Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Holocausto dos Pacientes Indigentes
Bia Nahas

Resumo:
*Poesia inspirada no Livro "Holocausto Brasileiro" de Daniela Arbex.

Os loucos devem ser marginalizados
Para a segurança dos bem comportados.
Os loucos devem ser como bichos tratados
Pela razão e instinto estarem descontrolados.

Os loucos devem ser levados
Por trem a um lugar especializado
Já que não se sabe o que fazer
Com quem faz o que a sociedade querer esconder.

Negros, alcoólatras, Necessitados,
Putas, gays, alejados,
Devem subir no trem para o manicômio
Como num holocausto mórbido.

Lobotomia ou solitárias para quem não obedecer,
Dopa ou castigos físicos quem se enfurecer
Já que devem aceitar serem um zumbi
que não tem roupa, não come, não sente nem sorri.

Um por um desce do trem
Pensando que vão ter uma saúde do bem,
Mas só são punidos
Por não serem pela sociedade bem vistos e entendidos.

Categorizar um doente mental
Pelo que seja normal
Pode ser perigoso em vários níveis
justificando tratamentos tão insensíveis...

O respeito se vê por trás das minhas ironias
Que, durante tanto tempo no Brasil, era o pensamento que prevalecia.
Cadê a humanização? O que há por trás da raiva?
Cadê o coração? O que há por trás de uma lágrima?

O precário tratamento
sem considerar a subjetividade do sujeito
Provocou tanto sofrimento
E tantas vítimas mortas sem nenhum desmerecimento?

Os comportamentos que prejudicam o social convívio
Devem ser devidamente revistos
E não serem vendidos por lucro
às universidades de medicina pelo mundo.

Os psiquiatras, psicólogos e médicos estão cada vez mais avançados
e o tratamento à sociedade procura ser mais humanizado,
Pois agora procuram ver o paciente como sujeito social na sua vida
E não um número a mais sem mais identidade nem autonomia.

Se hoje a saúde tenta buscar
um físico, social e mental bem-estar
com o respeito a subjetividade de cada sujeito
é graças a essa história marcada de sofrimento
ter sido elaborada por alguém e de algum jeito.

Você pode fechar os olhos e a mente, mas é a realidade...
Os serviços ainda tem muito o que evoluir na verdade,
mas dizer que não evoluiu é negar o sofrimento de tantas vítimas
que foram tratadas com tanta crueldade e injustiça!

O trem da loucura levou muita gente
Que assim que embarcava, se tornava um indigente doente
De um holocausto que não tinha mais como sair
A não ser como morto já que a anormalidade tinha só valor assim...




Biografia:
Oi, gente! Meu nome é beatriz nahas.Tenho 20 anos. Sou de São Paulo capital. Estou fazendo faculdade de psicologia. Cada poema é muito especial e único, pois expresso alguma inquietação social ou pessoal. Faço encomendas de poesias. ´E só me pedir por email que será um prazer fazê-la. Email para contato: nahasbeatriz@gmail.com Meu blog pessoal de poesias: www.rumoaminhamente.blogspot.com.br Twitter: @Bia__Nahas
Número de vezes que este texto foi lido: 12


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Sondagem no Amor Bia Nahas
Poesias Sou índio com Orgulho Bia Nahas
Poesias Sempre no Peito Bia Nahas
Poesias Holocausto dos Pacientes Indigentes Bia Nahas
Poesias Escada Rumo ao Olimpo Bia Nahas
Poesias Vendados Olhos Bia Nahas
Poesias Herói Bia Nahas
Poesias Beijo Sensível Bia Nahas
Poesias Querido Anjo da Guarda Bia Nahas
Poesias Essa Criança Perspicaz Bia Nahas

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 192.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 35956 Visitas
Amores! - 29549 Visitas
Desabafo - 29415 Visitas
PSICOLOGIA E DIREITO - Francisco carlos de aguiar neto 29064 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 29012 Visitas
Faça alguém feliz - 28870 Visitas
Vivo com.. - 28739 Visitas
viramundo vai a frança - 28566 Visitas
MENINA - 28535 Visitas
eu sei quem sou - 28512 Visitas

Páginas: Próxima Última