Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
A Obra de Santificação em Si Mesma
John Owen


John Owen (1616-1683)

Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

Santificação é a purificação de nossa natureza da poluição do pecado. É a obra principal do Espírito Santo (Provérbios 30:12; Ezequiel 36: 25-27; Isaías 4: 4; Números 31:23; Malaquias 3: 2, 3).
A obra de santificação ou a purificação de nossas almas pelo Espírito Santo é feita pela sua aplicação da morte e sangue de Cristo a elas (Efésios 5:25, 26; Tito 2:14; l João 1: 7.; Apocalipse 1: 5; Hebreus 1: 3; 9:14). No entanto aos crentes também é ordenado se limparem dos pecados (Isaías 1:16; Jeremias 4:14; 2 Coríntios 7: 1; l João 3: 3; Salmos 119: 9; 2 Timóteo 2:21).
O batismo é o grande sinal exterior da "lavagem interior da regeneração" (Tito 3: 5; I Pedro 3:21), é o meio para a nossa iniciação no Senhor Jesus Cristo e o emblema da nossa fidelidade ao Evangelho. Ele simboliza a purificação interior das nossas almas e consciências pela graça do Espírito Santo (I Coríntios 2: 11).
Há uma contaminação espiritual em pecado. O pecado nas Escrituras é comparado ao sangue, feridas, úlceras, hanseníase, doenças repugnantes e tais coisas más. É do pecado que devemos ser lavados, purgados e purificados. Por causa disso os crentes acham o pecado vergonhoso, e se abominam e têm nojo de si mesmos. Eles se alegram no sangue de Cristo, que os purifica de todo pecado e dá-lhes coragem para se aproximarem do trono da graça (Hebreus 10: 19-22).
A NATUREZA da contaminação do pecado
Alguns pensam que a contaminação do pecado reside na culpa de vergonha e medo. É a partir disto que Cristo nos limpa (Hebreus 1: 3). Alguns pecados têm uma ação especialmente poluente nas almas (I Coríntios 6:18). A santidade se opõe a essa poluição (I Tessalonicenses 4: 3). A poluição do pecado se opõe diretamente à santidade de Deus, e Deus nos diz que sua santidade se opõe à contaminação do pecado (Habacuque 1:13; Salmos 5: 4-6.; Jeremias 44: 4). A santidade de Deus é a infinita perfeição absoluta de sua natureza. Ele é o modelo eterno e padrão de verdade, retidão e comportamento correto em todas as suas criaturas morais. Deus ordena que sejamos santos, assim como ele é santo. Portanto, ele odeia o pecado e a contaminação do pecado que é revelada pela lei.
A lei moral revela a autoridade de Deus, tanto em seus comandos e em suas ameaças. A transgressão produz medo e culpa.
A lei revela a santidade de Deus e sua verdade. Não ser santo como Deus é santo é pecado. O pecador, à luz da santidade de Deus, se vê como sujo e por isso torna-se envergonhado. Adão viu sua nudez e tinha vergonha. É essa imundícia do pecado, que é purgada em nossa santificação, para que, mais uma vez sejamos feitos santos.
Através disso o homem é ensinado a temer a culpa do pecado, a ter vergonha da sujeira do pecado.
Pelos sacrifícios de expiação, Deus ensinou a seu povo a culpa do pecado. Pelos decretos de purificação, Deus ensinou a seu povo a sujeira do pecado. Por essas leis levíticas, sacrifícios e purificações, as coisas internas e espirituais foram simbolizadas. Eles prenunciaram Cristo e sua obra, que trouxe limpeza espiritual real (Hebreus 09:13, 14). Assim, toda a obra da santificação é retratada por “uma fonte aberta para o pecado e a impureza."(Zacarias 13: 1).
A vergonha e a contaminação do pecado
A beleza espiritual e atratividade da alma encontra-se em seu ser como em Deus. A Graça produz beleza (Salmos 45:21). A igreja, adornada com graça, é justa e adorável (Cântico dos Cânticos 1: 5, 6:. 4; 7; Efésios 5:27). O pecado produz manchas e rugas na alma.
É a santidade ser como Deus, que faz com que nossas almas sejam verdadeiramente nobres. Tudo o que é oposto à santidade é baixo, vil e indigno da alma do homem (Isaías 57: 9; Jeremias 02:26; Jó 42: 5, 6; Salmos 38: 5).
Esta depravação ou desordem espiritual, que é a contaminação e vergonha do pecado, se revela de duas maneiras. É revelado pela impureza da nossa natureza que é ilustrada por uma criança miserável, poluída (Ezequiel 16: 3-5). Todos os poderes e habilidades de nossas almas são de nascimento vergonhosa e repugnantemente depravados. De forma alguma eles trabalham para nos fazer santos como Deus é santo. Esta depravação é revelada também pela maldade do nosso comportamento decorrente da alma depravada e corrompida.
O pecado traz a poluição
