Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
O níquel
LUIZ CARLOS SOUZA SANTOS

O Níquel
     Foi-se o tempo que muitos diziam aquele ditado antigo: ’’Tô sem um níquel no bolso’’. Eles nem sonhavam que por debaixo daqueles cacaueiros, havia um minério de grande valor econômico. Agora os jornais estampam: níquel, elemento metálico de número atômico 28, usado em ligas. A moeda, um simples objeto de nosso cotidiano é feita com esse metal. Perplexa, a população Itagibense dizia em som uníssono: o progresso vai voltar ao nosso município; desde a crise do cacau com a vassoura de bruxa não se via as pessoas comentando sobre tal fato, com tanto entusiasmo. Itagibá que vivia na sua grande maioria com seus cidadãos trabalhando na prefeitura e no comércio, via ali uma saída para aquela estagnação que assolava o município há mais de quinze anos.
     Carros de outros estados, pessoas com sotaques não familiares, homens com uniformes marrons, aos poucos aquela cidade pacata retomava novamente o ritmo da época do cacau. O comentário chegava aos quatros cantos da cidade: é trabalho para mais de mil homens. As ruas próximas ao setor de recursos humanos eram impenetráveis, com tantas pessoas em busca de emprego.
     A exploração começou. Milhares de homens foram contratados; a cidade e a região obtiveram momentos inesquecíveis; o progresso enfim, voltara a Itagibá. Doce quimera foi o que falavam os pessimistas. E realmente foi com o passar dos tempos. Aos poucos a cidade foi voltando ao seu ritmo normal; agora a pergunta que se faz é o que a região ganhou com o níquel? Muitos dizem que certamente essas moedinhas que o governo federal lançou é matéria-prima Itagibense. Não se sabe. O que sabemos é que Itagibá realmente mudou. Não com infra-estrutura, empreendimentos ou economicamente. O que se sabe é que quando olhamos em direção ao norte de nossa cidade não encontramos mais aquele monte que servia para darmos a previsão se iria chover ou não. O que realmente intriga a nós itagibenses é quando olhamos para o norte de nossa bela cidade, sentimo-nos sem norte. Homens vieram como gafanhotos e tiraram o que realmente nem sabíamos o que era. Alguns dizem que era uma coisa chamada níquel.

LUIZ CARLOS SOUZA SANTOS


Biografia:
-
Número de vezes que este texto foi lido: 35271


Outros títulos do mesmo autor

Contos Cabo é cabo Luiz carlos souza santos
Poesias O palhaço Pagliacci Luiz carlos souza santos
Contos Lázaro e a Caipora Luiz carlos souza santos
Contos O clamor por um representante, que os represente Luiz carlos souza santos
Contos Combater o inimigo que mora ao lado Luiz carlos souza santos
Contos Seu Menelau Luiz carlos souza santos
Contos VIDA DE RECRUTA Luiz carlos souza santos
Crônicas Lembranças da caserna Luiz carlos souza santos
Contos A abordagem policial Luiz carlos souza santos
Contos Um conto que não vale um conto Luiz carlos souza santos

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 30.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
Se eu pousar no teu peito... - johnmaker 46437 Visitas
A Sombra e a Escuridão - johnmaker 44356 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 43876 Visitas
A Profecia Lírica Do Fim Do Meu Tempo - johnmaker 43746 Visitas
ENCONTRO DE ALMAS GENTIS - Eliana da Silva 43745 Visitas
Coisas - Rogério Freitas 43738 Visitas
O Cônego ou Metafísica do Estilo - Machado de Assis 43737 Visitas
Arrastando uma asa... - johnmaker 43735 Visitas
Jazz (ou Música e Tomates) - Sérgio Vale 43731 Visitas
Na caminhada do amor e da caridade - Rosângela Barbosa de Souza 43723 Visitas

Páginas: Próxima Última