua alma antes da Palavra obter entrada e se enraizar nela.
A pregação experimental, então, mostrará qual dos seus ouvintes ainda é representado com precisão pelo terreno do "caminho", ou seja, aqueles cujos corações são completamente antagônicos às reivindicações de Deus sobre eles, aqueles que não se preocupam com seus interesses eternos, aqueles que desejam ser deixados sozinhos e sem perturbações em seus prazeres e interesses mundanos. O pregador então pressionará sobre eles o estado lamentável em que estão, a terribilidade de sua condição, que eles estão mortos em relação a Deus, sem qualquer interesse real em coisas espirituais.
À medida que o pregador desenvolve e segue a linha de pensamento acima, aqueles que foram vivificados e despertados pelo Espírito de Deus serão mais capazes de se decidirem.
Enquanto eles se medem pela mensagem, como eles aplicam a si mesmos o que o ministro está dizendo (o que o ouvinte deve sempre fazer se quiser "entender como você ouve" - Lucas 8:18), ele perceberá que a soberana graça de Deus já não é mais com ele - como era antes. Ele lembrará o tempo em que ele também se sentou sob a pregação da Palavra com indiferença estóica, quando era algo sem sentido para ele, um cansaço para se ouvir. Ele lembrará que ele raramente deu mais do que um pensamento passageiro sobre onde ele passaria a eternidade. Mas agora é o contrário. Ele não está mais despreocupado - mas está realmente ansioso para ser salvo. O pregador ressaltará que este é um sinal esperançoso - mas deve pressionar o fato de que não é um descanso, que é o auge da loucura e do mais perigoso, se contentar com qualquer coisa que seja aquém da certeza total da fé.
Ainda; o pregador mostrará que a grande obra do Espírito na preparação do coração para uma recepção salvadora do Evangelho consiste em revelar ao indivíduo a sua extrema necessidade de Cristo, e isso é feito por Ele, fazendo-o ver e sentir que é como vil Pecador ele está à vista de Deus. Um cinturão salva vida recebe pouca atenção daqueles que estão seguros em terra seca - mas deixe um homem se afogar na água e ele apreende ansiosamente a apreciar profundamente um. Aqueles que são sãos não precisam de um médico; mas quando estão desesperadamente doentes - ele é bem-vindo. Assim sucede espiritualmente. Deixe um homem inconsciente de sua lepra moral, despreocupado de como ele aparece aos olhos do Santo, e a salvação é pouco considerada por ele. Mas que ele seja condenado por sua rebelião ao longo da vida contra Deus, que ele descubra que não há "solidez" nele, que ele perceba que a ira de Deus permanece nele - e ele está pronto para dar ao Evangelho uma audiência sincera.
Agora, o grande instrumento ou meio usado pelo Espírito para levar as pessoas a verem sua condição arruinada e perdida é a Lei, pois "pela Lei vem o conhecimento do pecado" (Romanos 3:20).
Uma ilustração impressionante disso é encontrada em Neemias 8. Lá, lemos de Esdras ministrando aos que retornaram do cativeiro babilônico: "Esdras, o sacerdote, trouxe a lei perante a congregação, tanto de homens como de mulheres, e de todos os que podiam ouvir com entendimento, no primeiro dia do sétimo mês. E leu nela diante da praça que está fronteira à porta das águas, desde a alva até o meio-dia, na presença dos homens e das mulheres, e dos que podiam entender; e os ouvidos de todo o povo estavam atentos ao livro da lei." (vv 2, 3). Ele, por sua vez, foi ajudado por outros, que "instruíram as pessoas na Lei enquanto as pessoas estavam lá. Leram o Livro da Lei de Deus, deixando claro e dando o significado para que as pessoas pudessem entender o que estava sendo lido "(vv. 7, 8). E qual foi o resultado? Isto, "todas as pessoas choraram quando ouviram as palavras da Lei" (v. 9). O Espírito aplicou-o aos seus corações com poder; eles foram condenados por sua má vontade e autoprazer, sua desobediência e desafio ao Senhor, e eles se arrependeram do mesmo e lamentaram diante dele.
Deus feriu antes que Ele curasse e abateu antes que Ele exaltasse. Quando o Espírito aplica a Lei ao coração de um pecador, seu autoprazer é quebrado e sua autojustiça recebe sua ferida mortal. Quando ele é levado a perceber a justiça dos requisitos da Lei, descobre que exige uma conformidade perfeita e perpétua com a vontade revelada de Deus no pensamento e na palavra e na ação - então ele percebe que "inumeráveis males o envolveram", suas iniquidades o agarraram "para que ele não possa procurar e reconhece que seus pecados são" mais numerosos do que os cabelos de sua cabeça" (Salmo 40:12). Tal experiência está além do mal-entendido – que aqueles que estão sujeitas à mesma não podem confundir. Por mais humilhante que seja doloroso, é muito necessário que o coração orgulhoso do homem seja humilhado e receptivo ao Evangelho da graça de Deus. Tal experiência evidencia que Deus não o abandonou a um coração que é "sentimento passado" (Efésios 4:19) - nisto não deve ficar descansado como se o objetivo tivesse sido alcançado.
Estar até agora, sem um estado de despertamento para ver o nosso perigo e estar preocupado com o nosso destino eterno sendo, por si só, algo para descansar com complacência, assegurando que tudo certamente terminará bem, é algo que está cheio de perigos. Satanás nunca é mais ativo do que quando descobre que as almas estão sendo despertadas, pois ele odeia perder seus cativos e redobra seus esforços para mantê-los. É então que ele se transforma como um anjo de luz e executa seu trabalho mais sutil e bem-sucedido. Há multidões, meu leitor, que foram sacudidas de sua indiferença, e tornaram-se diligentes na busca do caminho da salvação. Mas os falsos guias os enganaram, e eles foram enganados fatalmente - como Ezequiel 13:22 expressa, "Visto que entristecestes o coração do justo com falsidade, não o havendo eu entristecido, e fortalecestes as mãos do ímpio, para que não se desviasse do seu mau caminho, e vivesse." Em vez de poder retornar ao Senhor e encontrar o perdão (Isaías 55: 7).
O perdão não pode ser obtido até que possamos realmente cumprir os termos do Evangelho, e realmente fecharmos com Cristo à medida que Ele é apresentado. Parar em qualquer lugar disso, é para pôr em perigo grave a alma que vai dormir no "terreno encantado" do Diabo - para emprestar uma figura de Bunyan. É, portanto, o dever urgente do pregador soar o alarme aqui, e alertar as almas despertas sobre o perigo de aproveitar a facilidade, assumindo que tudo está bem. As virgens tolas "saíram ao encontro do Noivo", mas eles foram dormir, e quando acordaram, era tarde demais para obter o óleo necessário! É bom que o solo seja arado, mas esse é apenas o trabalho preliminar: as sementes devem ser semeadas e regadas, antes que possa haver qualquer fruto.
Isso nos leva ao próximo estágio ou ramo importante da pregação experimental - deixando claro aos interessados como pode ser determinado se a "raiz do assunto" está ou não neles; em outras palavras, se uma obra de graça realmente foi iniciada em suas almas. Este é um ponto de grande importância, pois diz respeito à diferença vital entre o trabalho geral e especial do Espírito - sobre o qual escrevemos um pouco quando expondo Hebreus 6: 4-6.
"Aquele que começou um bom trabalho em você - irá completá-lo" (Filipenses 1: 6). E como é uma alma exercitada para verificar se este "bom trabalho" realmente começou nela? Como ele deve distinguir entre o funcionamento natural da consciência e a convicção sobrenatural que o Espírito Santo produz? Como ele deve distinguir entre a religiosidade espasmódica da carne - que aparece de forma notável em muitos dos devotos de Maomé e os adoradores da Virgem Maria, e encontra sua contrapartida em milhares daqueles que estão sob a influência magnética de "Evangelistas" e "Reavivalistas" - e verdadeiras aspirações espirituais por Deus? Como ele deve distinguir entre uma reforma moral radical e uma regeneração divina - para alguns dos efeitos de uma que se assemelham à da outra? Como ele deve distinguir entre a obra geral do Espírito sobre os não eleitos (como o rei Saul e os descritos em Hebreus 6: 4, 5) e o trabalho especial do Espírito nos eleitos?