Seja qual for o pecado, há sempre a poluição com ele. Por isso, é aconselhado por Paulo "purificar-nos de todas as poluições da carne e do espírito" (2 Coríntios 7: 1). Pecados espirituais, como o orgulho, o amor-próprio, cobiça, incredulidade e autojustiça, todos têm um efeito poluente, como fazem carnais e pecados sensuais.
Esta depravação da nossa natureza faz com que até mesmo os nossos melhores deveres sejam considerados imundos (Isaías 64: 6). Cada pessoa que nasce neste mundo é poluída pelo pecado. Mas com pecados atuais existem graus de poluição. Quanto maior o pecado é, por sua natureza ou circunstâncias, maior a contaminação (Ezequiel 16:36, 37). A poluição é pior quando a pessoa inteira está contaminada, como no caso de fornicação. A poluição é ainda pior quando uma pessoa joga-se em um curso contínuo de pecar. Isso é descrito como “chafurdando na lama" (2 Pedro 2:22).
O julgamento final contra os pecadores obstinados os manterá para sempre naquele estado de poluição (Apo 22:11).
Ter uma compreensão clara do pecado e da sua poluição nos ajuda a compreender mais claramente a natureza da santidade.
A limpeza é vital
Onde esta impureza permanece não purificada, não pode haver verdadeira santidade (Efésios 4: 22-24). Onde não há qualquer purificação que seja, nenhum trabalho de santidade já começou. Mas onde a purificação do pecado começou, ela será continuada durante toda a vida do crente. Qualquer que não tenha suas impurezas removidas de suas naturezas são uma abominação ao Senhor (Tito 1:15). A menos que a impureza do pecado seja purgada, nunca pode desfrutar de Deus (Apocalipse 21:27). Ninguém por seus próprios esforços pode libertar-se da poluição do pecado. Ele só pode fazê-lo com a ajuda de Deus, o Espírito Santo. Nenhum homem pode livrar-se do hábito de pecar, nem pode limpar-se da contaminação de seus pecados.
Embora sejamos ordenados a "lavar-nos“, a ”purificar-nos dos pecados“, a ”purificar-nos de todas as nossas iniquidades“, mas imaginar que podemos fazer essas coisas por nossos próprios esforços é pisar na cruz e graça de Jesus Cristo. Tudo o que Deus trabalha em nós pela sua graça, que ele nos manda fazer o nosso dever, é Ele mesmo que opera tudo em nós e por nós. A incapacidade do homem para tornar-se limpo é vista tanto por Jó, quanto por Jeremias (Jó 9: 29-31; Jeremias 02:22).
A lei cerimonial é impotente para purificar
Essas ordenanças da lei cerimonial de Deus dada a Moisés para purgar a impureza não têm em si mesmas realmente poder para purificar as pessoas da poluição dos seus pecados. Elas só purificavam o imundo legalmente. A lei pronunciada à pessoa que tinha apresentado a ordenança purificadora era limpa e apta para participar no culto sagrado. A lei só os declarou limpos, considerando como se tivessem sido realmente limpos (Hebreus 9:13). Mas nenhuma pessoa pelo uso dessas ordenanças realmente pode purificar-se da poluição do pecado (Hebreus 10: 1-4). Essas ordenanças purificadoras cerimoniais sob o Antigo Testamento somente simbolizavam como o pecado deveria ser purgado. Assim, Deus promete abrir uma outra maneira pela qual os pecadores realmente poderiam e, na verdade, ser limpos de poluição do pecado (Zacarias 13: 1).


Este texto é administrado por: Silvio Dutra
Número de vezes que este texto foi lido: 155


Outros títulos do mesmo autor

Artigos Hebreus 3 - Versos 1 e 2 – P4 John Owen
Artigos Hebreus 3 - Versos 1 e 2 – P3 John Owen
Artigos Hebreus 3 - Versos 1 e 2 – P2 John Owen
Artigos Hebreus 3 - Versos 1 e 2 – P1 John Owen
Artigos Santificação, um Trabalho Progressivo – Parte 2 John Owen
Artigos Santificação, um Trabalho Progressivo – Parte 1 John Owen
Artigos Hebreus 2 - Versos 5 a 9 – P3 John Owen
Artigos Hebreus 2 - Versos 5 a 9 – P2 John Owen
Artigos Hebreus 2 - Versos 5 a 9 – P1 John Owen
Artigos Hebreus 2 - Versos 2 a 4 – P4 John Owen

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 105.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2018
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 185121 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 163019 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 160696 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 130299 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 117427 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 76513 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 69508 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 63917 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 59833 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 55368 Visitas

Páginas: Próxima Última