Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Soldado
Erick de Oliveira

A infantaria com cerca de 6 homens estava cercada atrás de pequenos muros construídos rapidamente com terra e madeira, balas choviam de todos os lados. Todos os soldados estão segurando suas armas com força e agachados por dentre a terra, esperando que em algum momento o tiroteio cessasse e eles pudessem correr em direção a segurança, eles sabiam que isso não seria possível.
– Temo não conseguirmos prosseguir daqui em diante companheiros. – Ele coloca a arma para cima e começa a atirar mesmo agachado. Obviamente não mirava em nada só atirava na esperança de cessar fogo.
– O que temos ainda?
– 2 Granadas além da munição de nossas armas, tenente.
– Okay façamos o seguinte – O tenente começa a desenhar na areia. – Nós estamos neste ponto aqui, julgando desde a hora que saímos acredito que um dos postos avançados nosso esteja nesta localização aqui – ele desenha um caminho a esquerda dando a volta – acredito que lá teremos os reforços que precisamos. Eles acreditam que nós já estamos mortos depois desse nosso ataque e das minas surpresas, por isso não vieram até nós, então eu, soldado James e soldado William vamos usar as granadas e toda a munição que nos resta para dar caminho para vocês três que são menores que a gente chegar até lá – Ele desenha um ponto no meio do caminho até o posto avançado. – Aqui tem uma fileira de muros mais alta então acredito que vão ter que ir rastejando até lá e depois seguir correndo sempre se espreitando pelo muro. Agora vão!
– Sim Senhor – os três soldados fazem continência apenas com a mão, deixam suas armas e saem em disparada. Os outros três começam a utilizar do armamento e das granadas para tentar dar cobertura para os três.



– Nenhum de nós esperava aquela mina terrestre companheiros – Um Senhor de idade já avançada em uma cadeira de rodas olha com lágrimas nos olhos para 5 túmulos a sua frente, cada um deles com gravura militar, honrando o serviço deles. – Peço perdão... – ele leva um lenço a seu rosto tentando enxugar as lágrimas que não paravam de cair – Sinto que a cadeira de rodas não foi punição o suficiente... queria ter ido com vocês, me sinto culpado aqui, mesmo com vocês dois me falando para continuar andando, sinto que deveria ter voltado e puxado vocês junto comigo...


Biografia:
Erick de Oliveira, 23. Aspirante a autor, nerd, gosta de star wars, animes, mangás, Senjougahara, livros de ficção, Fate, séries entre outras coisas de nerd possíveis.
Número de vezes que este texto foi lido: 245


Outros títulos do mesmo autor

Contos A grande batalha Erick de Oliveira
Contos Preconceitos Erick de Oliveira
Contos Soldado Erick de Oliveira
Contos Paisagem Erick de Oliveira
Contos Sozinho Erick de Oliveira
Contos Juramento Erick de Oliveira
Contos Descobertas Erick de Oliveira
Contos Em um Futuro - 2 Erick de Oliveira
Contos D.I.D. Erick de Oliveira
Contos Dias frios, conversas mornas. Erick de Oliveira

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 18.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2018
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 184883 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 160169 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 159997 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 130108 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 113375 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 75273 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 69337 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 63391 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 59536 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 55143 Visitas

Páginas: Próxima Última