Tais questões como as acima podem nunca ter surgido na mente de alguns de nossos leitores, e agora que eles as viram criadas, podem considerá-las como "separação de cabelos" ou distinções teológicas de pouco interesse prático. Mas outros de nossos leitores são profundamente exercidos por tais considerações. Eles não se atrevem a dar por certo que tudo está bem com eles, até que estejam satisfeitos com a Palavra de Deus que um milagre de graça tenha sido forjado neles. Eles temem que Satanás possa enganá-los com suas mentiras, confortando-se com uma falsa segurança. À medida que procuram contemplar uma infinita eternidade até onde o tempo os conduz tão rapidamente, eles estão profundamente ansiosos para se certificar de onde estão ligados!
E, bem, tais inquéritos perturbam nossa serenidade e agitam nossas mentes, são de consequência vital, de grande importância, pois dizem respeito à diferença entre a vida e a morte, o Céu e o Inferno.
É um ramo essencial da pregação experimental, que deve lidar com questões tão importantes. É o dever vinculado do púlpito prestar ajuda a tais almas provadas. É o cargo do ministro assumir tais distinções e mostrar claramente em que a diferença reside. É o negócio do servo de Deus definir e descrever em que consiste o "bom trabalho" do Espírito e como ele pode ser identificado. Esse "bom trabalho" é apenas outro nome para o novo nascimento, que consiste na comunicação do Espírito ao coração de uma nova natureza, um princípio de graça e santidade. É a transmissão daquilo que é radicalmente diferente de tudo o que estava em nós por natureza. É algo que veio de Deus, é divino em sua natureza, e que instintivamente se transforma em Deus. É descobrível pelo fato de que agora existe na alma um prazer pelas coisas espirituais, que não havia anteriormente; um "sabor" que vai longe, muito mais profundo do que um simples interesse intelectual sendo despertado em um novo assunto. Ele se evidencia por uma fome de justiça, sede de santidade, suspiros pelo próprio Deus, anseios por Cristo.
Mas enquanto uma natureza inteiramente nova é transmitida na regeneração, a antiga não é removida, nem é melhorada ou refinada. A natureza antiga, a "carne", o pecado residente, permanece no cristão até o fim de sua vida terrena e é uma fonte constante de sofrimento para ele. Ela se opõe a todas as aspirações e esforços da nova natureza. É terrena, sensual, diabólica, e anseia apenas aquilo de que os suínos se alimentam. Nem o acabamento desse "bom trabalho" na alma afeta qualquer mudança para melhoria na carne, ou mesmo torná-la menos ativa.
Não, a continuação desse "bom trabalho" é a preservação de uma centelha de graça - num oceano de pecado, a manutenção da nova natureza em um coração que é desesperado e incuravelmente corrupto. Apesar de todo esforço da inimizade carnal para extinguir-se, o amor por Deus sobrevive, "fatigado mas ainda perseguindo" (Juízes 8: 4); e apesar de todos os trapos da incredulidade, a cabeça da fé é mantida acima das águas.
Assim como o bebê natural adere-se instintivamente à sua mãe e anseia por seu peito, então o bebê espiritual procura por Cristo e deseja o leite puro da Palavra. Essa é outra evidência do "bom trabalho" do Espírito na alma. A vivificação do Espírito é para capacitar o coração para Cristo, pois aquele que ainda está "morto em delitos e pecados" não tem desejos espirituais e nem habilidade espiritual. Mas uma vez que uma pessoa nasceu de novo, e verdadeiramente se sente condenada por sua condição arruinada e perdida, ele está espiritualmente preparado para receber o Evangelho. É neste momento que ele está pronto para ouvir como o Espírito trabalha para lhe revelar a Cristo, levando-o a acreditar nele, e assim colocando-o na Sua posse real. O Espírito faz com que a alma vivificada viva sobre a verdade do Evangelho em sua própria mente, e a leva a dar crédito total a ela, misture a fé com a mesma e obtenha alimentação espiritual dela.
À medida que a verdade do Evangelho é recebida no coração - em alguns casos rapidamente, em outros muito mais devagar - torna-se o meio de operar o crescimento em um conhecimento experimental e prático com Cristo, ser enraizado e fundamentado nele, e para viver nele. Quando Deus se agrada em resplandecer sobre as almas dos eleitos e fazer-lhes uma descoberta aberta de Sua obra de graça dentro deles, ou quando Cristo é o primeiro a viver como uma realidade preciosa para seus corações, há um despertar de suas afeições espirituais por ele.
Tudo parece ser vida e vigor em suas almas, as dificuldades desaparecem, as dúvidas são dissipadas, são levantadas acima de seus pecados e iniquidades, e se alegram em Cristo e louvam a Deus por Sua graça maravilhosa. Este é "o amor da sua esposa" (Jeremias 2: 2), a "alegria da salvação". No entanto, é muito raro que esta feliz estação seja de longa duração e, com sabedoria, Deus ordenou isso. Esse êxtase espiritual que muitas vezes é experimentado por almas recentemente convertidas seria, se durasse, incapazes de cumprir os deveres da vida neste mundo. Por exemplo, um envolvido no trabalho de escritório seria incapaz de se concentrar em seus livros, se sua mente estivesse amarrada com visões de glória. Havia apenas um Elim - com seu poço de água e palmeiras - para Israel no deserto. Deus concede a Seu povo um antegozo do Céu e suas realidades, e depois os leva à consciência de que ainda estão na Terra. Mesmo o apóstolo Paulo precisava de um espinho na carne, para que não ficasse exaltado acima da medida, depois de ter sido arrebatado ao Paraíso. É necessário balaustrada pesada, se o navio deve navegar de forma constante, e isso o crente obtém por dolorosas descobertas de suas corrupções.
É, portanto, o dever do pregador advertir fielmente o jovem convertido de que a paz, a alegria e a segurança que geralmente se seguem à primeira realização do perdão dos pecados, serão, por sua vez, sucedidas por tentações ferozes, conflitos internos, falhas tristes que produzirão tristeza, escuridão e dúvidas. Foi assim com Abraão, com Moisés, com Jó, com Pedro, com Paulo; sim, com todos os santos cujas biografias são gravadas em qualquer extensão nas Escrituras. São esperadas grandes mudanças nos sentimentos e condição do jovem convertido, para que seus confortos sejam atenuados, e o orvalho da morte pareça se conformar com suas graças. Uma compreensão mais profunda de sua horrível depravação - o que ele é por natureza - o fará gritar e clamar: "Ó homem miserável que eu sou! Quem me livrará do corpo desta morte?" (Romanos 7:24); no entanto, isso só abre caminho para um maior desmame do EGO.
Muitas vezes, ao jovem cristão é permitido por Deus afundar ainda mais baixo em sua experiência. Satanás é solto sobre ele e o pecado ataca ferozmente dentro dele, e muitas vezes ele obtém a vantagem sobre ele. A culpa pesa pesadamente sobre sua consciência, nenhum alívio é concedido de qualquer fonte, até que ele agora questiona seriamente a autenticidade de sua conversão e teme muito que Satanás o tenha enganado fatalmente. Ele sente que seu coração é tão duro quanto a pedra de moinho, que a fé nele está morta, que não há ajuda e nenhuma esperança para ele. Ele não pode imaginar que aquele que nasceu de novo e é habitado pelo Espírito Santo poderia ser tão escravizado pelo pecado. Se Deus fosse seu Pai, Ele certamente ouviria seus clamores e concederia a libertação de seus inimigos espirituais. Mas os céus são como de bronze sobre ele - até que o próprio suspiro de oração pareça estar congelado em seu coração.
