Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Era uma casa grande
A casa GRANDE
helena Maria Rabello Lyra

Resumo:
CRÔNICA SOCIAL QUE REGISTRA NÃO SÓ SENTIMENTOS FAMILIARES, COMO TAMBÉM   FATOS QUE TRAÇAM O PERFIL DE UMA CIDADE DE INTERIOR.

A casa Grande

                                                  Uma morada acolhedora, uma casa antiga e de muitas histórias .Na sala da frente, o sustento daquela família.
                                                  Quando passei a freqüentar à casa grande, observava vestígios da época em que nela funcionara um especial escritório, onde se registravam as mortes e os nascimentos.
                                                  Eram tantas as emoções narradas pela dona daquela casa, que o sentimento nos transportava para um mundo fascinante..
                                                 Em sua simplicidade, a senhora uma interessante contadora de “causos”como brinca um letrado amigo, referindo-se a uma outra senhora do “era uma vez...”
                                                  Naninha dona de sorriso meigo, ria com os olhos sempre que filhos e netos estavam por perto...Em frente à sua casa, um banquinho em que se podia vê-la todos os dias, tão preocupada com os filhos mas também com aqueles que a procuravam para lhe pedir ajuda.
                                                Ao entardecer lá estava ela a conversar, a contar histórias,enquanto tornava a nossa convivência mágica...
                                                Eram histórias da casa grande onde durante muito tempo, em sua sala principal,havia um cartório...
                                             Assim, em noites misteriosas gavetas mexiam, papéis voavam, ouviam-se vozes...Contava, também, Naninha que em um de seus sonhos aparecia alguém que afirmava haver um tesouro debaixo daquela casa ...
                                           Eram narrativas mágicas em que o sobrenatural, o fantástico valorizavam-lhe a criatividade.
                                        Em seus vinte e dois anos a nora caçula dormia grudada ao marido, quando lá estava de tão assustada, já que as histórias continuavam e ficavam, em rebuliço, em sua memória...
                                       Muitas vezes ríamos com as notícias daquele povo simples, sem estudo, ao registrar suas crianças.
                                        Perguntava o oficial do registro civil ao pai:
__Qual o sexo... Masculino ou feminino, a resposta vinha, com firmeza: nem masculino nem feminino, senhor,é Manoel, menino homem.                                    Eram muitos os nomes diferentes..
                                    Uma época o Sr. Alencar colocou no filho o nome Marlinge .E o nome ficou... O orgulhoso pai explicou aos espantados funcionários: mar de Guarapari, lin do avô Lindolfo, g de Getúlioe E de brigadeiro Eduardo...
                                Muitas vezes quem dava o nome era o Sr. Antônio Lyra tamanha era a criatividade desses pais ...Ocasião houve que um pai quis batizar o filho com o nome “Escorrega lá vai dois.”Nesse caso, o Senhor Antônio Lyra colocou o nome que bem entendeu como era de seu hábito,em situações semelhantes.
                               Um marido às avessas... Fora ele convidado para ser o prefeito de Guarapari.Época em que o prefeito era nomeado, mas não aceitou, já era vereador e não apreciou a hipocrisia da política, tomara a decisão mais sensata, segundo ele.Não quis o cargo e aproveitou o momento de rebeldia para abandonar o cartório, nas mãos dos filhose foi ser pescador e dedicar-se a outras coisas não apropriadas a um bom chefe de família...
Nas horas vagas, dedicava-se a plantações, cultivava uma bela horta, na colônia dos pescadores.
                               A esposa uma mulher de fibra, cuidou dos filhos e até seu último dia de vida.Serviu com zelo a esse marido avesso às coisas corretas do lar.
                                Os filhos homens lhe saíram, em se tratando de fidelidade conjugal, “tal pai tal filho...”Entretanto em todos eles existe presença do espiritualismo materno .
                                Lembra-me a vez que resolvera Naninha indicar uma doméstica para sua nora caçula uma negra de um só olho , horrorosa, aceitou a jovem esposa , para não fazer desfeita... Só muito depois compreendera
o gesto de amor de sua sogra .
                                Ana, no silêncio de seu sofrimento, partiu cedo, mas Deus lhe deu oportunidade em realizar um grande desejo: o de ver o nome de seu pai em um de seus netos.
                                 Filha única de um senhor de muitas posses, mimada, tinha verdadeira adoração pelo pai.Casou-se a mocinha, mas de princesa passou a ser escrava de um prepotente marido.
                                 Pensando bem, não é necessário explicar os motivos que a levaram a casar-se. Na verdade, não se conhece ninguém, mas não se pensa nisso, em emoções de um grande amor...
                               Com a sabedoria da alma, Naninha soube ser Família, soube ser Mãe, soube ser Avó, soube ser Amiga.Em momento algum, nós a vimos roubar a autoridade paterna. Em momento algum, deixou de socorrer a quem dela precisasse, ainda que muitas lágrimas a tenham acompanhado por toda uma vida...Hoje, quando vemos seu nome em coisa pública, pensamos...
                             Mesmo que o marido tenha sido o primeiro vereador daquela cidade saúde, um político...
Ana é quem ficou na história , no coração e na lembrança nossa e de todos os que tiveram a alegria de conhecê-la.
                             Sem dúvida,quando homenagearam escola e outras situações com o seu nome ,fez-se justiça a essa brava mulher, Ana Rocha Lyra, a luz, o brilho daquela casa grande.
                             Qualquer obra pública que receba seu nome será sempre a grande homenageada.
                             Em horas difíceis, seu exemplo permanece vivo e também é mágico...
                                                                                                                                        HM




Biografia:
Bacharel em Letras- UFES Licenciada em Letras -Portugês- Francês Professora aposentada do Centro Federal de Educação Tecnológica( CEFETES) Ex professora concursada da Rede Estadual de Ensino-ES ex professora de Literatura Brasileira do Colégio Martim Lutero- ES Professora de Língua Portuguesa Curso Dinâmico- Central de Cursos preparatórios para concursos Estaduais e Federais.Professora de Língua Portuguesa da Escola Contec- ES
Número de vezes que este texto foi lido: 141487


Outros títulos do mesmo autor

Crônicas Transgressão do Dever helena Maria Rabello Lyra
Crônicas E agora, POETA... helena Maria Rabello Lyra
Crônicas O mundo infantil helena Maria Rabello Lyra
Crônicas Era uma casa grande helena Maria Rabello Lyra
Poesias Navegando helena Maria Rabello Lyra
Poesias helena Maria Rabello Lyra
Poesias Helena Maria Rabello Lyra
Crônicas Helena Maria Rabello Lyra
Poesias Helena Maria Rabello Lyra


Publicações de número 1 até 9 de um total de 9.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2017
 
  Textos mais lidos
Amei! Que droga! - Fabiano Vaz de Mello 207552 Visitas
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 182009 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 141590 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 141487 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 127676 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 66755 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 58447 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 56564 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 56460 Visitas
Entenda de uma vez por todas o Hino Nacional - Fabbio Cortez 56231 Visitas

Páginas: Próxima Última