Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
O desabrochar do Nacionalismo
Flora Fernweh

O movimento nacionalista nasceu a partir de ideais propagados pela Revolução Francesa, e consistiu em uma série de reações advindas de um sentimento de comunidade e identidade histórica partilhada entre um povo. Do ponto de vista político, o Nacionalismo reverberou na consolidação de Estados-nação pioneiros em solo europeu, que a partir de então, surgiram como resultado de elementos em comum entre os habitantes de um território. No campo econômico, o Nacionalismo contribuiu com uma expressiva diferenciação de classes, cuja análise se acentuará ainda mais com a publicação de pensamentos de teóricos como Karl Marx, Friedrich Engels, Mikhail Bakunin e Piotr Kropotkin. Já ideologicamente, o Nacionalismo significou a união entre grupos sem ignorar os consequentes conflitos territoriais e divergências de pensamento, que também se manifestam no âmbito econômico do estudo sobre o Nacionalismo. Como exemplos historicamente referenciados, estão os movimentos separatistas e guerras como a Austro-Prussiana e a Franco-Prussiana.

As teorias desenvolvidas no período são frequentemente acompanhadas por um olhar racista e estigmatizado por crenças de peso antropológico em relação à superioridade que um determinado povo estabelecia sobre o outro. Permeadas por adjetivações positivas diante dos “grandes feitos dos brancos”, em uma perspectiva eurocêntrica, como se evidencia em frases que exaltam “os extraordinários progressos da civilização europeia”, no notável juízo de valor que considera os negros, um povo fraco e retardatário, submetido a uma administração branca e supostamente inteligente. Ideais preconceituosos imbuídos em sua respectiva visão de mundo se consolidaram grandemente a partir de unificações de antigos reinos que agora se deparavam com o ímpeto da unificação proposta como uma das mais concretas eclosões do sentimento de nação. Soma-se a isso, a visão colonizadora sobressalente, no contexto de um florescer industrial e tecnológicos cuja primavera provisória demandaria mão-de-obra, que seria sobretudo, negra.

De forma análoga à inauguração europeia do sentimento de pertencimento suscitado em revoluções, desabrochares de movimentos de cunho liberal e primaveras de povos, diversos outros grupos humanos que posteriormente seriam conquistados pelos brancos colonizadores, mantinham entre si relações de unificação em torno de práticas comuns, bem como de fragmentação diante de rivalidades inerentes à organização de uma sociedade. Contudo, o atraso histórico, político, intelectual e econômico através do qual a ideologia eurocêntrica encarava todo aquele organismo pensante considerado exterior, desconhecido e selvagem, foi um dos fatores-chave que culminou nas mais diferentes expressões de preconceito do branco frente ao negro ou ao indígena, e que persiste em concepções arraigadas de uma época já quase imemorial, pelo menos para o branco, até o momento contemporâneo. São incontáveis os argumentos aos quais o povo europeu, tão pouco miscigenado em sua heterogeneidade, recorreu no decorrer dos tempos com o intuito de justificar o injustificável: a violência, a opressão, a indução da discórdia e a escravidão e suas vertentes. Ademais, o ponto nevrálgico da ascensão nacionalista, que desestabilizou o mais poderoso dos continentes na determinada conjuntura histórico-social com os respectivos reflexos ao redor do globo, será um fator chave para a eclosão de dois grandes eventos do século XX, no qual os frutos dos movimentos nacionalistas se encontrarão em sua fase mais madura, saturada e exacerbada: Primeira e Segunda Guerras Mundiais.


Biografia:
Sobre minha pessoa, pouco sei, mas posso dizer que sou aquela que na vida anda só, que faz da escrita sua amante, que desvenda as veredas mais profundas do deserto que nela existe, que transborda suas paixões do modo mais feroz, que nunca está em lugar algum, mas que jamais deixará de ser um mistério a ser desvendado pelas ventanias. 
Número de vezes que este texto foi lido: 33871


Outros títulos do mesmo autor

Artigos A escrita é o novo divã Flora Fernweh
Contos Reflexão: ENEM 2020 Flora Fernweh
Haicais Parto Flora Fernweh
Artigos Moradia e acessibilidade Flora Fernweh
Contos Em prol da humanidade Flora Fernweh
Artigos Autoeficácia na gerontologia Flora Fernweh
Contos Efeito tóxico Flora Fernweh
Poesias Desangústia em ói maior Flora Fernweh
Artigos Análise da Marselhesa e da obra A Liberdade guiando o povo Flora Fernweh
Poesias Educação em pregos Flora Fernweh

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 195.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
viramundo vai a frança - 55413 Visitas
Sem - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 46259 Visitas
IHVH (IAHUAH) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 44247 Visitas
NÃO ERA NADA - Alexsandre Soares de Lima 42901 Visitas
Pensamento 21 - Luca Schneersohn 42268 Visitas
Os Morcegos - Nato Matos 42143 Visitas
O Trenzinho - Carlos Vagner de Camargo 42132 Visitas
Guerra suja - Roberto Queiroz 41796 Visitas
MILA, A MENINA QUE MORAVA DENTRO DE UM COGUMELO - Saulo Piva Romero 41701 Visitas
Solidão que nada - Morgana Bellazzi de Oliveira Carvalho 41665 Visitas

Páginas: Próxima Última