Esperando contra a esperança, ele procura alívio do púlpito. Mas em vão. Os sermões que ele ouve apenas agravam seus problemas porque retratam a experiência do cristão como muito diferente da sua, lidam com o lado positivo e dizem pouco ou nada sobre o lado escuro. Se ele conversa com os cristãos professos do dia, é provável que eles se riam e lhe digam para deixar de preocupar-se e olhar apenas para Cristo - apoderar-se das promessas de Deus e seguir o caminho com alegria. É o que ele mais quer de todos os desejos, "estar presente" com ele ", mas como fazer o que é bom" ele "não sabe" (Romanos 7:18). Pobre alma! Não há quem entenda seu caso? Ninguém qualificado para ministrar conforto a você? Infelizmente, infelizmente, há poucos na verdade nesta época espumosa!
Aqui, novamente, a pregação experimental é urgentemente necessária, a pregação que entra nas próprias experiências descritas acima - experiências compartilhadas, em alguma medida, por todas as almas vivificadas enquanto estão nesse "Deserto de Pecado". A sabedoria do Alto (não dos livros!) é necessária se, por um lado, o "pavio fumegante" não for "apagado" e a "cana machucada" não for quebrada, por outro lado, o pecado não é esclarecido, as falhas não são desculpadas e o padrão de santidade não é abaixado. O púlpito deve declarar francamente, que há momentos em que a mente do crente está cheia de profunda angústia, que há temporadas quando a luz do semblante de Deus é afastada de Seu povo, e o Diabo tem permissão para irritá-los, e dizer que eles têm cometido o pecado imperdoável, e que não há esperança para eles; mas que tais experiências não são uma prova de que eles ainda são não regenerados.
O pregador deve ter sempre em mente que, se houver entre os seus ouvintes, professantes carnais que estão prontos para aproveitar com entusiasmo qualquer coisa que os reforce na sua falsa segurança, também há bebês fracos e enfermos em Cristo que requerem cuidados especiais (Isaías 60: 4; 1 Tessalonicenses 2: 7), e também os pequenos da família de Deus que não têm segurança, e por isso acham o pior de si mesmos. Por conseguinte, é um negócio sábio "separar o precioso do vil" (Jeremias 15:19) - isto é, por um ministério discriminador expor e aterrar o pecado endurecido - mas falar palavras de conforto para os verdadeiros enlutados em Sião.
"Em nossas congregações há trigo e palha no mesmo caminho - não podemos distingui-los pelo nome - mas devemos pelo caráter" (Matthew Henry). Devemos deixar claro que aqueles que consideram o pecado levemente, não têm o temor de Deus diante de seus olhos; aqueles que não se afligem porque encontram tanto em seus corações que se opõe à santidade divina, não são regenerados - não importa a quantidade de conhecimento da Verdade que possuem ou quão alto seja sua profissão cristã! É neste mesmo ponto que o verdadeiro pastor de Cristo se destaca em marcado contraste com o "mercenário" do rebanho, a respeito de quem Deus diz: "Visto que entristecestes o coração do justo com falsidade, não o havendo eu entristecido, e fortalecestes as mãos do ímpio, para que não se desviasse do seu mau caminho, e vivesse." (Eze 13:22).
Por um lado, os regenerados são "desanimados" ao buscarem "a vida vitoriosa" ou "a segunda benção" ou "o batismo do Espírito". Esses líderes cegos do cego afirmam terem saído de Romanos 7 para Romanos 8, e terem deixado assim para trás todos os conflitos internos e dúvidas, quando entraram praticamente no estado dos cristãos reais causadores de glorificação Concluem que eles nada conhecem desse Evangelho que é "o poder de Deus para a salvação" e devem ser completamente estranhos a um milagre de graça dentro deles.
Por outro lado, esses falsos profetas declaram que todos os que "aceitaram Cristo como seu Salvador pessoal" são salvos, mesmo que ainda não tenham recebido a segunda benção, que são justificados, embora não "inteiramente santificados". Eles asseguram aos ímpios, ao mundo, ao prazer, intoxicados, que podem ser salvos neste momento na única e simples condição de que eles acreditem que Deus os amou de tal maneira que deu Seu Filho para morrer por eles. Assim, a paz é assegurada aos indecisos "quando não há paz", os corações dos descuidados são endurecidos, e aos ímpios é prometida a vida sem qualquer consideração para a exigência de Deus de que eles devem "abandonar" seus ídolos. "Nem nada pode fortalecer as mãos dos pecadores mais do que dizer-lhes que podem ser salvos em seus pecados sem arrependimento, ou que embora haja arrependimento, eles não retornem de seus maus caminhos" (Matthew Henry).
O dever dos servos de Deus é claramente definido, a este respeito: "E a meu povo ensinarão a distinguir entre o santo e o profano, e o farão discernir entre o impuro e o puro." (Eze 44:23). Certamente, é de grande importância que uma alma profundamente provada deva saber se seus pecados foram ou não purificados pelo sangue de Cristo. Mas para isso, o ensino é necessário, ensinando a partir de um professor divinamente qualificado; pois se um inexperiente "novato" se debruçar para tal tarefa, ele só fará as más coisas ainda mais ruins e aumentará a confusão terrível que agora prevalece de todos os lados.
Apenas alguém que tenha navegado muito nestas águas profundas - está preparado para servir de piloto para navios; ninguém mais que um assediado por Satanás como Bunyan foi, poderia ter escrito "O Peregrino". "Para que possamos consolar aqueles que estão em algum problema, pelo conforto com o qual nós mesmos somos consolados por Deus" (2 Coríntios 1: 4). Quem realmente sofreu de uma doença grave está melhor adaptado para reconhecer os sintomas disso em outros e recomendar os remédios que ele achou mais eficazes. Além disso, deve ser ensinado pessoalmente pelo Espírito antes que ele possa explicar às almas atormentadas pelo pecado e por Satanás, o "mistério do Evangelho" - os estranhos paradoxos da vida cristã.
Uma coisa é ler "porque quando eu sou fraco - então sou forte" (2 Coríntios 12:10), e é um outro assunto provar esta verdade na experiência real. Nem essa afirmação é mais paradoxal do que o fato de que o que é espiritualmente "pobre" que é espiritualmente rico (Mateus 5: 3). E é igualmente verdade que aqueles que mais claramente percebem a sua imundície e lamentam a sua poluição - são aqueles que têm a melhor prova de que seus pecados foram lavados; como as almas mais humildes são as que mais lamentam seu orgulho.
Não é fácil combinar a ternura com fidelidade, simpatia pelos duvidosos com uma profunda preocupação com a honra de Deus. Antigamente, o Senhor reclamou: "Porque eles curaram ligeiramente a dor da filha do meu povo, dizendo: Paz, paz, quando não há paz" (Jeremias 8:11). Nós não conhecemos pessoalmente alguns que estavam se arrependendo quando eles deveriam ter se condenado, abraçando suas dúvidas em vez de confessar confiantemente a Deus. A incredulidade não é uma virtude - mas um pecado hediondo; deve ser reprovada e nunca desculpada. Não há nenhum alívio real para um membro mal engessado por se coçar a pele - a lanceta deve perfurar até o assento do problema. O amor próprio, o deleite próprio, a justiça pessoal devem ser cuidadosamente examinados pelo bisturi da Palavra - antes que o coração seja quebrado diante de Deus.
O grande problema entre Deus e o homem é o pecado, e a salvação é a libertação do pecado.
É verdade que, no sentido mais completo do termo, a salvação não está completa nesta vida, pois a glorificação está incluída no seu alcance; no entanto, existe um sentido muito real no qual o crente inicialmente foi salvo mesmo agora. Em outras palavras, há um aspecto presente da salvação, bem como um futuro; e que a salvação presente é uma coisa experimental, bem como judicial.
