Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Corinthians X Palmeiras
Rafael da Silva Claro


Atenção: o primeiro parágrafo deste texto contém ironia, muita ironia.

Corinthians e Palmeiras vão se enfrentar novamente. Em clima de paz e democracia. Não sei se isso é o novo normal (antigo anormal) tão propalado durante a pandemia, ou é a futurologia de boteco “tudo vai ficar bem”. E não é que tudo ficou bem! Antes, os grupos antagonistas iam de encontro; agora, aliados, vão ao encontro. O Derby, que já foi motivo de tensão, tornou-se a festa da democracia. “Vai morrer”, “o pau vai quebrar”, essas ameaças ficaram para trás. Agora, eles contemplam a partida, gentilmente, lado a lado. É, praticamente, a paz mundial.

A “lacrolândia”, a imprensa enviesada e a crônica esportiva -que conhece muito bem o intuito e o comportamento das torcidas organizadas- caíram (ou fingiram cair) nessa. Para começar, achar que aquela marcha de facções era realmente “Pela Democracia”, só mesmo quem teve o cérebro liquefeito pelo coronavírus. Houve, também, quem tentou emplacar a narrativa (mentira) de que as máscaras que as facções usavam eram proteção em vez de disfarce. Teve quem falou “os torcedores estão politizados”, e um jornalista esportivo que arriscou, pra ver se colava, relativizando: “eles, até, doam cestas básicas”.

Voltando para o mundo real, vamos deixar de hipocrisia. O embate, confronto, guerra terá o estádio vazio (somente com os retratos dos torcedores). “Normalmente”, o clássico teria torcida única, senão os caras se matariam.

A verdade é que com o tédio, trazido pela quarentena e a consequente interrupção do futebol, as torcidas organizadas, sem ter o que fazer ou quem espancar, resolveram brincar de manifestantes pela democracia. Vendo que isso pegou bem, deu um verniz social - àqueles que apenas eram vistos como arruaceiros- e a imprensa “passou um pano” (fingiu que acreditou), as torcidas capitalizaram as falsas manifestações como uma rara oportunidade de ressignificar sua imagem. Com esse interesse em comum, e a abstinência de jogos e porrada, os torcedores tentaram emplacar a espúria intenção. Apesar da ajuda, não colou.

Quarta-feira a disputa é sem torcida. Assim, é garantida a utopia da “paz nos estádios”. Que vença o melhor, desde que seja o Corinthians.


Biografia:
Ensino secundário completo. Trabalhei em várias empresas, fora da literatura. Tenho um blog, onde publico meus textos: “Gazeta Explosiva” Blogger
Número de vezes que este texto foi lido: 33828


Outros títulos do mesmo autor

Ensaios Eis o malandro na praça outra vez Rafael da Silva Claro
Crônicas São Paulo 467 - “Non ducor, duco” * Rafael da Silva Claro
Ensaios O Novo Normal Rafael da Silva Claro
Ensaios Guia Politicamente Incorreto da Pandemia Rafael da Silva Claro
Ensaios Na pressão Rafael da Silva Claro
Ensaios Nadando de braçada Rafael da Silva Claro
Ensaios Dois Papas Rafael da Silva Claro
Ensaios O Clarividente Rafael da Silva Claro
Ensaios Polícia e ladrão Rafael da Silva Claro
Crônicas Retrospectiva 2020 Rafael da Silva Claro

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 86.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
viramundo vai a frança - 56294 Visitas
Sem - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 46814 Visitas
IHVH (IAHUAH) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 44290 Visitas
NÃO ERA NADA - Alexsandre Soares de Lima 43200 Visitas
Pensamento 21 - Luca Schneersohn 42592 Visitas
O Trenzinho - Carlos Vagner de Camargo 42483 Visitas
Os Morcegos - Nato Matos 42401 Visitas
Guerra suja - Roberto Queiroz 42067 Visitas
MILA, A MENINA QUE MORAVA DENTRO DE UM COGUMELO - Saulo Piva Romero 42007 Visitas
Solidão que nada - Morgana Bellazzi de Oliveira Carvalho 41986 Visitas

Páginas: Próxima Última