Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Na alma
Sergio Ricardo Costa




Entro de cabeça,
                                    Espiroqueta
Na minha própria Guiné abissal:
Primitivo continente,
Definitiva caravana.

E quantos métodos expostos ao perigo
E quantos métodos,
Quanta ilusão,
Sinto em mim o que nem sinto

?

E se, parece,
Não careço,
Cansado, deito e um dia, de repente
Desperto e choro.

Na alma a pior
Lei, o eu mímico,
Justo e
Bem acertado,

Se recusa:

Pensava livre além na alma
Querer nada da alma
                            Burra
E você,
Só porque
Vive entre a euforia
De quem,
Querendo,
Não queria.

Cruzava um vasto continente de um futuro
                                                               Perdido
Em bons tempos, velho país
Que não há, retorno à casa
E, se parece, não pareço
Ser eu,
Sou seu irmão
                         Apenas presumido,
Surgindo hoje dos ventos do mar.

Continuo sendo o mesmo
Enigmático sujeito,
Talvez não só o irmão agora revelado

Bastante rústico (e sempre vou ser),

Mas o saldo de dez mares
Que me trouxeram carregado
De mortes, alma só, tão próxima,
                                           Da alma
À lama e disso não vou me livrar,
Simplesmente abandonando
O meu desanimo de mundo
Em cada lágrima pousada sobre a terra,
Morrer e disso não se vai livrar
De mim,
Mesmo sendo alma
Inseparável.

Objeto
Que anda e para; um aflito adeus que amigos
Vieram dar, contra um só e nenhum
De mim mesmo, tendo calma
Vai consentir sacrificar-se
Por tanto mar, outra vez à deriva
Profunda máquina fora de si,
Alma mole feito pedra

Armadura feita em pedra,

Prova que dá do que afirma,
Afaga estrelas, por acaso, pois tratava,
Alegre, os dias secretos que não
Recusava à existência:
Prossegue agora simplesmente
Buscando alívio e algum sentido, mais parece
Está deserto e o que diz a você
Admite a existência
Com estratégias divergentes
Da própria vida:
Reapareço por momentos!

E, pura, a força, define algum ser
Através de minha luta,
Enquanto finjo que não morro.


Biografia:
-
Número de vezes que este texto foi lido: 27857


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Há mais tormentos em ser que em esperar Sergio Ricardo Costa
Poesias No silêncio milenar Sergio Ricardo Costa
Poesias Parceiros pelos pares de pênis Sergio Ricardo Costa
Poesias Restrições em concluir Sergio Ricardo Costa
Poesias Alma, esta coisa suja protegendo os corpos Sergio Ricardo Costa
Poesias Pano, linha, pano... Sergio Ricardo Costa
Poesias Nem sei que o mundo Sergio Ricardo Costa
Poesias A aproximar-se se desfaz Sergio Ricardo Costa
Poesias É como dor que a flor cresce Sergio Ricardo Costa
Poesias A cor do eu acordou em mim Sergio Ricardo Costa

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 208.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 29596 Visitas
Amores! - 28210 Visitas
Desabafo - 28191 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 28107 Visitas
Faça alguém feliz - 28066 Visitas
PSICOLOGIA E DIREITO - Francisco carlos de aguiar neto 28058 Visitas
aliens - alfredo jose dias 28043 Visitas
christine - alfredo jose dias 28016 Visitas
Vivo com.. - 28013 Visitas
Vocabulario nipo-brasileiro (UDONGE) - udonge 28007 Visitas

Páginas: Próxima Última