Mas é só nesse ponto que o cristão consciencioso confronta seu problema mais agudo - como ele se atreve a se defender de ser salvo do pecado, ou mesmo considerar-se como agora sendo salvo dele, quando o pecado se agarra a ele tão ferozmente e muitas vezes o subjuga? Aqui, novamente, o negócio do pregador é lançar luz sobre esse problema. Primeiro, ao mostrar que o crente ainda não se salvou da presença do pecado, pois ainda habita nele; nem é salvo do poder do pecado, exceto relativamente, pois ainda é uma força poderosa dentro dele, totalmente fora de seu controle. Em segundo lugar, mostrando que o crente agora é salvo do amor ao pecado. Essa é a essência do assunto. O Deus três vezes santo é "de olhos mais puros do que para ver o mal, e não pode olhar a iniquidade" (Hab13), e, portanto, abomina todo pecado, dizendo: "Todavia eu vos enviei persistentemente todos os meus servos, os profetas, para vos dizer: Ora, não façais esta coisa abominável que odeio!" (Jeremias 44: 4). Mas, por natureza, ama o pecado, a primeira coisa que Deus faz na salvação é colocar dentro de Seu povo um princípio ou natureza que odeia o pecado.
Mas aqui, também, devemos passar das generalidades e descer aos detalhes. A alma honesta perguntará imediatamente se eu realmente odeio o pecado, então por que costumo ceder a ele? Se eu fui libertado do amor ao pecado, por que as tentações de Satanás ainda me atraem? A resposta é, porque a "carne" ainda é deixada em você, e continua sendo profana até o fim de sua história. Nossa responsabilidade é "não fazer provisão para a carne" (Romanos 13:14), "mortificar" seus membros (Colossenses 3: 5), julgá-lo, raiz e ramo (1 Coríntios 11:31, 32), confessar suas obras malignas (1 João 1: 9). O fato de que o crente resiste ao pecado, ora e se esforça contra ele, chora e geme por isso, se aborrece por isso - são tantas provas de que ele não mais o ama como ele fez uma vez.
Aqui, então, é a tarefa da pregação experimental, deixar claro o que a salvação é - e o que não é; para traçar a história do coração de alguém que está sendo salvo, e isso de tal forma que os não regenerados não sejam encorajados em seus pecados, nem o regenerado esmagado por suas derrotas. Há necessidade urgente de mostrar em que consiste o amor do pecado, e depois descrever como o ódio sagrado do pecado pode ser reconhecido e o que é compatível e o que não é compatível com esse ódio.
Nosso principal objetivo nesses artigos é, sob Deus, abrir os olhos dos pregadores para ver a necessidade e a importância de adotar alguns exercícios da alma que tanto preocupam tanto seus ouvintes, e oferecer algumas sugestões em que linhas isso pode ser realizado.
Aliás, estamos tentando torná-los de interesse e lucro para o leitor em geral também. Muitas habilidades e sabedoria espiritual são necessárias para falar sobre os assuntos que mais imediatamente afetam a experiência dos cristãos, e aqueles são adquiridos apenas pela unção do Espírito e uma análise cuidadosa e diagnóstico de nossa própria vida interior.
É tão necessário que o pregador faça um estudo sobre o coração humano, seja assíduo na leitura de livros, senão ele não saberá falar uma palavra a tempo para aquele que está cansado.
Para saber o que o nosso estado espiritual realmente é, e o que o nosso conhecimento prático com Cristo realmente representa - é mais desejável e rentável, pois nos armarmos contra nossos inimigos espirituais, parar de duvidar e nos gloriar no Senhor. Mas descrever claramente e declarar plenamente as influências e operações do Espírito dentro de nós, como realmente são, é uma tarefa muito difícil. É muito mais fácil pregar a doutrina da graça, do que descrever os efeitos dela quando aplicada ao coração por Deus. É para as partes da Palavra que tratam mais diretamente e em grande parte com os exercícios do coração, que o pregador deve se voltar. Muito no Livro de Jó e nas Lamentações proporcionará ajuda; mas é nos Salmos mais particularmente que o Espírito registrou as variadas respirações e traçou as diversas experiências dos "vivos em Jerusalém".
A verdadeira experiência cristã pode ser definida como o ensinamento de Deus na alma, um conhecimento interno das coisas divinas. É um sentimento sensível de sua realidade, em contraste com um mero conhecimento teórico, para que não os conheçamos "apenas em palavras", mas também no poder, no Espírito Santo e em muita convicção"(1 Tes 1: 5). É a aplicação da Verdade pelo Espírito à alma, de modo que o que está escrito na Palavra está agora inscrito no coração. Isso fornece demonstração do que antes era intangível e irreal, as verdades divinas tornaram-se realidades conhecidas. A alma agora pode dizer de Deus: "Com os ouvidos eu ouvira falar de ti; mas agora te veem os meus olhos." (Jó 42: 5). Ele sabe que Deus é santo, porque foi levado à consciência dolorosa da pecaminosidade excessiva do pecado; ele sabe que "a ira de Deus é revelada do céu contra toda iniquidade e injustiça" (Romanos 1:18), pois ele sentiu o mesmo, acalmando sua própria consciência. Ele sabe que Ele é "o Deus de toda graça", porque ele "provou que o Senhor é gracioso" (1 Pedro 2: 3).
A experiência cristã é o ensinamento de Deus na alma - e os efeitos que isso produz. Esses efeitos podem ser, amplamente, resumidos em duas palavras: dor e prazer, tristeza e alegria, luto e alegria. O mundo natural ilustra o mundo espiritual - como há uma alternância contínua entre a primavera e o outono, o verão e o inverno, assim ocorre, na história da alma. Aquele que dá chuva e luz do sol, também envia secas e geadas; da mesma forma, Ele concede novas fontes de graça - e então retém a mesma; e também envia aflições dolorosas e tribulações doloridas. Aqui está Sua soberania exibida visivelmente; pois há algumas terras que desfrutam muito mais luz do sol do que outras, de modo que alguns de seus eleitos experimentam mais alegria do que tristeza. E como há partes da terra onde há muito mais frio do que o calor, então há alguns dos filhos de Deus que são chamados a sofrer mais adversidades - tanto internas como externas - do que a prosperidade. A menos que isso seja claramente reconhecido, estaremos sem a chave principal que abre os mais profundos mistérios da vida.
Mas, embora exista uma grande diversidade em muitos cristãos diferentes, existe uma unidade subjacente. Nos incidentes há uma variedade infinita, mas nos fundamentos existe um acordo real. Isso pode ser ilustrado pela analogia fornecida pelos membros e grupos da família humana. Quais diferenças de forma, característica e complexão, distingue os indivíduos uns dos outros! Onde, de toda a humanidade, podemos encontrar duas pessoas exatamente iguais? No entanto, quanto maior é a sua semelhança do que a sua dissimilaridade.
Pegue qualquer homem, preto ou branco, vermelho ou amarelo, e depois coloque-o ao lado de um cavalo ou vaca - e imediatamente aparece que um golfo intransponível separa o homem mais baixo do animal mais alto. No entanto, de dois homens, tirados aleatoriamente das mais remotas nacionalidades, e seu maior contraste é, senão como nada, quando comparado à semelhança geral. As diferenças são superficiais.
Vamos agora aplicar a ilustração acima à família espiritual de Deus. Aqui também há muitas variações - ainda há uma unidade subjacente; diferenças de raças – e ainda assim, um único gênero.
Cada uma das doze tribos de Israel tinha sua individualidade distintiva - mas eles formaram uma única nação. Pedro era bem diferente de Natanael, e Tomé de João, mas eles eram igualmente queridos por Cristo e também deram provas de que pertenciam a Ele. As diferenças são patenteadas porque ficam na superfície, como as sardas e as rugas são vistas no rosto; enquanto os ossos e músculos, artérias e nervos - a resistência real do corpo - não são vistos.
Alguns crentes têm mais fé do que outros, mais coragem, mais gentileza. Alguns crentes têm um peso mais leve para transportar. Deve ser feita provisão para temperamento, hereditariedade, ambiente, privilégios, etc. No entanto, todos têm o mesmo elenco de características espirituais, falam a mesma língua, e destacam-se como diferentes do não regenerado.
