Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
UMA VIDA PROPAROXÍTONA
Sérgio Clos

Que linda palavra: PROPAROXÍTONA
E o que quer dizer tal vocábulo? É aquela palavra que tem sua tonicidade na antepenúltima sílaba. A gente pronuncia com mais intensidade. Leva acento. Depois dela na sequência têm sempre duas átonas, fraquinhas ao se pronunciar.
Nosso idioma é uma coisa complexa.
Algumas palavras têm relação com a vida de alguns viventes.
Uma vida proparoxítona tem sua intensidade maior na idade adulta e, depois na envelhescência e na última fase (a derradeira) muito de fraco aparece.
É complicado quando se quer uma vida oxítona, acentuando na última fase. Nem sempre dá certo. Às vezes tropeçamos nas palavras iguais e confundimos tudo, principalmente quando aparece um malabarista de palavras: “Quando eu passo pelo paço lembro-me do meu passado. Quando meço com compasso os passos que dou no paço, eu passo e vou andando passo a passo. Na mente são passadas no meu passado. Depois de ali passar o paço passa pra memória onde também passeio no meu passado”.
Talvez a vida paroxítona, que antecede a última fase, seja a mais tranquila. A maioria das palavras é paroxítona. É tão comum que parecem insossas.
Vidas paroxítonas e insossas têm aos borbotões.
Vidas oxítonas, com intensidade na derradeira fase, esbarram no corpo debilitado pela idade.
Tornar a vida paroxítona em proparoxítona tem um mecanismo simples.
Palavras paroxítonas que parecem proparoxítonas são as mais belas.
Exemplo: ritmo, aspecto, família, envelhescência, paciência, etc.
Depois do escrito vale um dito com palavras paroxítonas tornar a VIDA PROPAROXÍTONA MAIS OXÍTONA EM TODAS AS SUAS FASES:
No RITMO da ENVELHESCÊNCIA urge que a FAMÍLIA tenha PACIÊNCIA em ASPECTOS de RELEVÂNCIA da terceira idade. Pra encerrar:

A POÇA
A cada dia que eu posso.
Eu vejo.
Quando não vejo no poço.
Talvez possa no poço do desejo.
Minha face destemperada.
Na beirada do poço, eu possa.
Olhar na poça rasa da rua.
Minha face nua e crua.
Não importa.
Se eu posso, ou possa na poça.
Se na poça, no poço eu possa.
Melhor poço do que fossa.
Estou triste e na fossa.
Ou fitando na poça.
Minha face de fossa.
Na poça do poço eu posso.
Sérgio Clos


Biografia:
Cronista e articulista. 64 anos
Número de vezes que este texto foi lido: 212


Outros títulos do mesmo autor

Crônicas ABANDONO FUNCIONAL Sérgio Clos
Crônicas REFUGIADOS Sérgio Clos
Crônicas QUARTA IDADE Sérgio Clos
Crônicas ESTOU ENTRANDO EM GREVE! Sérgio Clos
Crônicas UMA VIDA PROPAROXÍTONA Sérgio Clos
Crônicas O PRECONCEITO Sérgio Clos
Crônicas ADMIRÁVEL NOVA TECNOLOGIA Sérgio Clos
Crônicas MEU AGRADECIMENTO Sérgio Clos
Crônicas REUNIÃO DE EMERGÊNCIA Sérgio Clos
Crônicas O SÍTIO DA MINHA TIA Sérgio Clos

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 79.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2018
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 185698 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 164401 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 163893 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 130810 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 117927 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 81140 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 69977 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 65204 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 60536 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 55917 Visitas

Páginas: Próxima Última