Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
SEDUZIR A PRÓPRIA MORTE
Tânia Du Bois


“... No caldeirão / do mundo / fazer a receita da vida: / beber a por(r) ação: // a pomba da paz” (José Eduardo Degrazia)


     Ninguém sabe como vivo na solidão, tramando a unidade, sofrendo saudades, desenhando palavras tristes e andando na contramão da vida. Dessa maneira, trago presente a vontade de seduzir a própria morte. Com ela descubro uma força estranha, sem ritmo e compasso, que arquiteto na mente e, em silêncio, exercito o meu desejo como algo diferente, um paradigma para rotular a morte ao cumprir meu papel no mundo. José Eduardo Degrazia retrata, “... A voz / desconexa / a dor / ancestral”.
     Assumo como incontestável o fato de que posso seduzir a própria morte, porque ela me faz pensar o quanto vivo para lembrar as cores e os impulsos latentes da vida; o quanto de lágrimas derramadas, que o cotidiano me perturba e desespera ao caminhar pelas margens, mostrando a minha sombra sem reticências. Degrazia reflete, “... em cada passo / fica um ano / devorado / afogado no tempo / quem continua a caminhada?”
     Desejo a própria morte, quando busco motivos alegres nas lições da vida e não os encontro, apenas, vivencio sinais de novo tempo, onde a expectativa de viver é representada pelo dinheiro e não pela liberdade. Segundo Gilberto Mendonça Teles, “... Todos os dias, meu amor / alento / o desespero de ficar, sentindo / que o absoluto da vida tem seu preço...” . Em nome do desejo sacrifico-me mais do que necessito, o que faz de mim apenas a sombra de um livro fechado.      Momento em que penso parar, num modo de me afastar da vida, pois perco o rumo quando resta apenas o consumismo, que é caminho sem volta, onde o Ter acaba com o espaço do Ser e, ainda, me arrasta com queixas de falta de tempo para o lazer; sorrateiramente, a solidão chega para ficar. Caminho sem luz, que evita as coisas simples da vida e não dá importância ao que merece, causando acidentes no percurso.
     Lembro Maria da Penha, “brasileira que lutou por 20 anos para ver preso o ex-marido, que tentou matá-la duas vezes. Por causa da demora da justiça em condená-lo, a Organização dos Estados Americanos puniu o Brasil por negligência à violência doméstica e recomendou a criação de uma lei para o tema – em vigor desde 2006”.
     No meu delírio penso a morte como destino, o que me torna parecida na necessidade de buscar justiça neste mundo em descompasso com o tempo; ainda em José Degrazia, “... Somos o trem / da morte / mochila de sonho / às costas. // Sabemos do voo do condor”. Quanto mais penso em seduzir a minha morte, mais aumenta a profundidade do abismo e diminuem meus medos e princípios.
     De repente, o tempo parece não ter sentido. Não é comum dar uma pausa na vida. O que quero dizer é que comparando ao que já vivi, a perda presente é desafio e, isso, não me permite respirar calmamente, nem voltar a fazer as coisas no meu ritmo, o que produz em mim o efeito sedutor da morte como ousada decisão em forma de interrogação.
     A questão é que esse assunto se tornou o meu refúgio ao me distanciar da realidade e ver a vida em imagem distorcida. É importante mostrar que minha escolha é reflexiva numa opção sem culpa. Inocêncio de Melo Filho retrata, “O homem encontra a morte / Ou a morte encontra o homem? / Sento-me na minha cadeira de balanço / Com esta indagação. / Adormeci com várias palavras / Que não teciam uma conclusão / Acordei com as costas doendo. / Balanço-me na cadeira / A indagação foi e veio / Só não veio a resposta...”


Biografia:
Pedagoga. Articulista e cronista. Textos publicados em sites e blogs.Participante e colaboradora do Projeto Passo Fundo. Autora dos livros: Amantes nas Entrelinhas, O Exercício das Vozes, Autópsia do Invisível, Comércio de Ilusões, O Eco dos Objetos - cabides da memória , Arte em Movimento e Vidas Desamarradas.
Número de vezes que este texto foi lido: 139


Outros títulos do mesmo autor

Artigos PARCEIRA DO TEMPO Tânia Du Bois
Artigos EM PASSOS PESSOAIS Tânia Du Bois
Artigos AUTÓGRAFOS Tânia Du Bois
Artigos SEDUZIR A PRÓPRIA MORTE Tânia Du Bois
Artigos Papel & Imaginação Tânia Du Bois
Artigos A CASA Tânia Du Bois
Artigos BATE bate CORAÇÃO Tânia Du Bois
Artigos LIVROS E LOMBADAS Tânia Du Bois
Artigos MAL de AMOR Tânia Du Bois
Artigos NA LINHA DO TEMPO: Solha & Mulheres Notáveis Tânia Du Bois

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 320.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2018
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 185073 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 162961 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 160641 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 130267 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 117354 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 76469 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 69475 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 63801 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 59781 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 55325 Visitas

Páginas: Próxima Última