"Não devemos fazer da experiência dos outros, em todos os aspectos - uma regra para nós mesmos, nem a nossa própria uma regra para os outros, mas estes são erros comuns. Embora todos sejam atribulados às vezes - ainda alguns passam pela viagem da vida muito mais sem problemas do que outros." (John Newton). Um excelente conselho está contido nessas palavras, e alguns dos queridos filhos de Deus serão poupados de uma grande dor de cabeça, se eles apenas ouvissem. Há alguns que conhecem a hora e o lugar onde eles foram convertidos pela primeira vez - mas há outros que não podem nem marcar o ano em que seus corações foram primeiro voltados para o Senhor, e porque eles não podem - eles se afligem e duvidam da realidade da sua conversão. Isso é muito tolo, pois Deus não lida com todo o Seu povo da maneira como lidou com o ladrão moribundo e Saulo de Tarso. Além disso, a autenticidade da conversão não deve ser determinada pelo seu caráter brusco ou drástico, mas sim por seus efeitos duradouros e frutos.
"O vento sopra onde quer, e ouves a sua voz; mas não sabes donde vem, nem para onde vai; assim é todo aquele que é nascido do Espírito."(João 3: 8). A figura que Cristo empregou é muito sugestiva. Às vezes o vento sopra tão suavemente que é quase imperceptível; outras vezes vem com a velocidade e o poder do furacão. É assim em conexão com o novo nascimento. Em alguns casos, há um longo trabalho de parto e muito trabalho duro, em outros a libertação é rápida e fácil. Não há uniformidade no reino natural; nem há no espiritual. Se a "ordem" é a primeira lei do Céu, a variedade infinita e a diversidade são certamente a segunda.
Como dissemos acima, deve-se fazer um consenso considerável (no nosso cálculo e consideração) do que são chamados de "acidentes" da vida, embora, claro, não haja acidentes em um mundo onde tudo tenha sido ordenado por Deus. Aqueles criados em um lar piedoso e que se sentaram sob a pregação da sã doutrina desde os primórdios, dificilmente podem esperar que a aplicação da Palavra pelo Espírito produza uma mudança consciente tão drástica - como aqueles que eram estranhos à Verdade quando Deus primeiro se encontrou com eles .
O mesmo é verdade para as experiências que se seguem à conversão. Alguns retêm a paz e a alegria do recém-nascido, enquanto outros rapidamente passaram por uma nuvem e ficaram calados por anos em um "castelo de dúvidas". Muitas vezes, é devido ao ensino desequilibrado e deficiente que recebem, pois há alguns pregadores que, se não disseram claramente, pelo menos transmitem a impressão do que é pecaminoso para alguém se alegrar neste mundo. Há uma classe de hipocondríacos espirituais que nunca são felizes a menos que sejam miseráveis, e a influência disso é muito relaxante para aqueles que ainda estão curtindo seu "primeiro amor". Mas, em geral, a culpa por perder a sua segurança reside na própria porta do novo convertido; o fracasso de separar-se dos companheiros mundanos entristecerá o Espírito e o impedirá de reter Seu testemunho; enquanto o abandono da oração privada e da alimentação diária na Palavra darão ao Inimigo uma vantagem que ele aproveitará rapidamente.
Mas, mesmo quando há uma ruptura completa de companheiros ímpios, e onde os meios de graça são usados com diligência - a alegria da conversão geralmente é de curta duração. Nem isso é surpreendente, pois descobertas mais profundas de nossa depravação devem ser sóbrias com os espíritos mais exuberantes e causar gemidos para se misturarem com suas músicas. Na conversão, o pecado só é atordoado e não morto - e, mais cedo ou mais tarde, revive e procura recuperar o seu terreno perdido e obtém o domínio completo sobre o coração. Isso apresenta um problema doloroso para o bebê em Cristo, pois, a menos que ele tenha sido previamente instruído, ele naturalmente pensou que ele estava completamente livre do pecado quando se entregou ao Senhor. Era seu desejo sincero e profundo de viver de hoje em diante uma vida santa, e a visão que ele agora obteve de suas corrupções, sua fraqueza diante das tentações, as quedas tristes que ele encontra, desperta dúvidas sérias em seu coração, e Satanás prontamente lhe assegura que ele foi enganado, que sua conversão não era genuína afinal.
É nesta fase que o jovem santo angustiado e temente precisa de ajuda real. Infelizmente, com demasiada frequência, ele é prejudicado e tropeça. Alguns riram dos seus medos e dizem "aos ventos com suas dúvidas". O absurdo de tal curso pode ser exposto através da elaboração de uma analogia. Que bem faria zombar de alguém que sofre de dor de cabeça ou de dor de raiva? Poderia dar-lhe qualquer alívio dizer, você é tolo por abrigar o pensamento de que tudo não está bem com você? Ou dizer ao pobre sofredor que ele está simplesmente atento às sugestões do Diabo? "Médicos sem valor" são todos os amigos de Jó. Eles não entendem a doença, nem podem prescrever o remédio; e se nos entregarmos à sua orientação, sendo cegos eles mesmos, eles podem apenas nos levar ao "fosso". Cuidado, meu leitor, com aqueles que zombam das almas em desespero.
"Prepare um caminho para as pessoas! Construa a rodovia, limpe as pedras!" (Isaías 62:10). Esta palavra para o servo de Deus é mais pertinente para o caso que estamos considerando agora. Porque "limpar as pedras" do caminho da experiência de um santo provado, é uma grande parte do trabalho do ministro. Agora, no que está tropeçando o nosso jovem convertido é a descoberta de suas corrupções internas (insuspeitadas), o poder que o pecado ainda tem sobre ele, e o fato de que a oração sincera parece não produzir nenhuma mudança para melhor.
Apenas alguém que conheceu essas pedras de tropeço em sua própria alma é qualificado para tirá-las do caminho dos outros; de fato, o pregador não conhece nada na realidade de nenhum ramo da Verdade, exceto quando sentiu sua necessidade, adequação e poder em sua própria experiência. Nós devemos ser ajudados por Deus - antes que possamos servir aos seus necessitados.
O negócio do pregador é apontar que as corrupções não são evidências de graça - ainda que a graça manifeste corrupções, faz com que seu destinatário se esforce contra elas e gema sob elas. Os suspiros de um espírito ferido, os gritos de libertação dos pedaços que nele habita, o afundamento da alma em meio às turbulentas ondas da depravação, são evidências da vida espiritual, e aquele que zombar dele é um fariseu que despreza um publicano pobre.
Muitas pessoas de Deus são muito assediadas com tentações, muitas vezes golpeadas por Satanás, e provadas profundamente sobre o funcionamento do pecado em seus corações; e para eles aprenderem que esta é a experiência comum do regenerado, fortalece sua esperança e os move a renovar suas lutas contra seus inimigos espirituais. Isso significa muito para um cristão extremamente provado e profundamente perplexo, para saber que seu ministro é "também seu irmão e companheiro de tribulação" (Apocalipse 1: 9).
Muita sabedoria e graça são necessárias aqui, se o pregador deve ser fiel e útil. Por um lado, ele não deve abaixar o padrão de Deus para suas próprias conquistas pobres, nem deve dar qualquer semblante ao fracasso. Pecado no crente - é tão vil nos santos quanto o pecado no incrédulo, e a duplicidade é mais censurável, pois no caso do crente é contra mais luz, maior conhecimento, maior privilégio, obrigações mais profundas. Não deve haver condescendência com a incredulidade; as dúvidas não devem ser toleradas, as quedas não devem ser desculpadas. O pecado deve ser francamente confessado a Deus, falhas reconhecidas penitenciadas, e tudo o que é carnal condenado por nós.
Por outro lado, o ministro deve estar muito à sua frente, de modo que, devido a uma rugosidade desnecessária, a cana machucada é quebrada e o pavio fumegante é apagado. Os joelhos trôpegos devem ser fortalecidos e não ignorados; e as mãos que pendem para baixo devem ser levantadas. A paciência, também, deve ser exercida, pois as cabeças velhas não crescem nos ombros jovens, nem os recrutas semeados também são versados na guerra espiritual como os veteranos do exército de Cristo.
