Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Sara Punida
Bia Nahas

Sara tenta esquecer o que aconteceu, mas não é possível porque as lembranças estão na sua mala como roupas amarrotadas.
As roupas dão indício do que fez e de onde esteve.
Mas a mala está trancada.
Ninguém pode saber...
Sara não contou diretamente para ninguém o que aconteceu por puro receio do que pudessem dizer.
Com certeza, a julgariam e não a entenderiam, mas é a verdade: Sara viu a morte...
As roupas dela estavam encharcadas de angústia ou culpa. Sim... Seria possível?!
Podem-se dizer e ver que as roupas dela estavam encharcadas do sangue que escorria do seu braço auto-mutilado, violentado, punido por agir... Afinal, quando errava, merecia ser punida... e por ser quem é também... tão insuficiente...
Mas Sara só conseguia ver que estava encharcada de angústia ou culpa.
Sara tentou se matar e chegou a ver a morte de muito perto.
Ela guardou no armário do seu quarto escuro seu segredo numa mala trancada sem falar para ninguém pela vergonha de confessar seu desejo de se matar.
Sara via as fotos do seu passado com cor de gris...
Desde o ocorrido, Sara pendurou na porta do seu armário fotos pretas do futuro desconhecido. Fotos pretas de amigos e amigas sem rosto. Fotos pretas de momentos com a família ... Fotos pretas de novos amores... Fotos pretas de planos que poderia vir a realizar... Fotos pretas de novos aprendizados... Fotos pretas que escondem outras possibilidades.
O medo do desconhecido é latente e gritante. Além disso, Sara também sentiu, sem querer assumir, um vislumbre do que parecia ser uma curiosidade...
Mas com a possibilidade de continuar sendo machucada e decepcionada, Sara não quis ver essas fotos no futuro com mais cor. Sara não quis experimentar porque para ela a angústia era o mesmo do que a culpa. Não conseguia ver a possibilidade de se sentir frustrada ou angustiada sem tanto remorso ou culpa por como agiu ou se sentiu porque ela não se permitia experimentar coisas novas e por vezes se entristecer e/ou se alegrar com elas.
As fotos permaneceram escuras na porta do seu armário...
Com roupas encharcadas de uma profunda angústia ou culpa, agora o coração de Sara estava mutilado, sangrando, punido por sentir...


Biografia:
Oi, gente! Sou a Bia. Tenho 22 anos. Moro em São Paulo capital. Estou fazendo faculdade de psicologia. Cada poema é muito especial e único, pois expresso alguma inquietação social ou pessoal. Faço encomendas de poesias. Quem quiser me conhecer, será um prazer. Mande um e-mail que eu respondo. Email para contato: nahasbeatriz@gmail.com Meu blog pessoal de poesias: www.rumoaminhamente.blogspot.com.br Twitter: @Bia__Nahas
Número de vezes que este texto foi lido: 263


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Um Cara Na Portab Bia Nahas
Poesias No Tengo Más (espanhol, português e inglês) Bia Nahas
Poesias Ilusão Estúpida Bia Nahas
Poesias Doida por Você Bia Nahas
Poesias Verme Enfermo Bia Nahas
Poesias Uma Palavra Secreta Bia Nahas
Poesias Barco à Deriva Bia Nahas
Poesias Ao Som do Tango Bia Nahas
Poesias Quarto Escuro Bia Nahas
Poesias Invisível Fantasma Bia Nahas

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 345.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 69551 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 55949 Visitas
IHV (IAHU) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 48663 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 44682 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 44322 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 43941 Visitas
viramundo vai a frança - 43373 Visitas
Amor e Perdão - Amilton Maciel Monteiro 43298 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 41952 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 41578 Visitas

Páginas: Próxima Última