Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
TV feita a mão
Rafael da Silva Claro



São programas produzidos com cenários parecidos com algo vindo do submundo da 25 de Março ou do Brás. São confeccionados com tecidos vagabundos e papelão, presos com cola quente, lona plástica e fita crepe. Essas obras-primas do entretenimento são levadas ao ar a duras penas e orçamento restrito. Eu falo dos programas de baixíssimo orçamento.

Daltro Cavalheiro “Rei da Madrugada”, programa Alegria Alegria “o programa mais alegre do Brasil”, de enorme audiência (para o horário), era um ícone trash. Quem assistia a isso, acredito, era quem chegava em casa de madrugada e ligava a televisão para se divertir com o que de pior podia ser encontrado nesse horário, estava fazendo a refeição da madrugada ou se encontrava à beira do suicídio. Eu assistia a isso, saboreando um pedaço de pizza fria ou outra coisa.

Daltro tinha um carisma e voz de “locutor de notas de escolas de samba”. Ali, desfilavam músicos ruins, dançarinas com baixa autoestima lá em cima, jurados com baixa credibilidade, convidados constrangidíssimos e uma plateia catada. Daltro Cavalheiro “mestre da comunicação”nos deixou, tendo um reconhecimento apenas regional, no Rio Grande do Sul. Em seu lugar ficou Kássia Franco, mas o show perdeu sua essência.

Igualmente constrangedor e vergonhoso, é o Programa do Jacaré. Uma tentativa malfadada de copiar o Ratinho. É bom porque até nos, pouco pretensiosos, objetivos eles falham. Sensacional!

João Inácio Show é, provavelmente, um dos programas mais vergonhosos da televisão mundial. O, vá lá, show deve ter boa audiência porque tem um cenário, por assim dizer, mais elaborado, assuntos palpitantes e assistentes de palco (inacietes) de fino trato. Além disso, a atração é tão simples que fica genial.

João Inácio, um gênio da comunicação que o Sudeste ainda não reconheceu, alterna a voz entre “locutor de boate e locutor de supermercado”. Com seu jeito canastrão de ser e desconhecedor do conceito de “politicamente correto”, João Inácio age e fala como se estivesse no século XX. Ele é o dinossauro da televisão brasileira, se morto estivesse seria um fóssil.

Sem nenhum demérito, esses programas de televisão, de parcos investimentos, possuem um nível de tosquice que entrega o suprassumo do mau gosto e da avacalhação. O resultado: é tão ruim que fica excelente.










Biografia:
Ensino secundário completo. Trabalhei em várias empresas, fora da literatura. Tenho um blog, onde publico meus textos: “Gazeta Explosiva” Blogger
Número de vezes que este texto foi lido: 94


Outros títulos do mesmo autor

Ensaios Guia Politicamente Incorreto da Pandemia Rafael da Silva Claro
Ensaios Na pressão Rafael da Silva Claro
Ensaios Nadando de braçada Rafael da Silva Claro
Ensaios Dois Papas Rafael da Silva Claro
Ensaios O Clarividente Rafael da Silva Claro
Ensaios Polícia e ladrão Rafael da Silva Claro
Crônicas Retrospectiva 2020 Rafael da Silva Claro
Ensaios Espiral do silêncio Rafael da Silva Claro
Ensaios Rodrigo Maia nunca mais Rafael da Silva Claro
Crônicas Ócio criativo Rafael da Silva Claro

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 83.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
viramundo vai a frança - 48340 Visitas
IHVH (IAHUAH) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 42565 Visitas
Sem - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 41832 Visitas
NÃO ERA NADA - Alexsandre Soares de Lima 40768 Visitas
Pensamento 21 - Luca Schneersohn 40411 Visitas
Os Morcegos - Nato Matos 40114 Visitas
Guerra suja - Roberto Queiroz 39982 Visitas
O Trenzinho - Carlos Vagner de Camargo 39948 Visitas
A PRAIA DO PROGRESSO - Rosângela Barbosa de Souza 39756 Visitas
MILA, A MENINA QUE MORAVA DENTRO DE UM COGUMELO - Saulo Piva Romero 39718 Visitas

Páginas: Próxima Última