Há alguns ministros piedosos que não conseguiram se expressar consistentemente com sua própria experiência real e com a de outras pessoas santas, e, assim, a fé e a esperança das almas graciosas estão enfraquecidas e consternadas, e a ocasião é dada à incredulidade para prevalecer mais completamente sobre eles. Talvez alguns ministros tenham medo de que, se eles falarem com muita clareza e livremente sobre seus próprios fracassos e quedas, a impressão será transmitida de que a graça divina é uma expressão vazia, e não uma poderosa dissuasão para o pecado. Mas esse medo é bastante inesgotável - certamente, ninguém deve hesitar em ser tão franco como o apóstolo Paulo em Romanos 7 - e ninguém estava mais ciumento da glória da graça divina do que ele! Mas nós suspeitamos que, em alguns casos, é o orgulho que domina, fazendo com que o pregador tenha vergonha de reconhecer sua própria vileza, com medo de que seu povo deixe de olhar para ele como um gigante espiritual.
Aqui também há dois extremos a serem evitados; enquanto estamos longe de defender que o pregador deve fazer uma prática de se referir a seus próprios altos e baixos espirituais em todos os sermões - ainda assim estamos convencidos de que ele falha em desempenhar um importante ramo de seu dever - se ele nunca fizer referência às suas próprias experiências. O servo de Deus não é apenas um atalaia - mas também uma testemunha, e como ele pode testemunhar com sentimento a longanimidade de Deus, a menos que ele afirme que Ele exerceu paciência infinita a um miserável como ele? Do mesmo jeito, ele deve testemunhar pessoalmente o conflito incessante entre as duas naturezas no regenerado, as batalhas do pecado contra a graça, as tentações de descrença contra a fé, os eclipses de esperança por dúvidas.
É verdade que isso sempre deve ser feito com um espírito de humilhação e autoaversão, nunca minimizando a pecaminosidade do pecado e ainda menos glorioso em suas "feridas putrefativas". Deve haver um equilíbrio preservado entre descrever como um cristão deve viver - e como o cristão vive - quão longe as quedas medem até o padrão que Deus colocou diante dele, que "em muitas coisas todos tropeçamos" (Tiago 3: 2).
Deveria haver também um equilíbrio entre a reprovação do fracasso - e a apresentação das disposições graciosas que Deus fez para a cura do mesmo. Não deve hesitar em proclamar a suficiência de Cristo para lidar com os casos mais desesperados, com a compaixão pelos mais miseráveis, a prontidão para ouvir o choro mais fraco que sobe de um coração penitente. O santo gemente deve ser exortado a cultivar os mais possíveis tratos com o Amigo dos publicanos e dos pecadores, e assegurar-se que Ele está tão pronto e disposto a ministrar aos necessitados agora como quando Ele tabernaculou aqui na terra, pois Ele é "o mesmo ontem e hoje e para sempre" e "Suas compaixões não falham."
À medida que o jovem convertido, angustiado pela descoberta do engano e da iniquidade desesperada de seu coração, deve ser informado de que isso não é prova de que ele ainda não é regenerado; então ele deve ser informado de que os resquícios de pecado dentro dele não são ocasião para que ele deva se afastar do Trono da Graça - mas sim uma razão pela qual ele deve ir ousadamente a ele, para que possa "obter misericórdia". Enquanto ele deve ser frequentemente exortado a manter seu coração com toda a diligência, e a necessidade, a importância e o método disto explicados a ele - ele também deve ser avisado de que seus esforços mais diligentes nisto se encontrarão com um sucesso muito imperfeito.
Ele deve ser instruído para que a guerra espiritual a que Deus o chamou, a boa luta da fé em que ele deve se envolver diariamente, é uma tarefa vitalícia, e essa sinceridade e fidelidade nele, em vez de vitória - é o que Deus exige . As feridas que ele recebe nesta guerra são muitas razões para ele recorrer constantemente ao Grande Médico.
A mera citação da Escritura no púlpito não é suficiente - as pessoas podem se familiarizar com a letra da Palavra lendo em casa; é a exposição dela que é tão necessária hoje. "Ora, Paulo, segundo o seu costume, foi ter com eles; e por três sábados discutiu com eles as Escrituras, expondo e demonstrando que era necessário que o Cristo padecesse e ressuscitasse dentre os mortos; este Jesus que eu vos anuncio, dizia ele, é o Cristo." (Atos 17: 2, 3). Mas "abrir" as Escrituras com utilidade para os santos, exige mais do que um jovem que tenha tido alguns meses de treinamento em algum "Instituto Bíblico", ou um ano ou dois em um seminário teológico. Ninguém, exceto aqueles que foram ensinados pessoalmente de Deus na difícil escola da experiência, são qualificados para "abrir" a Palavra que a Luz Divina lançou sobre as experiências desconcertantes do crente, pois, enquanto as Escrituras interpretam a experiência, a experiência é muitas vezes a melhor intérprete das Escrituras. " O coração do sábio instrui a sua boca, e aumenta o saber nos seus lábios." (Provérbios 16:23), e que "aprender" não pode ser adquirido em nenhuma das escolas do homem.
Como um exemplo do que acabamos de nos referir acima, qual seria o uso da citação, qual seria o benefício derivado de simplesmente ouvir as palavras de tal passagem como esta? "Inclinai os ouvidos, e ouvi a minha voz; escutai, e ouvi o meu discurso. Porventura lavra continuamente o lavrador, para semear? ou está sempre abrindo e esterroando a sua terra? Não é antes assim: quando já tem nivelado a sua superfície, então espalha a nigela, semeia o cominho, lança o trigo a eito, a cevada no lugar determinado e a espelta na margem? Pois o seu Deus o instrui devidamente e o ensina. Porque a nigela não se trilha com instrumento de trilhar, nem sobre o cominho passa a roda de carro; mas a nigela é debulhada com uma vara, e o cominho com um pau. Acaso é esmiuçado o trigo? não; não se trilha continuamente, nem se esmiúça com as rodas do seu carro e os seus cavalos; não se esmiúça. Até isso procede do Senhor dos exércitos, que é maravilhoso em conselho e grande em obra." (Isaías 28: 23-29).
Onde estão os pregadores hoje dotados de sabedoria do Alto para "abrir" uma Escritura como essa? Obviamente, a passagem acima é uma parábola - aquilo que se obtém no mundo natural é feito uma semelhança do que pertence ao domínio espiritual. A Igreja de Deus sobre a Terra é a sua "criação" (1 Cor. 3: 9). Os "fazendeiros" subordinados são seus ministros, que, instrumentalmente, aram o pousio dos corações de Seu povo. À medida que o agricultor varia seu trabalho como a ocasião requer, arar, semear, colher, debulhar, conforme necessário, de modo que o jardineiro ministerial faz o mesmo. A "semente" é a Palavra de Deus (Lucas 8:11), e como Deus dá sabedoria ao fazendeiro para semear "trigo" ou "cevada" ou "centeio" - conforme o solo é argiloso, ou arenoso, então ele ensina seus ministros a pregar de acordo com a condição dos corações de seu povo. As aflições dolorosas, tanto internas como externas, são os instrumentos de "trilhar" de Deus, para se afrouxar do mundo, para separar o trigo da palha em nossas almas.
Há duas maneiras de aprender das coisas divinas - verdadeiras para o pregador e o ouvinte - é adquirir um conhecimento da letra da Bíblia, a outra deve receber uma experiência real dela na alma sob o ensinamento do Espírito. Muitos supõem hoje que ao passar alguns minutos em uma boa concordância, eles podem descobrir o que é a humildade, ao estudar certas passagens das Escrituras, podem obter um aumento de fé ou que, lendo e relendo um certo capítulo, podem ter mais amor. Mas não é assim que essas graças são desenvolvidas experimentalmente. A humildade é aprendida por uma sensação diária sob a praga do coração, e tendo suas abominações inumeráveis expostas à nossa visão. O arrependimento é aprendido ao sentir a carga de culpa e o pesado fardo da corrupção consciente que se inclina para baixo da alma. A fé é aprendida aumentando descobertas de incredulidade e infidelidade. O amor é aprendido por um senso pessoal da bondade imerecida de Deus para o mais vil dos vis. É assim com todas as graças espirituais do cristão. A paciência não pode ser aprendida com os livros - é adquirida no forno da aflição! "E não somente isso, mas também gloriemo-nos nas tribulações; sabendo que a tribulação produz a perseverança, e a perseverança a experiência, e a experiência a esperança;" (Romanos 5: 3, 4).
