Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Parceiros pelos pares de pênis
Sergio Ricardo Costa



(Que calçam um no outro)
Tentam evitar peito contra
Peito, num abraço de urso,
                           Que o ar escape
(É a centésima-oitava vez hoje).

É a centésima-oitava tropa de ataque.

Mas não atacam nada,
Brigam apenas
Entre si
                                    {N vezes}
Perdidos seus valores morais,
Bem no alvo e
Breno Alves quer se arrepender,
                                    Só por hoje,
Da formalidade hermética
          E sua cega confiança
No tom formal (como
Se possível um tom formal)

E embrenhar-se

Familiar, na palma da mão
Sozinha
E uma vez solto à noite remota,
Faz sentido ser uma pessoa
Caprichosa (por pouco dia tão longo) e, mesmo
Líquido, um consórcio de dor,
Distrair o amigo
— Espião contra outro — o engana
Com sorrisos, punhais...

Requer competência
A traição: mais arte, ou ciência, e, em certo
Grau, mais vida que honra.

Certeiros pelas dúzias de tiros que acertam
Um no outro,
Mortos e a seguir feito
Pedras frias procurando palavras,
Estão à mesa,
Sempre os mais calmos entre os dois, nunca
Saberemos qual morre antes do outro: é
Como as tesouras — fecham,
Trabalham juntos
Uma vez mais, distintos,
Fidalgas finas máscaras,
Fazem as pazes
Com sorriso hermético e nenhum outro ente
Mesmo poderia supor que não fora nada,

Se amanhã vão notá-los mais sujos,

Mais imundos por dentro e mesmo mais finos

Indo ao politburo

Trair o amigo —
Dessa vez — só — por medo.

Parceiros pelas bolas de ferro que arrastam,
Kamenev, amigo de Leon, diz agora,
Que... Zinoviev levou Vladmir ao cofre,
E, amanhã, vão notá-los mais ricos
                               (Que na véspera) ...

E, hoje, mesmo os mais loucos
Vão pouco a pouco sendo enforcados
                                                         Pelos
Dias de caos que amigos
Prenderam pelos pés.

                     Camarada
Pavlov
Convenceu mais dois cães que não ter calma é coisa
Fácil para eles, morder quem abrir a porta,
Confundir cada dor e só isso
Deveriam fazer valer bem de acordo
Com que algum ser humano um dia traga
Mais e mais a resposta;
Parceiros pelos ferros em brasa em que sentam,
Wang Hongwen, amigo de Zhou Enlai, diz agora,
Que... Zhang Chunqiao levou Yao Wenyua à cela
E, amanhã, vão notá-los mais tortos
                               (Que na véspera) ...

E, hoje, mesmo os mais velhos
Vão pouco a pouco sendo roídos
                                                 Pelos
Dentes do cão, que outrora
Lambia a mão que o espanca até hoje e consegue
Seu almoço
À mesma proporção desde aquela
Época.

E completa a cegueira e conquista o mundo
Através disto e,
Só porque dorme,
Já então se transforma em carne moída
Para o almoço e é outra rodada, o ciclo
Outra vez dado aos seres.

Parceiros pelos clãs de leões assassinos,
Têm às suas ordens, hachichins cor de sangue,
Há o que carrega com eles depois de morta
Multidão, seja sempre bom nisso;
Olhos maus, o terceiro membro que veio
Juntar-se à seita com doces olhos parvos:
Superman, Bruce Wayne,
Amigos, dois heróis, talvez os personagens
Igualmente habitem o Leblon, não mais Gotham
City, nem Metrópoles.

Cem uniformes tanto
Quanto não mais tão úteis, dois lixos
Pelo bairro dos bichos, homem sem braço,
Homem sem rego, mãos de ferro e o pelego,
Vem e vão, vão e voltam,
Playboys não mais ocultos a cada momento
Pelo mundo afora e infeliz, louco e muito
Drástico, o abraço de urso conquista os homens,
Mas não é muito bom, por fim, dar-se
Convencido do touro como destino,
Conspiração da pólvora, crua ânsia,
Quem perdeu sua crença. 


Biografia:
-
Número de vezes que este texto foi lido: 209


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Há mais tormentos em ser que em esperar Sergio Ricardo Costa
Poesias No silêncio milenar Sergio Ricardo Costa
Poesias Parceiros pelos pares de pênis Sergio Ricardo Costa
Poesias Restrições em concluir Sergio Ricardo Costa
Poesias Alma, esta coisa suja protegendo os corpos Sergio Ricardo Costa
Poesias Pano, linha, pano... Sergio Ricardo Costa
Poesias Nem sei que o mundo Sergio Ricardo Costa
Poesias A aproximar-se se desfaz Sergio Ricardo Costa
Poesias É como dor que a flor cresce Sergio Ricardo Costa
Poesias A cor do eu acordou em mim Sergio Ricardo Costa

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 208.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2018
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 185719 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 164428 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 163940 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 130838 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 117947 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 81161 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 69998 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 65241 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 60563 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 55938 Visitas

Páginas: Próxima Última