Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Minifestação
Rafael da Silva Claro



O que aconteceu com o Movimento Brasil Livre (MBL)? O grupo jovem parecia a novidade que a política precisava. No entanto, se revelou “a mais nova velha política”. O fiasco do pequeno agrupamento — pretensamente apelidado de manifestação — na Avenida Paulista... (e em outras cidades?) foi o aviso do fim.

O MBL, um dos grupos que derrubaram Dilma Rousseff — e que atualmente parece um coletivo de diretório acadêmico de faculdade — se dizia de direita, no entanto, vem numa “esquerdização” veloz, inédita. Começaram “dialogando” com Marcelo Freixo, já gravaram vídeos dizendo maravilhas de Ciro Gomes, hoje sobem no mesmo palanque que Orlando Silva, amanhã declararão apoio a Lula. Essa estranha aproximação com antigos desafetos mostra que aconteceu algo atrativo para os garotos. Mas, justiça seja feita, o distanciamento da verdadeira direita já havia ocorrido à revelia, pois o MBL se comportava muito diferente do que falava. A incoerência pode ser apenas esquizofrenia ou cara-de-pau mesmo.

O coletivo que insiste em se rotular direitista (liberais) demonstrou sua real incapacidade de mobilização no dia 12 de setembro. Além de reunir uma fauna “irreunível” de políticos, bandeiras, ideologias, siglas e subcelebridades, a turminha não tem pauta para o Brasil. Destaque para a tradução mais perfeita de “vergonha alheia”: a dancinha do João Doria — com o exclusivo figurino (calça apertada), demonstrando uma alegria fabricada. Constrangedor. É essa a terceira via? A chamada terceira via quis “colar” no MBL, achando que era real sua capacidade de levar o povo às ruas. Diante do fracasso e com o instinto de sobrevivência aguçado, ninguém vai querer subir novamente no mesmo palanque dos garotos.

O MBL vem derretendo, perdendo muitos integrantes que desistem do movimento horrorizados com o que acontece ali. O futuro eleitoral da sigla já é previsível: não receber votos nem da direita nem da esquerda, talvez de amigos e parentes. A molecada tende a cumprir eternamente o lockdown e o distanciamento social, no máximo reunirá a “mobilização” num boteco, que atualmente é um local que eles transitam muito bem.


Biografia:
Ensino secundário completo. Trabalhei em várias empresas, fora da literatura. Tenho um blog, onde publico meus textos: “Gazeta Explosiva” Blogger
Número de vezes que este texto foi lido: 47338


Outros títulos do mesmo autor

Crônicas Guarabyra vai às compras * Rafael da Silva Claro
Ensaios Pizza em Nova York Rafael da Silva Claro
Crônicas Viciado em Mimeógrafo Rafael da Silva Claro
Crônicas Canção Triste Rafael da Silva Claro
Crônicas Canção Cruel * Rafael da Silva Claro
Ensaios O Maior Vendedor do Mundo Rafael da Silva Claro
Resenhas As Verdades Inconvenientes Rafael da Silva Claro
Crônicas Templo Budista Rafael da Silva Claro
Ensaios Minifestação Rafael da Silva Claro
Crônicas Magical Mystery Tour * Rafael da Silva Claro

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 158.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
O cocheiro - Onihara 50085 Visitas
Na caminhada do amor e da caridade - Rosângela Barbosa de Souza 50065 Visitas
Entrevista com Larissa Gomes – autora de Cidadolls - Caliel Alves dos Santos 49795 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 49795 Visitas
Caçando demónios por aí - Caliel Alves dos Santos 49794 Visitas
saudades de chorar - Rônaldy Lemos 49774 Visitas
La senda de las flores oblicuas - Eva Feld 49770 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 49756 Visitas
NÃO FIQUE - Gabriel Groke 49754 Visitas
IHVH (IAHUAH) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 49719 Visitas

Páginas: Próxima Última