Ah, meu leitor, pedimos ao Senhor que nos ensine, mas o fato é que não gostamos do método de ensinar-nos. Tentações impetuosas, tempestades de aflições, distorção de nossas esperanças carnais, são realmente dolorosas para a carne e o sangue; e ainda é por eles que o coração é purificado.
Dizemos que desejamos viver para a glória de Deus - mas não lembremos que podemos fazê-lo apenas quando o EGO é negado e a Cruz é tomada. A crucificação de nossas vontades e a frustração de nossos planos suscitam a inimizade da mente carnal, mas isso abre caminho para que tomemos um lugar mais baixo diante de Deus. Os modos de Deus de ensinar seus filhos são, como todos os seus caminhos, inteiramente diferentes dos nossos.
Pedi ao Senhor que eu pudesse crescer,
Na fé, no amor e na graça,
Poder saber mais de Sua salvação,
E procurar com mais firmeza o Seu rosto.

Foi ele quem me ensinou a orar assim,
E nele, eu confio, respondeu a oração.
Mas foi assim,
Como quase me levou a desesperar!

Eu esperava que em alguma hora favorita,
Ao mesmo tempo, ele responderia ao meu pedido.
E pelo poder restritivo de Seu amor,
Submeteria meus pecados e me daria descanso!

Em vez disso, ele me fez sentir,
Os males escondidos do meu coração.
E deixou os poderes furiosos do inferno,
Assaltarem minha alma em todas as partes!

Sim, mais com a Sua própria mão, Ele pareceu,
Ter a intenção de agravar minha aflição.
Atravessou todos os projetos justos que planejei,
Destruiu minhas aboboreiras e me abaixei!

"Senhor, por que isso?" Eu clamava tremendo.
Você vai perseguir seu verme até a morte?"
"Este é o caminho", respondeu o Senhor,
"Eu respondo à oração por graça e força".
"Estas aflições internas que eu emprego,
São para libertá-lo de si mesmo e do orgulho;
E quebrar seus planos de alegria terrena,
Para que você possa encontrar o seu tudo em Mim!"
John Newton
Essas linhas podem não se adequar aos sentimentos de alguns de nossos leitores, mas temos certeza de que expressam com precisão a experiência real de muitos do povo de Deus.
Quanto mais crescemos na graça - quanto mais sensível se torna a consciência, mais conscientes somos das nossas corrupções, e quanto mais angustiante é o esconderijo do semblante do Senhor. Quanto mais brilhante o sol está brilhando em uma sala, mais aparente torna-se qualquer pó ou teias de aranha nela; e quanto maior a iluminação concedida pelo Espírito Santo, mais visível será a imundície de nossos corações.
Assim também, quando a Palavra de Deus é acompanhada de vida e poder à alma, penetra "até a divisão da alma e do espírito" (Heb. 4:12). Ou seja, há uma separação entre o trigo e a palha, uma divisão entre o que Deus tem feito e o que é simplesmente religião natural. Mas uma alma honesta ama um ministério de busca, mesmo que ele a corte! Ele não quer ser acalorado em seus pecados - e ele teme uma paz falsa. Sua sincera oração é "Sonda-me, ó Deus, e conheça meu coração, prova-me e conheça meus pensamentos ansiosos" (Salmos 139: 23).
Quanto mais Deus nos procura, mais Ele trará para a luz as "coisas escondidas das trevas", e quanto mais seremos levados a detestar a nós mesmos. À medida que a consciência se torna mais terna, sente cada vez mais a enormidade do pecado e, de forma correspondente, se aflige sobre o mesmo. Então, é que "o coração conhece sua própria amargura" (Provérbios 14:10), e como Ana - nos tornamos "de um espírito triste" (1 Sam 1:15). E então é, com muita frequência, que os conselheiros de Jó dos nossos dias aumentam o sofrimento do santo que geme. Eles lhe recomendam "a alegria do Senhor" e dizem que ele deve dar testemunho do cristianismo por um semblante brilhante e uma atitude alegre. Bem, podemos lembrar a tais intrometidos em assuntos que eles não compreendem - essas palavras: "Cantar músicas alegres para uma pessoa cujo coração é pesado é tão ruim quanto roubar o casaco de alguém em clima frio ou esfregar sal em uma ferida" (Provérbios 25:20). Meu leitor, Deus não exige que façamos parte dos hipócritas diante dos outros, nem para zombar deles, cantando quando nossos corações estão cheios de peso.
Não é apenas o funcionamento do pecado interior que causa ao crente de coração sincero tanto sofrimento - mas também a fraqueza de suas graças - sim, como costuma parecer, a total ausência delas. A fraqueza e inconstância de sua fé causa ao verdadeiro cristão muita provação de coração. Ele sabe que Deus é digno de sua plena confiança, que Sua Palavra é inerrante e Suas promessas são seguras; e é uma prova dolorosa para ele - que ele falhe tão tristemente em confiar nele mais plenamente, e contar com a fidelidade da aliança mais constantemente.
Aqui, sua experiência é bastante diferente da do professante vazio. Essa "fé" natural, que existe apenas na sabedoria dos homens, não conhece tais flutuações, fluxos e refluxos, levantamentos e afundamentos, como aqueles que caracterizam a fé que é "a operação de Deus" (Colossenses 2:12). Deus é muito ciumento de Sua glória, e nos faz perceber que o que Ele deu só pode ser exercido por Sua habilitação. Não está dentro do poder do cristão invocar sua fé em ação - quando ele tem uma ideia. Nisto, como em todas as coisas, Deus nos mantém inteiramente dependentes de Si mesmo.
O assunto mais importante em conexão com a fé, não é a quantidade, mas a qualidade dela. Um consentimento intelectual à Divina Autoria e veracidade das Escrituras não produz frutos espirituais. Uma fé que é assegurada da historicidade de Cristo, como é a de Augusto César ou Napoleão, não é prova de regeneração. Uma fé que "pode remover montanhas e não tem amor" (1 Coríntios 13: 2) é inútil. É por isso que um coração honesto é tão profundamente provado sobre se a fé é ou não "a fé dos eleitos de Deus" (Tito 1: 1), ou se é meramente um produto da carne; e o próprio fato de ele ter tantas vezes consciência de que ele não tem fé no exercício, faz com que ele pense o pior de si mesmo. Neste ponto, ele também precisa de uma ajuda definitiva do púlpito. Então, que ele seja informado de que um mero assentimento para a letra da Verdade nunca derreteu a alma em tristeza piedosa pelo pecado.
"Desperte, vento do norte, vento do sul. Sopre no meu jardim e espalhe a fragrância de suas especiarias" (Cantares 4:16). Esta oração da Igreja intima claramente o reconhecimento de seu próprio desamparo. É o crente que suplica o Espírito (sob o emblema do "vento", ver João 3:18) para as suas influências de despertar e reavivar. Ele lhe implora para operar em seu "jardim", isto é, em sua alma, para que as "especiarias" que são uma figura de suas graças espirituais possam surgir. Ele percebe que apenas quando o "vento norte" sopra, isto é - o Espírito afastando suas concupiscências e corrupções, apenas quando Ele, com poder, repreende suas faltas e repreende suas falhas - que ele pisará mais suavemente diante de Deus. Ele percebe que apenas quando o "vento sul" sopra, isto é, quando o Espírito sopra sobre sua alma e aquece suas graças, com aquela fé, esperança, amor, paciência, mansidão, e humildade, tornar-se-á ativo e frutífero.
"Senhor, diante de ti está todo o meu desejo, e o meu suspirar não te é oculto." (Salmo 38: 9). "Desejo" significa anseio, o anseio ofegante de um coração renovado. Essa alma deseja ardentemente estar reta com Deus, ter um coração que é purificado do amor ao pecado e da sua imundície, ter uma consciência sem ofensa com Deus e com o homem, ser conformado com a imagem de Cristo, estar em completa sujeição a ele, para ser frutífero para o seu louvor. Ah, mas tal "desejo" é apenas muito imperfeitamente realizado nesta vida, e isso causa desapontamento e sofrimento, daí o salmista ter acrescentado "e meu suspirar não te é oculto." Há o "suspiro" que as feridas do pecado ocasionam, os suspiros do incessante conflito entre a carne e o espírito, os gemidos causados pelos bombardeios de Satanás. E também há "suspiros" por desejos não realizados, ideais não cumpridos, realizações insatisfeitas.
Ah, meu leitor, é uma coisa ler nas Escrituras "com efeito o querer o bem está em mim, mas o efetuá-lo não está." (Romanos 7:18), e outra bem diferente ter uma experiência pessoal disto. Mas é assim que Deus ensina o Seu povo, dando-lhes um conhecimento experimental da Verdade, para que eles "estabeleçam seu selo de que Ele é verdadeiro". É uma coisa recebê-la como um "artigo de fé" que não só o não regenerado - mas também o regenerado, são, em si mesmos, impotentes para a santidade, mas é outra diferente descobrir a partir de uma experiência dolorosa - como fez o pobre Pedro - que "o espírito realmente está disposto - mas a carne é fraca" (Mateus 26:41). É então que oramos com seriedade: "vivifica-nos, e nós invocaremos o teu nome." (Salmo 80:18); "Leva-me tu; correremos após ti." (Cantares 1: 4).
Você, meu leitor, considera a sua experiência como um pacote de contradições - um dia agradecendo de coração a Deus por Sua misericórdia, no dia seguinte abusando da mesma? Um dia estimando afetuosamente a esperança de que você tem uma pequena vida espiritual, e no o próximo com certeza de que você nada tem? Se assim for, você sabe o que é ser "esvaziado de vasilha em vasilha" (Jeremias 48:11). Mas, se não o fizer, se, pelo contrário, o seu curso é suave e fácil, seu coração sempre leve e alegre, há uma causa grave para concluir que você pertence a essa classe de quem é dito "porque não há neles nenhuma mudança, e tampouco temem a Deus."(Salmo 55:19).
Como afirmamos anteriormente, a experiência cristã alterna entre dor e prazer, tristeza e alegria - dor decorrente de um sentimento de nossa pecaminosidade, de múltiplas tentações e dos esconderijos do rosto de Deus; prazer de uma sensação de perdão, promessas aplicadas pelo Espírito, comunhão com Cristo. É apenas por graus que os crentes são "confirmados", e mesmo assim não os impede de serem severamente provados e agredidos por seus inimigos espirituais.
Satanás faz com que muitos duvidem da vontade de Cristo de salvá-los, e se eles recebem um pouco de encorajamento da Palavra, então ele procura despertar novamente suas corrupções, e renova seus medos e dúvidas. O cristão mais avançado geralmente experimenta um conflito doloroso de suas concupiscências; aqueles que desfrutam da mais íntima comunhão com Deus são frequentemente atacados por Satanás. Se o apóstolo Paulo tivesse que clamar: "Ó homem miserável que eu sou, quem me livrará do corpo desta morte!" (Romanos 7:24), não devemos nos surpreender se tivéssemos motivos para fazer o mesmo. Mas observe, que suas próximas palavras foram: "Graças a Deus por Jesus Cristo nosso Senhor" (v. 25). Ah, nunca valorizamos mais o Cristo do que depois de uma temporada de angústia aguda da alma, pois nunca cedemos tanto à graça divina quanto quando sofremos o pecado interior. É uma sensação de poluição e imundície - o que nos leva a voltar para a Fonte aberta para o pecado e para a impureza.
Os cristãos professantes devem ser frequentemente exortados a examinar diligentemente a obra do Espírito neles e comparar a mesma com o que está registrado nas Santas Escrituras. Nem há, como dissemos antes, qualquer "legalismo" nisso, pois a obra do Espírito prossegue verdadeiramente da eterna Aliança da Graça – assim como a obra de Cristo e a descoberta de Suas operações permite ao crente "colocar o seu selo de que Deus é verdadeiro" (João 3:33). Um interesse vivo nas coisas que dizem respeito ao nosso bem-estar eterno, um tremor na Palavra de Deus e sendo devidamente afetados, o ódio ao pecado, aborrecer-se, um amor infantil pelo Senhor, são algumas das evidências da obra de Deus na alma. Deixe também ser ousadamente afirmado que Deus exerce Sua alta soberania, mesmo nos graus de graça que nos são concedidos - se é verdade que Ele dá aos seus servos talentos, alguns mais, outros menos - é igualmente verdade que Ele confere ao Seu povo uma "medida" diferente do Seu Espírito.
Enquanto o ministro deve estar muito em guarda para construir a esperança de professantes vazios, ele deve sempre procurar encorajar e confortar os que choram em Sião, pedindo-lhes que continuem junto ao "tanque" (os meios da graça), esperando pelo movimento das águas; assegurando-lhes que, se o fizerem, mais cedo ou mais tarde haverá um derramar da luz do semblante de Deus, dissipando a escuridão da mente e derretendo o coração duro.
Lembre-os de uma promessa como: "Pois te restaurarei a saúde e te sararei as feridas, diz o Senhor " (Jeremias 30:17). Lembre-os do caso de Abraão "que contra a esperança creu na esperança" (Romanos 4:18). Diga-lhes que, embora possam ter poucas apreensões do amor de Deus, no entanto, eles podem agradecê-lo por Sua vida transmitida a eles.
Ressaltamos que a pregação doutrinária também tem seu lugar e uso para fortalecer a experiência dos santos, e nunca deve ser levada para o fundo. É necessário não só para a instrução, mas igualmente para aqueles que têm conhecimento da Verdade: "Não é problema para mim escrever as mesmas coisas para você novamente, e isso é uma salvaguarda para você" (Filipenses 3: 1). Nossas lembranças são muito inconstantes; as impressões criadas por um sermão rapidamente desaparecem, de modo que deve haver "linha sobre linha, preceito sobre preceito". A doutrina é o principal meio usado pelo Espírito na alimentação da alma, fortalecendo a fé, fortificando contra Satanás.
Faça Cristo preeminente em todos os seus sermões! Você, meu leitor, conhece algo da experiência de Joseph Hart quando escreveu: "Muitas vezes eu me derramei, em transportes de espanto feliz, Senhor, é demais", é demais, certamente minha alma não valia tanto preço!"
Finalmente, o cristão deve ser definitivamente advertido contra o descanso em suas realizações atuais. Embora ele agora se regozije no conhecimento dos pecados perdoados. Pressione um versículo como "Conheçamos, e prossigamos em conhecer ao Senhor;" (Oséias 6: 3), explicando seu significado, cumprindo seu dever. É pouco a pouco que o crente aprende a vestir sua armadura e usar armas espirituais contra seus inimigos. Uma alma regenerada anseia por saber mais do poder da ressurreição de Cristo, pois muitas vezes se sente afundando na morte do pecado e, portanto, aqueles ramos da Verdade mais bem calculados para vivificar o coração, também devem ser colocados diante dele.


Este texto é administrado por: Silvio Dutra
Número de vezes que este texto foi lido: 29


Outros títulos do mesmo autor

Artigos Coisas Velhas A. W. Pink
Artigos Salvação Experimental A. W. Pink
Artigos Pregação Experimental A. W. Pink
Artigos Um Coração Honesto A. W. Pink
Artigos O Paradoxo do Crente A. W. Pink
Artigos Cura para o Desânimo A. W. Pink
Artigos Obediência Evangélica A. W. Pink
Artigos Trabalho do Coração A. W. Pink


Publicações de número 1 até 8 de um total de 8.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2017
 
  Textos mais lidos
Amei! Que droga! - Fabiano Vaz de Mello 207488 Visitas
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 181971 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 141542 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 141228 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 127627 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 66713 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 57983 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 56519 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 56313 Visitas
Entenda de uma vez por todas o Hino Nacional - Fabbio Cortez 56121 Visitas

Páginas: Próxima Última